Tributação de investimentos no exterior

//Tributação de investimentos no exterior

Saiba como funcionam os impostos sobre investimentos no exterior para as pessoas físicas residentes no Brasil

A tributação sobre os investimentos no exterior é disparadamente a principal dúvida dos leitores deste site e motivo de boa parte dos e-mails que recebo. Também pudera. Vivemos em um dos países mais complexos e confusos no que se refere a impostos. Serei mais específico: Vivemos no país do mundo em que as pessoas e empresas mais perdem tempo para resolver as questões tributárias. Não é só questão de ser o pior, mas sim ser disparadamente o pior.

Este artigo tentará esclarecer de maneira objetiva e com exemplos como se deve declarar impostos referentes a lucros obtidos com seus investimentos em outros países.

Primeiramente, o simples fato de você enviar uma remessa de valor para o exterior já é um fator gerador de imposto. No caso, é cobrado o IOF (Imposto sobre Operações de Crédito, Câmbio e Seguros), na alíquota de 0,38%.

Imposto de RendaJá em relação aos investimentos propriamente ditos, podemos dividir os impostos em 2 tipos: Impostos sobre ganho de capital e sobre rendimentos/dividendos. Considera-se ganho de capital a diferença positiva entre o valor de venda/resgate e o valor de compra/aplicação de um investimento. Rendimento é a remuneração do capital investido pela pessoa física em ações, REITs, ETFs, etc sob a forma de dividendos.

Impostos sobre o ganho de capital

É o imposto devido quando se vende uma ação, ETF e REIT ou se resgata fundo de investimento. Para cálculo do imposto precisamos saber a origem do recurso que realizou o investimento. Se foi recurso originariamente em reais (aquele que você ganhou no Brasil e converteu em moeda estrangeira ao enviar a remessa para o exterior), ou se foi recurso originariamente em moeda estrangeira (como por exemplo bonificação de ações ou lucro de operações anteriores). O fator gerador do imposto é a venda ou resgate, independentemente da repatriação ou não dos recursos. A tributação neste caso é definitiva. O recebimento de cupons e juros intermediários de aplicações de renda fixa é considerado pela lei como ganho de capital.

O crédito de rendimentos relativos à aplicação financeira, inclusive depósito remunerado, realizada em moeda estrangeira por pessoa física residente no Brasil, implica a apuração de ganho de capital tributável, desde que o valor creditado seja passível de saque pelo beneficiário.

Impostos sobre o ganho de capital – Recursos originariamente em reais

Vamos supor que você fez uma transferência de U$ 10 mil e esse valor foi usado para comprar ações ou aplicado em fundo de investimento. Você deve converter o valor na data da aplicação para reais de acordo com a cotação do dólar fixada para venda pelo Banco Central do Brasil. Não é o dólar no preço que você pagou para enviar, mas sim o preço do dia que realizou o investimento. Sobre a variação cambial, se positiva, e caso o valor permaneça em conta corrente, não há incidência de imposto e essa variação deve ser colocada na declaração anual de IR em “rendimentos isentos e não tributáveis”. Suponha, então, que no dia da compra, o dólar estivesse cotado a R$ 2,50. Ao vender as ações ou resgatar o fundo, vamos dizer que você recebeu U$ 12 mil dólares. Vamos dizer também que a cotação do dólar no momento da venda estava em R$3,50. Deve-se usar a cotação de compra do Dólar Americano no site do Banco Central do Brasil correspondente ao dia em que você recebeu o valor. Então você receberá R$42 mil. O lucro da operação foi de R$ 17 mil. Sobre esse lucro, deve-se pagar 15% a título de imposto, o que totalizaria R$ 2.550,00. Esse valor deve ser pago através de preenchimento de DARF, código 8523 (Ganhos de capital decorrentes da alienação, por pessoa física, de bens ou direitos e da liquidação ou resgate de aplicações financeiras, em moeda estrangeira) até o último dia útil do mês seguinte ao fechamento da operação.

O custo de aquisição de bens ou direitos ou o valor original de aplicações financeiras, quando expresso em moeda estrangeira, corresponde ao valor de aquisição ou aplicação convertido em dólares e, em seguida, em reais pela cotação do dólar fixada, para venda, pelo Banco Central do Brasil, para a data do pagamento.

Em caso da moeda ser outra, que não o Dólar Americano, os valores deverão ser convertidos para Dólar dos Estados Unidos e daí então para Reais. No caso do Canadá por exemplo, a cotação oficial do Dólar Americano em relação ao Dólar Canadense pode ser encontrada aqui.

Desta forma, ao usar recursos originariamente em Reais, você precisa ter anotado o valor de compra ou da aplicação na moeda brasileira, pois o cálculo do imposto será sempre em cima da diferença entre a compra e a venda em Reais.

Caso o volume de venda de ações não ultrapasse R$ 35 mil reais no mês, existe a isenção do imposto sobre o ganho de capital, pois é considerado ganho de “pequeno valor”. É a mesma regra dos R$ 20 mil reais de isenção para venda de ações no Brasil, só que o limite de isenção para ações no exterior é maior. No exemplo dado, se o investidor resolvesse vender metade das ações em um mês e a metade no outro, não haveria incidência de imposto.

Impostos sobre o ganho de capital – Recursos originariamente em moeda estrangeira

Imposto de RendaSuponha que você agora compre as ações ou invista num fundo de investimento com o dinheiro do lucro de operações passadas ou de dividendos recebidos. Desta forma o dinheiro foi originalmente recebido por você em moeda estrangeira. Desta forma, no momento da venda ou resgate, você deve calcular a diferença entre compra e venda em Dólar Americano e converter o valor em Real (cotação de compra no site do Banco Central do Brasil no dia do recebimento da venda) para saber o lucro da operação. Ou seja, a incidência de imposto se dará se houver lucro quando calculado usando-se o Dólar dos EUA. Em cima deste lucro, convertido em Reais, incidem os 15% de impostos a serem pagos com o preenchimento de DARF.

Como já dito, caso seja uma outra moeda, que não o Dólar Americano, você deve calcular os preços de compra e venda da ação ou ETF em Dólar dos EUA. Por exemplo, se você comprar ações ao custo de 3 mil dólares canadenses, deve-se converter para Dólar dos EUA na data da compra (suponha U$ 2,5 mil) e mesmo tendo vendido por 3,5 mil dólares canadenses e isso equivaler aos mesmos U$ 2,5 mil da data da compra, indicando valorização do Dólar Americano sobre o Dólar Canadense, não haveria imposto a pagar. É bizarro, mas é o que diz a lei. Em caso de desvalorização do Dólar Americano frente ao Canadense e a operação resultasse em prejuízo na moeda canadense, mas lucro em Dólar Americano, haveria incidência de imposto.

Portanto, recursos originariamente em moeda estrangeira gerarão impostos quando houver lucro medido em Dólares dos EUA. Depois converte-se este lucro em Real e apura-se o imposto de 15%.

A conversão de moeda estrangeira para dólares dos Estados Unidos da América é feita pelo valor fixado pela autoridade monetária do país emissor da moeda, para a data do pagamento, na aquisição, e para a data do recebimento, na alienação, liquidação ou resgate.

Impostos sobre o ganho de capital – Recursos mistos (parte originariamente em reais e parte em moeda estrangeira)

Quando você usa o dinheiro que enviou originalmente em reais somados ao dinheiro que recebeu como dividendos, os cálculos são proporcionais ao percentual que cada parte ocupa na compra do investimento. Então, para o cálculo do imposto, você precisará dividir a aplicação em duas. Uma para o valor originariamente em reais e outra para o valor original em moeda estrangeira. Se for outra moeda que não o Dólar Americano, deve ser convertido para esta moeda nos atos de compra e venda. Um exemplo é se você investiu U$20.000,00 em uma aplicação, sendo 50% originariamente em reais e 50% originariamente em Dólar Americano. Então os primeiros U$ 10.000,00 devem seguir as regras que incluem a conversão em Real nos momentos de compra e venda e os outros U$ 10.000,00 devem seguir apenas o lucro em Dólar dos EUA para cálculo do imposto. Sim, é possível ter lucro a ser tributado em uma metade e na outra não, claro que observada a regra de isenção dos R$ 35 mil.

Impostos sobre rendimentos e dividendos

A tributação sobre os dividendos ou rendimentos pagos por ações ou ETFs é calculada com o uso do carnê-leão, que utiliza a tabela progressiva do imposto de renda vigente no mês do efetivo recebimento dos recursos. O imposto deve ser recolhido até o último dia útil do mês seguinte ao recebimento.

Imposto de RendaPara saber quanto de imposto se deve pagar, o investidor deve converter para reais, usando-se a cotação de compra do Dólar Americano definida pelo Banco Central do Brasil para o último dia útil da primeira quinzena do mês anterior ao do recebimento do rendimento. Caso os rendimentos forem em outra moeda, eles devem ser convertidos em dólares dos Estados Unidos, pelo seu valor fixado pela autoridade monetária do país de origem e depois convertidos em Reais, conforme explicado acima.

O imposto recolhido na fonte no país de origem dos rendimentos pode ser compensado no mês do pagamento com o imposto relativo ao carnê-leão e com o apurado na Declaração de Ajuste Anual observado os acordos, tratados e convenções internacionais firmados pelo Brasil ou da existência de reciprocidade de tratamento. Os países em que isso ocorre e não é necessário comprovação da lei de reciprocidade são Estados Unidos, Alemanha e Reino Unido. Lembrando ainda que Hong Kong e Cingapura não taxam os dividendos.

Caso o imposto pago no exterior seja maior do que o imposto relativo ao carnê-leão no mês do pagamento, a diferença pode ser compensada nos meses subsequentes até dezembro do ano-calendário e na Declaração de Ajuste Anual.

Portanto, os rendimentos e dividendos recebidos no exterior, que são tributados com o uso do carnê-leão, estão também sujeitos ao ajuste anual na Declaração Anual de Imposto de Renda e o imposto pago será considerado antecipação do apurado nessa declaração.

Declaração anual de Imposto de Renda Pessoa Física

O depósito em conta corrente, ou seja, não remunerado, mantido em instituições financeiras no exterior deve ser informado na Declaração de Bens e Direitos :

  • Na coluna posição em 31/12/2014, informar o saldo existente constante na declaração de 2015 referente ao ano de 2014.
  • Na coluna posição em 31/12/2015, o saldo existente no último dia do ano convertido em reais pela cotação de compra para essa data, fixada pelo Banco do Central do Brasil.
  • Na Discriminação colocar o valor em moeda estrangeira, o banco e a conta.
  • No campo país, colocar o número corresponde ao país onde o banco ou corretora está registrado.

Não custa repetir , a variação cambial de dinheiro depositado em conta corrente não gera imposto.

Em relação às ações, REITs e ETFs possuídos e aplicações em fundos de investimento, deve-se usar o valor de compra dos mesmos e declará-los na seção de Bens e Direitos.

Declaração de Capitais Brasileiros no Exterior

O Banco Central obriga os residentes no Brasil detentores de ativos (participação no capital de empresas, títulos de renda fixa, ações, depósitos, imóveis, dentre outros) no exterior que totalizem montante igual ou superior ao equivalente a US$100 mil no último dia de cada ano a preencherem esta declaração. Ela é feita pela internet, geralmente até abril do ano seguinte e nela se declara os valores em moeda estrangeira correspondentes a cada investimento que a pessoa possui no exterior.

Para quem possui montante acima de U$ 100 milhões no exterior, a declaração deve ser feita trimestralmente.


Concluindo, estes são os impostos que o investidor pessoa física deve declarar no Brasil. Fica mais complicado quando se está investindo em moedas que não o Dólar Americano e quando se começa a misturar renda obtida em moeda estrangeira com o dinheiro enviado originariamente em reais.

Para facilitar o cálculo da tributação, é recomendado separar o dinheiro recebido em moeda estrangeira sob a forma de lucro ou dividendos daqueles enviados originalmente. Transferir da conta da corretora para a conta corrente é uma alternativa. Converter o valor para uma subconta em Francos Suíços, moeda com baixíssima inflação, também. Ou então ir anotando separamente até atingir um valor suficiente para um novo investimento.

Caso o investidor não se queira dar o trabalho de calcular impostos, a alternativa é fazer uso de uma empresa no exterior e transferir os investimentos para ela.

Como material complementar, eu sugiro a leitura desse artigo publicado pelo jurista Ives Gandra em 2003, tratando de tributação sobre a variação cambial. Mesmo após 12 anos, continua bem pertinente.

Links Relacionados:

Receita Federal – Perguntas e Respostas 1

Receita Federal – Perguntas e Respostas 2

Receita Federal – Perguntas e Respostas 3

Receita Federal – Normas 1

Receita Federal – Normas 2

Programa Ganho de Capital em Moeda Estrangeira

By | 2017-10-06T19:31:07+00:00 17 de setembro de 2015|Impostos|504 Comments

504 Comments

  1. Ricardo 18/09/2015 at 00:09 - Reply

    Prezado II,

    Excelente post.

    Parabéns pela riqueza de detalhes.

    Aguardamos ansioso as próximas leituras.

    Obrigado.

    Um grande abraço

    • Investidor Internacional
      Investidor Internacional 18/09/2015 at 07:25 - Reply

      Obrigado, Ricardo.

      • Josias 12/04/2017 at 19:03 - Reply

        Boa tarde,
        Sou funcionário da xxx e entre 2012 e 2015 recebi RSUs da xxx como forma de retenção na companhia. Em setembro de 2016 vendi todas estas ações pois já estavam liberadas. Foi pouca coisa, 17,5680 ações ao valor unitário de US$ xxx, totalizando o valor líquido de US$ xxx. Esta operação foi intermediada pelo Banco Itaú, que recebeu este valor da Morgan Stanley e disponibilizou em minha corrente do próprio Banco Itaú, total líquido de R$ xxx. Nunca lancei nada nos IRPFs anteriores (nem como bens nem como rendimento). Como devo lançar agora no IRPF de 2017 (ano base 2016)?
        Obrigado.

        • Investidor Internacional
          Investidor Internacional 13/04/2017 at 17:24 - Reply

          Olá Josias,

          Evite colocar dados pessoais.

          Como foi recebimento em anos anteriores, você precisaria levar todos os comprovantes ao seu contador e ver se haveria incidência de imposto em cada operação. Se positivo, seria necessário fazer uma retificação.

          Abçs!

          • Josias 17/04/2017 at 11:39 - Reply

            Obrigado.

            Abçs

    • que declarar IR lá? 13/01/2017 at 12:56 - Reply

      Boa tarde Ricardo,

      Abri um conta corrente nos EUA pois tenho um filho morando lá, ele me disse que se passar de U$ 14.000,00 dolares meus depositos, terei que declarar importo de renda lá nos EUA, isso procede? ou qual o valor que posso manter na conta sem ter que declarar IR lá?

      • Investidor Internacional
        Investidor Internacional 13/01/2017 at 14:04 - Reply

        Olá,

        Não conheço essa regra.

        De qualquer forma, você precisaria preencher a declaração W8-BEN, que diz ao banco que você não é residente dos EUA.

        Abçs!

    • abacoliquido 13/01/2017 at 14:10 - Reply

      Opa!

      Estou passando aqui para informar que a Linha de Tempo da Finansfera já está no ar. Seu blog foi incluído. Se detectar algum erro de link me fale.

      Compartilhe esta ideia mas suas redes sociais para incentivarmos novos blogueiros.

      https://abacusliquid.com/blogosfera/finansfera-timeline/

      Grande abraço!

  2. Data160 18/09/2015 at 07:37 - Reply

    Caro Investidor Internacional,

    Este é o mais elucidativo post sobre tributação no exterior que eu já vi! Parabéns!
    Minha dúvida é sobre a hipotética situação de transferir o dinheiro para o exterior, fazer investimentos, mas declarar como depósito em conta corrente no exterior. À luz do novo acordo de intercâmbio de informações entre Brasil e EUA, a receita federal receberia a informação de que na verdade o dinheiro está investido e não parado em conta corrente? O que você acha?
    Obrigado,
    Data160

    • Investidor Internacional
      Investidor Internacional 18/09/2015 at 09:10 - Reply

      Olá,

      Eu acho que você deve declarar do jeito que deve ser.

      Entretanto não acho que os EUA sejam o lugar mais seguro para se ter uma conta.

      Abçs!

      • Data160 18/09/2015 at 20:28 - Reply

        Qual seria a razão pra não ter a conta nos EUA? Onde seria melhor?
        Obrigado.

          • Data160 20/09/2015 at 08:48 - Reply

            Caro II,

            Nunca havia raciocinado desta forma. Faz todo sentido fazer esta escolha como mais uma forma de minimização de risco.
            Obrigado.

          • Júnior 14/10/2016 at 17:49 - Reply

            Prezado Investidor Internacional,

            sobre essa questão (nações credoras/devedoras), embora os EUA sejam realmente um grande devedor mundial, pergunto:

            – por que quando saem notícias na imprensa econômica, de que o FED vai aumentar os juros da economia americana, ao mesmo tempo é noticiado que haverá uma grande “fuga” ou “corrida” de capitais em direção aos EUA para serem aplicados nos seus TÍTULOS PÚBLICOS (justamente títulos de um Governo “disparadamente” grande devedor), mas que são tidos como os “mais seguros” do mundo?

            – pelo que entendi da resposta acima, se não é seguro nem mesmo abrir contas e aplicações em bancos “privados” dos EUA, por que a imprensa “especializada” divulga que seria seguro adquirir seus TÍTULOS? (parece sem lógica isso)

            – apesar dessa enorme dívida “pública” [do Governo] dos EUA, por que as agências de rating lhe concedem triplos AAA?

            – finalmente, se a fragilidade está ligada à dívida “pública” dos EUA, por que seriam pouco seguros investimentos em instituições “privadas” (por ex.: bancos privados com bons ratings das agências)?

            Obrigado

            • Investidor Internacional
              Investidor Internacional 14/10/2016 at 22:40 - Reply

              Olá Júnior,

              Com a queda dos juros, o dinheiro saiu dos títulos de renda fixa e foi para outros investimentos como REITs e ções. Quando sobem os juros, o dinheiro faz o caminho inverso.

              O governo é bem endividado, mas tem por trás a maior economia do mundo e o dólar americano é usado como reserva mundial.

              Além disso, eles podem inflar a moeda para pagar a dívida.

              Muitos dos títulos são comprados pelo próprio FED como forma de financiar o governo. É só ver onde foi parar o balanço do FED com isso.

              Os títulos americanos perderam o triplo A da S&P em 2011.

              Eu não seguiria a imprensa especializada. Veja os vídeos que selecionei. Lá tem explicações baseadas na Escola Austríaca de Economia, cujas análises estão mais relacionadas com a realidade.

              O risco é ligado ao confisco, como já aconteceu antes na história americana. Governo endividado não tem escrúpulos para tomar o dinheiro dos cidadãos. A começar por aquele que está dentro do país.

              Abçs!

  3. Vinicius 18/09/2015 at 09:36 - Reply

    Excelente post. Parabéns. eu estou em um caminho intermediário, já tinha aberto conta nos EUA, enviei uma certa quantidade de dinheiro e estava estudando as corretoras para investimento. Segurei um pouco os planos por causa da subida do dólar e também pela questão da tributação em caso de morte. Pelo que li, nos EUA, o imposto seria de +- 40% do valor investido. Isto não aconteceria no caso de uma empresa, em que se aplicariam as leis Brasileiras no caso de sucessão. Dependendo do patrimônio e do objetivo da pessoa, este talvez seja um limitador. Abs.

    • Investidor Internacional
      Investidor Internacional 18/09/2015 at 09:55 - Reply

      Olá Vinicius,

      Nos EUA, é prudente abrir uma conta do tipo “JOINT TENANTS WITH RIGHT OF SURVIVORSHIP”, onde há 2 titulares com iguais direitos e em caso de morte de um, o outro fica com tudo sem burocracia ou impostos.

      Abçs!

  4. Leonardo 18/09/2015 at 09:37 - Reply

    Tenho uma dúvida: transferência de valores da checking account (conta corrente) para outras contas no exterior é passível de ganho de capital?
    Outra: o uso do cartão de débito, que utiliza os valores depositados na checking account, é passível de ganho de capital?

    • Investidor Internacional
      Investidor Internacional 18/09/2015 at 10:46 - Reply

      Olá Leonardo,

      Transferência entre contas e uso de cartões não são fatores geradores de imposto.

      Abçs!

      • Rubens 31/10/2016 at 16:23 - Reply

        Olá, fiquei com uma dúvida:
        Tenho uma conta pessoa jurídica nos EUA e faço transferências entre contas correntes e faço uso de cartões. Essas transações não geram impostos para serem tributados aqui no Brasil?
        E se a conta for conta pessoa física, essas mesmas transações acima geram impostos para serem tributados aqui no Brasil?

        • Investidor Internacional
          Investidor Internacional 31/10/2016 at 17:20 - Reply

          Olá Rubens,

          Transferências não geram imposto. Apenas operações financeiras que terminem em lucro, conforme descrito no artigo.

          Abçs!

          • Rubens 01/11/2016 at 15:02 - Reply

            Ok, então se eu fizer uma transferência entre uma conta pessoa jurídica para uma conta pessoa física de outra titularidade eu não preciso lançar essa saída em meu IR aqui no brasil?
            Isso não incidiria imposto a pagar aqui no Brasil?
            Mesmo os saques em “cash” com o cartão da empresa para pagamentos de despesas pessoais dos sócios não incidem impostos?
            Mais uma vez muito obrigado pelas respostas.

            • Investidor Internacional
              Investidor Internacional 01/11/2016 at 15:52 - Reply

              Olá Rubens,

              Se você transferir da conta pessoa jurídica para a sua conta pessoal, isso pode ser considerado distribuição de lucros. Aí você precisa declarar no Brasil na sua pessoa física.

              A empresa é sediada nos EUA, correto? A prestação de contas dela é lá e não aqui.

              Abçs!

          • Rubens 01/11/2016 at 15:59 - Reply

            Obrigado pelas respostas e parabéns pelo post.
            Um abraço

  5. Trix 18/09/2015 at 11:27 - Reply

    Excelente post, parabéns.
    Investir no exterior como PF é mesmo complicado do ponto de vista fiscal, talvez seja melhor abrir uma PJ para essa finalidade. fico no aguardo do artigo sobre isso.
    Obg.

    • Investidor Internacional
      Investidor Internacional 18/09/2015 at 11:41 - Reply

      Olá Trix,

      Sim, organizar o imposto para a pessoa é trabalhoso dependendo do tipo de portfolio e do ‘giro’ de ativos.

      Entretanto, ainda é melhor do que ver a moeda do seu próprio país evaporar.

      Abçs!

      • Trix 18/09/2015 at 11:54 - Reply

        Sim, todos nós brasileiros empobrecemos em dólar e nossa renda per capta que já era baixa, agora então … é uma situação vergonhosa para nós e nosso PIB minguando, será que este ano ainda ficaremos entre as 10 maiores economias ?

        • Investidor Internacional
          Investidor Internacional 18/09/2015 at 17:44 - Reply

          Nada melhora se esse governo permanecer.

          O nível de desconfiança, insegurança e imprevisibilidade a que estamos expostos é o maior em mais de 20 anos.

          Esse é o verdadeiro custo-Brasil. O custo de não saber o dia de amanhã, não conseguir se planejar, etc

          E quando você acha que tudo entrou nos trilhos, vem o governo e muda tudo.

          Por isso que eu digo “conta na Suíça nunca pagará CPMF.”

          Abçs!

          • FCLivre 04/02/2016 at 20:34 - Reply

            Muito bem dito.

  6. Eduardo 18/09/2015 at 14:33 - Reply

    Parabéns pelo post!

    Excelente!!

  7. Fabio 18/09/2015 at 15:23 - Reply

    Excelente post!
    Aguardo ansioso pelo artigo sobre o uso de empresa no exterior, parece ser a melhor forma.
    No contexto atual, nós brasileiros precisamos urgentemente nos informar sobre a questão e agir!
    Abraço!

    • Investidor Internacional
      Investidor Internacional 18/09/2015 at 17:41 - Reply

      Obrigado, Fábio!

      • Fabio 23/03/2016 at 17:49 - Reply

        Olá II,

        Como eu disse à época, estou muito interessado e ansioso pelo teus artigos sobre empresas offshore. Também sou libertário, e estou neste exato momento no procedimento de abrir a offshore, e gostaria de conferir se chegaste às mesmas conclusões que eu. Teria como adiantar algum material ou uma indicação de fonte a respeito? Talvez possamos conversar e trocar informações por email.

        Abraços fraternos!

        • Investidor Internacional
          Investidor Internacional 23/03/2016 at 19:53 - Reply

          Olá Fábio,

          Estou na reta final do novo site e aguardando questões de compliande para acertar as parcerias.

          Eu faço tudo sozinho e agora em época de declaração de IR, o tempo livre fica mais reduzido.

          É preciso ter um pouco de paciência, pois em breve haverá muitas novidades.

          Abçs!

    • wilson munari 28/12/2015 at 11:26 - Reply

      Investimento em empresa, quando o lucro for realizado, paga 27,5% de IR e não os 15% da pessoa fisica, como ganho de capital. Complica.

  8. Bruno Farinazzo 18/09/2015 at 18:15 - Reply

    Esse post eu estava ansioso para ler. Muito obrigado por compartilhar!!

  9. CARG 19/09/2015 at 23:06 - Reply

    Além dos impostos que devem ser pagos ao governo brasileiro, abordados neste seu post, não há os que devem ser pagos ao governo do país onde a conta foi aberta? Como evitar bitributação?

    Grato por esclarecer.

    • Investidor Internacional
      Investidor Internacional 20/09/2015 at 09:02 - Reply

      Olá,

      Por isso você deve ter conta em países que não tributam investidor não-residente.

      Isso claro não evita os impostos na fonte sobre dividendos.

      Abçs!

      • Renato 20/09/2015 at 15:23 - Reply

        O sr teria uma lista de alguns desses países pra indicar? Que não tributa não-residente? E onde encontro uma lista de países com leis que protegem os investidores, ou os que tem conta bancária, contra confisco ou o chamado bail-in? Grato. O sr. é dedicado e caprichoso, um ótimo exemplo de sucesso. Parabéns pelo trabalho.

  10. Diego Leoni 21/09/2015 at 16:14 - Reply

    Ola!
    Excelente post, mais uma vez. Parabens!
    Nao entendi a tributação no primeiro caso, valores originalmente em reais, para ganhos de capital…. Primeiro, voce afirma: “Sobre a variação cambial, se positiva, e caso o valor permaneça em conta corrente, não há incidência de imposto e essa variação deve ser colocada na declaração anual de IR em “rendimentos isentos e não tributáveis”. Logo em seguida, afirma: “…O lucro da operação foi de R$ 17 mil. Sobre esse lucro, deve-se pagar 15% a título de imposto”. So que a maior parte desse “lucro”, no exemplo citado, foi justamente da variação cambial…. pode esclarecer, por gentileza?
    Por fim, outra dúvida: o imposto é devido somente na internalização dos recursos no Brasil? Ou mesmo que ele seja resgatado e fique em uma conta corrente no exterior, deverá ser pago o imposto?
    Seria interessante mencionar o caso de offshore,s pelo pouco que conheco, nesses casos (para o exemplo que voce mesmo deu), o imposto só é devido quando o valor é internalizado, certo? Obrigado

    • Investidor Internacional
      Investidor Internacional 21/09/2015 at 16:29 - Reply

      Olá Diego,

      A variação cambial que não é tributada é aquela entre o momento que você faz a remessa e o momento em que você faz o investimento, desde que o valor fique numa conta não remunerada.

      Se você pagou R$ 3,50 no dólar e no dia do investimento, o dólar estava R$ 4,00, esses R$0,50 que você “ganhou” não serão tributados.

      O fator gerador de imposto é o fechamento da operação com lucro, independente do que você irá fazer com ele.

      Em relação a empresas offshore, será um assunto abordado em breve.

      Abçs!

      • Dirceu 19/07/2016 at 20:14 - Reply

        Olá, II.

        Tomando a mesma situação de um espaço de tempo entre a remessa e a compra de uma ação (por exemplo), mas com um complicante. Digamos que eu enviei a dinheiro em dólar para uma conta na Suíça e depois com os dólares já em conta corrente, eu troquei parte desses dólares para libras esterlinas, que continuaram em conta corrente. Depois de uma semana da troca de dólares para libras, eu comprei ações na bolsa de Londres. Se possível, eu gostaria que você respondesse a duas perguntas:

        1) Você poderia explicar como eu apuraria o valor de compra em reais?

        2) Eu pagaria impostos com esta troca de moedas?

        Desde já, muito obrigado pela atenção! Como sempre, parabéns pela qualidade do conteúdo e o nível de detalhes!

        Abraços,

        Dirceu

        • Investidor Internacional
          Investidor Internacional 20/07/2016 at 09:56 - Reply

          Olá Dirceu,

          É só ver quanto de reais se transformou em libras e em ações na Bolsa de Londres.

          Se a quantidade de dólares que se transformaram em libras custou, por exemplo, 500 reais, é esse valor que você usa.

          Troca de moeda não incide imposto.

          Abçs!

          • Dirceu 20/07/2016 at 11:55 - Reply

            Muito obrigado pela atenção! Parabéns pelo site! Muito sucesso e prosperidade, os posts são todos da mais alta qualidade, continue sempre assim!

  11. Luis 24/09/2015 at 13:50 - Reply

    Parabéns Investidor, com certeza o site mais completo sobre o assunto.
    Gostaria de esclarecer algumas dúvidas que não encontrei esclarecimento nos sites da receita

    1) para apurar o lucro quando há diversas compras subsequentes do mesmo ativo, calcula-se preço medio com variação do dolar a cada compra, ou pode-se usar first in first out?

    2) alguma particularidade em operaçao com opcoes? podemos calcular da mesma maneira em relaçao a açoes?

    3) em caso de variaçao cambial negativa no fechamento da operaçao, existe a possibilidade de haver lucro em dolares e prejuizo em reais, neste caso não incide imposto, correto?

    muito obrigado pela disposiçao mais uma vez!! abs

    • Investidor Internacional
      Investidor Internacional 24/09/2015 at 21:29 - Reply

      Olá Luis,

      1-Tudo depende do dinheiro que vocÊ está usando. Se foi dinheiro criado pela conversão a partir de reais, o cálculo é um, se foi ganho em moeda estrageira é outro.

      2-Acredito que sim. Não encontrei nada específico sobre opções na legislação brasileira para ser tratado de forma diferente.

      3-Sim, se o dinheiro usado for originariamente em reais.

      Abçs!

  12. shoemaker 28/09/2015 at 01:39 - Reply

    Caro II,

    Fico muito grato pelo post sobre tributação.

    Participei de um webinar sobre operações em bolsas internacionais recentemente e, quando perguntado sobre os impostos incidentes sobre uma hipotética venda de ações com lucro, e dividendos por ela pagos, a partir da abertura de conta em um banco dinamarquês (se achar conveniente lhe informo qual), cujas operações são feitas via home-broker da própria corretora deste banco, ouvi a seguinte informação do agente, pra minha grande surpresa: O imposto será pago apenas se houver resgate do dinheiro para o Brasil.

    Ainda segundo ele, enquanto o dinheiro estiver alocado na Dinamarca, as institições brasileiras não recebem qualquer informação de quanto foi rentabilizado, seja via recebimento de dividendos, seja mediante venda com lucro, seja por qualquer outra razão.

    Finalizou repetindo que penas quando do retorno ao Brasil do dinheiro é que se indentifica o lucro auferido, incidindo-se sobre ele o imposto referente à renda variável.

    Pelo que deduzi então do que ele disse, declararia-se à Receita apenas e tão somente a existência de uma conta corrente em um banco da Dinamarca, e enquanto este dinheiro não fosse repatriado, os valores se manteriam inalterados, em euros, nas declarações dos anos seguintes.

    Como esta informação foi passada por alguem que distribui o produto, gostaria de saber de vc se ela procede, ainda que em parte, pois, sinceramente, ficou com cara daquele almoço de graça, mas que no fim se mostra caro e indigesto.

    Abraço.

    • Investidor Internacional
      Investidor Internacional 28/09/2015 at 10:57 - Reply

      Olá,

      Sempre que encontrar informações discordantes, o mais prudente é você checar com seus próprios olhos.

      No fim do artigo, coloquei vários links para seções do site da Receita Federal relativos ao assunto. Dê uma lida.

      Abçs!

  13. shoemaker 28/09/2015 at 17:28 - Reply

    Grato pelo conselho. Na verdade, em outras palavras, esta é a questão que eu propus: se eventualmente conheceria, pela tua experiência, alguma fonte legal, que pudesse embasar tal informação prestada pelo distribuidor, relativa, no caso, a uma questão que envolveria Brasil e Dinamarca em particular, ja que ele próprio não ocupou-se em fazê-lo, e eu, em algumas buscas, nada encontrei.

    • Investidor Internacional
      Investidor Internacional 04/11/2015 at 15:20 - Reply

      Olá,

      O Brasil não recebe nenhuma informação dos seus investimentos lá, mas isso tem prazo pra acabar. Estão integrando todos os sistemas bancários de diversos países e em 2017 o Brasil fará parte da troca de informação.

      Não adianta querer simplificar o investimento no exterior. Essa parte do imposto é chata sim, mas precisa saber como deve ser feito para evitar problemas futuros.

      Pra evitar imposto pra sempre só com empresa offshore.

      Abçs!

      • shoemaker 09/11/2015 at 23:34 - Reply

        De acordo. E com a agravante, temo eu, da possibilidade de retroagir a cobrança ao tempo em que tal comunicação não existia, com incidência de multa e juros, pois o crédito tributário leva 5 anos para prescrever.

  14. Bruno 01/10/2015 at 17:45 - Reply

    Em primeiro lugar, parabéns pelo excelente blog, sempre tão informativo e bem escrito. Graças às leituras aqui, abri uma conta de trading e uma conta de poupança na Suíça. A minha dúvida é a mesma do Shoemaker, quanto à tributação dos rendimentos no exterior. Até onde sei, o único país que tributa os cidadãos com base na sua nacionalidade é os Estados Unidos, particularidade que faz com que cidadãos americanos sejam rejeitados por instituições financeiras, que não querem manter uma estrutura contábil extra apenas para informar o IRS. De fato, o meu contrato com o banco suíço tem uma cláusula especificando que eu não sou cidadão americano (Non-US person).
    Se o rendimento ocorreu na Suíça, Noruega, Bélgica, Dinamarca, ou outro país, pode ser atingido pela tributação daquele país, e faz sentido pensar que só vira fato gerador para a Receita Brasileira se o dinheiro for repatriado. Pense em fluxo de caixa: você está com o principal no exterior, teve os rendimentos no exterior, de onde vai tirar dinheiro para pagar o carnê-leão?

    • Investidor Internacional
      Investidor Internacional 01/10/2015 at 23:45 - Reply

      Olá Bruno,

      Como eu falei no texto: O evento gerador de imposto é o fechamento da operação com lucro guardadas as regras em relação à origem do dinheiro.

      Independentemente de onde o investimento esteja, você pagará o imposto com o dinheiro do Brasil.

      Deixei vários links para o site da Receita, onde você poderá ler mais detalhes.

      Abçs!

  15. Gérson 08/10/2015 at 03:32 - Reply

    Parabéns pelo artigo!
    Lendo o texto me surgiu uma dúvida. Se for resgatado um investimento, vão ficar misturados recursos originariamente em reais com recursos em dólar. Se a corretora ou banco cobrarem, por exemplo, 10 dólares de taxa mensal para manter a conta, será descontado isso da parte originariamente em reais ou da parte em dólares?

    • Investidor Internacional
      Investidor Internacional 08/10/2015 at 19:14 - Reply

      Olá Gérson,

      A partir do momento que se mistura as duas origens, acredito que você é quem decide o que é o que.

      Essa lei é tão bizarra que é a única interpretação possível.

      Seria muito mais simples se fosse sempre usada a moeda estrangeira e se apurado o lucro, cobrar os 15% convertido em reais, mas simplicidade não é algo que seja do agrado de legisladores e da Receita.

      Abçs!

  16. Eduardo 23/10/2015 at 19:22 - Reply

    Olá II,
    No caso de uma conta em Luxemburgo qual seria a tributação na fonte para dividendos?

    • Investidor Internacional
      Investidor Internacional 24/10/2015 at 06:34 - Reply

      Olá Eduardo,

      A tributação de dividendos na fonte depende basicamente de duas coisas:

      -Residência fiscal do investidor
      -Localização da empresa que pagará os dividendos.

      Não importa onde você tenha conta.

      Abçs!

  17. Cassio H D 26/10/2015 at 18:56 - Reply

    Bruno, já li e reli tudo que há na internet e no PERGUNTÃO do IRPF 2014 sobre investimento no exterior.

    Nunca concordei com o modo que as pessoas na internet interpretam as regras da Receita Federal.

    Perguntei a um ex-analista da receita federal e hoje consultor e ele só falou besteira.

    Esse aqui é o melhor site. Temos que te ajudar a divulgar. Você em um texto simples e conciso, conseguiu resumir todas as pequenas nuâncias e dúvidas que eu tinha.

    Tem gente conhecida por aí falando que se você comprou uma ação em dólar, é “originariamente em dólar”. Outros ainda falam que se você vendeu 50.000,00 reais no mês, só paga imposto sobre 15.000,00 (pois tem 35.000,00 de isenção).

    Enfim, você é O CARA.

    Só uma pergunta para confirmar: se eu ganhei salário em real, mandei dólares para corretora nos EUA, comprei ações a 100,00 e as vendi a 90,00 porém dólar foi de 2,00 a 4,00, eu pago imposto pq a variação cambial compensou o prejuízo nas ações, certo? Ou há alguma “brecha” em que eu tenho que ter tido lucro em DÓLAR também?

    Ou seja, se eu não tive lucro em dólar mas tive lucro em real, tenho que pagar imposto?

    Abração,
    Cássio

    • Investidor Internacional
      Investidor Internacional 27/10/2015 at 08:58 - Reply

      Oi Cássio,

      O que começou em Real termina em Real. No seu exemplo vai valer o preço em Real no começo e no fim, mesmo que tenha prejuízo em dólar.

      Abçs!

  18. Cassio H D 26/10/2015 at 19:02 - Reply

    Outra dúvida: poderia comentar o seguinte texto do perguntão da receita federal ?

    “602 — Como são considerados os rendimentos produzidos por aplicações financeiras em moeda estrangeira e o ganho de capital obtido na alienação de bens ou direitos adquiridos em moeda estrangeira?

    R: Os rendimentos produzidos por aplicações financeiras em moeda estrangeira, bem como o ganho de capital obtido na alienação de bens ou direitos adquiridos em moeda estrangeira, ainda que decorrentes de rendimentos auferidos originariamente em reais, são considerados rendimentos auferidos originariamente em moeda estrangeira.”

    Isso me confunde, pois fala que o GANHO DE CAPITAL da alienação de bens em moeda estrangeira, ainda que decorrentes de rendimentos originariamente em reais, são considerados como rendimentos em moeda estrangeira. Como assim!?

    • Investidor Internacional
      Investidor Internacional 27/10/2015 at 09:12 - Reply

      Oi Cássio,

      Para os rendimentos de aplicações financeiras como dividendos, basta converter para Real e calcular o imposto.

      Quanto ao ganho de capital, é bastante contraditório, pois se ele coloca dessa forma, nem haveria por que dividir os recursos entre originariamente em Reais e originariamente em moeda estrangeira.

      Abçs!

  19. Cassio H D 26/10/2015 at 19:10 - Reply

    Bruno, referente a minha ultima pergunta (questão 602 do PERGUNTÃO da Receita Federal), fui atrás da instrução nominativa 118 de 2000 e no 4o artigo do parágrafo único (local da frase), a frase NÃO CONTEMPLA os ganhos de capitais, ou seja, é um erro grotesco da Receita Federal neste PERGUNTÃO.

    Segue o parágrafo citado ipsis literis:
    “Parágrafo único. Os rendimentos produzidos por aplicações financeiras em moeda estrangeira, ainda que decorrentes de rendimentos auferidos originariamente em reais, serão considerados rendimentos auferidos originariamente em moeda estrangeira.”

  20. antonio 29/10/2015 at 15:42 - Reply

    Caro investidor internacional.
    Muito interessante seu post,porem devido a complexidade das normas tributarias tenho algumas duvidas inclusive compartilhadas por meu contador e nao esclarecidas por fiscal da receita amigo.
    Ao longo de 2013/2014 fiz varias remessas de reais para uma conta(savings acount) aberta nos eua.
    Declarei essa conta no meu irpf.
    Agora em 2015 resolvi transferir o montante final para uma corretora americana e comecei a comprar/vender acoes americanas.Minhas duvidas:
    1-esse capital e originario em reais ?
    2-como calcular tal variacao com inumeros repasses em cotacoes de cambio e valores diferentes?
    Atualmente pensamos que o montante aberto em corretora americana e originado em moeda estrangeira.
    Obrigado.

    • Investidor Internacional
      Investidor Internacional 29/10/2015 at 16:17 - Reply

      Olá Antonio,

      O valor originariamente em Reais é tudo que veio do Brasil. É a soma de todas as suas transferências.

      O que houve de lucro nos investimentos, assim como os dividendos, é que é considerado originariamente em Dólar.

      Cada transferência e aplicação deve ser calculado separado. Se misturou os valores, aí é só somar em Reais também.

      Abçs!

  21. luiz 04/11/2015 at 11:14 - Reply

    Achei este site ótimo e esclarecedor, porém fiquei com uma dúvida suponha que tenha comprado US50.000,00 de Bonds de uma empresa com pagamento semestrais de US$1.000,00, como pago o Ganho de Capital Moeda Estrangeira no programa a Natureza seria “outros” ? e mais a como preencher se aparece espaço para data da compra e data alienação ? não estou alienando estou recebendo o cupom semestral?depois o custo de aquisição coloco o que o valor US$50.000,00 e venda US$51.000,00 ou zero e US$1.000,00 ? fiquei perdido. Obs dinheiro ganho no exterior!
    Muito grato.

    • Investidor Internacional
      Investidor Internacional 04/11/2015 at 15:33 - Reply

      Olá Luiz,

      Acho que não fazer diferença, pois o que vale é o valor final, no caso os U$1.000,00.

      No DARF só vai o imposto a pagar. Neste caso seria 15% sobre mil dólares convertidos em Reais.

      Abçs!

      • luiz 05/11/2015 at 17:31 - Reply

        Obrigado pela resposta mas de qq forma tenho que fazer o GCME certo? e no ano que vem importar para o IR 2015/2016 ?. Tinham me informado que era para colocar no Carne Leão, junto com outros rendimentos de fundos de investimentos no exterior e gerar um DARF !
        Resumindo devo fazer o GCME gerar um DARF posso colocar o nome da empresa emissora da debenture a data de compra e do recebimento dos cupon (ou bonus).
        Só mais uma dúvida rendimentos de investimentos tipo PIMCO e outros são carne Leao certo?
        mais uma vez muito obrigado.
        Parabéns pelo site!

        • Investidor Internacional
          Investidor Internacional 06/11/2015 at 09:13 - Reply

          Olá Luiz,

          Realmente existe um terreno nebuloso aí. A lei diz que variação em renda fixa é ganho de capital. Partem do pressuposto simplista que renda fixa é como uma poupança, que vai rendendo juros e se resgata no final. Ela não entra nos pormenores dos cupons e nem na diferença entre o preço que se paga no Bond negociado no mercado secundário e o valor nominal, que será resgatado no futuro.

          No seu exemplo, para preencher o GCME, nenhuma das duas opções corresponde exatamente ao que está acontecendo na realidade. Em virtude disso, muitos tributaristas orientam declarar esse recebimento como rendimento, usando o carnê-leão, e não como ganho de capital.

          Em relação a PIMCO, você deve estar falando dos ETFs, certo? Eu considero como dividendos e declaração no carnê-leão.

          Quando se sai um pouco dos investimentos mais simples, percebe-se o tanto que a legislação tributária brasileira é complexa e falha.

          No futuro, falarei sobre empresas offshore e não haverá necessidade de nada disso.

          Abçs!

          • luiz 06/11/2015 at 20:39 - Reply

            Certo estes fundos que falei investem em ações e etc e os mesmos são offshore (Luxemburgo ….). Pago no Carne Leão. Realmente o que chamamos aqui de debentures é que é complicado já li das 2 maneiras distintas de pagar o IR! E o pessoal da RFB não passa nenhuma firmeza!
            Quanto a abrir empresas offshore ficarei atento ao site!
            obrigado pela atenção,
            Abs!

          • Raul 28/04/2016 at 21:15 - Reply

            Uma dúvida, por favor. Exemplo: um indivíduo brasileiro tem uma conta nos USA. Recursos investidos em empresas americanas ou ETFs. Os dividendos obviamente serão tributados na fonte em 30%. Como há acordo de bitributação entre Brasil e USA, existe a possibilidade de compensação. Um exemplo prático , recebe-se 10 mil dólares (aprox. 35 mil reais). Mas é creditado 7 mil dólares ( 24,5 mil reais). Como esse indivíduo poderia compensar esta diferença 10,5 mil reais , do ponto de vista prático em sua declaração? Obrigado!

  22. Rodrigo Figueiredo 07/11/2015 at 23:31 - Reply

    Ótimo posting !
    Fiquei apenas com uma dúvida….

    No caso de recursos originalmente em moeda estrangeira (no caso dólares americanos) que foram usados em operações que geraram lucro, há alguma isenção ou devo recolher 15% sobre todas as operações com saldo positivo ?

    Obrigado,
    Rodrigo

    • Investidor Internacional
      Investidor Internacional 08/11/2015 at 13:52 - Reply

      Olá Rodrigo,

      Não há isenção. Todo lucro é tributado.

      No caso de moeda estrangeira vindo de moeda estrangeira, é só converter 15% pra Real que já calcula o imposto.

      Abçs!

      • Rodrigo Figueiredo 26/04/2016 at 01:59 - Reply

        Oi Investidor, mais uma pergunta… muito se fala da tributação sobre ganho de capital, porém a dúvida hoje é relacionada a declaração de bens no IRPF. Se tenho apenas recursos originados em dólar (pois nunca fiz uma transferência de valores para o exterior), oriundos de bonus, dividendos ou lucro de alienações de açõesopções. Quando compro uma nova ação, que taxa de dólar devo usar na declaração de bens ?
        Super obrigado,
        Rodrigo

        • Investidor Internacional
          Investidor Internacional 26/04/2016 at 15:38 - Reply

          Oi Rodrigo,

          Não tem como eu lhe responder de maneira precisa.

          Há muitos detalhes que só um contador com acesso a toda a sua movimentação poderá calcular com exatidão.

          Abçs!

  23. luiz 09/11/2015 at 16:21 - Reply

    Aproveitando carona na pergunta do Rodrigo, não há isenção no caso de alienação com valor abaixo de R$35.000,00 !! neste caso estaria isento se a venda ficasse abaixo deste valor ou não?
    abs

  24. tomaz 10/11/2015 at 10:22 - Reply

    Amigo, excelente seu blog. Estou em dúvida entre abrir uma conta na OCBC ou no Europacific bank.

    Pensando em Cingapura, que não tributa os dividendos na fonte, quando eu receber os dividendos tenho que gerar um DARF e pagar 27,5% de imposto sobre os dividendos recebidos? Mesmo se eu não transferir pro Brasil o dinheiro? Pq penso numa estratégia buy and hold e sempre reinvestir o dinheiro ainda dentro da conta da corretora. Se for pra pagar imposto assim fica difícil crescer o bolo. Obrigado.

    • Investidor Internacional
      Investidor Internacional 11/11/2015 at 08:13 - Reply

      Olá Tomaz,

      Sim, mas depende do resto da sua renda para ver que faixa vai cair.

      O fator gerador de imposto é o recebimento do recurso e não a transferência pro Brasil.

      Isso tudo em se tratando de pessoa física.

      Abçs!

  25. Andre 11/11/2015 at 14:18 - Reply

    E se o dinheiro do investimento internacional (forex) for creditado via cartão de credito( brasileiro) como funciona a declaração.

    E se utiliza o cartão de credito estrangeiro só para retirada aqui , e ilegal.

    Desde já agradeço

    • Investidor Internacional
      Investidor Internacional 11/11/2015 at 14:33 - Reply

      Olá, André,

      Independente da aplicação, o imposto é de 15% sobre o ganho de capital líquido medido em reais, quando o recurso veio do Brasil.

      O uso do cartão, seja ele qual for, não muda isso em nada.

      Não entendi muito bem a segunda parte.

      Abçs!

  26. Julian Cuadal 13/11/2015 at 11:47 - Reply

    Parabenizo pelo excelente blog.

    Pergunto: o simples envio de dinheiro para o exterior é fator de incidência tributária? No caso, o envio do dinheiro seria para abertura de conta de investimento na Suíça.

    Há poucos dias consultei um analista da Receita, e este me disse que haveria incidência de CIDE.

    Desde já agradeço.

  27. Thales 20/11/2015 at 21:56 - Reply

    Parabéns pelo excelente blog.
    Desde o segundo semestre de 2014 realizo aportes mensais em fundos de investimento no exterior. Por orientação do meu gestor de investimentos, acabei não mencionando na ultima declaração anual de IR os valores aplicados em 2014. Ele me disse que a declaração dos valores poderia ocorrer apenas no momento da repatriação dos recursos. Acho que fui mal orientado. Não recebi nenhuma notificação da receita federal. Se eu fizer um ajuste na minha declaração agora, incluindo esses valores, de forma a regularizar minha situação, estarei sujeito ao pagamento de alguma multa? Paguei o IOF referente a todas a essas operações.

    • Investidor Internacional
      Investidor Internacional 22/11/2015 at 17:43 - Reply

      Olá Thales,

      Fica difícil eu responder sem saber exatamente o que seja, que tipo de fundo de investimento é esse.

      Chegou a mostrar pro seu contador?

      Abçs!

  28. Luciano Pahlo 01/12/2015 at 15:23 - Reply

    Meu prezado!
    Ano passado meu pai faleceu e ele era piloto trabalhando na ultima decanda nas arabias. Como ex-varig, ficado sem um centavo para o seu futuro trabalho em várias cias da asia e ganhou um dinheiro bom. Grande parte dele deixou em contas no exterior. Com o falecimento dele eu e meu irmão herdamos esse dinheiro. Tramites feitos, conta no nosso nome com investimentos etc etc.

    Minhas perguntas:
    Se eu herdei uma conta no exterior da qual nunca foi declarada, da qual quero regularizar, o fisco não vai me cobrar coisas do passado?

    E outra, se eu deixar o montante no exterior (lembre-se dinheiro que foi ganho no exterior sem ter vinculo com o brasil) pq eu tenho q pagar 15% de imposto em algo q nem tenho como pagar em reais aqui no Brasil.

    Como algo é tributado se sequer fica no país?

    grato,
    Luciano!

    • Investidor Internacional
      Investidor Internacional 01/12/2015 at 16:47 - Reply

      Olá Luciano,

      Seu caso é extremamente específico. Refere-se mais a tributação sobre herança no exterior.

      No caso de regularizar essa conta, o ideal seria uma avaliação por advogado tributarista, que avaliará todos os passos até o valor chegar a você e dirá o que deve ser feito.

      Quanto aos investimentos que você fizer com o dinheiro, aí sim entram as regras que você leu aqui. Claro que assumindo sua residência fiscal no Brasil. Isso acontece porque pessoa física residente no Brasil é tributada em sua renda no âmbito mundial e não apenas local.

      Abçs!

  29. Marli 04/12/2015 at 17:46 - Reply

    Olá,
    Tive enormes prejuízos operando Fundos Imobiliários na Bovespa, declarei corretamente todos a fim de compensa-los no futuro. Estou operando ações na Nasdaq e tendo ótimos lucros. Posso compensar os prejuízos que tive em FII com os lucros da Nasdaq?

    • Investidor Internacional
      Investidor Internacional 06/12/2015 at 16:39 - Reply

      Olá Marli,

      Não é possível compensar prejuízos com investimentos no exterior.

      Não sei quando você começou a investir em FIIs, mas estamos há 3 anos em um ciclo de baixa. Procure investir e pensar para prazos mais longos.

      Abçs!

  30. Talita 09/12/2015 at 00:13 - Reply

    Ola,

    Gostaria de saber se existe a tributação no caso de retorno de investimento do capital integralizado em companhia offshore. Digamos que a pessoa física (residente no brasil) investiu 1MM numa cia offshore a titulo de integralizado de sua quotas e posteriormente resolveu retornar o valor de $100,000. a titulo de retorno de investimento. Existe a tributação sobre a variação cambial?

    A segunda duvida seria: Tenho uma conta corrente no exterior que tem investimentos diversos, obtive lucros e gostaria de transferir os ativos para uma companhia offshore a titulo de integralização do capital social? A minha pergunta e, devo pagar o IR no brasil sobre os lucros ante de transferir os ativos ou não existe a necessidade de recolher o IR?

    Qual seria a base legal para ambas as perguntas.

    grata,

    Talita

  31. Marco 11/12/2015 at 14:23 - Reply

    Boa tarde,
    Muito obrigado e parabéns pelo site.
    Sou estrangeiro (desculpa meu português) e estou no pais faz pouco mais de um ano, acho que tenho que fazer a declaração do IR (mais ainda não tenho certeza).
    Estou pensando em vender umas ações estrangeras adquiridas faz mais de 15 anos no meu pais com a moeda local (não fiz transferência desde o Brasil para comprar essas ações). Li acima que tem uma isenção de R$ 35.000 reais na venda, isso também acontece na minha situação? (Compradas com moeda local) Deveria fazer alguma coisa na declaração do imposto da renda?
    Muito obrigado,
    Marco

    • Investidor Internacional
      Investidor Internacional 11/12/2015 at 18:09 - Reply

      Olá Marco,

      Seu português já está melhor do que o de 95% dos brasileiros. 🙂

      Acredito que você já deva ter seu domicílio fiscal no Brasil.

      Caso você não seja americano, a regra que se aplica é a brasileira. Então se a suas vendas convertidas para reais não superarem 35 mil reais no mês você está isento sim.

      Caso seja americano, você ficará isento no Brasil, mas terá que declarar para a IRS. Não sei efetivamente se e quanto terá que pagar, porque as regras da receita americana são outras.

      Abçs!

      • Marco 14/12/2015 at 08:46 - Reply

        Muito Obrigado 🙂

        Tenha uma ótima semana!!

        Abçs
        Marco

  32. shoemaker 14/12/2015 at 18:01 - Reply

    Boa tarde II,

    Uma dúvida me surgiu quanto à tributação de dividendos auferidos no exterior, via ações, Reits ou ETFs.

    Utilizando-se aquela tabela progressiva, aplica-se as diferentes alíquotas, de 7,5% a 27,5%, e parcelas a deduzir, proporcionais ao ganho auferido, sob o código 0190. Um recebimento de dividendos lá fora, convertido para reais, de ate 1.903,98, conforme a tabela, num mês em questão, seria isento, confere?

    A questão então seria: caso o indivíduo já recolha mensalmente o carnê-leão, fruto de recebimento de um aluguel, por exemplo, o valor recebido via dividendos no exterior somaria-se ao valor recebido via aluguel para efeito de cálculo do valor a pagar?

    Agradeço desde já

    • Investidor Internacional
      Investidor Internacional 14/12/2015 at 18:17 - Reply

      Olá shoemaker,

      Sim, os dividendos entram junto com as rendas do carnê-leão.

      “O carnê-leão é o recolhimento mensal obrigatório do Imposto de Renda feito pelo próprio contribuinte quando este recebe rendimentos pagos por pessoas físicas ou vindos do exterior.”

      Abçs!

  33. ROBERTO 15/12/2015 at 18:33 - Reply

    Desculpe se já tiver respondido anteriormente, gostaria de saber sobre a tributação no caso de investimentos dentro de uma TRUST. Muito obrigado e parabéns por todo seu excelente conteúdo.

  34. Bruno 20/12/2015 at 08:28 - Reply

    Ola Investidor,
    Por exemplo, se eu vender um titulo de renda fixa com preço abaixo do custo de aquisição é possivel compensar esse prejuizo com o recebimento no futuro de coupons de juros de outros titulos de renda fixa dentro na mesma conta e pais ?
    Obrigado e Parabens pelo Site,

  35. Marco 08/01/2016 at 16:19 - Reply

    Olá Investidor,

    Tenho um dúvida:
    A abertura de conta no exterior pode ser utilizada para evitar as alíquotas de IR (agora de 25%) cobradas nas remessas para pagamento de dispesas e serviços?

    • Investidor Internacional
      Investidor Internacional 08/01/2016 at 22:23 - Reply

      Olá Marco,

      Se a finalidade da remessa for investimento no exterior, não há cobrança de desse imposto.

      Abçs!

  36. Guilherme 10/01/2016 at 08:51 - Reply

    Remessa de minha conta corrente aqui no brasil para minha conta corrente nos eua (mesma titularidade), finalidade Disponibilidade Financeira, tem esse imposto de 25% que iniciou agora em 01/2016?? Porque o dinheiro que ja tenho em minha conta já foi descontado 27,5% e acho um absurdo ter q. Pagar mais 25% se eu quiser enviar/gastar o meu dinheiro ja liquido nos eua..Se for isto mesmo, dai é só levar em cash, mas é um absurdo…

  37. Guilherme 12/01/2016 at 19:01 - Reply

    Mas se a finalidade for disponibilidade financeira, nao investimento..por exemplo quero juntar $ na minha conta dos eua para gastar qdo for la, por exemplo comprar um automovel, alimentação, roupas…tem que pagar mais 25% ou nao??

  38. Thiago 15/01/2016 at 08:44 - Reply

    A isenção dos 35 mil não se aplica a resgates de investimentos também além de ações?

    Obrigado.

    • Investidor Internacional
      Investidor Internacional 15/01/2016 at 17:47 - Reply

      Olá Thiago,

      Para títulos sim. Para contas remuneradas não se aplica a isenção.

      Está aqui.

      Abçs!

      • Thiago 15/01/2016 at 18:41 - Reply

        Boa noite.

        Obrigado pela resposta.

        Logo, se aplicaria a CD mas não MoneyMarket, é isso?

        No entanto, no próprio link disponibilizado refere que os JUROS não estão sujeitos a isenção dos 35 mil mas nada menciona sobre a aplicação em si e os exemplos contemplam sempre valores acima de 35 mil ou estou enganado?

        Outra duvida, no caso de titulos, se o valor com juros for menor que 35 mil no resgate somado do mes, não pagaria imposto nem sobre os juros? Logo, declararia apenas como rendimento isento?

        Obrigado pela atenção e parabéns pelo excelente site.

  39. Igor 15/01/2016 at 21:59 - Reply

    Prezado II,

    Quando você declara um fundo de investimento no exterior, como costuma preencher a discriminação do bem?

    Abraços.

    • Igor 16/01/2016 at 10:31 - Reply

      Favor desconsiderar a minha pergunta. Já encontrei a resposta na sua postagem.

  40. marcos 16/01/2016 at 12:15 - Reply

    Prezado Investidor Internacional

    P/ os valores recebidos dos bonds , por ex. do BB , Itau , e etc (são valores semestrais) devo declarar como ganho de capital ou carne Leão ? Eu entendo que esses valores são os juros do principal e portanto deveriam ser taxada em 15 % como ganho de capital.

    Att

  41. marcos 16/01/2016 at 17:28 - Reply

    Prezado II

    Obrigado pela resposta . Estou concluindo que p/ quem tem recursos mais expressivos seria muito mais simples ter uma offshore (custos de abertura em torno de US$ 2000 a 4000 e anual de US$ 2000). Poderíamos ter cartão de crédito/débito no nome dessa empresa e utilizar os recursos p/ gastos correntes ? Ou teríamos acesso a esses recursos somente com distribuição de lucros ?
    Penso que a receita brasileira não teria acesso a contabilidade dessa empresa , por ex se for sediada em BRITISH VIRGIN ISLANDS e esses gastos com cartão poderiam entrar como despesa da offshore.
    P/ as offshore não pagaríamos variação cambial na data do vencimentos das aplicações , correto?
    Essa fato pode ser significativo se tivermos uma desvalorização mais acentuada do real.

    Att

    • Investidor Internacional
      Investidor Internacional 16/01/2016 at 18:02 - Reply

      Olá Marcos,

      Sim, ter uma offshore é o melhor negócio.

      Os custos são MUITO menores do que você colocou.

      Dentro de algumas semanas, vou disponibilizar diversas oportunidades para os leitores que se interessarem.

      Abçs!

  42. Paulo 27/01/2016 at 09:39 - Reply

    Prezado II,

    E quanto aos países que possuem acordos tributários com o Brasil?

    Se eu auferir lucro nesses países, serei tributado na fonte e depois terei que comprovar a tributação para a Receita Federal Brasileira?

    Você recomendaria, por exemplo, abrir uma conta em Portugal (que há tal acordo)?

    Muito obrigado,

    Paulo

    • Investidor Internacional
      Investidor Internacional 27/01/2016 at 11:10 - Reply

      Olá Paulo,

      Você deve abrir conta em países que não tributam não residentes, principalmente no que se refere a ganho de capital e investimentos de renda fixa.

      Em termo de investimentos, não tem como evitar o imposto na fonte sobre os dividendos. Vai variar de país para país e o Brasil quase não tem acordo para reduzi-los. O que tem é a compensação de não ter que pagar aqui de novo, como no caso dos EUA e Alemanha.

      Abçs!

  43. ramon 28/01/2016 at 14:20 - Reply

    estou pensando em investir em Reit e ETF, mas aguardo o teu artigo sobre offshore, penso em abrir no uruguai… tudo legalmente, por óbvio. sendo uruguia seria fácil abrir uma conta em corretora dos eua? PJ nos eua paga mesmo valor de imposto no recebimento de dividendos?

    valeu!!!

    • Investidor Internacional
      Investidor Internacional 28/01/2016 at 14:55 - Reply

      Olá Ramon,

      Até o mês que vem eu passarei todas as informações referentes a isso.

      Tudo que é colocado no site é perfeitamente legal. A má fama é justamente por existir pessoas que usam estruturas e processos legítimos para ocultar ganhos obtidos de forma ilícita.

      Uruguai é só uma entre várias opções. Não facilita, nem dificulta nada.

      Abçs!

  44. Adriana 08/02/2016 at 14:12 - Reply

    Semestralmente recebo no exterior cupons de titulos soberanos e corporativos em dolar (bonds).
    Os impostos foram calculados pelo Carnê Leao (27,5%) durante 2015 (junto com dividendos de outras aplicações em dolar no exterior)
    Perguntas:
    1 – Qual a lei , Ato declaratorio da receita federal, ou outra norma que me permitiria lançar o valor do cupon no programa GCME e pagar 15% como ganho de capital para 2016 ?
    2 – Tem alguma forma de quando fizer a minha declaração de IRPF 2016 ano base 2015 de compensar ou acertar o que paguei a mais nos DARFs do carnê leão, dado que poderia ter pago 15% somente sobre os cupons?
    3 – Se o item 2 não for possivel, tem alguma forma de obter resarcimento?
    4 – Este assunto dos cupons pagarem 15% é aceito pela Receita Federal ou é tema controverso?

    Obrigada pela ajuda

    • Investidor Internacional
      Investidor Internacional 10/02/2016 at 17:08 - Reply

      Olá Adriana,

      1-Como eu falei essa é uma parte nebulosa da lei. Não há nada que eu tenha encontrado dizendo sobre os cupons de bonds ou que oriente no caso da diferença de preço caso você compre um título acima do valor de face. O título de renda fixa é ganho de capital, pois rende juros.

      2 e 3-Não vejo essa possibilidade. Acharia melhor você perguntar ao seu contador.

      4-Não há nada específico na lei sobre isso. Pelo menos eu não encontrei.

      Dependendo dos valores que você recebe, talvez compensaria abrir uma empresa no exterior para cuidar dos seus investimentos. Aí você não precisaria declarar nenhum cupom recebido.

      Abçs!

  45. Leonardo Daher 20/02/2016 at 13:05 - Reply

    Parabéns pelo site! Ótimos comentários, com texto claro e conciso!
    Gostaria de saber se o post sobre empresas offshores já foi publicado. Não consegui encontrar.
    Continuem com esse belo trabalho!

  46. Danilo Marinho 22/02/2016 at 22:29 - Reply

    Olá, boa noite!
    Parabéns pelo trabalho que realiza neste site. É realmente esclarecedor.

    Gostaria que me ajudasse com uma questão que estou pesquisando muito para saber os pormenores e se realmente valerá a pena o risco. Tenho um amigo nos USA (cidadão americano) que me convidou para investir em compra, reforma e venda de casas na Flórida. Minha dúvida está em como enviar o dinheiro para lá de maneira menos custosa, porém legal, como declarar a saída do investimento aqui no Brasil, a entrada deste recurso nos USA e o retorno do lucro, evitando problemas com a legislação tanto do Brasil como dos EUA. Se eu abrir uma conta no HSBC, por exemplo, posso manter transferências periódicas? Preciso declará-las?
    Outra dúvida está nas alíquotas e taxas que deverei pagar em cada etapa.

    Desde já agradeço a atenção.

    Grande abraço.

    • Investidor Internacional
      Investidor Internacional 23/02/2016 at 09:51 - Reply

      Olá Danilo,

      Investimento em imóveis requer uma estrutura offshore um pouco mais complexa.

      Mandarei um e-mail pra você.

      Abçs!

      • Danilo Marinho 24/02/2016 at 18:29 - Reply

        Olá, boa tarde.
        Ok. Aguardarei o email.
        Muito obrigado pela atenção dispensada.

  47. eduardo 24/02/2016 at 10:09 - Reply

    Otima publicação. Tenho apenas uma duvida. Tenho uma pequena quantia aplicada em uma conta corrente e em uma conta poupança nos EUA onde a titular da conta é minha esposa (americana residente no Brasil). No ano de 2015 tivemos juros de menos do que $5 em cada uma das contas. Devo pagar o imposto sobre esses $5?
    Devido a este pequeno juros eu tenho que pagar ganho de capital de todo o montante depositado visto que eu enviei o dinheiro via banco itau com a cotação de 2,6 e hoje esta 4,0.
    Esse dinheiro nao retornará para o Brasil. Ele será usado para pagar a mensalidade escolar nos EUA.
    muito obrigado,
    Eduardo

    • Investidor Internacional
      Investidor Internacional 24/02/2016 at 13:17 - Reply

      Olá Eduardo,

      Conta remunerada incide imposto na valorização cambial. Veja aqui.

      Se tivesse deixado na conta corrente não teria nenhum tipo de imposto.

      Abçs!

      • eduardo 24/02/2016 at 14:51 - Reply

        Obrigado pela resposta. No meu caso, o dinheiro esta na conta corrente mas mesmo assim rendeu um dolar e quarenta centavos. Como estava na conta corrente nao preciso pagar então?

  48. Emerson 25/02/2016 at 12:49 - Reply

    Prezado Investidor Internacional,

    Parabéns – a melhor fonte que encontrei a respeito.

    Uma dúvida, tenho uma conta corrente, em Jersey, em dólares. Ficou simples de entender que a variação cambial é isenta até a repatriação.

    Gastei uma parte dos depósitos em gastos fora do país, com cartão de débito. Assim, o saldo atual é menor que os valores enviados.

    Minha dúvida é: A RF não vai entender que ao gastar valores, mesmo no exterior, eu realizei os lucros da variação e assim teria de declarar esta variação, pagando o ganho de capital? – Me parece esdrúxulo, mas é a nossa RF né.

    Abs

    • Investidor Internacional
      Investidor Internacional 25/02/2016 at 17:22 - Reply

      Olá Emerson,

      A variação cambial é isenta quando estiver em conta não remunerada. Independe de repratriar.

      Não faz diferença o que você fez com o dinheiro. Na conta corrente é isento.

      Abçs!

      • Paulo 25/02/2016 at 19:19 - Reply

        Então se eu tivesse investido em dólar em 2015 utilizando apenas depósitos à vista em uma CC no exterior, e utilizado cartão de débito internacional no brasil, teria 50% de ganho livre de IR?!

      • Emerson 25/02/2016 at 19:56 - Reply

        Obrigado pela resposta.

        Parabéns novamente pelo trabalho.

  49. AMJ 29/02/2016 at 16:17 - Reply

    Prezado Investidor Internacional,
    Antes de mais nada parabéns pelo excelente post.
    Minha dúvida: ao longo de 2015, transferi da minha conta corrente no Brasil para minha conta corrente no exterior (disponibilidades no exterior) uma determinada quantia en dólares americanos. Essa conta não era remunerada.
    Em janeiro de 2016, utilizei esse dinheiro para comprar uma casa no exterior. Preciso pagar IR pelo ganho de capital decorrente da variação do dólar entre a data da remessa e a data da utilização? Ou só quando vender a casa no fututo?
    Muito obrigado

    • Investidor Internacional
      Investidor Internacional 29/02/2016 at 16:52 - Reply

      Olá AMJ,

      Na declaração de 2016 você vai declarar o saldo do dia 31/12/2015. A variação cambial entra nos rendimentos isentos e não tributáveis.

      Só espero que não tenha comprado uma casa nos EUA como pessoa física.

      Abçs!

      • Adriana 24/03/2016 at 00:44 - Reply

        Olá… Comprei uma casa nos EUA como pessoa física. Mandei o valor pelo câmbio Itaú diretamente para o vendedor de lá via Cartorio. Já declarei a compra da casa no IR do ano passado. Está ok? É só manter a declaração igual? Tenho uma conta lá nos EUA, envio o dinheiro pelo Itaú, serve para pagar despesas de lá. Preciso declarar essa conta? Obrigada.

  50. John 03/03/2016 at 00:14 - Reply

    Olá,
    Obrigado por um artigo muito interessante! Eu tenho a seguinte pergunta. Sou
    americano morando no Brasil faz 20 anos. Recentemente, meu pai faleceu nos Estados Unidos
    e eu herdei sua
    conta de investimento e IRA. A conta de investimento tem ações e títulos.
    Como faço para declarar isso no meu IR brasileiro? Eu vi em uma das suas respostas anteriores
    que cidadões americanos não pagam IR brasileiro sobre os juros e dividendos recebidos nos EUA.
    Por favor você pode elaborar mais sobre isso. Como faço para declarar os dividendos , juros e ganhos de capital no Brasil?
    Obrigado por ajudar.

    • Investidor Internacional
      Investidor Internacional 03/03/2016 at 15:24 - Reply

      Olá John,

      Se você mora há 20 anos no Brasil, você é residente fiscal aqui, independente de onde tenha nascido. Uma coisa é ser cidadão, outra é residente fiscal. No caso de cidadania, os EUA é um dos 2 países do mundo que exige declaração de renda independente de onde vivem.

      Neste caso seu trata-se de imposto sobre herança no exterior. Como eu falei é uma área meio nebulosa. A interpretação que eu sigo é essa aqui. Entretanto alguns desembargadores ficam inventando moda para querer tributar.

      De qualquer forma, você precisará ver também nos EUA como fica a tributação por lá.

      Abçs!

  51. Peter 03/03/2016 at 07:42 - Reply

    Prezado Investidor Internacional,
    sou alemão e estou morando no Brasil com visto permanente. Estou declarando no IRPF
    uma quantidade de ouro em barras que tenho na Alemanha. Como o ouro já foi comprado antes do ingresso no Brasil, estou colocando na declaração o valor do dia do ingresso, convertido em R$, repetindo este mesmo valor todos os anos.
    Pergunta: No caso da eventual venda na Alemanha (que não tributa isso) eu deveria declarar e pagar imposto aqui no Brasil?
    Muito obrigado

    • Investidor Internacional
      Investidor Internacional 03/03/2016 at 15:27 - Reply

      Olá Peter,

      Em caso de venda com lucro, há tributação.

      A melhor opção é vender menos de 35 mil reais por mês para ficar na faixa de isenção.

      Abçs!

      • Peter 04/03/2016 at 06:10 - Reply

        Obrigado pelo esclarecimento.
        Entendo que sobre o lucro (em R$) d’uma venda em cima de 35mil/mês seria cobrado um imposto de 15%,
        ta certo?
        Seria possivel de declarar uma venda de 425mil em 12 partes à 35mil ??

        Abcs!

        • Investidor Internacional
          Investidor Internacional 04/03/2016 at 10:10 - Reply

          Olá Peter,

          Não. Se a venda total for de R$ 425 mil, o ganho de capital é em cima disso. O pagamento do imposto será parcelado junto com as parcelas, mas não entra em “bens de pequeno valor”. Precisaria ser 12 vendas separadas para ser isento.

          Abçs!

  52. Tha 03/03/2016 at 10:14 - Reply

    Olá,
    Primeiramente, parabéns pelo post. Muito esclarecedor!

    Tenho uma dúvida: moro no Brasil, mas trabalho pro exterior de maneira remota (a partir do Brasil) como pessoa física. Dessa forma, recebo os pagamentos pelos meus serviços em uma conta situada no exterior. Há incidência de imposto sobre o saldo dessa conta no exterior ou em alguma remuneração recebida do exterior nessa conta?

    Obrigada desde já pela atenção!

  53. John 03/03/2016 at 22:39 - Reply

    Obrigado pela resposta!

    Eu já paguei o imposto sobre herança nos EUA e também pago imposto de renda lá.
    O que eu gostaria de saber é se eu também tenho que pagar o imposto sobre os dividendos, juros e capital gains recebidos nos EUA também aqui no Brasil. Não seria tributação dupla?

    Em uma de suas respostas anteriores para Marco no dia 2015/11/12 você escreveu:

    ” Caso seja americano, você ficará isento no Brasil, mas terá que declarar para a IRS. Não sei efetivamente se e quanto terá que pagar, porque as regras da receita americana são outras.”.

    Ja que eu pago imposto nos EUA, pensei que havia algum acordo especial entre EUA e Brasil para evitar tributação dupla. Se já paguei o imposto nos EUA posso deduzir o valor no Brasil?
    Outro problema é que nos EUA eu pago o imposto sobre dividendos e ganhos de capital no final do ano, então eu não sei como fazer tudo isso se encaixar com IR Brasileiro 🙁

    • Investidor Internacional
      Investidor Internacional 04/03/2016 at 09:45 - Reply

      Olá John,

      Sim, os impostos já pagos nos EUA podem ser abatidos aqui. Existe o acordo.

      Para avaliar as minúcias do seu caso em específico, acharia melhor ter um contador de confiança.

      Abçs!

  54. Alexandre 05/03/2016 at 14:56 - Reply

    Por acaso, você teria alguma relação de escritórios de contabilidade familiarizados com tributação de investimentos no exteriror
    Que prestam este tipo de serviço, seja para uma consultoria permanente, seja para fazer a declaração de IR

  55. Sheila 13/03/2016 at 18:05 - Reply

    Olá,
    recebo dinheiro de uma empresa estrangeira, irei abrir uma conta em Jersey e deixar o dinheiro no exterior.
    Onde me enquadro? Devo declarar com o carnê leão, mesmo não trazendo o dinheiro para o Brasil?
    Ou só a declaração de conta no exterior?

    • Investidor Internacional
      Investidor Internacional 13/03/2016 at 22:49 - Reply

      Oi Sheila,

      Se você declara imposto de renda no Brasil, precisa declarar os recebimentos recebidos no exterior. É no carnê-leão sim.

      “243 — Quem está sujeito ao recolhimento mensal obrigatório (carnê-leão)?

      2 – rendimentos ou quaisquer outros valores recebidos de fontes do exterior, tais como, trabalho assalariado ou não-assalariado, uso, exploração ou ocupação de bens móveis ou imóveis, transferidos ou não para o Brasil, lucros e dividendos. Deve-se observar o disposto nos acordos, convenções e tratados internacionais firmados entre o Brasil e o país de origem dos rendimentos, e reciprocidade de tratamento”

      Abçs!

  56. Erwan 15/03/2016 at 09:47 - Reply

    Prezado,

    Em 2015 fiz uma remessa em julho/2015 de 5 mil dólares para uma corretora de Forex. Em 31/12/15 o saldo estava em pouco mais de 6.200,00 dólares. Como eu devo informar na declaração esse saldo na conta ? e qual taxa cambial eu uso, é a taxa de julho/2015 quando enviei ou a taxa cambial de 31/12/15 ?
    Outra dúvida é: Eu só devo pagar o imposto quando somente fizer a repatriação ?

    Att,

    • Investidor Internacional
      Investidor Internacional 16/03/2016 at 10:35 - Reply

      Olá Erwan,

      Na declaração de bens você usa o câmbio do último dia de 2015.

      O fator gerador de imposto é a operação com lucro de acordo com as regras do texto.

      Repatriação não é fator gerador de imposto.

      Abçs!

  57. Celso Gomes Rodrigues 15/03/2016 at 17:05 - Reply

    Caro Investidor,
    Rendimentos de Certificado de Depósito no exterior devem ser considerados como ganhos de capital e utilizado o programa GCME ou rendimentos sujeitos ao carnet leão ?
    Obrigado

  58. Celso 16/03/2016 at 11:26 - Reply

    Obrigado, muito gentil e rápido

  59. Sergio 24/03/2016 at 20:48 - Reply

    Caro Investidor,
    Boa noite.
    Em primeiro lugar, parabéns pelo seu Blog!
    Tenho uma pergunta sobre saldo de conta não remunerada no exterior.
    Meu entendimento é que a variação cambial deverá ser declarada como rendimento isento e não tributável, correto?
    Saberia informar se é o Campo “Outros”? A minha dúvida é que este campo exige CPF/CNPJ da Fonte Pagadora.
    Desde já agradeço.
    Abs!

    • Investidor Internacional
      Investidor Internacional 25/03/2016 at 08:54 - Reply

      Olá Sérgio,

      Sim, é rendimento isento e não tributável.

      Essa questão de exigir CNPJ/CPF em rendimentos isentos começou há pouco tempo. Antes não havia esse campo.

      Ainda não vi essa parte do programa de 2016. Quando eu vir, poderei responder melhor.

      Abçs!

      • Felipe 07/04/2016 at 17:00 - Reply

        Acontece o mesmo comigo.
        Sem o CNPJ ou CPF não é permitido. É um gap do programa?

        • Investidor Internacional
          Investidor Internacional 08/04/2016 at 09:44 - Reply

          Olá Felipe,

          Chegou a ver com seu contador essa questão?

          Abçs!

          • Felipe 08/04/2016 at 11:09 - Reply

            Sim. Ocorre que é uma dúvida de ambos.
            O programa sugere que rendimento isento e não tributável seja inserido no campo outros (campo 24). No entanto, por se tratar de uma instituição do Exterior, não tenho como informar o CNPJ da fonte pagadora e a falta dessa informação não permite enviar por ser um campo obrigatório. Estou pensando em colocar meu propário CPF naquele campo apenas para conseguir avançar, pois me parece que é um erro do programa validador, por não aceitar outro tipo de identificação da fonte pagadora alternativa ao CNPJ.

          • Felipe 19/04/2016 at 15:35 - Reply

            Ola investidor internacional. Conseguiu verificar o erro? acho que vou informar meu proprio cpf no campo fonte pagadora, o que acha?

            • Investidor Internacional
              Investidor Internacional 19/04/2016 at 16:47 - Reply

              Olá Felipe,

              Ainda não consegui equacionar isso.

              Abçs!

            • Investidor Internacional
              Investidor Internacional 21/04/2016 at 20:52 - Reply

              Olá Felipe,

              Eu deixei o campo do CNPJ em branco e o sistema aceitou.

              Seria no campo “outros” dos rendimentos isentos e não tributáveis.

              Já tentou isso?

              Abçs!

  60. Renan 25/03/2016 at 18:47 - Reply

    Prezado Investidor Internacional, obrigado pelo post, porém ainda tenho dúvidas sobre a declaração de IR das minhas ações no exterior. Agradeço enormemente pela ajuda!

    1) Qual câmbio eu utilizo para a declaração de bens e direitos de Ações de empresas adquiridas na Bolsa americana? O câmbio da remessa original (2014), o câmbio da data de compra de cada Ação ou o câmbio de 31 de dezembro? Neste período já fiz várias compras e vendas, apurando o ganho em dólar e pagando 15% sobre o lucro em Reais no mês seguinte pelo código 8523.

    2) Dependendo da resposta em “1”, se for pelo câmbio da data da compra, como faço se eu fizer várias compras da mesma ação em várias datas com vários câmbios diferentes? Média ponderada do valor da ação e dos “câmbios” nas datas adquiridas?

    3) Também relacionado à pergunta “1”, existe algum campo onde será colocada a variação cambial positiva ainda não realizada para não dar “divergência” na declaração? Por exemplo, digamos que enviei 100 mil dólares a 2,30 e logo comprei Ações no exterior. Hoje o dólar está a 4,00, portanto se eu declarar a 4,00 terei um ganho cambial de 170 mil Reais, mas sobre o qual não paguei os tributos e que portanto não terei como “comprovar” para que a declaração bata/faça sentido.

    4) Por fim, o dia que eu quiser trazer o dinheiro de volta, terei que calcular a diferença em Reais entre minha remessa inicial e a volta, calcular o ganho de capital integral e pagar 15% sobre tudo de uma vez num DARF, diminuindo o valor dos DARF’s já pagos no período que o dinheiro ficou lá fora? Seria o mesmo DARF 8523?

    Muito muito obrigado!
    A própria Receita não sabe informar nada com certeza em seus escritórios regionais.

    • Investidor Internacional
      Investidor Internacional 27/03/2016 at 18:19 - Reply

      Olá Renan,

      1-O câmbio do último dia útil do ano. A diferença entre este câmbio e o da compra entra nos rendimentos isentos.

      2-Tem que apurar o valor em real para cada compra e somar tudo. Aí atualiza pelo câmbio do fim do ano.

      3-Rendimentos isentos.

      4-Não existe imposto para repatriar. O que gera imposto são as operações com lucro.

      Abçs!

      • Paolo Andreas Candioto 31/03/2016 at 14:20 - Reply

        Não existe imposto para repatriar? Mas e se eu mando dinheiro para uma checking account, deixo lá sem investir, e repatrio a um câmbio maior? Não incidirá imposto?

  61. Álvaro 30/03/2016 at 04:52 - Reply

    Excelente blog!

    1. O saldo de um plano 401K nos EUA, equivalente a um PGBL no Brasil, precisa ser listado na declaração de bens do IRPF? Pois o saldo de um PGBL brasileiro não entra na declaração de bens. E os rendimentos financeiros gerados (mas não resgatados) de um 401K estão sujeitos ao carnê-leão, ou apenas quando forem efetivamente resgatados (como no caso do PGBL brasileiro)?

    2. Ao se transferir fundos de investimentos mantidos no exterior como pessoa física para integralizar o capital de uma nova companhia também no exterior, essa transferência gera ganho de capital em moeda estrangeira sobre cada um desses investimentos, devendo ser apurado pelo programa GCME da Receita Federal?

    • Investidor Internacional
      Investidor Internacional 30/03/2016 at 07:25 - Reply

      Olá Álvaro,

      1-Acredito que tudo que esteja em nome de pessoa física residente no Brasil deva ser declarado, assim como os rendimentos quando estiverem disponíveis. Para avaliação do seu caso específico, seria recomendável a avaliação de um contador.

      2-É preciso ficar atento co =m os fatores geradores de imposto. Resgate de fundo com lucro esta sujeito a IR de acordo com as regras vigentes, independente do que você irá fazer com o $ depois.

      Abçs!

  62. Paolo 31/03/2016 at 15:36 - Reply

    Boa Tarde,

    Excelente artigo, muito elucidativo.

    Apesar de a maior parte das dúvidas já terem sido sanadas, peço que se possível explique os seguintes pontos:

    1-Onde indico o rendimento isento em conta não remunerada, já que esta não possui CNPJ?

    2- Para quais casos uso DARF e quais Carnê-Leão? Dividendos de fundos multimercado se encaixaria em qual dos dois? E se este rendimento for automaticamente reinvestido não é necessário pagamento, certo?

    3-Onde eu indico os DARFs já pagos? Seria dentro do programa GCME?

    4-Se o lucro estiver isento devido à regra dos 35k, preciso declará-lo? Se sim, onde e como?

    Desde já agradeço

    • Investidor Internacional
      Investidor Internacional 31/03/2016 at 17:56 - Reply

      Olá Paolo,

      1-Ainda não vi essa parte do programa. Acho melhor perguntar na receita ou ao contador.

      2-Dividendos de fundos e bonds não é muito claro na lei. Em geral juros é ganho de capital.

      3-Você importa por meio do programa.

      4-Rendimentos isentos.

      Abçs!

      • Paolo 02/04/2016 at 16:42 - Reply

        Olá II,

        Se possível, quando você descobrir qual o novo procedimento para declarar os rendimentos isentos (devido ao campo CNPJ), peço que me informe por e-mail. Já fiz a consulta com vários contadores e sites e ninguém sabe responder.

        Obrigado

        • Investidor Internacional
          Investidor Internacional 03/04/2016 at 19:15 - Reply

          Olá Paolo,

          Pra você ver o quanto a burocracia tributária brasileira sai caro. Não só nos valores, mas na dor de cabeça e perda de tempo para conseguir descobrir como fazer.

          Abçs!

          • Paolo 04/04/2016 at 12:12 - Reply

            Dei jeito aqui. Ele não obriga a colocar o CNPJ no campo 24, é opcional.

            Outra dúvida, estava lendo a instrução normativa 118 e achei este trecho:

            Art. 17. Aplica-se às alienações de que trata esta Instrução Normativa o disposto nos arts. 5º, 14, 21, e 24, I, II, e §§ 1º, 2º e 3º, da Instrução Normativa SRF nº 048, de 26 de maio de 1998.
            Parágrafo único. Para efeito do disposto neste artigo, será considerado o valor total de alienação, liquidação ou resgate na data da operação, inclusive nas hipóteses de recebimento a prazo ou a prestação.
            Art. 18. Observado o disposto no artigo anterior, na determinação do ganho de capital sujeito à incidência do imposto, a isenção dos ganhos de capital decorrentes de operações de valor igual ou inferior a R$ 20.000,00 (vinte mil reais):
            I – no caso de operações financeiras, será considerada em relação ao total das liquidações ou resgates realizados no mês;
            II – não se aplica à alienação de moeda estrangeira mantida em espécie.

            Não entendi direito esse caso dos 20 mil reais. Está em vigor isso ainda? Quanto aos 35 mil reais não achei nada.

            Dividendos entraria nessa conta para isenção?

            • Investidor Internacional
              Investidor Internacional 04/04/2016 at 15:28 - Reply

              Olá Paolo,

              Dividendo e ganho de capital são coisas diferentes.

              Esses 20 mil reais são para ganho de capital dentro do Brasil.

              Abçs!

  63. Kamikaze 03/04/2016 at 00:19 - Reply

    Carissimo,
    apesar de ja ter dinheiro fora do pais ha algum tempo, ano passado pela primeira vez tive dividendos depositados em minha conta numa corretora americana.
    ao procurar informações na net de como declarar dividendos no exterior me deparei com seu excelente post. nao atentei para a necessidade fazer esses lançamentos via carnê-leão mensalmente, como muito bem explicado.
    Tentei seguir o procedimento de inserir os valores diretamente no programa IRPF 2016, ja que nao tinha feito o carne leão 2015, mas notei que ao fazer isso o valor do imposto a pagar no IRPF 2016 aumentava.
    baixei o carne-leao 2015 e apesar de o programa aceitar colocar o imposto pago no exterior a compensar, apos inserir os valores a coluna de imposto pago no exterior a compensar continua apresentando apenas 0,00, apesar de os valores mensais pagos continuarem no programa, acessiveis ao clicarmos o mes correspondente.
    exportei os dados para o programa IRPF 2016 e para minha tristeza o imposto pago continuou a aumentar.
    inicialmente pensei que o problema fosse o programa carne-leao 2015, que ja nao funciaria direito, mas ao baixar o referido programa versão 2016 observei que ao preencher esses dados a coluna imposto pago no exterior a compensar continua apresentando apenas 0,00.
    como entendi pelo seu excelente artigo que nao deveria pagar mais imposto de renda no brasil devido ao fato de o IR nos estados ser maior, nao entendi o porquê do aumento do valor a ser pago por mim no IRPF 2016.
    Caso possa esclarecer esse problema ficarei muito grato.

    • Investidor Internacional
      Investidor Internacional 03/04/2016 at 19:19 - Reply

      Olá Kamikaze,

      Acho que seria mais adequado você consultar um contador. Trata-se de algo que vai precisar de uma correção sobre um processo que deveria ter sido feito ano passado.

      Abçs!

  64. Jacf2004 05/04/2016 at 09:28 - Reply

    Este é o meu primeiro post , assim gostaria de agradecer e elogiar
    o seu trabalho . Parabens !!!

    Tenho uma offshore a algum tempo , mas sem conta bancaria .
    Para integralizar capital a ela , a maneira mais economica seria
    fazer uma remessa para uma conta pessoal minha e depois integralizar
    este capital na conta da empresa ?

  65. Gustavo 05/04/2016 at 15:09 - Reply

    Olá II, parabéns e obrigado pelos esclarecimentos do seu post.
    Por mais que lemos sobre esse assunto de tributação, não sanamos todas as dúvidas. Deixa eu te perguntar (desculpe se vc já respondeu em algum momento, são muitos comentários, pode ter passado despercebido)

    1 – Pelo que entendi, para declarar Ações americanas, comprada com recursos do Brasil, em “Bens e Direitos”, converte o valor para Reais utilizando a cotação do Dólar para venda (ou compra?) do BC em 31/12. Se houve diferença positiva entre a cotação do Dólar para venda do BC no momento da compra da ação e a cotação no dia 31/12 do BC para compra (ou venda?), declara-se em rendimentos isentos. Seria isso? Uma dúvida também que sempre tenho é quando usar a cotação do BC para a compra e a cotação do mesmo para a venda, por isso coloquei a outra opção entre parêntesis;

    2 – Quando eu utilizo dividendos para comprar ações, tenho que separar a quantidade que comprei utilizando esse recurso, mesmo sendo o mesmo ativo (ação) e separá-lo na declaração de “Bens e direitos”? Nesse caso não informo nada em rendimentos não tributáveis, uma vez que o recurso não veio do Brasil? E o valor em reais, para informar em situação em 31/12? utilizo a cotação do dólar BC para venda (ou compra?) em 31/12? Quando vender o ativo (ação), como seria para apurar se houve lucro nesse caso?

    Ficaria muito grato pelas respostas.
    Abs!!

    • Investidor Internacional
      Investidor Internacional 06/04/2016 at 18:17 - Reply

      Olá Gustavo,

      1-Está no texto: “Em relação às ações, REITs e ETFs possuídos e aplicações em fundos de investimento, deve-se usar o valor de compra dos mesmos e declará-los na seção de Bens e Direitos.”

      2-Você precisa separar o que é originariamente em reais e originarianente em dólares (vindo de dividendos) na hora de declarar ganho de capital.

      O cálculo com a cotação do último dia do ano é mais para conta corrente.

      Para apuração de lucro na venda de ação já coloquei tudo no texto. Dá uma lida novamente.

      Abçs!

  66. Marcio 06/04/2016 at 11:36 - Reply

    Prezado Investidor Internacional, obrigado e parabéns pelo post, porém ainda tenho dúvidas sobre a declaração de IR.
    Trabalhei nos últimos três anos numa missão diplomática brasileira no exterior, recebendo em dólares americanos num Banco nos EUA, com tributação em reais retidos no Brasil.
    Mantive parte dos rendimentos em conta corrente não remunerada e uma parcela pequena investi em BDR, com rendimentos semestrais que mantive em conta corrente.
    Pelo que já foi postado, entendi que meus vencimentos que ficaram em conta corrente nos EUA não serão tributados. Minha dúvida é a seguinte:
    1) Mesmo tendo variação cambial, não há tributação, certo?
    2) Em caso de haver, a tributação se dará no momento em que todo dinheiro for repatriado, certo? Mas qual seria a cotação inicial, tendo em vista que o montante foi originado ao longo de 36 meses e, portanto, com diversas cotações diferentes?
    3) Na declaração de IRPF, a variação cambial deve ser lançada como rendimentos isentos, certo?
    4) Com relação aos BDR, caso eu tenha mantido os rendimentos em conta corrente, eles são taxados?

    Agradeço a gentileza e a atenção dispensadas.

    • Investidor Internacional
      Investidor Internacional 06/04/2016 at 18:58 - Reply

      Olá Marcio,

      Primeiramente, seria mais adequado uma avaliação por parte de um contador que avaliará tudo de maneira exata.

      Tentarei lhe ajudar no que sou capaz.

      1-Variação cambial em conta corrente não é tributada.
      2-já respondido
      3-Se em conta corrente sim.
      4-BDR são representações de ações negociadas no Brasil. São essas mesmas que você tem? Se forem, o IR é descontado na fonte.

      Abçs!

      • Marcio 07/04/2016 at 04:16 - Reply

        Caro Investidor Internacional

        Com relação às três primeiras questões eu agradeço pelas respostas.
        Com relação à ultima questão, eu não me expressei bem. O investimento que tenho nos EUA, é lastreado em ações de empresa brasileira e rende 6% aa, capitalizados semestralmente. Eu mencionei como BDR (Brazilian Deposit Receipts) porque era esse o nome que eu tinha em mente. Perdoe-me se estou equivocado. No entanto, não há tributação na fonte. Semestralmente venho recebendo os rendimentos, apesar da baixa do valor das ações e sou deduzido tão somente da taxa de custódia do banco. Portanto, salvo engano, só há incidência de imposto quando eu resgatar o investimento integralmente, quando então terei condições de apurar se tive ganho ou prejuízo (o que no momento é o caso). Estou certo?
        Obrigado

        • Investidor Internacional
          Investidor Internacional 07/04/2016 at 07:38 - Reply

          Olá Marcio,

          Não faço idéia do que seja um investimento baseado em ações brasileiras que renda 6% ao ano nos EUA.

          Não é BDR.

          Fica difícil eu afirmar qualquer coisa sem saber do que se trata.

          Abçs!

  67. sergio 06/04/2016 at 17:53 - Reply

    Olá! Parabéns pelo site e pelo post. Estou com algumas dúvidas sobre como declaro um Certificate of Deposit com duração de 2 anos que tenho nos EUA no IR deste ano. Vou colocar alguns dados fictícios e valores arredondados para facilitar o entendimento do meu caso: Fiz a aplicação no dia 30/06/2015 de US$ 1000. No dia 31/12/2015, o valor da aplicação estava em US 1100.
    – Eu devo declarar em Bens e direitos, o valor em reais do dia da aplicação (como LCIs e Certificados de Operações Estruturadas no Brasil) ou seja: US$ 1000×3,00= R$ 3000,00.
    – Ou devo declarar o valor da aplicação no dia 31/12/2015: 1100×4,00= R$ 4400,00.
    E o que faço com o ganho de US$ 100 (R$ 400)? Deve ir para Rendimentos isentos?
    – Ou alguma outra alternativa?

    Antecipadamente agradeço a gentileza.

    Abs.

    • Investidor Internacional
      Investidor Internacional 06/04/2016 at 19:02 - Reply

      Olá Sérgio,

      Use o valor do dia da aplicação em reais. Aí quando vencer no fim do prazo, você calcula o imposto sobre a diferença resgatada e inicial.

      Abçs!

  68. Gustavo 10/04/2016 at 00:58 - Reply

    Caro Investidor Internacional,

    Cada contador fala para eu fazer uma coisa e não estou seguro do que é correto.

    – Abri uma conta no exterior PF … e remeti (valor fictício USD 1.000.000,00) em março ao cambio de R$ 3,00 (ficticio também)
    – Apliquei em ETFs diversos
    – Após 3 meses, transferi os ETFs para uma offshore nas BVI e desde então, além dos ETFs aplico em outros instrumentos financeiros (Bons / Açoes / etc)

    Como declarar?

    – Pensei em declarar uma conta corrente não remunerada, com valor pequeno (até porque caso retorne o dinheiro um dia terá que ser pela minha pessoa física)
    – Outra conta com a BVI.

    Porém não sei se qual valor coloco para cada conta e com qual cotação. Importante ainda mencionar que as aplicações não tiveram muito sucesso, sendo que em 31/12/2015 … o montante na BVI somava USD 920.000,00 e na conta corrente USD 30.000,00.

    Terei que atualizar os valores todo ano?

    Obrigado,

    Gustavo

    • Investidor Internacional
      Investidor Internacional 10/04/2016 at 09:50 - Reply

      Olá Gustavo,

      A única contadora que há alguns anos me indicaram e que poderia ajudar está enfrentado alguns “probleminhas“.

      Existe uma certa limitação naquilo que eu eu posso orientar. Não sou contador, nem advogado e não tenho acesso a todas as informações relacionadas à sua movimentação (que é o mais importante).

      Abçs!

  69. Array 14/04/2016 at 16:04 - Reply

    Entendo que aluguel de imóvel no exterior deve ser declarado na ficha de Rendimentos Recebidos de Pessoa Física/Exterior, guia Outras Informações.

    Entretanto, há duas colunas onde esses rendimentos poderiam em tese ser listados: (1) Aluguéis e (2) Exterior.

    Em qual dessas duas colunas entra um aluguel recebido no exterior?

  70. Andre 14/04/2016 at 16:19 - Reply

    Prezado Investidor Internacional, antes de mais nada meus parabéns pelo site!

    Agradeço antecipadamente se puder me auxiliar com a seguinte questão:

    Abri uma conta corrente nos EUA e transferi recursos do Brasil em 2013. Mantive o depósito não remunerado até janeiro deste ano quando decidi comprar alguns bonds.

    Na situação de um bond comprado em janeiro de 2016 a US$ 90.000 (valor de face US$ 100.000) que pague cupons semestrais em junho e dezembro, com vencimento em dezembro de 2017, como deve ser realizada a declaração, bem como o pagamento do imposto via DARF?

    Obrigado e mais uma vez parabéns pelo site.

    • Investidor Internacional
      Investidor Internacional 14/04/2016 at 22:44 - Reply

      Olá André,

      O mais correto seria declarar o ganho de capital de 15% em cima de cada cupom recebido. Tem gente que orienta pagar como renda, com se fosse um dividendo.

      A outra diferença entre o preço pago e o valor de face você pode declarar no vencimento.

      Abçs!

  71. Luciano 14/04/2016 at 18:28 - Reply

    Caro Investidor Internacional,

    Foi aplicado USD 100.000 em 2014, em janeiro 2015 USD 85.000 foram investidos em títulos de empresas que pagam bônus semestrais nos USA, minha duvida, quando recebo estes bônus, por exemplo: julho / 2015 – USD 5.000 deve ser recolhido algum imposto aqui no Brasil?

    Abraços

    • Investidor Internacional
      Investidor Internacional 14/04/2016 at 22:46 - Reply

      Olá Luciano,

      Como eu respondi para o André, o mais correto seria declarar como ganho de capital e preencher DARF.

      Abçs!

  72. Dionísio 22/04/2016 at 10:31 - Reply

    Prezado Investidor International,
    Único site que encontrei que ajuda! O banco que tinha conta na Inglaterra fechou, transferi para um banco nos US e apliquei parte do que tinha na conta no savings account em dezembro. Como devo declarar? Já havia declarado em 31/12/2014 em depósitos no exterior mas houve uma variação cambial grande em 2015. Grato

    • Investidor Internacional
      Investidor Internacional 22/04/2016 at 18:25 - Reply

      Olá Dionísio,

      Pra lhe responder só tendo acesso a toda a sua movimentação.

      O que posso lhe ajudar é que a variação cambial do que ficou na conta corrente é rendimento isento.

      O que está em produto de investimento deve ser declarado a preço de compra.

      Seria mais adequado procurar um contador para calcular tudo de maneira exata.

      Abçs!

  73. Marcio Salmito 22/04/2016 at 21:25 - Reply

    Parabéns pelo seu post! Fiquei ainda com uma dúvida… Abri uma conta corrente nos Estados Unidos em 2014. No ano seguinte, usei uma parte do depósito desta conta corrente para abrir uma conta de poupança, para o dinheiro não ficar parado. Tenho duas perguntas:

    1- Os juros (irrisórios) que recebo mês a mês deveriam ter sido declarados à Receita brasileira mês a mês e recolhido os 15% de imposto sobre ganho de capital com aquele aplicativo java de ganhos de capital ou posso declarar apenas agora, junto com a declaração completa?

    Por exemplo: numa poupança de 10.000 dólares que esteja me rendendo 10 dólares por mês, como eu declaro esses 10 dólares por mês?
    a- ter declarado mês a mês, cada vez que entra esse valor na conta,
    b- deveria declarar na declaração anual ou
    c-apenas no futuro, quando eu for sacar o dinheiro?

    2- A conta-corrente oferece um cartão de débito, que utilizo com alguma frequência, para evitar o IOF de 6% dos gastos com cartões brasileiros. Cada pequeno gasto (10 dólares ou menos, por exemplo), devem ser considerados “alienação” e ser discriminado um por um na declaração de ganho de capital?

    • Investidor Internacional
      Investidor Internacional 23/04/2016 at 07:28 - Reply

      Olá Márcio,

      1-Exato. Ganho de capital, declarado todo mês. Se for valor pequeno (

      • Márcio Salmito 23/04/2016 at 11:05 - Reply

        Acho que sua resposta saiu cortada 🙁

        • Investidor Internacional
          Investidor Internacional 24/04/2016 at 17:02 - Reply

          Oi Márcio,

          Não respondi alguma coisa?

          O ganho com poupança é ganho de capital no resgate e o cartão você pode usar à vontade. Não tem relação com imposto.

          Abçs!

  74. Bia 23/04/2016 at 19:43 - Reply

    Ola Boa Noite,

    Tenho uma duvida, morei dois anos fora do brasil, mais precisamente no Equador, e antes de sair fiz a declaracao definitiva de IR. La ganhei em dolar, e ao retornar deixei o dinheiro salvo na minha conta corrente do Equador. Esse ano de 2016 sera o primeiro ano que realizo declaracao, como faco para declarar esse dinheiro? Quais sao os riscos de nao declarar?

    Obrigada

    • Investidor Internacional
      Investidor Internacional 24/04/2016 at 17:09 - Reply

      Oi Bia,

      O seu caso é mais relativo à volta pro Brasil do que com os investimentos em si.

      Seria mais adequado um contado avaliar esses detalhes. Foge um pouco do que eu sei.

      Abçs!

  75. Roni 24/04/2016 at 10:58 - Reply

    Caro Investidor,
    Bom dia.
    Parabéns pelo seu Blog.
    Tenho uma pergunta sobre saldo de conta não remunerada no exterior.
    Nos Rendimentos Isentos e Não Tributáveis o Campo “Outros” exige CPF/CNPJ da Fonte Pagadora.
    Ele deixe colocar sem, mas na verificação de pendências não deixa enviar dizendo que falta o CPF/CNPJ.
    Apesar de outras pessoas perguntarem, não vi ainda uma resposta para este problema.
    Existe alguma solução?

    Desde já agradeço.
    Abs!

    • Investidor Internacional
      Investidor Internacional 24/04/2016 at 17:41 - Reply

      Oi Roni,

      Este erro que dá não impede a gravação e transmissão da declaração.

      Já tentou enviar assim?

      Abçs!

  76. Marcio Salmito 24/04/2016 at 21:53 - Reply

    Parabéns pelo seu post! Fiquei ainda com uma dúvida… Abri uma conta corrente nos Estados Unidos em 2014 (dólar = 2,50 reais). No ano seguinte, usei uma parte do depósito desta conta corrente para abrir uma conta de poupança, para o dinheiro não ficar parado. Tenho duas perguntas:

    1- Os juros (irrisórios) que recebo mês a mês deveriam ter sido declarados à Receita brasileira mês a mês e recolhido os 15% de imposto sobre ganho de capital com aquele aplicativo java de ganhos de capital ou posso declarar apenas agora, junto com a declaração completa?

    Por exemplo: numa poupança de 10.000 dólares que esteja me rendendo 10 dólares por mês, como eu declaro esses 10 dólares por mês?
    a- ter declarado mês a mês, cada vez que entra esse valor na conta,
    b- deveria declarar na declaração anual ou
    c-apenas no futuro, quando eu for sacar o dinheiro?

    2- A conta-corrente oferece um cartão de débito, que utilizo com alguma frequência, para evitar o IOF de 6% dos gastos com cartões brasileiros. Cada pequeno gasto (10 dólares ou menos, por exemplo), devem ser considerados “alienação” e ser discriminado um por um na declaração de ganho de capital? (se eu for gastando até zerar a conta-corrente, eu terei gasto 10.000 dólares, mas, como o dólar foi valorizando ao longo de 2014-2015, esse gasto de 10.000 dólares significa um valor em reais maior do que os 25.000 reais transferidos, consequentemente, isso foi um ganho em reais…)

    3- Caso eu resgate uma parte ou todo o valor da conta-corrente e, com isso, tenha um ganho de capital (por exemplo, se esses 10.000 dolares tenham me custado 25000 reais em 2014 e, em 2015, eu resgate esses 10.000 dolares por 35.000 reais), eu tenho que pagar imposto sobre esse ganho?

    • Investidor Internacional
      Investidor Internacional 25/04/2016 at 12:50 - Reply

      Olá Márcio,

      No meu entender, você diz estar recebendo esses 10 dólares. Se está caindo esse rendimento pra você ele deve ser declarado mensalmente de acordo com as regras já explicadas no texto.

      Não tem que declarar nada relacionado aos seus gastos com o cartão. Não faz sentido ter algum imposto nisso.

      Na conta corrente, a valorização cambial é isenta de imposto.

      Abçs!

  77. Leonardo 25/04/2016 at 02:35 - Reply

    Olá!
    Se eu receber bonificação em ações no exterior eu só preciso declarar quando eu vendê-las?

  78. Ricardo 25/04/2016 at 22:54 - Reply

    Parabéns pelas informações ! Excelente resumo.

    Uma pergunta – qual o tratamento para dividendos de ações de companhias baseadas na Irlanda – mas com ações compradas e depositadas nos EUA ?

    Obrigado

  79. Ricardo 25/04/2016 at 23:05 - Reply

    Complementado acima – do ponto de vista de taxação no Brasil – considerando que a Irlanda já aplica retenção a título de imposto de renda

    Obrigado

    • Investidor Internacional
      Investidor Internacional 26/04/2016 at 15:34 - Reply

      Olá Ricardo,

      Se é dividendo relacionado a ADR nos EUA, eu acho mais adequado reportar como sendo nos EUA e aplicaria a mesma regra dos dividendos americanos.

      Abçs!

  80. Roni 26/04/2016 at 13:59 - Reply

    Caro Investidor,

    Confirmo que o erro não impede de enviar. Apesar de estar como pendência consegui enviar meu
    irpf.

    Obrigado

    Roni

  81. ML 26/04/2016 at 21:34 - Reply

    Caro Investidor Internacional. Caso semelhante de outra pessoa (Tha) aqui na lista. Moro no Brasil, presto serviços para empresa estrangeira que deposita valores mensais em conta nos EUA – esta conta não tem aplicacoes e recebi um cartão de debito. Na abertura da conta, assinei o W8 (para não residentes nos EUA). Nao tenho pessoal jurídica aberta no Brasil. Declaro apenas como “Bens e Direitos”? Incide imposto no Brasil?
    Obrigado pela ajuda

    • ML 26/04/2016 at 21:39 - Reply

      outro ponto importante: nao pretendo trazer o dinheiro para o Brasil. Vou deixa-lo em conta americana para uso futuro naquele pais.

    • Investidor Internacional
      Investidor Internacional 27/04/2016 at 09:05 - Reply

      Olá ML,

      Sim, incide. Você deve declarar carnê leão todo mês relativo a esse recebimento.

      Dependendo do valor, o ideal seria você abrir uma empresa em outro país.

      Abçs!

      • ML 27/04/2016 at 12:03 - Reply

        Muito obrigado!

  82. Juliana 27/04/2016 at 14:12 - Reply

    Boa tarde, Invertidor!

    Acabei de conhecer seu trabalho e já virei fã! Parabéns!
    Procuro informações sobre a seguinte informação:
    Que impostos incide sobre um aporte financeiro recebido por uma empresa brasileira de um de seus sócios residente na Espanha?

    Consegue me ajudar?

    Obrigado!

    • Investidor Internacional
      Investidor Internacional 27/04/2016 at 15:38 - Reply

      Oi Juliana,

      Obrigado pelas palavras.

      Aporte financeiro de sócio é conhecido como aumento de capital.

      A empresa deve ter um contador para ajudar nesse trâmite.

      Abçs!

  83. Eva 03/05/2016 at 16:09 - Reply

    Boa tarde Investidor!
    Estou há dias buscando informações claras sobre encargos incidentes em conta corrente nos EUA e seu Blog foi o mais preciso. Parabéns!
    Não fiquei com dúvidas (creio!) quanto à isenção de impostos/encargos com movimentação de conta corrente (não remunerada) de brasileiro no Exterior.
    Minha dúvida reside se, ao fazer remessas frequentes/periódicas para conta não remunerada nos EUA e fazer saques periódicos em cartão de crédito ou débito no Exterior, a movimentação/flutuação de recursos na conta acarretaria incidência de imposto.
    No caso, seria uma conta com movimentação, porém, sem aplicação. Ainda assim não incidem impostos?
    Como ficaria a declaração anual do IR com movimentações durante o ano?
    Tenho intenção de abrir conta no BB Americas já que sou correntista do BB no Brasil. Vc vê alguma restrição?
    Antecipadamente obrigada pela resposta!

    • Investidor Internacional
      Investidor Internacional 03/05/2016 at 17:12 - Reply

      Olá Eva,

      Os gastos da conta corrente não tem relação nenhuma com imposto. Não são renda e nem ganho de capital.

      Se você terminou o ano com U$1.000 com o dólar a R$4,00 (declarou R$4.000) e terminou o ano seguinte com U$800 com dólar a R$3,50, vai declarar R$2.800 nos bens e direitos.

      O problema do BB Americas é que não tem nada pra investir lá, só o básico do básico que não rende nada.

      Em breve, vou apresentar bancos com mais opções de investimento.

      Fique atenta e assine a lista de e-mail para saber em primeira mão.

      Abçs!

  84. Thiago 06/05/2016 at 01:15 - Reply

    Olá Investidor!

    Primeiramente parabéns! Seus artigos são uma obra de utilidade pública para melhoria da inteligência financeira de nós brasileiros!

    Tenho uma dúvida:

    Recentemente um amigo se mudou para os Emirados Árabes, e me propôs montar uma empresa lá, onshore, em uma zona livre de impostos (freezone). Eu decidi investir um dinheiro nesta empreitada e viramos sócios 50/50 nesta empresa, sendo ele tocando o negócio de lá e eu auxiliando ele daqui.

    O aporte inicial foi feito em janeiro em uma conta bancária aberta já no nome de nossa empresa (não temos contas de PF por lá, só abrimos essa PJ da empresa) e agora em maio já estamos obtendo lucro e em breve já iremos fazer uma retirada no valor do capital investido + uma pequena sobra de lucros iniciais e daí em diante operaremos com capital de giro fornecido pelo nosso banco de lá.

    Perguntas:

    1 – Até agora que apenas o aporte inicial foi feito, o que eu teria que ter feito? Precisaria já ter declarado algo no carne-leão ou no GCME?
    2 – Só devo pagar imposto aqui no Brasil quando enviar o montante citado acima partindo da conta jurídica de nossa empresa do banco de lá para minha conta de pessoa física daqui? Ou agora mesmo já estou devendo IR por nossa empresa ter lucrado lá, mesmo eu não tendo recebido nenhum valor como PF nem aqui nem lá?
    3 – O imposto devido será calculado apenas em cima do lucro, ou do valor total da transferência? Se for apenas no lucro, devo preencher (no carnê-leão ou GCME) só o valor do lucro ou o valor total transferido para o Brasil?

    Obrigado desde já pela atenção!

    • Investidor Internacional
      Investidor Internacional 06/05/2016 at 08:46 - Reply

      Olá Thiago,

      1-Não tem imposto a pagar não. Não veio nada pra pessoa física.

      2-A sua empresa presta contas onde ela está incorporada. Não tem relação nenhuma com o Brasil.

      3-O seu imposto como PF no Brasil é a renda que a empresa distribuirá como dividendo pra você, declarada no carnê-leão.

      Abçs!

      • Thiago 06/05/2016 at 11:33 - Reply

        Obrigado pelas respostas! Me ajudou e me tranquilizou muito!

        Só mais uma dúvida: Então se eu transferir de volta aqui pro Brasil o exato valor que eu mandei para lá como aporte inicial, eu não vou precisar pagar nada de IR nem declarar nada em programa algum? Só precisarei declarar no Ajuste Anual do ano que vem que tenho uma 50% de uma empresa lá fora no valor de X Reais que foi o que investi….é isso?

        • Investidor Internacional
          Investidor Internacional 06/05/2016 at 12:35 - Reply

          Olá Thiago,

          Você precisa declarar que tem 50% da empresa, claro.

          Os dividendos entram como renda.

          De toda forma, é mais adequado ter um contador para avaliar todos os detalhes e lhe orientar de maneira legal.

          Abçs!

          • William 07/05/2016 at 22:09 - Reply

            Prezado II, boa noite.

            Pegando carona no exemplo anterior, gostaria de trazer uma outra situação.

            Imagine os seguintes eventos abaixo. Citei alguns valores hipotéticos apenas para ilustrar.

            1) Brasileiro, pessoa física, constitui uma empresa offshore em Hong Kong com o objetivo de fazer investimentos financeiros diversificados pelo mundo. Remessa de R$350.000,00 que significam aproximadamente US$100.000,00.

            2) Através da offshore em Hong Kong abertura de conta em banco e em uma corretora de HK.

            3) Com esta conta na corretora, compra de ações e reits na bolsa de NYSE, na bolsa de Londres, na bolsa da Suiça, etc.

            4) Em alguns meses após o investimento, recebimento de dividendos das ações/reits no valor de US$5.000,00.

            5) Reinvestimento dos dividendos na compra de novas ações/reits em empresas estrangeiras.

            6) Venda de algumas ações com ganhos de capital no valor de US$10.000,00 e compra de outra ações de empresas estrangeiras.

            Nesta situação a constituição da offshore em Hong Kong tem o objetivo de diversificar internacionalmente e não há intenção nenhuma de trazer estes valores de volta para o Brasil. A ideia é sempre ir reinvestindo os dividendos na compra de empresas estrangeiras e manter os recursos no exterior.

            Este investidor pessoa física até pode ter alguns investimentos no Brasil através da sua conta pessoal, mas em relação aos investimentos estrangeiros a ideia é não misturar as coisas e mantê-las separadas para fins de diversificação.

            —–

            Minha pergunta:

            Nos eventos mencionados em algum momento este investidor brasileiro teria que pagar algum imposto no Brasil?

            Obrigado.

            Acho o seu site fantástico.

            Um abraço

  85. Andrés 06/05/2016 at 17:47 - Reply

    Olá Investidor,
    Na declaração voluntaria de recursos RERCT da Instrução Normativa RFB n 1627, devo incluir o saldo em 31/12/2014 aplicado numa conta americana em dólares. Nesta conta consta um valor em conta corrente e um valor em fundos de investimento sediados em Luxemburgo. Devo declarar, e calcular o imposto e a multa pelo valor histórico dos investimentos ou pelo seu valor de acordo com a sua cotação de mercado em 31/12/2014. Ambas informações são fornecidas no extrato do banco. Os valores são oriundos de recebimento de stock options nos EUA.

    • Investidor Internacional
      Investidor Internacional 07/05/2016 at 18:33 - Reply

      Olá Andrés,

      Quando você recebe uma renda é pelo valor do dia do recebimento.

      Como envolve valores em atraso, seria mais adequado passar todas as informações a um contador para fazer os cálculos exatos.

      Abçs!

  86. Batatinha 09/05/2016 at 08:24 - Reply

    Ótimo post, parabéns!

    Minha dúvida é como declarar bitcoins.

    Se invisto numa empresa de mineração no exterior, como declaro o rendimento dos bitcoins que foram mineirados? Faço isso no momento q trago o dinheiro para o Brasil e lanço no GCME pagando 15% de imposto? E se eu jogar esse dinheiro numa conta corrente no exterior e gastar esse dinheiro no Brasil com cartão desse banco internacional tenho q pagar imposto? O que me diz??
    Grande abraço!

    • Investidor Internacional
      Investidor Internacional 09/05/2016 at 08:50 - Reply

      Olá Batatinha,

      Tudo o que é produzido é renda e o que é comprado e vendido com lucro é ganho de capital.

      Converte em dólar e depois pra real em cada caso e calcule o imposto. Renda é carnê-leão e ganho de capital é ganho de capital.

      Trazer o dinheiro para o Brasil ou gastá-lo não tem relação com imposto a ser pago.

      Abçs!

      • Batatinha 09/05/2016 at 10:43 - Reply

        É que converto real em bitcoins na Foxbite e transfiro para a empresa de mineracao fazendo o investimento. Depois preciso trazer os bitcoins mineirados pra Foxbit e desfazer o câmbio. Somente aí é que sei o valor que entrará na minha conta. Fico vulnerável à cotação do bitcoins enquanto não os vendo. Como faço então?

        • Investidor Internacional
          Investidor Internacional 11/05/2016 at 16:34 - Reply

          Olá Batatinha,

          Você precisaria calcular o lucro de cada operação em Real e apurar o ganho de capital.

          Acho que seria a forma mais simples de calcular essa tributação.

          Abçs!

  87. Renato Correa 09/05/2016 at 10:07 - Reply

    Caro orientador, entendo um pouco diferente o ponto explanado no item “Impostos sobre o ganho de capital – Recursos originariamente em reais”, neste item é corretamente orientado que a VC, se positiva deve ser informada, na DIRPF, na ficha de “Rendimentos Isentos e Não Tributáveis”, entretanto, o valor de ganho de R$ 17.000 é o rendimento em U$$ mais a VC. Entendo que o ganho a ser tributado é o rendimento em U$$, ou seja, U$$ 2.000 (diferença entre U$$ 12.000 e U$$ 10.000) X 3,50, que é taxa no momento do resgate = R$ 7.000 X IR de 15% = R$ 1.050 de IR s/ganho de capital.
    A VC será a diferença, positiva entre as taxas de R$ 3,50 e R$ 2,50 sobre U$$ 10.000 = R$ 10.000 a ser informado em rendimento isento e não tributável.

    • Investidor Internacional
      Investidor Internacional 09/05/2016 at 11:17 - Reply

      Olá Renato,

      Entendo que a sua explicação seria um modo mais honesto de tributar esses ganhos, mas a lei brasileira não entende dessa forma.

      A variação cambial só não é tributada quando está em conta não remunerada. De resto, ela é tributada, infelizmente.

      O recurso originamente em reais é sempre calculado com a conversão para a moeda brasileira na compra e venda dos investimentos.

      Abçs!

  88. William 10/05/2016 at 13:22 - Reply

    Obrigado pela resposta II,

    Achei que fosse mais complicado.

    Meu objetivo é tirar uma parte do patrimônio do país, mas cortando totalmente o vínculo com o Brasil. Pra mim não serve achar que está diversificando lá fora, enquanto ainda fica sujeito a pagar impostos no Brasil. Pois, aqui pode quebrar e o governo decidir subir o imposto de renda para 50%, então, acabaria totalmente com o efeito da diversificação internacional.

    Vc comentou que irá fazer uma parceria para oferecer este serviço aqui no site.

    Fico no aguardo.

    Obrigado.

    Um abraço

  89. EJ 16/05/2016 at 16:27 - Reply

    Ótimo post! Como estrangeiro morando no Brasil, tenho uma poupança no exterior. Nunca mandei R$ para esta conta, la so tem dinheiro que vem de la mesmo. Das perguntas aqui no post entendo que o rendimento (juros ou “interest”) de tal poupança é tributável sim no Brasil. Mas …. lei 8.981 (artigo 68) fala que poupanças são isentas e a seção sobre ganho de capital não fala de poupança. Qual (artigo, norma ou outro documento) é a base para Brasil tributar rendimento de poupança no exterior, como mencionado aqui no post?

    • Investidor Internacional
      Investidor Internacional 17/05/2016 at 14:14 - Reply

      Olá EJ,

      Poupança é conta remunerada (saving account). O que não é tributado é dinheiro em conta corrente.

      A poupança que não é tributada é aquela do Brasil.

      Abçs!

  90. Betojmg 11/06/2016 at 07:37 - Reply

    Parabens seu site é excelente e està ajudando varias pessoas a investirem no exterior.

    Estou em processo de abertura de conta na td ameritrade e estudando a melhor forma de fazer remessas ao exterior… Por enquanto, acho q a melhor forma é via banco do brasil e o bb americas, pois só paga o IOF e o custo de manutencao da conta no bb americas nao passa de 200 dolares. Vc tem alguma outra dica ou pretende escrever sobre isso?

    Alem disso, uma duvida sobre a tributacao de ETFs no ganho de capital: tem isençao se no mes a venda for inferior a 35 mil reais? Procurei bastante nos normativos, mas nao encontrei esta informaçao.

    Valeu pela ajuda!

    • Investidor Internacional
      Investidor Internacional 11/06/2016 at 08:24 - Reply

      Olá Betomg,

      Obrigado pelas palavras.

      Não li nada que diferencie ETF de ações na legislação tributária. Acho que vale a mesma regra.

      Abçs!

  91. NICOLAU 13/06/2016 at 16:38 - Reply

    Ola gostaria de pedir ajuda quanto à investimento no exterior, mais propriamente envio de recursos para participação societária em empresa de capital privado. Este envio é taxado de IR na saída? e no retorno caso não haja variação no valor enviado?
    Entendo que a declaração deve ocorrer no final do exercício fiscal, correto? O documento de alteração de contrato social da empresa no exterior é suficiente para apresentar à entidade de envio (banco)?

    Obrigado
    NAM

    • Investidor Internacional
      Investidor Internacional 13/06/2016 at 18:18 - Reply

      Olá Nicolau,

      Se é pra emitir valores para uma empresa sua, o único imposto incidente no envio é o IOF de 0,38%.

      Remessa de volta em si não é taxada, exceto pelo mesmo IOF.

      O imposto brasileiro vai incidir se você vender a sua parte da empresa com lucro ou se distribuir dividendos.

      Os detalhes do preenchimento é melhor verificar com o banco ou corretora de câmbio.

      Abçs!

    • Marco 11/05/2017 at 18:58 - Reply

      Boa Tarde. Sou Portugues e Em 2015 abri uma empresa no Brasil na altura o capital investido foi perto de 170 mil reais que ficaram numa conta juridica na caixa federal. Agora estou a fazer o retorno do dinheiro para Portugal que sao 150 mil reais. Menos 20 mil que ao inicio. Encerrei primeiro a empresa para que a receita federal nao considerasse fuga de capital ou seja enviar o investimento de volta com a empresa aberta. Entretanto pedi a caixa federal o retorno do dinheiro e me falaram que com o cnpj ja baixado tem de se enviar o dinheiro de volta para Portugal como pessoa fisica. Mas estao dizendo que tenho que tenho de pagar imposto de renda sobre esse valor. Entao se esse dinheiro ja era meu e nao representa nenhum ganho de capital muito pelo contrario estao retornando menos 20 mil reais, gostaria que me esclareçam por favor pois acho que a caixa federsl esta a fazer um procedimento completamente errado. O unico imposto que tenho de pagar é o IOF certo????

      • Investidor Internacional
        Investidor Internacional 11/05/2017 at 19:03 - Reply

        Olá Marco,

        Não estou autorizado a comentar casos específicos, principalmente sem saber de todos os dados.

        O ideal seria você levar toda a documentação ao seu contador e ele poderá lhe dar uma resposta mais exata.

        Abçs!

  92. Nicolau 13/06/2016 at 20:53 - Reply

    Obrigado

  93. Marcio 16/06/2016 at 01:33 - Reply

    Olá,

    em 2015 transferi cerca de $ 100000 para uma checking account. Em seguida, apliquei $90000 do dinheiro em 3 fundos diferentes, com o dolar a 3,10. Os fundos não tiveram um bom desempenho e resgatei as aplicações no mês passado, um total de $85000. Ou seja, tive uma perda de $5000. Mas como a variação cambial foi favorável de 3,10 para 3,50, vou ter que pagar ganho de capital via DARF. Se tivesse deixado o dinheiro parado não pagava nada, correto?

    Tenho dúvidas sobre o que acontece agora:

    1) Os $85000 que foram resgatados da aplicação são considerados rendimentos auferidos em moeda estrangeira a partir de agora ou eles continuam sendo considerados recursos auferidos originalmente em reais?

    2) No caso de uma nova aplicação em fundo de investimento ou ações, o ganho de capital vai ser calculado novamente considerando a variação cambial (apesar de usar a cotação da compra de hoje) ou somente será pago ganho de capital se houver lucro em dolar ?

    Obrigado. Excelente post, o melhor que encontrei nas minhas pesquisas.

    • Investidor Internacional
      Investidor Internacional 16/06/2016 at 08:17 - Reply

      Olá Márcio,

      O raciocínio está correto.

      1-O principal continua sendo em reais. O que vale é a origem. O lucro sim que é originário em moeda estrangeira.

      2-Você precisa dividir em 2 partes, o valor original e o lucro. Neste último vale a variação em dólar.

      Com o valor que você tem não compensa manter na pessoa física.

      Assine a lista de e-mail que em breve mostrarei como abrir e operar empresas no exterior.

      Abçs!

  94. Filipe 16/06/2016 at 18:48 - Reply

    Olá,

    Pretendo mudar-me para Portugal em cerca de 3 ou 4 anos. Tenho a intenção de adquirir um imóvel para uso próprio, durante este tempo. Como seria a melhor maneira de fazer esta aquisição? Ir transferindo o dinheiro aos poucos ou de uma só vez, quando for realizar esta compra? Quais os impostos devidos? Como este dinheiro deve ser declarado no IR até à saída definitiva do país? Na ocasião da mudança, como poderá ser realizada a transferência de outros valores adicionais?

    Muito obrigado antecipadamente.

    • Investidor Internacional
      Investidor Internacional 16/06/2016 at 21:03 - Reply

      Olá Filipe,

      Não existe uma regra única para quem está de mudança de país.

      Você pode se mudar, depois transferir os bens para fora e aí fazer a declaração de saída definitiva.

      Acharia mais recomendável e seguro alugar um imóvel primeiro para se ambientar e conhecer melhor os bairros. A visão de quem mora é diferente e mai precisa daquele que apenas vê de fora.

      Não existe imposto para sair do país. Apenas deixe tudo regularizado, sem pendências e faça a transferência para fora.

      Abçs!

  95. Vanessa 22/06/2016 at 05:08 - Reply

    Prezado Investidor Internacional, bom dia,

    meu patrao, italiano, e sua empresa foram cadastrados ano passado no Banco Central do Brasil, porém a pratica para obtencao de visto como investidor extrangeiro ainda esta em aberto.
    Hoje, ele precisa enviar um montante no valor de 20.000 reais para o Brasil e quer que o mesmo figure como parte do investimento minimo de 50.000 que è exigido. Como ele deve fazer isso ou/e qual o modo mais rapido?
    Agradeço muito se puder ajudar!

    Abçs,

    Vanessa.

    • Investidor Internacional
      Investidor Internacional 22/06/2016 at 12:54 - Reply

      Olá Vanessa,

      Acho que seria interessante procurar uma assessoria jurídica.

      É uma informação que foge do meu conhecimento.

      Abçs!

  96. Eduardo 23/06/2016 at 16:17 - Reply

    Olá II,
    Esta questão de tributação no exterior ainda é bem nebulosa para mim. Tenho alguns ativos fora mas ainda não consegui informações consistentes que me permitam realizar um melhor planejamento. Por exemplo: alguns ativos que tenho e as respectivas retenções de imposto de renda na fonte:
    1- ações e Reits americanos (imposto na fonte de 30%)
    2- BOND – Etf americana (0%,zero, de retenção na fonte)
    3- VGK e EPP – Etfs americanas (30% de retenção na fonte)
    4- ADR de empresa com sede na Holanda (15% de retenção na fonte)
    5- Reit inglês (retenção de 20% na fonte)
    6- Ações de empresas canadenses (15% de imposto na fonte)
    Então lhe pergunto: existe alguma fonte onde conseguimos obter antecipadamente qual seria o imposto retido naquele país, para aquele ativo específico? Fico especialmente intrigadom como fato de BOND não recolher IR na fonte e os demais ETFs americanos que detenho recolherem.
    Abraço, e parabéns pelo belo trabalho que vem desenvolvendo no site. Iniciativa admirávlel.

    • Investidor Internacional
      Investidor Internacional 24/06/2016 at 15:19 - Reply

      Olá Eduardo,

      Não existe uma fonte exata com impostos divididos por país e por ativo. Lista apenas por país eu tenho em algum lugar. Vou procurar.

      Interessante o BOND não descontar impostos. Achava que era enquadrado como os outros ETFs e ações.

      Tem certas minúcias que só descobrimos na prática mesmo. Pelo menos a surpresa foi do lado bom.

      Abçs!

      • Eduardo 25/06/2016 at 10:45 - Reply

        Obrigado pela resposta II.

        Realmente não é fácil entender como são tributados os ativos.

        Mas o BOND realmente foi uma grata surpresa. Olha como vem no meu extrato (último mês)

        BOND(US72201R7750) Cash Dividend 0.12000000 USD per Share (Ordinary Div – NRA Withholding Exempt)

    • Frugal 02/07/2016 at 18:30 - Reply

      Eduardo, eu fico me perguntando, como a REceita FEderal do Brasil poderia ter acesso às nossas movimentações nas contas das nossas corretoras no exterior?

      Estou pensando em abrir na Interactive Brokers. Qual a que vc usa?
      Será que os caras se importam mesmo de receber dividendos tao pequenos de pequenos investidores feito eu?
      É dose viu aguentar essa burocracia do Brasil.

      • EDUARDO 02/07/2016 at 19:31 - Reply

        Frugal, partilho desta mesma dúvida sua. No entanto, mantenho toda “escrituração” das movimentações e operações em dia para o caso da Receita Federal pedir alguma comprovação. Penso que ela pode não ter acesso às informações fornecidas pelas instituições no exterior, porém pode exigir que apresentamos a documentação pertinente.
        Quanto à corretora, atualmente utilizo a Interactive Brokers. Não tenho reclamação. O atendimento por chat é bastante resolutivo, embora não seja, digamos assim, personalizado. As informações financeiras são bastante completas e variadas. E os extratos ajudam muito a manter o contole, inclusive se você tiver ativos em múltiplas moedas. Considero os custos bem em conta, dada a multiplicidade de recursos oferecidos (correspondem exatamente aos que constam no site, até agora sem nenhuma pegadinha). O sistema de identificação das transferências realizadas é rápido (no mesmo dia).
        Espero que as informações lhe ajudem. Abraço e boa sorte.

  97. Frugal 02/07/2016 at 18:27 - Reply

    Ola II!

    Esse seu artigo é tão bacana que salvei a página toda em html aqui no meu PC.
    Parabéns e obrigado por compartilhar.

    Ainda estou em dúvida entre abrir conta na Interactive Brokers ou em alguma corretora fora dos EUA.

    Grande abraço e parabens pelo site!

    • Investidor Internacional
      Investidor Internacional 03/07/2016 at 10:46 - Reply

      Olá Frugal,

      Obrigado pela opinião.

      Se puder aguardar a divulgação das parcerias, mostrarei uma solução melhor.

      Abçs!

  98. Aleixo 03/07/2016 at 10:11 - Reply

    E ai, parabens pelo site. Quando sai o posto sobre como abrir empresa offshore?? Você poderia nos adiantar quais seria os custos em média??

    • Investidor Internacional
      Investidor Internacional 03/07/2016 at 10:50 - Reply

      Olá Aleixo,

      Sai agora em julho.

      Este mês, na verdade, serão publicados artigos sobre os assuntos mais pedidos pelos leitores.

      Abçs!

  99. Carlo 09/07/2016 at 19:55 - Reply

    Olá, Investidor Internacional.

    Antes de mais nada, parabéns pelo excelente post, muito completo e de altíssima qualidade, algo raro nos dias de hoje. Caro colega, estou com uma dúvida sobre nossa bendita tributação. Eu sou brasileiro e estou pensando em abrir uma conta no CIM Banque, mas tenho dúvidas se esta é melhor alternativa do ponto de vista tributário, já que penso em investir sobretudo em bonds emitidos em dólar e em libra. Neste caso, seria melhor abrir uma conta nos EUA, para evitar a bitributação? Ou eu também poderia evitar a bitributação, caso eu invista em títulos do governo doa EUA a partir do banco suíço?

    Resumindo, minha dúvida é a seguinte: se o dinheiro foi enviado para a Suíça e é de lá que eu invisto em bonds dos EUA e da Inglaterra, eu poderia compensar o valor pago dos tributos pagos em fonte referentes aos juros dos bonds, ao declarar os rendimentos no Carnê-Leão? Se eu não puder, seria melhor enviar o dinheiro para os EUA, com quem o Brasil tem tratado para evitar a bitributação?

    Mais uma vez, parabéns pelo excelente post e muito obrigado pela atenção!

    Abraço,

    Carlo

    • Investidor Internacional
      Investidor Internacional 09/07/2016 at 22:14 - Reply

      Olá Carlo,

      Não existe bitributação não. Você só será tributado aqui, caso abra conta na pessoa física.

      A melhor opção é abrir uma offshore. Falarei sobre isso ainda este mês.

      Assine a lista de e-mail para receber as atualizações.

      Abçs!

      • Carlo 09/07/2016 at 22:46 - Reply

        Muitíssimo obrigado pela sua pronta resposta! Vou ficar aguardando seu post sobre offshore antes de abrir uma conta no CIM Banque. Mais uma vez, parabéns pelo blog e pelo conteúdo detalhado! Abs e uma ótima semana!

  100. Rafael 13/07/2016 at 08:20 - Reply

    Ola Investidor Internacional,

    existe a opcao de pagarmos os impostos de ganho de capital no proprio pais de origem.

    Ou seja, quem tem uma conta nos EUA e tiver ganho de capital, pagar imposto por lá mesmo e ficar insento no Brasil.
    Existe essa opcao?

    • Investidor Internacional
      Investidor Internacional 13/07/2016 at 10:22 - Reply

      Olá Rafael,

      Não. Você é isento desse imposto nos outros países.

      Abçs!

      • Rafael 14/07/2016 at 11:47 - Reply

        Entendo, porem existe um problema.

        Vamos supor que em um mes voce tenha um lucro de USD 10.000
        Colocando um cambio de R$ 3.00, teria que pagar em torno de R$ 4.500.00 de imposto no Brasil.

        Eu vejo nesse sentido um problema de caixa, pois o lucro que poderia ser usado para pagar o imposto esta em outro pais.

        Como existe um acordo de tributacao entre EUA e Brasil, como no caso dos dividendos onde o IR retido na fonte é usado para diminuir o valor a pagar de IR daqui, nao existe possibilidade de pagarmos um valor la e deduzir do valor a ser pago no Brasil?

        • Investidor Internacional
          Investidor Internacional 14/07/2016 at 15:13 - Reply

          Olá Rafael,

          Mas é assim que funciona. Você tem lucro lá e paga aqui.

          Não tem como pagar lá. Você precisa pagar aqui pro governo brasileiro.

          Abçs!

  101. Musk 20/07/2016 at 17:16 - Reply

    IOF 1.1% (ATUALIZAR)

    • Investidor Internacional
      Investidor Internacional 21/07/2016 at 16:15 - Reply

      Olá Musk,

      O IOF para compras em papel moeda é de 1,1%, para remessa é de 0,38% e para cartões de débito e crédito é de 6,38%.

      Mudou alguma coisa? Se mudou, não fiquei sabendo.

      Abçs!

  102. Musk 20/07/2016 at 17:23 - Reply

    “Caso o volume de venda de ações não ultrapasse R$ 35 mil reais no mês,”
    “Sim, é possível ter lucro a ser tributado em uma metade e na outra não, claro que observada a regra de isenção dos U$ 35 mil.”

    A isenção é aplicada até 35k reais ou 35k dólares?

  103. André 22/07/2016 at 03:51 - Reply

    Boa noite
    Excelente site, parabéns!
    Gostaria de saber como seria tributada uma transferência de uma BVI ( cuja conta é um trust )para uma conta de pessoa física nos EUA.
    Os recursos seriam a princípio decorrentes de ganho de capital e aluguéis recebidos.
    Poderia ser tratado como distribuição de lucro?
    Pagaria imposto aqui e lá?
    Obrigado!!!

    • Investidor Internacional
      Investidor Internacional 22/07/2016 at 09:23 - Reply

      Olá André,

      Não existe tributação em transferência.

      Precisa ser avaliado sob o ponto de vista da pessoa em questão e da residência fiscal dela.

      Se ela for brasileira e estiver recebendo renda da empresa, entra como distribuição de lucro sim.

      Quanto a saber se há imposto nos EUA, seria necessário uma orientação local para lhe informar.

      Abçs!

  104. Roberto Lima 24/07/2016 at 03:10 - Reply

    Olá Investidor Internacional,

    Parabéns pelo excelente trabalho. Difícil achar um profissional da área que domine esse assunto como você.

    Tenho capital investido em ações e ETFs há cerca de 1 ano em duas contas investimentos em uma corretora nos EUA, sendo uma pessoa física e outra de uma empresa LLC que abri lá para futuros negócios.

    Quero entender melhor essa regra de isenção dos 35K. Em uma situação hipotética em que invista U$ 40.000 em uma ETF e após alguns dias resgato e tenho um lucro de U$ 3.000, deverei declarar? já que o valor total resgatado foi de U$ 43.000, o que excederia os 35K da regra de isenção ou considero apenas o valor do ganho de capital que foi de U$ 3.000 e assim não precisarei declarar pois ficaria isento considerando ser inferior a 35K?

    E no caso da LLC, preciso me preocupar em declarar mensalmente se os rendimentos forem acima dos 35K, já que é uma empresa americana? É diferente da PF?

    Agradeço a atenção.

    • Investidor Internacional
      Investidor Internacional 24/07/2016 at 20:59 - Reply

      Olá Roberto,

      Se a sua venda na pessoa física for menor que R$ 35 mil e tiver lucro, não há incidência de imposto sobre ganho de capital.

      Para empresa americana e fazendo investimentos dentro dos EUA, você precisaria de um contador local para lhe orientar. As regras nos EUA mudam de estado para estado.

      Abçs!

  105. Gilberto 03/08/2016 at 17:27 - Reply

    Desculpe a pergunta, mas vi que tem conhecimento na área, gostaria de comprar um imóvel no exterior e ele irei alugar, partindo do pré-suposto que irei comprar ele “100%” financiado e locaria ele para cobrir os custos “100%” da compra, qual seria o imposto que iria cair em cima de tal investimento. O imóvel seria de valor de 1 milhão de dólares em Paris (não sei se a tributação muda de acordo com convenções realizadas entre países). Desculpe o incomodo mais uma vez e obrigado pelo excelente trabalho de informações prestado.

    • Investidor Internacional
      Investidor Internacional 03/08/2016 at 21:26 - Reply

      Olá Gilberto,

      A compra de imóveis requer um planejamento maior e expertise local, pois muda de país pra país.

      É mais fácil conseguir informações sobre imóveis pra alugar nos EUA do que em Paris, principalmente porque há muitas empresas oferencendo imóveis na Flórida para brasileiros.

      Abçs!

  106. Vagner 12/08/2016 at 16:00 - Reply

    II, meus parabéns pelo site, é muito bom e tirou diversas dúvidas que tenho.
    Eu já entendi que a variação positiva do dólar deve ser registrada na ficha de rendimentos isentos ou não tributáveis e o valor atualizado do dólar deve ser exposto na ficha bens e direitos com a cotação de venda do dólar do BACEN em 31/12. Essa exposição é para valorização do dólar, mas no caso de desvalorização, eu somente devo ajustar na ficha de bens e direitos? Pergunto isso pois na avaliação de capacidade financeira dos IRPFs que faço, eu sempre considero a redução de bens e direitos como “aumento de caixa” do contribuinte, ou seja, se ele reduziu seu patrimônio de 400 para 300, por exemplo, ele terá 100 para consumir com outras despesas, o que não irá acontecer caso o valor do dólar tenha baixado.

    • Investidor Internacional
      Investidor Internacional 12/08/2016 at 23:20 - Reply

      Olá Vagner,

      Desvalorização não é rendimento.

      Vai declarar menos nos “Bens e Direitos”. Você não consumiu, mas desvalorizou.

      Abçs!

      • Vagner 16/08/2016 at 16:14 - Reply

        Muito obrigado!
        Uma outra dúvida que está me consumindo, agora relacionada a cotação do dólar relacionado a declaração no IRPF de empresas no exterior. Qual valor devemos considerar: o de cotação do BACEN ou o pago no contrato de câmbio? Se for o contrato de câmbio, devemos considerar o IOF e taxas de contrato para exposição no IRPF?
        Já pesquisei bastante e não tenho isso 100% claro ainda.

  107. Maria Sueli Zanetti 15/08/2016 at 22:23 - Reply

    Boa noite!! Tudo bem? Realmente o artigo é ótimo,e esclarecedor, porém ainda fiquei com uma dúvida, a respeito dos rendimento recebidos decorrente de investimentos realizados em Bons no exterior. Um cliente meu investiu em Bonds de várias empresas, e semestralmente recebe os juros numa conta localizada na Suíça. Os rendimentos recebidos semestralmente são tributados pelo ganho de capital ou tabela progressiva/carnê leão? Qual é a natureza destes rendimentos? Desde já agradeço. Um abraço.

  108. Elaine 18/08/2016 at 15:04 - Reply

    Boa tarde! Muito esclarecedor este artigo!
    estou com um caso em que irei retificar declarações, informando os rendimentos na IRPJ antes não informado, entregarei a CBE – declaração do Banco Central. isso ainda sem intimação alguma. quero regularizar a situação. posso ser penalizado por algum outro crime. além do tributário que estamos regularizando?
    Desde já agradeço.

  109. Raul 23/08/2016 at 13:46 - Reply

    Olá. Muito obrigado pelo artigo.
    Tenho uma dúvida: não sou residente no Brasil, moro na Argentina e estou comprando uma casa aqui. Você sabe dizer como ficaria a declaração disso no Brasil?
    Muito obrigado.

  110. rafael 24/08/2016 at 11:53 - Reply

    Eu opero muito day trade nos EUA no S&P, os lucros nas operações de day trade no S&P podem ser compensadas com os prejuízos das operações de day trade no S&P, assim como ocorre no Brasil?
    Para explicar melhor a pergunta gostaria de saber se os títulos de renda variável de mesma natureza no exterior são compensáveis.

  111. José 31/08/2016 at 14:57 - Reply

    Muito obrigado, seu site tem as melhores explicações!

    Mas tenho uma dúvida, aplicações no exterior têm vencimentos e novas aplicações, com passagens na conta corrente. Se deixar esse dinheiro resgatado parado na conta corrente sem remuneração, como funcionaria o ganho cambial?. E qual é o tratamento tributário quando se traz o dinheiro de volta? Explico melhor:

    Geralmente (como no Brasil) uma aplicação (bond, fundo etc) quando resgatada ou vencida passa pela conta corrente. Se deixar o dinheiro ali na conta corrente sem remuneração estaria isento do ganho cambial? Precisaria passar de ano (31/12)?

    Se trazer o dinheiro de volta ao BR devo pagar o ganho de capital da variação cambial? Que valor uso como referência para calculá-lo? Mais especificamente posso usar como “custo” o valor em reais da aplicação resgatada, acrescento esse valor no valor em reais da conta corrente? Que codigo uso no Darf?

    • Investidor Internacional
      Investidor Internacional 31/08/2016 at 21:22 - Reply

      Olá José,

      Não existe tributação sobre ganho cambial quando o valor está parado na conta corrente.

      Não existe tributação na repatriação (exceto IOF), apenas nas operações com lucro e nos dividendos.

      O código do DARF está no artigo.

      Abçs!

  112. mrangelo 03/09/2016 at 13:25 - Reply

    Ola Investidor Internacional, primeiramente, parabens pelo site, realmente muito instrutivo, estou praticamente o ‘devorando’ hehe..

    Bem, pretendo enviar uma quantia para uma corretora/banco na Suica para investimento em Forex. A parte sobre tributacao sobre ganhos eu acho que entendi…

    Li e reli varios topicos, perguntas dos colegas e respostas. Porem, fiquei em duvida em algumas coisas:

    * Antes, preciso deixar claro que nunca enviei dinheiro ao exterior, nem nunca declarei imposto de renda, exceto de isento, quando ainda era necessario.

    1- Essa quantia que vou enviar, deve ser declarado? Como faco isso? Nao e muito, cerca de US$ 2.000,00

    2- Devo declarar ganhos, se houver, todos os meses, desde que seja superior ao meu investimento inicial e nao ultrapasse o total de R$ 35.000,00? Como faco isso?

    3- Se caso, apos algum tempo, o dinheiro ficar em outro pais, devo declarar aqui meu investimento la? Mensalmente ou anualmente?

    4- O pais onde ficara esse dinheiro me cobrara algum imposto?

    5- Reparei em algumas respostas em que citou a tributacao de alguns paises em relacao ao Brasil, como posso saber essas tributacoes?

    Espero ter sido claro, pois ainda sou um pouco confuso nesse assunto..

    E lembrando tambem que pretendo operar em Forex..

    Muito Obrigado!

    • Investidor Internacional
      Investidor Internacional 03/09/2016 at 17:11 - Reply

      Olá mrangelo,

      1-Você declara renda, ganho de capital e a posição no dia 31 de dezembro. Pra transferência irá pagar o IOF.

      2-Lucro em venda acima de 35 mil no mês é declarada como ganho de capital.

      3-Mesma resposta de 1.

      4-Você só deve abir conta onde não-residente não é tributado.

      5-Qual tributação exatamente? Se for sobre dividendos, é preciso procurar um por um.

      Precisando, é só perguntar.

      Abçs!

      • mrangelo 09/09/2016 at 16:36 - Reply

        Obrigado pelas respostas, fiquei com algumas duvidas ainda..

        1- Como faco a declaracao de envio, de permanencia no exterior e reptriacao, caso exceda o valor limite? Onde devo ir? Como proceder?

        4- Como posso saber os paises onde nao residentes nao sao tributados? No meu caso, quero enviar para a Suica, ou Australia… serei tributado?

        5- Irei operar Forex, um mercado descentralizado, Ate onde entendi, esses dividendos sao sobre acoes nao pertencentes ao pais, por exemplo, operar na bolsa Americana a partir de uma corretora na Europa.. No caso do Forex, isso se aplica?

        Obrigado!

        • Investidor Internacional
          Investidor Internacional 11/09/2016 at 09:51 - Reply

          Olá mrangelo,

          1-Você declara os rendimentos ou como ganho de capital ou como renda e declara a situação da virada do ano na seção “ebns e direitos” do imposto de renda. Não precisa declarar todas as movimentações.

          4-Só descobre pesquisando.

          5-Forex não distribui dividendos. É só ganho de capital.

          Abçs!

          • mrangelo 12/09/2016 at 18:00 - Reply

            Muito Obrigado!

  113. Miguel Augusto Coelho 04/09/2016 at 16:43 - Reply

    Tenho um valor aproximado de USD xxxx mil em Cayman há dezenas de anos. Periodicamente o Banco credita os juros que permanecem na conta. Nos anos 2011 e 2012 retirei xxxxx USD. O banco me mandou extrato mostrando o saldo em 2014 de exatos xxxx mil USD. No ano de 2015 foi-me creditado xxxx USD de juros e em 2016, xxxx USD também de juros.Como estou em via de remeter a DERCART. Pergunto Os juros de 2015 e 2016 serão tributados neste ano? Qual aliquota? Devo pagar o IRF por DIRF no mês seguinte ao crédito ? E no saldo para o DERCART será mencionado o valor de xxxx mil USD, ou somar os xxxx mil USD retirados, mencionando para o pagamento dos 15+15% o saldo de xxxx USD ? Obrigado antecipadamente.

    • Investidor Internacional
      Investidor Internacional 05/09/2016 at 09:03 - Reply

      Olá Miguel,

      Evite colocar valores.

      Como é uma situação especial a regularização seria melhor consultar um contador, pois assim ele terá acesso a toda a movimentação passada e fará o cálculo pra você.

      Abçs!

  114. Miguel Augusto Coelho 06/09/2016 at 10:36 - Reply

    Obrigado pela observação. Todavia os numeros que apresentei são ficticios., Aproveito para fazer uma só pergunta. Os juros creditados anualmente na conta, oriundos de depósitos no exterior, são tributados na fonte no ano do crédito, integrando, portanto a Declaração do IRPF anual, ou somente quando resgatados ? Se forem tributados na fonte; qual a alíquota e respectivo código ? Espero ser merecedor uma resposta. Obrigado antecipadamente,