Berkshire Hathaway

Um pouco da história e os últimos resultados da Berkshire Hathaway

A Berkshire Hathaway, originalmente uma indústria têxtil da Nova Inglaterra, foi adquirida por Warren Buffett em 1965 e a partir daí foi se tornando uma das maiores holdings do mundo. Holding é o nome que se dá a um conglomerado de empresas sob o mesmo comando. Naquela época o valor de mercado da companhia era de U$18 milhões e o foco de Buffett era adquirir empresas no estilo Benjamin Graham, ou seja, fazer a avaliação contábil das companhias e adquirir aquelas negociadas abaixo do seu valor real.

Muita coisa mudou nesses últimos 50 anos. Ao conhecer Charlie Munger, Buffett percebeu que seria melhor comprar “empresas fantásticas a preços regulares do que empresas regulares a preços fantásticos”. Deste modo passou a focar nas empresas que possuíam um diferencial competitivo e que isso era determinante no sucesso da empresa frente aos concorrentes e contribuiria para o crescimento da empresa no futuro.

Empresas no portfolio da Berkshire Hathaway
Empresas de capital aberto com participação minoritária da Berkshire Hathaway

Hoje, a Berkshire Hathaway é um conglomerado gigantesco, tendo um número grande de empresas de primeira linha em seu portfolio e sendo a 15º maior empresa do mundo em receitas. Veja na tabela ao lado as companhias de capital aberto que têm o maior investidor do mundo como acionista.

Suas subsidiárias atuam nos mais diferentes setores, com destaque para seguros, resseguros, transporte ferroviário, serviços de utilidade pública, energia, finanças, manufaturas, alimentos, serviços e varejo. A parte de seguros é capitaneada pela Geico e suas subsidiárias, a parte de finanças tem o Wells Fargo, Bank of America, US Bancorp e a American Express como maiores representantes, o setor de alimentos tem a Kraft-Heinz e a Coca-Cola, o varejo conta com o Wal-Mart e a parte de tecnologia e serviços conta com a IBM.

O grande segredo da Berkshire Hathaway é não só identificar e comprar excelentes negócios, mas também deixar que os próprios executivos das empresas adquiridas cuidem do desenvolvimento da mesma. Se eles chegaram até aqui, por que não deixá-los tocar o barco pra frente? Essa falta de um controle superior faz com que haja na sede da empresa em Omaha, Nebraska, apenas 25 funcionários.

“Muitas pessoas acham que se você tivesse mais processos e mais regras padronizadas – checagens e duplas-checagens – você poderia ter o melhor resultado do mundo. Bem, a Berkshire não tem praticamente nenhum processo. Nós dificilmente tínhamos alguma auditoria interna até que nos forçaram a ter. Nós apenas tentamos operar numa rede sem fios formada por pessoas que merecidamente nós confiamos.” Charlie Munger

Empresas no portfolio da Berkshire Hathaway
Empresas subsidiárias da Berkshire Hathaway

O crescimento da empresa ao longo das décadas impressiona. O crescimento composto em lucro bruto por exemplo ficou entre 18 e 24% entre as décadas de 1980 e 2010 por exemplo. Isso reflete a competência da empresa em colocar o dinheiro para trabalhar, fazendo grandes negócios. O último fechado pela empresa foi a compra da fabricante de componentes da indústria aeroespacial Precision Castparts por U$32 bilhões, anunciada em agosto de 2015 e finalizada em janeiro de 2016. Esse é o negócio de maior valor já fechado por ela e mesmo assim se espera que o fluxo de caixa gerado pela companhia de Buffett pague esta aquisição em 20 meses.

Outra tacada brilhante foi a série de investimentos feita pela Berkshire durante a crise de 2008, quando foi ganancioso ao comprar ações de diversas empresas, enquanto os demais investidores amedrontados  vendiam. Além disso, passou a emprestar dinheiro a juros obscenos para o padrão americano, durante a crise de liquidez que afetou os Estados Unidos naquele ano. Veja só, nos dias que se seguiram à queda do Lehman Brothers, quando investidores vendiam as ações das empresas de investimentos a preço de banana, o “oráculo de Omaha” deu o bote fechando a compra de U$ 5 bilhões em ações preferenciais do Goldman Sachs (pagando 10% ao ano de juros), com garantias para no futuro adquirir mais  U$ 5 bilhões em ações comuns. Em 2011, o Goldman recomprou as ações preferenciais por U$ 5,6 bilhões, além de pagar um bônus de U$ 500 milhões a Buffett. Em 2013, ele exerceu suas garantias, mas ao invés de adquirir os U$ 5 bilhões em ações com um deságio de 25% sobre o valor negociado a mercado, acabou recebendo numa operação sem dinheiro U$ 2 bilhões em ações do Goldman. Estima-se que o lucro de Buffett nos investimentos realizados no “olho do furação” de 2008, tenha ultrapassado a marca de U$ 10 bilhões.

Vou fazer uma pausa e abrir parênteses aqui. Você já deve ter lido o meu artigo sobre a 3G Capital. Se não leu, veja depois como eles fizeram a fusão da Kraft Foods com a Heinz e lucraram uma fábula. Agora vamos ao outro lado da história. No meio da jogada toda, estava a Berkshire Hathaway, que investiu um total de U$ 9,5 bilhões em ações ordinárias e U$ 8 bilhões em ações preferenciais, parte em 2013 e parte em 2015. Por ocasião da fusão, a empresa de Buffett e Munger levou 325 milhões de ações da nova Kraft-Heinz Company no valor de U$ 23 bilhões. Além de mais que dobrar o valor das ações, a Berkshire continua recebendo dividendos astronômicos de 9% pelas ações preferenciais. Por isso que não se deve esperar muito daquele monte de livros que todos nós lemos sobre “como investir como Warren Buffett”, já que esse tipo de negócio chega na mesa dele e não na nossa. Quer investir como ele? Compre as ações da Berkshire e vá curtir a vida.

Berkshire Hathaway
Dados de análise fundamentalista da Berskshire Hathaway retirados do site GuruFocus.

Bom, diante de todos esses negócios de sucesso não foi surpresa a companhia ter declarado, ao final de fevereiro, um lucro  trimestral fantástico referente ao fechamento de 2015.O lucro líquido cresceu para U$ 5,4 bihões. Havia sido de U$ 4,1 bilhões no mesmo trimestre de 2014. Já o lucro operacional cresceu 18% (U$ 4,6 bilhões) e a receita aumentou 7% (U$ 51,8 bilhões). Em relação ao ano todo de 2015, houve uma elevação de 21% no lucro líquido (U$24,0 bilhões). O lucro por ação classe A foi de U$ 14.656,00. A ação classe A é aquela que nunca sofreu desdobramento há 51 anos e é negociada cada uma acima dos U$ 200 mil.

Um dado importante é que o valor patrimonial da empresa (book value) subiu 6,4%. Mesmo que no ano a ação tenha caído 12,5% frente a alta de 1,4% do índice S&P 500, o foco de Buffet é sempre aumentar o patrimônio e a lucratividade da companhia. No longo prazo, e lá se vão 5 décadas, o aumento anualizado do valor  patrimonial é de 19,2%, já o preço da ação teve alta média de 20,8% ao ano. Para efeito de comparação o índice S&P 500 entregou 9,7% ao ano de retorno no mesmo período (dividendos incluídos).

Algo que é preciso ficar atento é que os resultados trimestrais da Berkshire costumam ser bastante voláteis, já que o valor das ações do portfolio da empresa variam conforme o humor dos mercados, bem como os cálculos de lucro das companhias de seguro não seguirem uma lógica trimestral. Dentro disso tudo, o destaque negativo ficou com a parte de seguros da holding, que apresentou U$4,9 bilhões de lucro frente a U$ 5,2 bilhões em 2014. Mesmo assim, a área de seguros terminou o ano mantendo U$4 bilhões a mais em prêmios que no ano anterior. De maneira geral, os demais negócios da empresa nas áreas de ferrovia, energia, serviços, varejo, utilidade pública e setor financeiro apresentaram crescimento em seus resultados. O destaque foi para a recuperação de Burlington Northern Santa Fe, que havia tido uma má performance em 2014.

Munger e BuffettPara se ter uma ideia do poder de fogo da Berkshire, a companhia terminou o ano de 2015 com mais de U$ 72 bilhões em caixa, sendo uma boa parte para pagar a aquisição da Precision Castparts. Mesmo assim, sobra uma fortuna para não só recomprar suas próprias ações, mas também para realizar outros investimentos. No câmbio e cotações atuais, ele poderia facilmente comprar qualquer uma das empresas da Bovespa, com exceção da Ambev, e com o menor troco, caso comprasse o Itaú, sobraria o suficiente para ainda adquirir a Vale, Telefônica ou o Banco do Brasil.

Sempre vai ficar o suspense sobre o que será da empresa quanto Buffett e Munger não puderem mais tocá-la, já que o primeiro está com 85 anos e o segundo com 92. Inclusive na carta anual aos acionistas escrita em fevereiro, foi anunciado que o encontro anual de acionistas será por via webcast. Nada de multidões se dirigindo pessoalmente a Omaha. Ano passado foram mais de 40 mil pessoas no ginásio que sediou o evento. Acredita-se que um dos fatores foi essa questão da idade.

Acho que ninguém trabalha até essa idade por obrigação, mas por puro prazer. O envolvendo dos dois com a empresa é tão intenso que provavelmente não viveriam sem ela. Este é um relacionamento como nos velhos tempos , “até que a morte nos separe”. Já existe um CEO em mente com duas outras opções adicionais guardadas a sete chaves. Dois CIOs (Chief of Investment Office) já estão nomeados. Ted Weschler e Todd Combs, excelentes investidores, já fazem parte da empresa há algum tempo e têm a confiança da dupla.

Existe ainda uma preocupação quanto a saúde mental de Buffett e Munger que possam atrapalhar nas decisões de investimento. Entretanto ao se avaliar os últimos investimentos é pouco provável que isso esteja de alguma forma atrapalhando. Ainda assim, existe um conselho com gente extremamente capacitada que constantemente avalia os próximos passos da empresa.

Warren Buffet e Coca-ColaUm outro fator que pode preocupar é o fato dos gestores que tocam os negócios da Berkshire, mesmo não sofrendo pressão ou intereferência em seus trabalhos, continuarem trabalhando a todo vapor muito também em respeito a Buffett. Será que manterão o mesmo vigor e ímpeto quando ele partir?

Não me surpreenderia se o relacionamento da Berkshire Hathaway com a 3G Capital de Jorge Paulo Lemann chegasse ao ponto de colocar um brasileiro no comando da Berkshire. Muitos americanos ainda vêem com certa preocupação o envolvimento das duas empresas, pois os estilos são bem distintos, um mais conservador e outro bastante agressivo. Por outro lado, imagine os “filhos” da 3G tocando a quase centena de companhias sob o guarda-chuva da Berkshire. Acredito que poderia ameaçar a posição da Apple de empresa mais valiosa do mundo.

De qualquer forma, a dupla ainda continua em ação, a Berkshire permanece fazendo investimentos e adquirindo empresas, os lucros nunca estiveram tão elevados, a companhia mantém uma enorme pilha de dinheiro capaz de superar qualquer crise e grande parte dos negócios são em setores não-cíclicos, mais conservadores. Se a empresa conseguirá manter a mesma lucratividade pelos próximos 50 anos é impossível dizer, mas também não há nada de concreto no momento que possa afirmar o contrário.

 

Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Este post tem 22 comentários

  1. Avatar

    Belo artigo II!

    Esta está na minha carteira. É praticamente um excelente ETF essa empresa, alem da vantagem fiscal de nao pagar dividendos.

    Abraço

    Seria legal vc comentar os múltiplos atuais e históricos dela aqui.

    1. Investidor Internacional

      Olá Frugal,

      De semelhante ao ETF só o fato de ter várias empresas sob o mesmo “guarda-chuva”. De resto há muita capacidade administrativa e seleção criteriosa para compras e realização de negócios. Os negócios multibilionários com e sem a 3G mostram o que acontece quando gente extremamente competente se reúne. É coisa pra profissional de alto padrão.

      Quanto aos múltiplos, acrescentei uma imagem cheia de informações a esse respeito.

      Abçs!

      1. Avatar

        Aah agora ficou legal. Esse site gurufocus eh mt bom. Os multiplos estao mt bons a meu ver. bem melhores que a media do mercado nos EUA.

  2. Avatar

    Olá II, boa tarde.

    Excelente artigo.

    Aproveitando que vc falou de um grande conglomerado, vc poderia comentar também o que pensa sobre os Keiretsus japoneses?

    Aqui tem algumas informações:
    https://en.wikipedia.org/wiki/Keiretsu

    Entre eles podemos citar:
    Grupo Mitsui, Grupo Sumitomo, Grupo Mitsubish etc

    Abraços

    1. Investidor Internacional

      Olá Ricardo,

      Obrigado pelo comentário.

      Assim como eu falei das empresas de internet chinesas e um pouco dos bancos canadenses, darei mais espaço para empresas de fora dos EUA também.

      Essas daí estão no radar.

      Abçs!

      1. Avatar

        Obrigado pelo retorno II,

        Se vc puder, gostaria de saber se poderia incluir no radar também a Brookfield Asset Management (BAM) que é um colosso e outras empresas que trabalham de forma similar a ela.

        https://en.wikipedia.org/wiki/Brookfield_Asset_Management

        A Brookfield é uma empresa global organizada em diversas subsidiárias e com investimentos diretos em propriedades, infraestrutura, energia renovável e private equity.

        abraços

  3. Avatar

    Excelente matéria! Como esse homem sabe fazer negócios, ganhar e multiplicar o dinheiro com simplicidade. Quem está investindo nos seus papéis acho que deve estar bem contente com os retornos.

  4. Avatar

    Buffet é um gênio … será que a empresa conseguirá se manter sem seu gênio no comando? Como Steve Jobs é pra Apple …

  5. Avatar

    Quem quiser ter mais detalhes desta dupla brilhante, deve ler:
    A Bola de Neve: Warren Buffet e o Negócio da Vida
    Alice Schroeder
    Abç

  6. Avatar

    Sensacional ver o sucesso desse investidor, ainda mais num mercado de ações mais desenvolvido do que o Brasil.

    Parabéns pelo Site InvestidorInternacional

    1. Investidor Internacional

      Olá Investidor,

      É justamente por investir no mercado de ações mais desenvolvido que ele consegue esses resultados no longo prazo.

      Em breve escreverei mais a respeito.

      Abçs!

  7. Avatar

    Quem pode responder-me?
    Se a Berkshire não distribui dividendos, como remunera seus investidores?
    Apenas pela valorização das cotas?
    Se for assim, se o cidadão tem p.ex. uma ´[unica cota classe A tem que vendê-la integralmente para conseguir dinheiro?
    É isso?

    1. Investidor Internacional

      Olá Maria Paula,

      Sim. A única maneira de efetivamente lucrar com ela, é vendendo as ações.

      E quem precisou fazer isso não teve do que reclamar até hoje.

      Abçs!

  8. Avatar

    Mais uma vez você surpreendeu. Parabéns

  9. Avatar

    Espetacular reportagem !
    Parabéns!
    Deus Abençoe Abundantemente!

    Abraços,
    Levy August
    Blumenau | SC | Brasil

Deixe uma resposta

Posts com maior repercussão

Fechar Menu