Saiba porque o impeachment é apenas um balde de água contra um incêndio de proporções catastróficas

Às vésperas da decisão final sobre o processo de impeachment, o mercado financeiro brasileiro tem vivido um tremendo alvoroço. O índice Bovespa já sobe  mais de 30% no ano, o iFIX, índice que segue os fundos imobiliários tem alta de mais de 24% em 2016 e o dólar sofre queda de mais de 20% até agora.

Se o começo do ano foi de enorme estresse no mercado nacional, com as notícias catastróficas sobre o déficit nas contas públicas, a piora da inflação e do desemprego, a contração da indústria, após o andamento do processo de impeachment com o afastamento da presidente Dilma Rousseff, uma onda de otimismo voltou a tomar conta do Brasil.

Não tenho dúvida de que o afastamento da herdeira do processo político e econômico que afundou a economia foi algo positivo. Entretanto, isso é apenas uma pequena parte de um processo maior caso queiramos tornar o Brasil um país minimamente decente.

O processo de destruição do Brasil vai muito além da ocupação do cargo de presidente da República por pessoas despreparadas, com viés comunista e totalitário. É um processo de contaminação de grande parte da sociedade brasileira, não só por essas ideologias doentias, mas também pela perda de diversos valores que foram responsáveis pelo desenvolvimento não só do Brasil, mas também de toda a civilização ocidental.

Um país doente

Se o PT e seus partidos aliados levaram a corrupção a níveis estratosféricos, o mais novo herdeiro da presidência, o PMDB, também esteve envolvido. Não é só isso. Quanto mais a operação Lava-Jato descobre as entranhas do poder e da corrupção, mais nomes e partidos vão aparecendo, mostrando que a corrupção brasileira é algo que transcende qualquer ideologia ou partido poítico.

O governo brasileiro é um grande balcão de negócios, onde políticos, empresários e sindicalistas trocam favores custeados por todo o restante da população brasileira. Um medida provisória para beneficiar as montadoras aqui. Um financiamento subsidiado para um frigorífico amigo acolá. Nada é feito por acaso. Nada é feito para que tenhamos um mercado mais livre. Sempre tem alguém ganhando alguma coisa.

Corrupção e Impeachment

Tem sempre alguém levando vantagem

As estatais então continuam a desempenhar seu papel de empregar amigos e de serem usadas como moeda em troca de apoio político. Também servem para acúmulo de diversos cargos em comissões e conselhos de diversas empresas pela alta cúpula do partido, todos muito bem pagos, diga-se de passagem.

Os fundos de pensão dessas mesmas estatais também se tornaram fonte de recursos para os sistemas de corrupção. Má gestão, fraudes e desvios compõem a caixa-preta que coloca em risco a aposentadoria de milhares de pessoas. A quantidade de irregularidades e operações suspeitas detectadas por auditorias é imensa.

O déficit acumulado pela Petros, Funcef e Postalis passa dos R$ 30 bilhões. Os funcionários dos Correios, que aplicam na previdência do Postalis, já estão sendo descontados em mais 17,9% para manterem o fundo. Isso inclui entre funcionários da ativa e aposentados, mais de 100 mil pessoas. Os funcionários da Caixa que aplicam em plano da Funcef também já começaram a ser cobrados com uma tarifa adicional para cobrir o rombo bilionário.

A questão da justiça

Se tudo isso já é bastante grave, o pior mesmo é o aparelhamento foi colocado nas diversas camadas da justiça brasileira, incluindo o “todo-poderoso” STF, o TSE, o TCU, a PGR e o STJ. O aparelhamento da justiça é o grande golpe que está sendo dado em cima do povo brasileiro. Contra ela é difícil recorrer. O último degrau da justiça então, o STF, é praticamente todo formado pelo PT e inclui nome de quem jamais foi juiz. Foi um planejamento que levou mais de uma década para ser estabelecido. O objetivo é um só. Defender o partido e seus membros. Independentemente de quem seja o presidente, a composição atual do STF é muito inclinada a contribuir com os aliados condenados. O foro privilegiado se torna assim amigo dos corruptos.

Vejamos. Valdemar Costa, Delúbio Soares e João Paulo Cunha, todos condenados por envolvimento no Mensalão, tiveram a pena perdoada por ministro do STF. Além disso, sabe até agora quantas pessoas foram condenadas pelo STF desde o início da operação Lava-Jato? Zero! Sabe quantos condenados pelo juiz federal Sérgio Moro na Justiça Federal de Curitiba? 105. Isso mesmo. Cento e cinco condenados. Nada como um tribunal próprio para o governo para julgar os crimes cometidos pelo próprio governo! Às vezes não é nem questão de julgar e inocentar, mas sim de nem levar o processo adiante.

O setor educacional

Este é um setor que está no cerne da destruição da sociedade brasileira. Começa com o déficit de qualidade na formação de professores e termina com a formação de analfabetos funcionais nos ensinos médio e superior. É só conversar com qualquer professor de faculdade particular, particularmente daqueles mais acessíveis, pra saber o nível de preparo dos alunos.

Não bastasse a qualidade pífia do ensino das matérias importantes, como gramática, inglês, química, física, biologia e matemática, que colocam o Brasil em posição vexatória nos testes internacionais, temos a doutrinação comunista que está presente tanto nos livros do MEC, quanto nas provas do ENEM.

Nos livros do MEC, o capitalismo é o grande culpado por gerar miséria e figuras como Che Guevara, Fidel Castro e Mao Tse Tung são endeusadas. Cuba é o país mais desenvolvido do mundo, com uma medicina e uma educação de primeira linha. Um pena que ninguém queira ir morar lá. Nem mesmo os comunistas brasileiros.

Essa figura aqui ilustra muito bem a perversidade dos livros escolares brasileiros:

Livro Capitalismo Socialismo

Doutrinação em livro escolar brasileiro

Existe doutrinação comunista até na prova de matemática do ENEM:

“Considere-se que cada tonelada de cana-de-açúcar permita a produção de 100 litros de álcool combustível, vendido nos postos de abastecimento a R$ 1,20 o litro. Para que um corta-cana pudesse, com o que ganha nessa atividade, comprar o álcool produzido a partir das oito toneladas de cana resultantes de um dia de trabalho, ele teria de trabalhar durante

A – 3 dias.
B – 18 dias.
C – 30 dias.
D – 48 dias.
E – 60 dias.”

Do jeito que está aí parece que basta cortar a cana e enfiá-la no tanque de combustível do carro para ele funcionar. Ninguém conta que existe primeiro a questão do plantio e segundo todo o processo industrial para transformar a cana-de-açúcar em combustível. O raciocínio dos examinadores nessa questão foi mais raso que o de uma planária.

Aluno Unicamp

Se não fosse pela bandeira, poderíamos achar que era em algum presídio

E a situação não melhora dentro das universidades. A cada dia vemos mais e mais absurdos cometidos por alunos e professores dentro daquelas que inclusive já foram instituições de primeira linha. Greves, invasões de prédio, depredações, interrupção violenta de aulas, tomada de reitoria. Cenas que facilmente são vistas em países que enfrentam guerra civil são também corriqueiras nas universidades brasileiras, em especial na USP. A doutrinação comunista sofrida pelos estudantes leva a situações como essa.

Já imaginou um pesquisador ter que entrar escondido, pulando o muro para conseguir terminar um trabalho de laboratório? Essa é a USP do século XXI. A continuar assim, o futuro reservará para as universidades públicas o mesmo destino das escolas públicas de primeiro e segundo graus.

E é nesse caminho que vão se criando novas gerações de ignorantes e pessoas amestradas que facilmente serão dominadas pela elite político-econômica do país e manterão o 7 a 1 nosso de cada dia.

A imprensa e a subordinação estrangeira

Um dos fatores que mais contribuiu para que o Brasil chegasse nessa situação foi a imprensa. As redações dos grandes meios de comunicação desde há mais de 40 anos tem sido tomada por militantes de esquerda, que não só manipulam a informação em favor da ideologia, como também omitem aquilo que não lhes é relevante.

Quer maior exemplo da ocultação da existência do Foro de São Paulo, que existe desde 1990 e é uma organização supra-nacional de partidos de esquerda? Suas diretrizes são implantadas nos países em que esses partidos chegam ao poder. No Brasil são membros do Foro: o PT, PC do B, PDT, PCB, PPL, PSB e o PPS. Além deles, organizações terroristas paramilitares como as FARC da Colômbia também são membros dessa entidade.

Esses partidos deveriam ter registros imediatamente cancelados pelo TSE, se o Brasil fosse um país em que as leis servissem para alguma coisa. Veja o que diz a lei dos partidos políticos:

“CAPÍTULO VI

DA FUSÃO, INCORPORAÇÃO E EXTINÇÃO DOS PARTIDOS POLÍTICOS

Art. 28. O Tribunal Superior Eleitoral, após trânsito em julgado de decisão, determina o cancelamento do registro civil e do estatuto do partido contra o qual fique provado:

I – ter recebido ou estar recebendo recursos financeiros de procedência estrangeira;

II – estar subordinado a entidade ou governo estrangeiros;”

Não tem como ser mais claro do que isso.

foro de são pauloNão adianta tirar o partido da presidência se as entidades auxiliares continuam funcionando a todo o vapor em prol dele e as leis brasileiras não são cumpridas para evitar isso.

Veja só alguns trechos da declaração final do último encontro do Foro de São Paulo, realizado em junho de 2016 em El Salvador:

“Os governos de esquerda em nosso continente conseguiram dar estabilidade social, política e econômica às nossas nações, e retiraram da pobreza dezenas de milhões de famílias, que se libertaram assim da marginalização, do desemprego, com acesso à saúde, educação e oportunidade de desenvolvimento humano.”

“Atualmente, os povos em luta e o movimento revolucionário enfrentam um desafio fundamental, que é a batalha na Venezuela, cujo povo revolucionário encabeçado por suas forças organizadas tem demonstrado uma capacidade de luta e resistência poucas vezes vistas na história de nossos povos, diante das investidas brutais da oligarquia apátrida e do imperialismo. A revolução bolivariana é uma vitória permanente e estratégica na luta pela liberdade de nossos povos.”

Sim, pessoas vivendo na miséria, passando fome e agora sendo obrigadas a trabalhar em campos de trabalho forçado na Venezuela é considerado um sucesso para esse tipo de gente. É surreal.

Sem mudança de cultura não há futuro

Já percebeu que não existe judeu e nem japonês pedindo esmola em semáforo?

Apesar de povos tão diferentes, é possível encontrar semelhanças desse tipo entre esses grupos, que muito imigraram para o Brasil. Em geral, são disciplinados e trabalhadores. É notável como os descendentes desses imigrantes hoje no Brasil conseguem obter sucesso profissional e financeiro. Os asiáticos de forma geral costumam ter muito sucesso nos vestibulares e você vê muitos judeus donos de grandes empresas ou ocupando altos cargos executivos. Outro dado interessante é que dificilmente você os vê envolvidos em crimes ou falcatruas.

Estrela de DavidEsse trecho de um site sobre judaísmo é bastante interessante:

“Espera-se sempre dos judeus um excelente comportamento ético, pois não é difícil constatar em seu currículo o que os dados estatísticos comprovam: homicídios, raptos, crimes hediondos é praticamente inexistente entre judeus, e isto ocorre tanto em sociedades onde constituem a maioria da população (como em Israel), como onde os judeus estão em minoria.”

Quanta diferença para o resto da população, não é mesmo? Seria ideal que todo o país absorvesse e praticasse os ensinamentos que os povos mais civilizados do mundo carregam consigo.

O que fazer frente a tudo isso? 

Não basta apenas tirar um presidente, é preciso combater todo esse sistema podre que se instalou no Brasil nas diversas esferas. É preciso destituir e ocupar os espaços na imprensa, nas universidades, e nos órgãos da sociedade como um todo. É preciso defender o capitalismo e o livre mercado, como as bases responsáveis por grande parte do desenvolvimento da sociedade ocidental que vemos hoje. É preciso difundir o libertarianismo como a filosofia mais justa e honesta para o convívio em sociedade.

Se as mudanças na mentalidade e na cultura dos brasileiros não forem profundas, não só o país continuará sendo essa eterna promessa de “país do futuro”, mas também estará bastante susceptível a um novo ciclo político que culminará com um novo colapso econômico.


Como leitura complementar, eu sugiro os textos abaixo:

A mídia comunopetista e a necessidade de um Estado-Maior

Estado mínimo e direitos individuais: libertarianismo cresce na política dos EUA