Aprenda como organizar seus investimentos de forma a conseguir uma renda mensal no exterior

Agora que você já aprendeu as diversas maneiras de investir para renda no exterior, irei finalizar esta série mostrando de maneira simples como montar um portfolio com esse objetivo. Obviamente, como todos os modelos de carteira publicados, isto não é uma recomendação de investimento. É apenas um exemplo para que você entenda como organizar o conhecimento adquirido e aplicá-lo no mundo real.

Se você ainda não leu as três primeiras partes da série, sugiro que leia:

  1. Bonds, Ações Preferenciais, REITs e Imóveis
  2. Master Limited Partnerships, Royalty Trusts, Business Development Companies, Closed-Ended Funds
  3. Ações pagadoras de dividendos

De maneira resumida, o investimento para renda é aquele que visa receber um fluxo periódico de dinheiro vindo dos investimentos. Em geral, uma carteira voltada para renda, é formada principalmente por títulos de renda fixa, os chamados bonds.

Investir para renda no exterior - EuroAo contrário do Brasil, onde os títulos de renda fixa, como CDBs e LCIs não pagam cupons periódicos, no exterior o mais comum é receber cupons com frequência geralmente semestrais. Daí então que eles geram uma renda frequente e não apenas pagam os juros no vencimento. Seriam semelhantes aos títulos do Tesouro com cupons e algumas debêntures e CRIs.

Mesmo que você não use toda a renda recebida, é possível reinvesti-la na compra de títulos que aumentarão ainda mais o seu patrimônio e sua renda futura. O reinvestimento da renda lhe permitirá ainda comprar mais ativos, seja ações ou bonds nos diversos momentos do mercado, incluindo as épocas de crise, onde os preços estão mais convidativos.

Alocação de ativos

Primeiramente, a nossa carteira de investimentos focada em renda terá metade da alocação em bonds e a outra metade nos demais ativos. Aos investimentos mais arriscados e que pagam maior yield será dado 10% de alocação, conforme vemos abaixo.

  • 50% Bonds
  • 20% Ações pagadoras de dividendos
  • 10% Ações preferenciais
  • 10% REITs
  • 4% Close-Ended Funds
  • 3% Master Limited Partnerships
  • 3% Business Development Companies

Bonds (50%)

A alocação em renda fixa será dividida em alguns ETFs e alguns poucos títulos específicos. Os ETFs serão na maior parte conservadores, investindo principalmente em dívida de empresas e países detentores do grau de investimento (Investment Grade) e menos em títulos de empresas com rating menor.

Os títulos individuais serão alocados da seguinte forma. Cinco títulos em escada, com vencimentos entre 2019 e 2023. Os títulos serão de empresas de países e moedas diferentes, com rating de longo prazo Ba1 pela Moody’s, nível logo abaixo do grau de investimento. Em geral, os títulos de curto prazo, como os abaixo possuem um nível melhor que os de longo, ou seja, são Prime, já dentro do grau de investimento.

A alocação então será a seguinte:

10% – BOND (NYSE Arca). ETF de renda fixa da PIMCO com gestão ativa. Já conhecido das outras carteiras mostradas no site. Yield atual de 3,5%. Distribuição mensal.

10% – CHCORP (SWX). administrado pela iShares investe em títulos de renda fixa emitidos em Franco Suíço por empresas suíças. Yield atual de 1,5%. Distribuição semestral.

Moody's rating

Escala de rating da Moody’s

10% – IGLO (SWX). administrado pela iShares investe em títulos governamentais dos países desenvolvidos, particularmente EUA e Japão. Yield atual de 1,03%. Distribuição semestral.

10% – ANGL (NYSE Arca). ETF que investe em títulos de empresas que perderam o grau de investimento, particularmente dos EUA, que corresponde a 63% da carteira. Já conhecido da carteira atual do site. Yield atual de 5,2%. Distribuição mensal.

2% – Time Warner Cable 8,250% 4/2019. Título emitido por empresa norte-americana do setor de telecomunicações. A moeda de emissão é o dólar dos EUA. Paga cupons de 8,25%. Yield atual de 3,46%. Distribuição semestral.

2% – William Hill 4,250% 6/2020. Título emitido por empresa britânica do setor de entretenimento e apostas com 80 anos de história. A moeda de emissão é a Libra Esterlina. Paga cupons de 4,25%. Yield atual de 2,9%. Distribuição semestral.

2% – Alcoa 5,400% 4/2021. Título emitido por empresa norte-americana do setor de alumínio com mais de 125 anos de atividade. A moeda de emissão é o dólar dos EUA. Paga cupons de 5,4%. Yield atual de 3,8%. Distribuição semestral.

2% – SoftBank Group 4,000% 7/2022. Título emitido por banco japonês fundado em 1981. A moeda de emissão é o Euro. Paga cupons de 4%. Yield atual de 2,2%. Distribuição semestral.

2% – General Motors 4,875% 10/2023. Título emitido por empresa norte-americana do setor automobilístico com 108 anos de história. A moeda de emissão é o dólar dos EUA. Paga cupons de 4,875%. Yield atual de 3,9%. Distribuição semestral.

Ações pagadoras de dividendos (20%)

A preferência aqui se dará por ETFs, com divisão por continente ou país.

10% – QDIV (SWX). ETF administrado pela iShares investe em empresas norte-americanas com bom histórico no pagamento de dividendos. Yield atual de 2,38%.

5% – SDGPEX (SWX). ETF de dividendos que investe em empresas de países desenvolvidos. Yield atual de 3,8%.

5% – 3145 (HKX). ETF de dividendos negociado na bolsa de Hong Kong, com foco nos países asiáticos, exceto o Japão. Yield atual de 3,37%

Ações preferenciais (10%)

Aqui a alocação será total no ETF PowerShares Preferred Portfolio(PGX), negociado na NYSE Arca. A taxa de administração é de 0,5% e o yield atual é de 5,7%. A distribuição é mensal.

REITs (10%)

Em termos de REIT, também a alocação será em um único ETF, no caso o iShares Developed Markets Property Yield UCITS ETF (IWDP), negociado na Bolsa da Suíça. Ele investe em REITs e empresas imobiliárias dos países desenvolvidos.

A maior parte do portfolio está nos EUA, que representam 56% da carteira. Hong Kong com 8% e Japão com 7% vêm logo em seguida. A taxa de administração é de 0,59%, o yield atual é de 3,18% e a distribuição é trimestral.

Dinheiro 100 dolares

Close-Ended Funds (4%)

A opção para alocação em CEF será no ETF PowerShares CEF Income Composite Portfolio (PCEF) negociado na NYSE Arca. Também faz parte da carteira do site para 2016 e já foi mencionado previamente.

A taxa de administração é de 0,5%, somado aos custos dos próprios fundos investidos, o gasto líquido do ETF é de 1,94% ao ano. O yield atual é de 7,85%. A distribuição é mensal.

Master Limited Partnerships (3%)

A escolha novamente por um ETF que ocupe toda a alocação. Principalmente nesses investimentos mais alternativos e que não são tão simples de estudar, o ETF proporciona uma alocação diversificada e lhe entrega o risco do mercado como um todo e não de um ativo em específico.

Para as MLPs, o ETF padrão é o ALPS, Alerian MLP ETF, criado em 2010 e com patrimônio acima de U$ 9 bilhões. A taxa  de administração é de 0,85%, o yield atual é de 8,66% e a distribuição é semestral.

Outra alternativa seria você comprar algum relatório que indique as melhores opções do setor e siga as recomendações de compra e venda.  Ou então você mesmo pode estudar cada ativo e escolher aqueles que lhe agradarem.

Business Development Companies (3%)

O investimento em BDCs também permite escolher ativos individuais ou ETFs. Vou optar pelo ETF. No caso, o VanEck Vectors BDC Income ETF (BIZD), negociado na NYSE Arca.

O yield atual é 8,74%  e a taxa de administração é de 0,4%. Os custos somados às despesas dos BDCs chega a 9,2%. Lembrando que a distribuição é já com o desconto de todas essas despesas.

Conclusão

Procurei somar a maior segurança dos bonds com algumas alocações em ativos mais arriscados e voláteis e que pagam mais dividendos. O objetivo é melhorar um pouco a renda neste momento de taxas de juros baixíssimas nos países desenvolvidos.

O uso de ETFs favorece a diversificação, reduz a volatilidade e lhe poupa o tempo que seria necessário para um estudo mais aprofundado sobre todos esses investimentos.

Pra finalizar, um gráfico que mostra toda a alocação usando 17 ativos geradores de renda:

Carteira de investimento em renda no exterior

Distribuição da carteira para investimento em renda no exterior