O império de hambúrgueres, fritas e milk-shakes é também um bom investimento?

Existe uma infinidade de empresas norte-americanas que cresceram e dominaram o mundo em seus respectivos ramos, mas poucas representam tão bem o espírito empreendedor americano como o McDonald’s.

Se você já leu um pouco a respeito de outro ícone do país, a Microsoft, é hora de conhecer um pouco mais sobre a rede de lanchonetes que tem trazido alegria aos acionistas por mais de meio século.

Primeiro, você irá aprender um pouco da história da empresa, seus desafios, suas mudanças e enfim os números da empresa, incluindo receita, lucros e dividendos.

História

O ano era 1954, quando uma lanchonete fazia enorme sucesso em San Bernardino, Califórnia, vendendo um menu enxuto de hambúrgueres e milk-shakes. Era a lanchonete dos irmãos Maurice and Richard McDonald.

Neste ano, os irmãos fizeram um pedido de 8 máquinas de milk-shake para a empresa Prince Castle, sendo que cada máquina era capaz de fazer 5 milk-shakes ao mesmo tempo. Esse pedido acendeu um luz na cabeça de um dos vendedores da Prince Castle chamado Ray Kroc, então com 52 anos. Nas palavras do próprio Ray:

Naquele tempo, ninguém tinha 8 máquinas em uma única loja. Então eu fui lá e fique impressionado. Vendiam hambúrgueres por 15 centavos, batatas fritas por 10 centavos e milk shakes por 20 centavos. E basicamente este era o menu. E eu disse: Isto é pra mim.

Como você vê, o menu já estava lá, assim como os arcos dourados, as receitas e todo o processo rápido e eficiente desenvolvido pelos irmãos McDonald. Uma linha de produção capaz de entregar o pedido aos clientes em menos de 30 segundos e não em meia hora como nas demais lanchonetes.

Speedee Service

Primeiro menu do McDonald’s

Ao ver tudo isso, Ray Kroc percebeu que aquilo merecia ter mil unidades em funcionamento nos EUA e não apenas uma. Fechou negócio então para ser o coordenador do franchising. Abriu assim sua primeira loja em Illinois como protótipo e aperfeiçoou o sistema dos McDonald, focando em qualidade, velocidade e principalmente limpeza. A partir daí vendeu franquias de sua rede para todos os Estados Unidos. Em 1959 já eram 102 unidades em funcionamento e nove anos depois, em 1968, foi inaugurado o milésimo restaurante, conforme vislumbrado por Kroc no início do processo.

Percebeu que existe uma certa similaridade com os casos de outras empresas não menos famosas como a Apple, Microsoft e Facebook? A pessoa que alavancou o negócio não foi a pessoa que criou o produto ou a empresa. Foi aquela que teve a maior visão a respeito daquilo, que percebeu estar diante de algo espetacular que mudaria o mundo. Principalmente, alguém que persistiu para que aquilo se tornasse realidade.

A Apple não inventou o sistema de ícones e o mouse. Foi a Xerox, mas Steve Jobs foi aquele que percebeu que aquilo seria grande. A Microsoft não inventou o DOS, comprou o sistema de um programador que não sabia o valor do que tinha em mãos. Mark Zuckerberg não criou a rede social, mas soube melhor do que ninguém como transformar aquilo em um negócio com bilhões de usuários.

Desafios

Uma das grandes características da empresa é a regularidade. Só uma empresa obcecada com a perfeição em todos os processos é capaz de oferecer um Big Mac com o mesmo sabor, o mesmo aroma, a mesma aparência em cada um dos quase 37 mil McDonald’s espalhados por mais de 100 países.

Imagine o trabalho com fornecedores do mundo inteiro para atingir os mesmos padrões de qualidade em todos os ingredientes. Imagine lidar com 1 milhão e meio de funcionários para que eles mantenham a mesma velocidade, a mesma eficiência e os banheiros igualmente limpos seja em São Paulo, Tóquio ou na Baía de Guantânamo, em Cuba. Sim, existe um McDonald’s lá.

Uma falha em algum desses processos pode ser fatal para a empresa. E algo assim aconteceu em 2014 na China, com um escândalo envolvendo fornecedores de carne para restaurantes de várias cadeias, incluindo o McDonald’s. Algo como estamos vendo no Brasil agora, com a descoberta de que estes fornecedores estavam entregando carne estragada e reaproveitada. Este episódio não só manchou o nome da empresa, como resultou em um grande prejuízo financeiro.

Críticas

Se existe uma empresa que é acusada de causar “todos os males do mundo”, essa empresa é o McDonald’s.

Suas largas porções, seus lanches e bebidas lotados de açúcar, gordura e calorias são frequentes alvos dos vigilantes da saúde do mundo inteiro. Tratam a empresa como responsável pela obesidade, hipertensão arterial, diabetes e outros problemas de saúde comuns. Esquecem que a empresa não obriga ninguém a consumir seus produtos e a decisão final sobre o que colocar dentro do corpo é sempre do consumidor. Nenhuma estratégia de marketing está acima da responsabilidade individual.

McDonald's

Modelo atual de um restaurante do McDonald’s

Você deve ter assistido ao documentário Super Size Me, onde um cineasta se alimenta apenas de lanches do McDonald’s por 30 dias e depois tem vários problemas de saúde. Bom, salada de alface e tomate é reconhecidamente saudável, mas se alimentar apenas disso por 30 dias vai lhe deixar desnutrido. Inclusive um outro cineasta fez a mesma coisa e emagreceu. O documentário chama-se Fat Head.

Uma alimentação saudável nada mais é que uma combinação variada de nutrientes no dia-dia, nada que um bolo de chocolate ou um Big Mac ocasional vá atrapalhar. Outra que saúde está relacionada a diversos outros fatores não ligados a alimentação, como estresse, sono, etc.

Também existem os críticos que acusam o personagem Ronald McDonald de ter apelo infantil e ser má influência na alimentação das crianças. Primeiro que a responsabilidade da alimentação das crianças é dos pais. Crianças não possuem dinheiro e não fazem compras sozinhas. Aquele que não sabe dizer não regularmente para o filho não deveria ter um.

Por último, existem aqueles que criticam o pagamento dos funcionários, alegando que é um trabalho puxado e que eles ganham mal. Bom, os serviços básicos de que o McDonald’s necessita podem ser preenchidos por pessoas sem experiência e com pouca instrução, o que é uma oportunidade de inserção no mercado de trabalho e serve de sustento inclusive a muitos que necessitam pagar os estudos. Se já não bastasse isso, um chapeiro chamado James Skinner, contratado pelo McDonald’s em 1971 chegou a posição de presidente em 2004. Em 2012, a remuneração dele em 2012 foi de 27 milhões de dólares! Entendeu o que é meritocracia?

O império conta-ataca

Diante dessa avalanche de acusações, pela própria mudança nos padrões de consumo e pelo primeiro prejuízo trimestral da empresa em 2002, o McDonald’s decidiu se reinventar e hoje oferece um cardápio bem mais extenso do que aquele inicial da década de 50.

Big Mac

Existem sanduíches melhores, mas nenhum vende tanto quanto o Big Mac

Saladas, wraps, iogurtes e cafés, bem como todo um menu de café da manhã estão presentes e são opções a já tradicional combinação de hambúrguer, refrigerante e batata frita. Em determinados países existem ainda opções diferenciadas com foco no gosto local, particularmente na Ásia.

Hoje o McDonald’s atende no mundo 69 milhões de clientes por dia, vende 75 hambúrgueres por minuto e  550 milhões de Big Macs por ano.

McDonald’s como investimento

A empresa abriu o capital na Bolsa de Nova Iorque em 1965 ao valor de U$ 22,50. Nesse mesmo dia, as ações subiram para U$ 30,00, o que tornou os proprietários milionários. Na década de 60 ser milionário era uma grande coisa! Um investimento inicial em 100 ações do McDonald’s no IPO ao custo de U$ 2.250,00 valeria hoje mais de U$ 8 milhões e você possuiria mais de 70 mil ações. Isso porque houve 13 desdobramentos nesses mais de 50 anos.

A empresa é negociada sob o código MCD e está presente no índice Dow Jones das 30 maiores empresas dos Estados Unidos. Também pode ser considerada uma empresa de crescimento de dividendos, já que tem aumentado os pagamentos aos acionistas regularmente desde 1976, algo que também a credencia para o seleto grupo de Dividend Aristocrats de empresas que aumentam os dividendos anualmente por mais de 25 anos.

Veja as métricas atuais da companhia na tabela abaixo:

Valor de MercadoU$ 105 bilhões
Preço/Lucro (últimos 12 meses)23.6
Preço/Lucro (estimado para 2017)19.4
Preço/Crescimento dos Lucros2.4
Preço/Vendas4.2
Margem de Lucro0.19
Margem Operacional0.31
Retorno sobre Ativos (ROA)0.14
Retorno sobre Patrimônio (ROE)1.91
Receita TotalU$ 24,6 bilhões
Receita por AçãoU$ 28,80
EBTIDAU$ 9,3 bilhões
Lucro por AçãoU$ 5,44
Fluxo de Caixa OperacionalU$ 6,06 bilhões

No gráfico a seguir você também pode conferir a evolução de alguns dos principais números da empresa, como Lucro por ação (Earnings per share), Dividendo por ação (Dividend per share) e Fluxo de Caixa Livre por ação (Free Cash Flow per share):

Gráfico do McDonald's

Evolução de lucros, dividendos e fluxo de caixa livre do McDonald’s.

Veja que todos os números são ascendentes e há algumas quedas pontuais no lucro e no fluxo de caixa livre, mas ainda existe ainda uma boa margem que tem permitido o aumento constante nos dividendos.

Os últimos resultados, relativos ao ano de 2016 foram divulgados no dia 23 de janeiro e apresentaram os seguintes destaques:

  • Vendas comparáveis globais com alta de 3,8%
  • Receita consolidada com queda de 3% (estável se desconsiderar a variação cambial)
  • Lucro operacional consolidado com alta de 8% ( 11% se desconsiderar a variação cambial)
  • Lucro líquido por ação de U$5,44, com alta de 13% (16% se desconsiderar a variação cambial)
  • Retorno de U$ 14,2 bilhões aos acionistas por meio de recompra de ações e distribuição de dividendos

Pela leitura de algumas análises e das apresentações da empresa, percebe-se um esforço do McDonald’s em passar cada vez mais as operações de restaurantes para os franqueados de forma a ter menos restaurantes próprios. A empresa também vendeu 80% de sua operação na China para um grupo local e um grupo de private americano agora em janeiro de 2017.

Assim, a companhia conseguirá uma grande redução de custos e, mesmo com a redução das receitas, ela deve ver as margens subirem. Isso torna as ações da empresa menos propensas a uma grande valorização em termos de ganho de capital, mas favorece uma geração de caixa mais estável e um favorecimento na distribuição de dividendos. Uma companhia com menos gastos e necessidade menor de investimentos é capaz de distribuir mais dividendos.

Conclusão

Enfim, o investimento em ações do McDonald’s pode ser uma boa opção para quem busca estabilidade em uma grande empresa, com nome consolidado e enorme dispersão geográfica.

Não está imune a crises, concorrência ou mudanças no mercado. Entretanto possui uma marca que por si só vale mais de U$ 39 bilhões e receitas anuais acima dos U$ 24 bilhões. Suas dimensões e alcance para investimentos tanto em marketing quanto em contratação de executivos lhe confere uma grande margem para enfrentar tempos difíceis.

Agora eu lhe faço um desafio. Na sua próxima visita ao Shopping Center, dê uma olhada na praça de alimentação e compare as filas do McDonald’s, Burger King, Subway e demais redes e me conte qual é a maior. Desde que comecei a fazer isso, não teve uma vez que o McDonald’s deixou de estar em primeiro. Se isso em si pode não refletir diretamente nos números, pelo menos mostra que entre os brasileiros, a marca tem uma certa preferência.

Pra finalizar, aproveite para passar no cinema e assistir a versão hollywoodiana da história do McDonald’s, que está em cartaz. O trailer do filme Fome de Poder vai abaixo:

OBS: Este texto não é recomendação de investimento e o autor não possui ações da companhia.