Como investir em Ouro e Prata: as melhores opções

Investir em ouro e prata é bastante popular no restante do mundo, ao contrário do que vemos no Brasil. É até paradoxal, visto que o ouro e prata são tidos como ativos que mantém o valor em épocas de crise e nossa história de problemas monetários (hiperinflação e desvalorização da moeda) é muito mais atribulada do que a dos países desenvolvidos. É fundamental você, como brasileiro, saber como pode investir e proteger seu patrimônio com o uso dos metais preciosos.

Um pouco de história

O investimento em metais preciosos remonta a milhares de anos. Na verdade, o ouro e a prata sempre foram tratados como dinheiro propriamente dito.  Mais recentemente é que foram substituídos por papel e outros metais menos nobres como moeda corrente. Entretanto, mesmo durante a criação do Dólar dos Estados Unidos com notas de papel, o ouro e a prata eram intercambiáveis com a moeda norte-americana em valores fixos. Esse bimetalismo perdurou até 1900, quando o Gold Standard Act foi estabelecido. O dólar passou a ser lastreado apenas em ouro e a prata continuou sendo usada como moeda corrente. As notas emitidas pelo governo e mais tarde pelo FED eram legítimos certificados de ouro (como se vê na imagem) e poderiam ser trocadas pelo metal quando o cidadão bem entendesse.

Certificado Ouro DólarCom algumas mudanças, esse sistema durou até 1971. Sob ele, chamado de Bretton-Woods, o sistema financeiro mundial era todo atrelado ao Dólar dos Estados Unidos e este ligado ao ouro. Em 1971, ficou claro que o governo americano literalmente fraudou o resto do mundo, emitindo mais moeda do que havia de ouro armazenado e o sistema caiu. A partir daí, toda a moeda emitida no mundo passou a não possuir lastro algum.

Aceitar, hoje em dia, que as notas e moedas de Real, Dólar e Euro valem mais do que as notas do Banco Imobiliário nada mais é do que fruto de décadas de manipulação do sistema financeiro. Isso fez com que a população perdesse a exata noção das origens e do significado do dinheiro.

É até curioso pensarmos que hoje em dia, as pessoas dão tanto valor a um pedaço de papel com números impressos da mesma forma que davam ao sal na Roma Antiga e às conchas do mar na ápoca indígena norte-americana.

Dinheiro é uma reserva de valor e um meio de troca.

Desta forma não podemos dizer que Real ou Dólar possam ser dinheiro, eles são apenas a moeda corrente. Para ser dinheiro, é necessário preencher alguns pré-requisitos:

  1. Ser durável.
  2. Ser divisível.
  3. Ser conveniente.
  4. Ser consistente.
  5. Possuir valor intrínseco.
  6. Possuir quantidade limitada.
  7. Deve ter uma longa história de aceitação.

Apenas o ouro e a prata preenchem todos esses requisitos.

Durável: todo o ouro já extraído na história da humanidade continua existindo até hoje. Ele não se degrada. Não evapora. Não se desfaz com água. Não vira purpurina. Não perde suas propriedades com o passar do tempo.

Divisível: é possível  fundir e dividir uma certa quantidade de ouro em partes menores com as mesmas características.

Conveniente: uma pequena peça de ouro armazena bastante valor. Pode-se guardá-la e carregá-la sem maiores problemas.

Consistente: 50g de ouro é 50g de ouro independente do país, região, raça e religião. É facilmente reconhecível e vale a mesma coisa.

Valor intrínseco: o ouro possui características físico-químicas especiais e únicas que o torna mais valioso que os outros metais.

Quantidade limitada: Ouro é um metal especial e raro. Não pode ser criado em laboratório, nem fabricado na Casa da Moeda. Deve ser necessariamente extraído da natureza.

História de aceitação: A descoberta mais antiga do uso do ouro como jóia data de 4.500 a 4.200 anos antes de Cristo. E sim, as jóias foram encontradas praticamente intactas.

Saiba porque comprar ouro

Mas se não usamos o ouro no dia a dia, qual o objetivo de se investir nele?

Como sabemos, a moeda corrente perde valor ao longo do tempo. 1 Real hoje vale menos que há 10 anos atrás. Um pão francês que custava 10 centavos, hoje sai por 80 centavos. Ele continua sendo feito da mesma forma, com os mesmos ingredientes e mesmo peso, apenas o dinheiro é que vale menos. Isso é devido a inflação, que nada mais é do que a impressão contínua de dinheiro pelo Banco Central, com consequente aumento da base monetária. E quanto mais moeda em circulação, menos ela vale. Com isso, há um aumento do valor relativo dos metais preciosos em relação às moedas correntes ao longo do tempo, com tendência a seguir a inflação.

Há ainda um papel para o investidor brasileiro que é de atuar como hedge, ou proteção, nos momentos de maior estresse do mercado, já que possui, assim como o dólar, uma correlação negativa com a variação de preço das ações. Quando as ações desvalorizam, há uma tendência do ouro e dólar valorizarem. Foi o que aconteceu de maneira intensa no ano de 2015.

Também existem a platina e o paládio como metais passíveis de investimento, mas que possuem menor liquidez.

Veja como é fácil investir

ETF OuroExistem várias possibilidades. A mais simples é por meio da aquisição de ETFs (Exchange Traded Funds) nas bolsas de valores. Esses ETFs possuem em sua composição direitos a barras de ouro que permanecem estocadas em cofres. Cada ação de ETF representa uma quantidade de metal, seja representada em onça (oz) ou grama (gr).

Alguns exemplos de ETFs de ouro e prata são:

SPDR Gold Shares (GLD) – É o maior ETF de ouro do mundo. Seu preço é o equivalente a 1/10 do valor de uma onça de ouro. É negociado nas bolsas de Nova Iorque, México, Cingapura, Japão e Hong Kong.

iShares Gold Trust (IAU) – É negociado na bolsa de Nova Iorque (NYSE-Arca). Também é dos maiores do mundo, com estoque de quase 168 toneladas de ouro.

iShares Silver Trust (SLV) – É negociado na bolsa de Nova Iorque (NYSE-Arca). É o maior ETF de prata do mundo, com estoque de mais de 10 mil toneladas de prata.

ETFS Physical Swiss Gold Shares (SGOL) – É negociado na bolsa de Nova Iorque (NYSE-Arca). É lastreado por ouro 100% alocado em cofres em Zurique (Suiça).

ZKB Gold ETF AA USD Klasse (ZGLDUS) – Gerenciado pelo banco suiço Zurcher Kantonalbank, é negociado na bolsa de Zurique. Investe exclusivamente em ouro 100% alocado na Suiça. É permitido ao investidor retirar as barras de ouro quando quiser. Entretanto, a unidade padrão de resgate é de 12,5kg.

Também é possível comprar frações de barras de ouro, que permanecem armazenados em cofres através do serviço de algumas empresas específicas. Como cada barra de ouro padrão possui 400 oz, o seu valor é em torno de R$ 1.726.200,00 (cotação de abril de 2016), o que torna sua liquidez mais restrita. A venda de frações permite aos investidores com menor patrimônio acumularem o metal.

Comprar Prata

American Silver Eagle

Um dos cuidados que se deve ter é acompanhar se a empresa ou o ETF sofrem auditorias frequentes para confirmar a quantidade de metal estocada e se permitem a retirada física ou entrega do mesmo. Também é importante saber em qual país o ouro está armazenado, sendo Suíça e Cingapura, os países de melhor reputação. Em geral, você abre uma conta na empresa, faz uma transferência bancária e através do acesso online, verifica seu saldo e pode comprar e vender metais.

Algumas empresas que permitem a compra e venda online e a armazenagem de ouro são:

BullionVault – É o maior mercado de metais preciosos do mundo. Possui preços de armazenagem e negociação bastante competitivos. É possível negociar ouro e prata em qualquer quantidade e em três moedas (Dólar Americano, Euro e Libra Esterlina). Possui cofres em cinco países, Suíça, Inglaterra, EUA, Canadá e Cingapura.

Hard Assets Alliance – Permite a compra e venda de metais 100% alocados em cofres fora do sistema bancário e localizados em 6 cidades diferentes, Salt Lake City, Nova Iorque, Londres, Zurique, Cingapura e Sidney. Possui uma vasta seleção de moedas e barras a um preço bastante competitivo. Não trabalha com fração de ativos. O metal que o investidor compra é somente dele e pode permanecer armazenado ou entregue.

Goldmoney – Possui 20 mil clientes e mais de U$ 1,2 bilhões em metais preciosos. Negocia ouro, prata, paládio e platina. É permitido escolher em qual cofre armazenar o metal, podendo estar localizado na Inglaterra, Suiça, Hong Kong, Canadá e Cingapura. Também permite a entrega do metal, caso o investidor deseje.

Outra maneira de investir seria comprar barras e moedas de ouro e prata em vendedores autorizados. No Brasil ainda é um mercado incipiente e com pouca liquidez, mas nos países desenvolvidos, as opções são numerosas. As casas da moeda de diversos países e algumas empresas privadas fabricam essas barras e moedas de diversos tamanhos. As moedas mais populares são a American Eagle, cunhada pela United States Mint (Casa da Moeda dos EUA) e a Maple Leaf, cunhada pela Casa Real da Moeda do Canadá.

Abaixo você encontra as moedas de ouro mais populares do mundo:

As empresas geralmente estão nos EUA e Suíça e caso o investidor brasileiro deseje adquirir esses produtos, é necessário uma viagem ao país, já que a compra pelo correio sofre o risco do transporte e os custos de seguro e taxação alfandegária inviabilizam a compra como investimento.

Algumas empresas que negociam barras e moedas de ouro, prata e outros metais preciosos são a Apmex, JM Bullion, SchiffGold, GoldSilver,  Gold Dealer, MilesFranklin,  nos EUA, a Valcambi na Suiça, a Perth Mint na Austrália e a BullionStar em Cingapura.

Importante lembrar que existem dois tipos de moeda. Um chamado diretamente de moeda (coin), que são aquelas produzidas oficialmente pelas Casas da Moeda, como as mostradas acima. Elas são consideradas Legal Tender, ou seja, possuem um valor impresso na moeda do país e podem ser aceitas como forma de pagamento. Além disso, as moedas possuem uma data impressa como forma de controle da instituição emissora. O outro tipo são os chamados rounds, que são como as moedas oficiais só que produzidos por empresas privadas. Não são consideradas Legal Tender, não possuem valor ou data impressos, apenas o indicativo de massa medido em onças. Podem ter tamanhos e impressos diversos e ser feitas de ouro, prata, platina, etc.

Comprar ouro - Valcambi Combibar

Valcambi Combibar Ouro 50g

Não só de moedas e rounds vive aquele que opta por investir em ouro e prata físicos, de sua posse. O mercado sempre inova com produtos que busquem seu espaço no meio dos investidores. Uma alternativa interessante foi criada pela suíça Valcambi. Chama-se CombiBar. São plaquinhas que lembram cartões de crédito, cada uma contendo 5, 20, 50 ou 100g de ouro, divididas em segmentos destacáveis de 1g cada. Além do ouro, a empresa produz a CombiBar em prata, platina e paládio.

Outra maneira de comprar ouro e prata é adquirindo certificados do metal. O mais popular e conhecido do mundo é o Certificado da Casa da Moeda de Perth (Perth Mint Certificate Program). Perth é um estado no extremo oeste da Austrália e sua casa moeda está há 115 anos em funcionamento. Ao realizar a transação, a Perth Mint emite em seu nome um certificado em papel especial com um número de série único, indicando você ser o dono do metal e que está sob custódia deles.

Através de uma rede mundial de distribuidores, você pode comprar os metais produzidos lá com três formas de alocação:

  • Não-alocada: você possui uma certa quantidade de ouro ou platina dentro do estoque da Perth Mint. É a forma mais barata.
  • Alocada em conjunto: você compra uma parte de um conjunto de barras de prata.
  • Alocada:você se torna dono de barras ou moedas específicas de ouro ou prata. São peças retiradas do estoque, com números de série específicos e registradas em seu nome.

Já possui a vantagem inicial do metal estar localizado em outro país. No caso, um país com ampla liberdade e segurança jurídica, como a Austrália. É um investimento garantido pelo governo da Austrália ocidental.

Conclusão

O investimento em metais preciosos é muito difundido no mundo, enquanto no Brasil não é muito divulgado. Talvez por falta de conhecimento, ou mesmo pela ausência de boas empresas atuando no mercado. Neste momento em que estímulos monetários se espalham pelo mundo e a crise atinge em cheio nosso país, investir em ouro e prata é uma maneira de se proteger da desvalorização da moeda e serve como diversificação interessante dentro do seu portfolio de investimentos.