Investir no Exterior

Nova atualização de nossa carteira de investimentos no exterior

Realizada nova atualização mensal da Carteira Internacional com as cotações do final de fevereiro.

No geral, a carteira apresentou certa estabilidade nas cotações em moeda local, com os destaques positivos ficando com Unibail Rodamco (UL:xams) e PSP Swiss Property (PSP:swx). O REIT europeu apresentou valorização de 3% em Euros, enquanto o suiço valorizou 4,2% em Franco Suíço . A posição em ações, particularmente a alocada nos EUA e Europa também apresentou ganho. As demais posições apresentaram pequenas variações, tanto positivas, quanto negativas e não impactaram o valor da carteira de maneira significativa.

Desvalorização do RealPor outro lado, a forte desvalorização do Real frente às principais moedas no mês de fevereiro fez com que a carteira internacional apresentasse uma forte valorização de 7,3%, quando medida em moeda brasileira.

Devemos lembrar que a medida da carteira em Real serve apenas para balizar o investimento. Não é o objetivo fazer market timing, tentando antecipar as flutuações de nossa moeda. Também não é o objetivo tentar ganhar na desvalorização do Real, mas sim se proteger dela.

Se por um lado uma carteira internacional ganha com a perda de valor da moeda brasileira, por outro torna mais caro as próximas remessas ao exterior, caso haja o interesse de aumentar o investimento. Não tenha dúvida que um Real forte é muito mais negócio para o investidor brasileiro de maneira geral do que um Real fraco, já que a renda da maioria dos brasileiros é nesta moeda.

Abaixo os dividendos recebidos no mês de fevereiro, já descontados os impostos e adicionados na alocação cash:

BOND: U$ 0,17 por ação – Total: U$ 11,90 (-30%) = U$ 8,33

O: U$ 0,189 por ação – Total: U$ 7,18 (-30%) = U$ 5,02

NNN: U$ 0,42 por ação – Total: 19,32 (-30%) = U$ 13,52

OHI: U$ 0,53 por ação – Total: U$ 25,44 (-30%) = U$ 17,80

HR_UN: CAD 0,1125 por ação – Total CAD 11,02 (-25%) = CAD 8,26

CWT_UN: CAD 0,1334 por ação – Total CAD 10,40 (-25%) = CAD 7,80

BLND: 6,92 pence (cents) por ação – Total: £ 10,65 (-10%) = £ 9,58

A imagem abaixo mostra uma panorâmica de toda a carteira, com valorização acumulada de 9,3% em 2015 e todo o histórico mensal da carteira é encontrado aqui:

carteira internacional 2015
Clique para ampliar
Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Este post tem 10 comentários

  1. Avatar

    Rapaz, carteira doida!
    Estou quanto tempo para montá-la?
    Quanto tempo investe no exterior?

    1. Investidor Internacional

      Olá!
      Não é doida não.
      Primeiro é necessário estudar alocação de ativos e depois encontrar os ativos para preenchê-la.
      Haverá um post com as ferramentas necessárias para encontrar ações, REITs e ETFs.
      Abçs!

      1. Avatar

        II,

        cadê este post, amigo??!!

        Estou ansioso para ver estes posts mais práticos.

        Abraços e obrigado pelas valiosas informações.

        DM

      2. Avatar

        Ola! Parabens pelo site!
        Poderia dar uma sugestao?
        Como vc mesmo ja comentou, o objetivo nao eh fazer market timing com o cambio usd/brl… Entao a referencia para valorizacao da carteira nao deveria ser baseada em reais…que tal colocar uma coluna de valorizacao em dolar? Assim ficamos menos suscestiveis a analises pontuais, com referencia em uma moeda forte…. Pois falar de valorizacao da carteia de 10% sendo que o real se desvalorizou 10% no mes o periodo (apenas uma exemplo) fica totalmente distorcida a eventual analise da qualidade da carteira… Obrigado e novamente parabens pelo trabalho!

        1. Investidor Internacional

          Olá,

          Medir valorização da carteira, cujos ativos estão listados em diversas moedas é realmente mais complicado.

          Mas veja só. A cotação das ADRs nos EUA é simplesmente a cotação das ações brasileiras na Bovespa convertida em dólares. O mesmo acontece com as BDRs das empresas americanas listadas no Brasil e com qualquer ativo que seja listado em mais de um país e mais de uma moeda.

          Em algumas gestoras de recursos na Europa, o cliente escolhe em qual moeda ele deseja acompanhar a rentabilidade e geralmente ele escolhe sua própria moeda. Por isso, optamos pelo Real.

          De qualquer forma, o importante é estar diversificado entre várias. Hoje o dólar americano está ganhando frente a praticamente todas as moedas, mas há alguns anos, era uma moeda que apenas estava se desvalorizando e chegou a valer menos de R$ 1,60.

          Abçs!

          1. Avatar

            Ola!
            Obrigado pela resposta.
            Tem toda razao…muito dificil…mas o que voce acha entao de criar uma coluna com o desempenho do ativo na moeda de origem? Permanecendo com o desempenho principal, medido em dolar…. Assim´da pra ver de uma forma mais clara o desempenho “local” do ativo, e verificar como aquela recomendação de investimento está performando no país… enfim, apenas uma sugestao… Um exemplo: vai que uma empresa de Cingapura em que comprei um bond está com risco iminente de delcarar default…e o bond caiu 50%… mas a moeda local no período valorizou-se 50% frente ao dolar… fazendo uma conta sem o devido rigor, é como se o ativo nao tivesse sofrido..colocando a performance na moeda local, fica bem mais transparente…
            Abs

            1. Investidor Internacional

              Olá,

              Não existe solução perfeita.

              Daria para dividir a carteira, ao invés de classes de ativos, entre as moedas e calcular a rentabilidade de cada uma separadamente.É possível.

              Também seria possível fazer um Hedge na moeda de referência, como nos ETFs “hedgeados”.

              Por enquanto, optamos por acompanhar em Real mesmo.

              Abçs!

  2. Avatar

    Diga-nos o que significa o menos trinta por cento colocado após os dividendos recebidos? Impostos? Se forem, pergunto a ti se pelo fato de ser não residente não poderia se valer do tratado que evita a bitributação?

    1. Investidor Internacional

      Olá,

      Os -30% são impostos retidos na fonte.

      No caso dos EUA, Alemanha e Reino Unido há um tratado de compensação com o Brasil.

      O que é descontado lá não precisa pagar de novo aqui.

      Mais pra frente falaremos de impostos em mais detalhes.

      Abçs!

Deixe uma resposta

Posts com maior repercussão

Fechar Menu