Warren Buffett Bill Ackman

Não sabe como escolher as melhores ações para investir? Deixe com os mestres

Existe uma discussão interminável no mundo dos investimentos em ações. Deve o investidor escolher as ações de sua carteira individualmente ou ele deve ser investir em um fundo ou ETF que siga um índice do mercado?

Em se tratando de Brasil, as duas opções são possíveis. Para um investidor mais ativo e que goste de estudar e avaliar as empresas é perfeitamente possível escolher as empresas uma a uma. Para isso, pode-se usar algum dos diversos sites que compilam os balanços das empresas, sendo o Fundamentus o mais conhecido, e pegar por exemplo as empresas mais lucrativas da bolsa, com as menores dívidas e montar a carteira. Sendo bem otimista, acredito ser possível já descartar uns 80% das empresas somente avaliando a evolução do lucro líquido. Talvez sobrariam umas 50 ações que merecessem uma segunda olhada.

Para o investidor que não quer perder tempo ou não gosta de realizar este tipo de estudo, pode-se comprar algum ETF que replique um índice de mercado. Entretanto, existem apenas dois ETFs com liquidez em nosso mercado: BOVA11, que segue o Ibovespa e o PIBB11, que segue o IBRX-50. Da mesma forma, o investidor pode escolher algum fundo de ações que siga algum desses índices.

BovespaEntretanto, quando se trata do mercado internacional, a situação muda completamente de figura. Você já não tem uma pequena lista de dezenas de ações para avaliar, mas sim milhares de empresas dispersas em dezenas de países. Somente na Ásia, excetuando-se o Oriente Médio, há mais de 25 mil empresas listadas em bolsa.

Seria uma tarefa sem fim se aventurar em analisar balanços de um número tão grande de empresas. Desta forma, o uso de ETFs seria o método mais prático para poder investir em determinados mercados, sem a necessidade de se ir a fundo nos resultados de cada empresa.

Mas e se fosse possível ter o melhor dos mundos. Alguém com experiência e resultados comprovados, que fizesse o serviço de análise e seleção de empresas para você e que tornasse fácil a negociação dessa ação da mesma forma que um ETF?

Pois isso é perfeitamente possível.

Investir na Bolsa

Existem 2 ações e 5 ETFs onde é possível ter os melhores gestores trabalhando para você em uma carteira de ações cuidadosamente escolhida, com a liberdade de poder negociá-los diretamente no home-broker.

As 2 ações principais que permitem esse tipo de investimento são as chamadas holdings. Nada mais são do que empresas que possuem ações de outras empresas. A empresa em si não produz nada, mas ela detém participações em diversos negócios produtivos. Isso ajuda na redução do risco, já que mesmo tendo ação de uma única empresa, você estará investindo em diversas outras.

Warren Buffett e a Berkshire Hathaway

A mais conhecida delas é a Berkshire Hathaway (NYSE:BRK.A e NYSE:BRK.B). Encabeçada pelos megainvestidores Warren Buffett e Charlie Munger, a empresa comemorou 50 anos recentemente. E em toda a sua existência, ela tem correspondido em encontrar oportunidades de investimento que geraram enorme valor para seus acionistas. Enquanto o índice mais conhecido do mercado americano, o S&P 500, rendeu em média 9,8% nessas cinco décadas, a equipe da Berkshire conseguiu um ganho de 19,7% ao ano.

Berkshire-Hathaway
Corpo de diretores da Berkshire Hathaway em 2010. Encontrou mais alguém conhecido?

Dentre os investimentos mais conhecidos que a empresa possui estão Coca-Cola, GEICO, American Express, Wells Fargo, IBM, Kraft-Heinz, entre outros. É atualmente a terceira empresa mais valiosa do mundo, com U$ 354 bilhões em valor de mercado, atrás apenas da Apple e da Exxon Mobil.

A empresa possui dois tipos de ações: BRK.A e BRK.B. A primeira é a ação tradicional, que não sofreu nenhum desdobramento nesses 50 anos e vale em torno de U$ 215.000,00 atualmente. A ação classe B vale em torno de U$ 143,00 e representa 1/1.500 da ação classe A. Caso o detentor da ação classe A desejar, ele pode dividir sua ação em 1.500 ações classe B. Já o inverso não é possível. Isso permitiu que investidores com menor capital pudessem investir em uma empresa tão longeva e vencedora.

Inevitalmente existe uma preocupação com a idade da dupla Buffett (84) e Munger (91). Entretanto, os dois novos gestores que provavelmente assumirão as decisões da empresa já estão nela há alguns anos. São eles Todd Combs e Ted Weschler, que já têm entregado excelentes resultados nestes primeiros anos de Berkshire.

Bill Ackman e a Pershing Square

A 2ª holding que merece menção é a Pershing Square Holdings (XAMS:PSH), cujo gestor principal é Bill Ackman. Você pode conhecê-lo mais em nossa seção de vídeos. Também pode conferir a melhor parte do seu currículo, que é o histórico de 10 anos do fundo que ele administra:

Pershing Square
Rentabilidade líquida do fundo da Pershing Square desde 2004

Respeitável, não?

A ação é negociada em dólar americano na bolsa de Amsterdã (Viu como é importante não se restringir apenas aos EUA?) e foi lançada a mercado em 13 de outubro de 2014. Ela representa uma fração dos ativos totais administrados pela Pershing Square, que passam atualmente dos U$ 19 bilhões (Para efeito comparativo, o maior fundo brasileiro hoje é o Safra Galileo, com patrimônio em torno de U$ 2,5 bilhões). Isso tornou possível a investidores com menor capital não só a terem acesso a um fundo restrito, como também facilitou a negociação das cotas, já que os cotistas originais do Hedge Fund possuem regras mais rígidas de resgate.

A atual composição dos fundos da Pershing Square estão na imagem abaixo e todos são parte da mesma estratégia:

Pershing Square
A Pershing Square Holdings Ltd é aquela negociada na bolsa de Amsterdã e acessível a você.

A principal característica da empresa é atuar como investidor ativista. Seria aquele investidor que compra uma participação grande em uma empresa de modo a garantir direitos de interferir na administração. Em geral, esse tipo de investidor detecta algum problema ou oportunidade na empresa. Aí ele começa a comprar as ações. Quando atinge certo número, pode indicar membros para o comitê executivo da companhia e desta forma pode destravar algum valor escondido na mesma, quer seja um corte de custos mais agressivo, uma aquisição de outra empresa ou venda de parte da empresa (spin-off).

O Portfolio da Pershing atualmente é composto das seguintes ações:

  • Allergan
  • Valeant
  • Canadian Pacific
  • AIR Products
  • Zoetis
  • Howard Hughes Corporation
  • Restaurant Brands International (Burger King + Tim Hortons)
  • Platform Specialty
  • Fannie Mae e Freddie Mac
  • Herbalife (Operando na venda/Short position)

É uma carteira bem concentrada que segue os príncipios de geração de valor da empresa.

Investir na Bolsa

ETFs

Três das opções de ETFs são produtos elaborados e administrados pela Global X, a mesma do ETF que segue o Portfolio Permanente que foi comentado em outro post.

Os ETFs denominados GURU, GURI e GURX são baseados nas posições dos principais Hedge Funds americanos.

Mas como eles fazem isso?

A cada trimestre, os Hedge Funds com patrimônio maior que U$ 100 milhões em ativos norte-americanos são obrigados a preencher o formulário 13F com suas posições. O algoritmo desenvolvido pela Global X faz uma seleção das posições de maior convicção dentro de um grupo seleto de fundos, seja por serem posições mantidas há mais tempo ou pela maior representatividade das ações dentro do mesmo fundo.

Desta forma, o algoritmo seleciona a ação de maior conviccção dentro de um Hedge Fund e adiciona ao ETF. Todas as adições possuem o mesmo peso na carteira e há rebalancemanto a cada trimestre. Fundos com alto giro de posições não são considerados. É uma forma de selecionar apenas as ações que os Hedge Funds pretendem segurar no longo prazo.

A diferença entre eles é que o GURU seleciona apenas ações de grandes empresas americanas (Large caps), o GURX seleciona ações de empresas menores (Small caps) e o GURI seleciona ações de empresas internacionais (Fora dos EUA).

GURU que foi criado em 2012 tem um histórico mais estabelecido e desde então tem batido o índice S&P 500, conforme figura abaixo:

Guru
Performance superior do GURU ETF frente ao índice S&P 500

Além desses três principais fundos, a família GURU de ETFs é composta ainda de um outro criado recentemente em abril de 2015, chamado ACTX, que seleciona as ações dentro da carteira dos principais investidores ativistas americanos, como o já falado Bill Ackman.

O último ETF que vale a pena mencionar, pois também segue uma metodologia de avaliação de Hedge Funds e busca as posições mais significativas dentro deles é o AlphaClone Alternative Alpha ETF. Sua metodologia exclusiva faz uma varredura em mais de 6.500 Hedge Funds nos EUA. Destes seleciona cerca de 330 que preenchem critérios como tempo de existência, método de abordagem e tamanho. Nesse universo, procura encontrar as ações mais relevantes e que mais se repetem nos fundos. A seleção dos fundos é feita com frequência semestral e o rebalanceamento da carteira é feito trimestralmente.

Este fundo possui um diferencial em relação ao GURU, que é a possibilidade de operar com 50% da carteira na posição vendida, caso o índice S&P 500, esteja sendo negociado abaixo da média móvel de 200 dias no final do mês. Ou seja, metade da carteira passa a ganhar com a queda. Este é um exemplo de como a análise técnica, aliada a operação vendida (short position), pode ser usada em uma carteira de longo prazo, de modo a protegê-la em períodos críticos.

GURU ETF vs Alpha ETF

Obviamente que nem tudo nessa estratégia é perfeito. Existe sempre um atraso de 3 meses na leitura das posições dos Hedge Funds. Nesse tempo, o fundo pode muito bem encerrar uma posição antes dos ETFs ficarem sabendo. Também não é possível descobrir quando a manutenção de uma posição de longo prazo está relacionada a uma operação maior, como Long/Short ou associada a outros derivativos.

Concluindo, o mercado internacional oferece diversas alternativas para o investor que deseja diversificar, mas que não tem muito tempo ou não quer ir mais a fundo nos estudos sobre as empresas. Holdings como a Berkshire Hathaway de Warren Buffett e Charlie Munger e a Pershing Square de Bill Ackman, bem como os ETFs GURU e ALFA permitem que o investidor comum participe dos resultados dos investimentos de alguns dos maiores gestores do mundo, sem a necessidade de gastar muito tempo com análises. Se preferir, pode chamar de buy and trust!

 

Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Este post tem 16 comentários

  1. Avatar

    Olá, Investidor.
    Muito bom mesmo. Ainda preciso ler mais coisas no seu site, pois já faz um tempo que li livros americanos sobre ETF.
    Muito interessante mesmo esses produtos. Como o mercado lá tem opções.
    Com todas essas opções, para um pequeno investidor, faz mais sentido mesmo focar no aumento dos aportes e na acumulação de poupança e criar uma estratégia mais passiva com essa miríade absurda de possibilidades de investimento.

    Abraço!

    1. Investidor Internacional

      Olá,

      Sim, como eu falei em um dos primeiros posts. Ao mesmo tempo é mais fácil e mais difícil investir no mercado externo. É tanta opção é que é fácil ficar meio perdido e indeciso, mas assim que você consegue se organizar e definir uma alocação, é só uma questão de encontrar as peças adequadas para completar a carteira.

      Abçs!

  2. Avatar

    Mais um belo artigo. Ando aprendendo muito com você. Obrigado.

  3. Avatar

    Parabéns pelo artigo, muuito esclarecedor!!

    Tenho algumas dúvidas:

    1) caso eu queira abrir uma offshore no exterior, para investimentos, eu poderia investir na Berkshire Hathaway e na Pershing Square Holdings através desta minha empresa?? Ou somente como pessoa física??

    2) ONDE eu deveria abrir esta minha empresa offshore, visando ter acesso a estas duas holdings?? (Além é claro de vantagens tributárias e planejamento sucessório??….pois tenho uma filha de 9 anos de idade!)

    Agradeço antecipadamente sua atenção!!

    Att,

    Lizane.

      1. Avatar

        Boa noite

        Fiz esta pergunta numa corretora e ela me falou que precisava sem uma empresa Americana. Então necessita abrir 2 empresas pelo que entendi, uma num paraíso fiscal e outra subsidiária dessa offshore nos EUA.

  4. Avatar

    Boa noite Investidor Internacional,

    mais um excelente artigo. Irretocável. Você possui algum artigo voltado para o público que acabou de se aposentar e precisa de renda passiva/segurança como dividendos, fundos imobiliários e renda fixa. Carteira balanceada e no mercado externo obviamente.

    Continue produzindo esse material excelente.

    Marcelo

  5. Avatar

    Raphael, boa tarde! Segui sua dica e abri minha conta na DriveWelth.
    Acabo de procurar o Ticker da GURU para investir por lá mas não consigo encontrá-lo.
    Sabe se ele mudou de nome?

    Abraços e parabéns mais uma vez.

    f

    1. Investidor Internacional

      Oi Fábio,

      Parabéns pelo pontapé inicial.

      Não são todos os ETFs que têm na Drive Wealth.

      Seria interessante perguntar pra eles.

      Abçs!

      1. Avatar

        Pessoal, bom dia!

        Para informação de todos os leitores aqui… Mandei um e-mail para o pessoal da Drive Wealth sobre o ETF GURU mencionado pelo Raphael na matéria e eles disponibilizaram hoje na plataforma!

        Podem começar a investir por lá!

        Valeu mais uma vez pela dica, Raphael!

        Abraços.

        f

  6. Avatar

    I.I.
    Este rapaz está vendido na Herbalife até hoje?! Qual é o preju atual? Viu o doc no Netflix?
    Abraço!

Deixe uma resposta

Posts com maior repercussão

Fechar Menu