Dólar a 4 reais. Brasil em recessão. Há esperança?

Dólar a 4 reais

O que fazer para se proteger do desastre econômico brasileiro

Quando eu assisto ao colapso do governo e da economia brasileiras, eu lembro do Canadá, que não apresenta uma crise financeira há mais de 150 anos. Quando eu vejo a inflação anual chegando perto de 10%, eu lembro da Suíça, cuja inflação anual média dos últimos 20 anos está abaixo de 1%. Quando eu vejo o Brasil despencar para 118º no ranking de Liberdade Econômica do Fraser Institute, publicado este ano, atrás inclusive da China, eu lembro de Hong Kong e Cingapura, que há 50 anos atrás eram vilas de pescadores e hoje são potências econômicas e sobram no primeiro e segundo lugares desta mesma lista.

Não custa repetir o objetivo de se investir no exterior: Colocar as suas economias, que podem ter levado décadas de muito trabalho para serem acumuladas, em um país seguro e que respeite a sua propriedade e os seus investimentos. Querendo ou não, nos últimos 12 meses, as economias dos brasileiros mantidas em Real foram dilaceradas. O Real perdeu 39% do valor frente ao Dólar dos EUA, 37% frente ao Franco Suíço, 35% frente à Libra Esterlina e 31% frente ao Euro. Estamos mais pobres, sim!

Não que o FED tenha algum respeito em relação ao Dólar, mas a moeda americana segue sendo a moeda de reserva mundial e a de maior liquidez. Em países colapsados, a população corre primeiro para o Dólar Americano. Na Venezuela, por exemplo, a moeda local não vale praticamente nada e os tão desejados dólares são vistos com a mesma frequência dos unicórnios.

A imensa desvalorização da moeda brasileira, levando o dólar a 4 reais, é consequência direta da política expansionista e irresponsável da última década. Aproveitou-se a bonança proporcionada pelo boom das commodities para o governo gastar irresponsavelmente o que foi acumulado. Soma-se a isso, o nível fora de qualquer padrão em termos de corrupção, mesmo em se tratando de Brasil, e você tem a economia do país em frangalhos. Toda a papagaiada do assistencialismo, a concessão de crédito e bolsas sem critério e os bilhões em empréstimos subsidiados para os amigos do poder contribuíram imensamente para o estrago. A contabilidade criativa, também conhecida como fraude, apenas adiou a exposição dos problemas para depois das eleições.

Aí vêm os novos gênios da equipe econômica do governo brasileiro, com a cara de pau de sempre, anunciando no último dia 31 de agosto, o projeto para orçamento de 2016, prevendo um déficit de R$ 30 bilhões. É mais ou menos assim, o governo prevê arrecadar tanto sob a forma de impostos, mas irá gastar R$ 30 bilhões a mais. Se formos mais rigorosos e realistas o déficit passa de R$70 bilhões. Isso tudo foi anunciado pelos Ministros da Fazenda e do Planejamento. Do P-L-A-N-E-J-A-M-E-N-T-O !!!!! Sim, tem alguém que é pago com o dinheiro dos nossos impostos para ‘planejar’ a quebra do país. É o maior atestado de incompetência que se pode mostrar. Já pensou se você virasse para a sua família e dissesse que ano que vem planeja gastar 20% a mais do que irá ganhar?

ImpostosA diferença é que ao contrário da Grécia, que está na zona do Euro, nosso governo tem a chave das impressoras da Casa da Moeda e gerar inflação para pagar dívida é um dos jeitos mais desonestos de se lidar com isso. No caso da Grécia, como não poderiam imprimir Euros, o jeito foi bloquear as contas bancárias dos cidadãos. Só não houve o habitual confisco definitivo, porque o Banco Central Europeu e o FMI aceitaram resgatar pela milésima vez o país.

O outro jeito desonesto de se lidar com isso é através do aumento de impostos. Toda semana, os ‘mestres’ que gerenciam a economia brasileira vêm com uma surpresinha para os brasileiros. Uma CPMF aqui, um aumento do imposto de renda ali, uma elevação no IOF lá, etc. Só faltou combinar com o adversário. A partir de um certo ponto na carga tributária, algo como 33% do PIB, a arrecadação começa a cair, pois inibe a atividade econômica, e isso já está acontecendo. Quem, em sã consciência, planeja investir e produzir mais em um momento de recessão e com o governo tomando uma parte maior do seu lucro? Isso foi demonstrado por um economista chamado Arthur Laffer e a curva elaborada por ele mostra bem isso:

Aumento de impostos em período de recessão com o objetivo de melhorar as contas do governo é o mesmo que tratar um paciente com infecção grave, usando um taco de baseball para matar as bactérias.

Agora, é óbvio que o governo sabe exatamente o que deve ser feito. Corte extremo de gastos públicos! Mas não!!!! A presidente precisa ter um Boeing exclusivo e requintado para viajar. Precisa usar limousines e se hospedar em hotéis de luxo nos lugares que visita. Precisa adquirir itens de cozinhas de prata ao custo de R$ 215 mil. Os deputados e senadores precisam ter uns 30 assessores, 15 salários, etc etc. O Brasil é onde o governo federal pode ter 113 mil cargos de confiança. Os juízes podem gozar de 2 meses de férias por ano, ter auxílio pra comprar paletó em Miami e tantas outras regalias. É onde desembargador pode ganhar um salário de R$ 150 mil e os cortes que governo anuncia serão nas pensões das viúvas e nas mudanças de cálculo da aposentadoria. Se você paga o INSS, seja por livre e espontânea vontade ou por ‘livre e espontânea’ obrigação, e pensa em viver com isso quando parar de trabalhar, sinto muito. O futuro do INSS é pagar aposentadorias de 1 salário mínimo quando o trabalhador fizer 90 anos. Questão de tempo. Tudo isso para alimentar a máquina estatal devoradora de riqueza e liberdade.

Falando em corte de gastos, este é o foco principal do livro “Dobre seus lucros em seis meses ou menos“, de Robert Fifer, que é recomendadíssimo pelo Marcel Telles da 3G Capital. Numa das passagens do livro, o autor, que também foi um dos grandes consultores americanos, diz que consegue cortar 80% da força de trabalho de QUALQUER grande empresa americana, sem prejuízo para o seu funcionamento. Possíveis exageros à parte, em quanto seria então possível reduzir o Estado brasileiro? No meu ponto de vista, no mínimo em 90%.

Inimigos do BrasilA solução é óbvia, mas o Brasil é governado por verdadeiros psicopatas com um projeto totalitário de poder e que a cada dia ceifam nossa liberdade e metem a mão no bolso dos brasileiros. Não há nenhum compromisso com o ordem e nem com a promoção das liberdades individuais. Existe apenas o interesse de corromper e enriquecer o partido. Não bastasse, as únicas alternativas a tudo isso que está aí há 13 anos é tudo isso que está aí há 50 anos.

O mais impressionante de todos esses fatos nos últimos meses e semanas é a velocidade com que a situação se deteriorou. Tudo foi muito mais rápido do que o maior pessimista previa. Se havia dúvidas no começo do ano se o dólar chegaria a 3 reais, a dúvida agora é se chega em 5 ou 6. Isso me lembra uma das frases mais brilhantes quando se trata de proteger o seu patrimônio de crises:

“É melhor estar um ano adiantado do que um minuto atrasado.”

A não ser que esteja no conchavo da elite política que detém o poder no país, você nunca saberá as decisões que serão tomadas e as consequências que elas irão causar. Por isso é necessário planejamento e ação o quanto antes.

Também você deve aprender a NUNCA e em hipótese nenhuma acreditar em políticos. Tem frase mais célebre que essa proferida pelo Guido Mantega em outubro de 2014?

“Vai quebrar a cara quem apostar na alta do dólar!”

Da mesma forma, você não deve cair na armadilha mental de achar que o pior não irá acontecer no Brasil. Seja porque somos um país continental, seja por termos riquezas naturais. O que vale é o que está acima do solo e não abaixo. Muitos até dizem haver uma ‘maldição’ nas riquezas naturais, que acabam sendo prejudiciais ao desenvolvimento do país. Venezuela e Argentina já foram potências econômicas. A Argentina já foi a sexta economia do mundo e o PIB per capita argentino no começo do século XX era 5 vezes maior que o brasileiro e 3 vezes maior que o japonês. A Venezuela de 1970 era um dos 20 países mais ricos do mundo, com renda per capita superior a da Espanha e Israel.

ComprasPor outro lado, agora eu vou mostrar uma outra perspectiva para avaliar a situação. Suponha que você tenha transferido todo o seu patrimônio para o exterior até o ano passado e esteja assistindo a essa destruição da economia do país. Parabéns! Agora você já pode comprar muita coisa no Brasil com descontos de 30 a 40% dependendo da moeda que usar. Enquanto para os demais brasileiros há uma inflação galopante, pra você está tudo mais barato agora. Basta usar seu cartão internacional. É a mesma sensação de riqueza que muitos brasileiros experimentaram no período de 2010 a 2013 quando viajaram ao exterior.

Nessa outra perspectiva também estão os investidores que detém títulos de dívida do governo brasileiro e que não estão nem aí se os brasileiros terão que pagar a conta da incompetência. Apenas desejam que o Estado arrume dinheiro para pagar a dívida. O próprio vice-presidente da agência de risco Moody´s declarou que sem a CPMF, o “cenário fica muito ruim.”

Pra quem tinha dúvida se internacionalizar seus investimentos com dólar a 3 reais, o que dizer agora com dólar a 4 reais? Você está preparado para dólar a 5 ou 6 reais? Está preparado para CPMF, aumento do imposto de renda, imposto sobre herança, etc etc? Será que os suíços têm essas mesmas preocupações?

Tudo agora é uma questão de planejamento. Comece com uma conta no exterior, programe transferências periódicas independente do câmbio, mais pra frente abra uma empresa no exterior para gerenciar o patrimônio e reduzir a burocracia e a carga tributária. Pense em fazer isso pelos próximos 10 ou 20 anos (Claro que depende do horizonte de cada um). Se nos próximos anos, o Real continuar se desvalorizando, você pelo menos terá protegido parte dos seus investimentos. Se o Real for se valorizando, você agradecerá aos céus o país não ter-se tornado parte da União Soviética Sulamericana. Não tenha dúvida de que chegará o momento em que as variações cambiais não farão mais a mínima diferença para você. A situação no momento é a pior já vivida nos últimos 20 anos, mas ao contrário de argentinos e venezuelanos, a nossa janela ainda está aberta.

Pra finalizar, a resposta da pergunta do título:

Esperança não é estratégia


Como leitura complementar eu sugiro estes artigos do Instituto Mises:

O que realmente permitiu o grande crescimento econômico brasileiro da última década

O desastre da economia brasileira e o gigantesco buraco fiscal do governo

Pode o dólar passar de R$ 6?




Facebook
Google+
Twitter
LinkedIn
Pinterest

Este post tem 42 comentários

  1. Qual o melhor país para ter conta na sua opinião.

    1. Investidor Internacional

      Olá Iossef,

      Não existe um melhor. Existem vários ótimos. Precisa ver não só o país, mas o banco mais adequado a você.

      Abçs!

  2. Bom Dia

    Com toda essa confusão na economia brasileira , seria indicado comprar bonds de empresas brasileiras de 1a linha , como Itau , Bradesco, Vale, Gerdau e etc . Os yelds estão muito atrativos.

      1. Bom Dia

        O grande problema de comprar bonds diretamente é a questão de default , o que em não acontece em fundos onde o risco fica diluído , mas com a marcação a mercado as cotas podem flutuar muito .
        Veja os casos da OAS , General Shop. e etc.
        Esclarecendo melhor a pergunta anterior , um empresa com o Itau , Bradesco , Vale, Gerdau , BB , Caixa , teria risco alto de default nos bonds?

        Att

        1. Investidor Internacional

          Olá Marcos,

          Ao comprar o fundo, você dilui o risco e deixa o gestor escolher os títulos para você.

          Ao comprar o título diretamente, a escolha é sua e a avaliação do risco também.

          Acho muito difícil, mas não impossível, uma empresa como essas que você citou declararem default.

          Abçs!

          1. Prezado Investidor Internacional

            Estamos aguardando o artigo relativo aos Bonds . Os ativos brasileiros estão em liquidação no mercado internacional . Temos inúmeros bonds com yelds acima de 7.5 % , em dolar.

            Att

  3. É triste mas verdade!

    Ótimo post!

    Abraços.

  4. Excelente artigo. Quando se fala em redução do estado brasileiro, se refere ao tamanho da estrutura administrativa/política, excesso de intervenção na economia, baixa segurança jurídica nas normas, desestatização de empresas públicas ou a tudo isso que falei anteriormente?

  5. Parabéns pelo artigo, o pior é que tenho que concordar com tudo o que você escreveu porque infelizmente é a pura verdade, Deus nós salve do pior porque ruim já está.

  6. Parabéns pelo texto. “State of the art”, excelente nível. Recomendo e assino embaixo de tudo o que o investidor internacional ensina.

  7. Maravilha, II! Obrigado por compartilhar estas palavras!

    Pois é, estou em vias de abrir conta numa corretora lá fora, mas tenho pensando se não seria melhor esperar um pouco mais para enviar recursos para fora, acreditando num retorno do câmbio.
    Tenho dificuldade de perceber o equívoco deste pensamento.

    Com relação ao cartão de crédito internacional, as corretoras independentes oferecem este serviço, ou somente bancões?

    Abraços!

    1. Investidor Internacional

      Olá Felipe,

      A questão é que tem muita gente “acreditando num retorno do câmbio” desde o dólar a 3,00 pra fazer alguma coisa e agora já passou de 4,00.

      Existe um provérbio chinês que fala assim: “A melhor época para plantar uma árvore foi há 20 anos. A segunda melhor época é agora.”

      Abçs!

  8. Olá, Investidor!

    Parabéns pela clareza e riqueza de detalhes do blog. Merece o nosso respeito e admiração.

    Estou com uma grande dúvida. Há pelo menos um ano investigo a melhor e mais barata forma de enviar recursos para o exterior. Que meio você utiliza? Banco mesmo?

    Abraço!

      1. Muito obrigado!

  9. Ola, Investidor!

    Primeiramente, obrigado pelo ótimo site e pelas dicas!

    Uma dúvida:
    Voce poderia passar uma lista dos bancos internacionais onde podemos abrir conta a partir do Brasil, sem presença fisica? Algum em especifico que voce recomende?

    Obrigado!

  10. Olá, pra quem tem conta no BB (no Brasil), abrir uma no BB Américas é a melhor forma de mandar dinheiro pra fora, ou há outras mais baratas?

  11. Bom dia,
    No caso de banco, ou corretora que também funcione como banco, além do SwissQuote e EuroPacificBank, o sr teria mais algum, de baixo custo e baixo deposito mínimo exigido, para indicar? Quanto ao EPB, a minha corretora do exterior dificulta o envio de recursos a este banco, por ser em St Vicent e por ser banco pequeno. Estou realmente batendo cabeça para encontrar um banco barato, se puder ajudar, fico muito grato.

    1. Investidor Internacional

      Olá Renato,

      Os de mais baixo custo são os americanos Just2Trade e DriveWealth.

      Não existe porque criarem dificuldade para fazer remessa pra São Vicente ou qualquer outro país ou banco. O dinheiro é seu e você manda pra onde quiser.

      Abçs!

  12. Ótimo post.

    Também estou descontente com o modo que a economia e o Estado estão sendo geridos aqui. Não acho que isto vai acabar bem e quem vai pagar a conta é o povo. Também acho que já chegamos no limite dos impostos. Preocupa-me cada vez mais a capacidade do governo de honrar seus compromissos (i.e. dívida interna, Títulos Públicos) e o que vai acontecer se ele der o calote.

    Estou pensando cada vez mais em investir no exterior. Obrigado por escrever sobre isto.

    Abraço

    1. Investidor Internacional

      Obrigado,

      É importante abrir a cabeça do brasileiro para que ele descubra que há um mundo de oportunidades fora daqui.

      Abçs!

  13. Excelente este artigo. Frases como “Existe apenas o interesse de corromper e enriquecer o partido” mostram bem a nossa cultura que persiste no tempo. Suas ideias clareiam qual será meu caminho nos investimentos. Obrigado.

    1. Investidor Internacional

      Olá Fred,

      Precisamos parar de aceitar ser roubados na cara dura e agir.

      É hora de começar a bater em retirada antes que seja tarde demais.

      Abçs!

  14. Excelente artigo, Investidor Internacional. Consegui abrir conta no Euro Pacific Bank e estou programando o envio de dinheiro para fora de forma periódica, independente da cotação. Não confio mais nos ativos ofertados no mercado brasileiro.

    1. Investidor Internacional

      Parabéns, Igor,

      Temos que começar alguma hora.

      Difícil dormir tranquilo sabendo o que aconteceu com nossos vizinhos na Argentina e Venezuela.

      Esperamos que o Brasil não chegue a esse nível, mas como eu falei “esperança não é estratégia”.

      Abçs!

    2. Parabéns Igor, como foi o processo de abertura da conta? documentos exigidos etc. E como é feito o envio do dinheiro?

  15. Muito bom, II. voce escreveu o que 99% dos leitores do seu blog sentem, sem sombra de duvidas (acho que 100% hehe, mas sempre tem um hater, né)

    vc mora no Brasil? caso sim, imagino que a unica coisa que te segura aqui é familia/amigos né

    acho que todos, na atual situação…

    mas do jeito que ta, 2016 infelizmente vou ter que zarpar. trabalhar e investir aqui, para ter uma vida digna, nao basta ser guerreiro e perseverante. tem que ser MAGICO!

    abraço

  16. Parabens pelo texto claro, pontual e necessariamente incisivo. Na verdade acredito que não somos e nunca fomos uma nação e sim um pais com divisões geograficas que a cada dia se enche mais com quantidade de pessoas, cujos valores e discernimentos são totalmente antagonicos. Digo isso porque neste país não se tem (e não se observa) nos mínimos detalhes um princípio que os paises com IDH mais desenvolvidos possuem: Cidadania. A cada dia recebemos um tapa na cara deste (des) governo e fica tudo como está e sempre foi. Com todos seus comentários e dos demais leitores de seu blog a síntese que fica é aquela frase triste e antiga mas nunca tão atual quanto agora: a saída para alguns bons brasileiros é o aeroporto internacional.

    1. Investidor Internacional

      Olá Marcos,

      Precisamos de uma mudança de mentalidade.

      Acho que esse governo escancarou o quão prejudicial um governo é para o país.

      É hora de dar o troco.

      Abçs!

      1. Concordo com a palavra troco e tudo aquilo que ela puder representar.

  17. Ofereceram-me comprar dollares antigos (figura com cara pequena) com uma boa desvalorização pois as casas de cambio praticamente não mais trocam esta moeda.

    Pergunto> vale a pena fazer uma compra destas com desconto por exemplo de 20% a taxa do dia ou existe outra forma de transacionar estes dollares que desconheço…..

    E parabéns pelo diagnóstico apresentado sobre nossa situação econômica…..

  18. “Aumento de impostos em período de recessão com o objetivo de melhorar as contas do governo é o mesmo que tratar um paciente com infecção grave, usando um taco de baseball para matar as bactérias.”

    Sua frase é simplesmente perfeita para ilustrar a triste realidade do país…
    Os fatos (e intenções de arrumar mais maneiras de arrecadação) dizem por si só…

  19. Muito bom o texto parabens, bem esclarecador!

    É viavel nesses tempos de crise morar em outro país da america latina? Uruguai por exemplo

    Obrigada desde ja

Deixe uma resposta

Posts mais lidos

Fechar Menu