Estratégias com Bonds

Gráficos, Moedas, Bonds

Aprenda duas estratégias para iniciar sua carteira de Bonds

No artigo anterior, você aprendeu as características mais importantes dos Bonds (títulos de renda fixa emitidos no exterior) e viu que é possível investir em renda fixa brasileira atrelada a moeda estrangeira.

Hoje, verá duas estratégias de fácil implementação para montar sua própria carteira de Bonds.

Primeiramente é preciso lembrar que a maioria dos Bonds são emitidos com juros pré-fixados.  Ao entrar no mercado secundário, este título está à mercê das taxas de juros praticadas nos anos seguintes à sua emissão até o dia do vencimento.

Assim sendo,  a flutuação dos preços dos Bonds se dá em geral da seguinte forma:

  • Juros sobem => valor dos Bonds caem
  • Juros caem => valor dos Bonds sobe

Nos últimos anos, em virtude da redução progressiva das taxas de juros nos países desenvolvidos, os Bonds têm apresentando uma intensa valorização. Entretanto, daqui pra frente, com juros em níveis extremamente baixos, a tendência é que a valorização expressiva de outrora não se repita.

Essa volatilidade, seja valorização ou desvalorização, é maior nos títulos de longo prazo. Isso é devido a outro conceito visto no artigo anterior chamado Duration. Vou desenvolver um pouco mais sobre ele agora.

Bonds
Relação entre Duration e prazo de vencimento dos Bonds.

Tomemos como exemplo um título com valor de mercado de U$1.000,00 pagando juros de 1% e com vencimento em 1 ano. De maneira aproximada, se a taxa de juros praticada pelo mercado hoje tiver uma elevação de 1% ao ano, a tendência é que esse título agora seja negociado valendo 1% menos. Isso porque U$ 990,00 gerando a nova taxa de juros (2%) até o vencimento do título, daqui 1 ano, gerará aproximadamente U$ 1010,00. O mesmo resultado do valor antigo com a taxa de juros de 1%.

Agora vamos usar um exemplo com esse mesmo título, exceto que com vencimento em 2 anos. Então esses U$1.000,00 rendendo 1% ao ano por 2 anos valerá ao final do prazo cerca de U$1.020,00. Se as taxas de juros subirem 1%, a queda de valor do título será agora de 2%. O novo valor de U$ 980,00 rendendo agora 2% por 2 anos gerará aproximadamente os mesmos U$ 1020,00 do resultado original.

Para aumentar a dramaticidade, vamos pegar agora esse título de U$1.000,00 com vencimento em 30 anos. A juros de 1% ao ano, o valor final será de exatos U$ 1.347,85. Uma elevação nas taxas de juros para 2% derrubará o valor do título em 25,6% (não dá aproximar tanto como nos exemplos anteriores, pois como o número de anos é maior daria muita diferença), para U$744,00. Esse valor rendendo 2% ao ano por 30 anos chegará ao final do período valendo U$ 1.347,65.

Simplificando, Duration pode ser considerada a variação no título do Bond para cada 1% de alteração nas taxas de juros praticadas pelo mercado. Ao multiplicar esse valor, que é medido em anos, pela variação nas taxas de juros tem-se a nova precificação do título. Pode-se concluir assim que quanto maior o Duration, maior a volatilidade do título frente às variações nas taxas de juros.

A fórmula para calcular a Duration, chama-se fórmula de Macaulay,  criada em 1938. Há uma versão modificada dessa fórmula, que é mais precisa para verificar a volatilidade de um Bond. Ela é conhecida como Modified Duration, ou Duration modificada.

Na conjuntura atual, onde se observa inclusive títulos com juros negativos, algo surreal e sem sentido, a probabilidade de subida de juros é maior que a de queda. Desta forma, a chance dos títulos se desvalorizarem  é maior do que valorizarem.

Entretanto, se por um lado os títulos de maior prazo possuem maior volatilidade, por outro eles rendem mais juros que os títulos de curto prazo. Mantidas as demais variáveis, um título com vencimento em 10 anos é mais arriscado que outro com vencimento em 3 anos.  Isso também deve ser considerado pelo investidor, pois é comum ver títulos curtos pagando juros que não cobririam os gastos com corretagem.

Portanto, ao montar uma carteira de Bonds, é fundamental não só ter esse conhecimento, mas também saber como estruturá-la de modo a obter uma boa rentabilidade e minimizar os impactos da volatilidade dos juros, conseguindo assim uma melhor relação risco-retorno.

Uma das maneiras de realizar a alocação de ativos numa carteira de renda fixa é montando uma “escada” de Bonds. Em inglês, a estratégia é chamada de “Laddered Bonds“. Essa “escada” consiste em adquirir Bonds com vencimentos em anos sucessivos de modo a todo ano haver pelo menos 1 título atingindo a maturidade. Assim é necessário que o investidor segure os títulos até seu vencimento. Desta forma, a cada vencimento de título, o investidor usa o dinheiro recebido para aplicar em um outro título que tenha vencimento ao final da “escada”.

Laddered Bonds
Exemplo da montagem de uma ‘escada’ de Bonds.

Essa estratégia é interessante de três formas:

  • o investidor ganha com a evolução do preço dos títulos conforme ele se aproxima do vencimento.
  • reinvestimento usando o dinheiro dos títulos vencidos (em geral com juros menores) em títulos mais longos, com juros maiores.
  • aproveita diversas ondas no ciclo de juros, sem muita exposição ao risco de mercado.

Essa estratégia de alocação de Bonds permite um fluxo de caixa constante que será reinvestido em novos títulos. O aumento nas taxas de juros, se por um lado deprime o valor dos Bonds, por outro permite que o fluxo de caixa dos títulos vencidos aproveite essas novas taxas ao adquirir os títulos seguintes.

“Colocar os Bonds em ‘escada’ pode ser interessante agora, porque lhe ajuda a controlar o risco das taxas de juros e a tomar decisões de reinvestimentos futuros, permitindo uma flexibilidade de investir em diferentes cenários de crédito e taxas de juros.” Roger Young, Fidelity Capital Markets

Vale ressaltar que a redução da volatilidade de um Bond pelo tempo (e não pela mudança nas taxas de juros)  é muito maior nos títulos de prazos menores. Um ano que se passa em um título de 5 anos gera muito mais efeito sobre o Duration do que 1 ano em um título de 30 anos de duração.

O resultado dessa estratégia pode ser visto na imagem abaixo, que mostra o Duration do portfolio como um todo. Perceba que o efeito positivo da redução dos juros sobre o preço dos títulos é maior do que o efeito negativo de um aumento dos juros. Também é possível ver que o aumento dos juros é positivo alguns anos depois, pois o reinvestimento nos próximos títulos será feito aproveitando as taxas melhores.

Laddered Bonds Duration
Duration de uma ‘escada’ de Bonds conforme a variação nas taxas de juros.

A segunda parte da estratégia consiste em escolher Bonds com pagamentos de cupom em meses diferentes. Como visto anteriormente, os Bonds mais comuns são pré-fixados e pagam juros com alguma periodicidade, sendo a mais comum semestral. Alguns Bonds pagam em março e setembro, outros pagam em abril e outubro, outros em fevereiro e agosto, etc.

Se for possível casar os pagamentos de cupons em meses alternados, o investidor consegue obter além de tudo, uma renda mensal por todo o tempo que seguir a estratégia.

Fiz uma seleção de Bonds baseada nos critérios de data de vencimento, rating mínimo de Baa3 pela Moody’s, valor nominal do título de no máximo U$ 2.000,00, taxa de juros mínima de 3% e meses para pagamento dos cupons. Ela pode ser vista na tabela abaixo:

Carteira de Bonds
Exemplo de “escada” de Bonds. Clique para ampliar.

Veja que o mercado já tirou o Grau de Investimento da Petrobras bem antes das agências de risco. O título é curto e paga juros maiores que os mais longos. O título da Kraft-Heinz mesmo sendo mais longo possui uma taxa menor, já que o mercado vê a empresa como de baixo risco de crédito, mesmo que ela esteja qualificada no mínimo do Grau de Investimento. Não encontrei também títulos que preenchessem todos os meses do ano para pagamento de cupom, então alguns ficaram vazios.

Perceba ainda que o valor do cupom pode ser diferente das taxas de juros. Isso se deve ao fato do título estar negociando com desconto ou com prêmio em relação ao valor nominal. Quando a taxa de juros é maior que o cupom, o título está negociando com desconto. Quando a taxa de juros for menor que o cupom, o título está sendo negociado com prêmio sobre o valor nominal. Somente o título que é negociado exatamente a valor nominal possui esses valores iguais.

Antes de finalizar, dois lembretes. O primeiro é procurar escolher Bonds de emissores de primeira linha e com alta qualidade de crédito, o chamado Grau de Investimento. Não adianta ter a estratégia correta se a empresa não lhe pagar a dívida. O segundo é, na medida do possível, evitar Bonds que possam ser resgatados antes do prazo, chamados “callable bonds“. O ideal é poder carregar o título até o vencimento.

Montar uma “escada” de Bonds é uma excelente estratégia para se proteger das oscilações das taxas de juros. Talvez seja o primeiro passo após abrir uma conta no exterior. É preciso um certo capital para alocar. Acredito que com cerca de U$ 10.000,00 já é possível montar uma carteira interessante e que forneçam um bom fluxo de caixa. É um valor alto nas condições desfavoráveis do câmbio atualmente. Entretanto, os brasileiros aprenderam em 2015 que nada está tão ruim que não possa piorar.

 

Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Este post tem 24 comentários

  1. Avatar

    Sempre que passo por aqui acabo aprendendo mais alguma coisa. Bem interessante mesmo. Não conhecia essa de fazer escada nos títulos pré fixados..

  2. Avatar

    Olá II, bom dia.

    Ótimo post.

    Vc sabe dizer se também existem bons / renda fixa com juros interessantes e que tenham liquidez imediata?

    Um abraço

    1. Investidor Internacional

      Olá Ricardo,

      Obrigado.

      No caso dos Bonds, a liquidez no mercado secundário varia dependendo do título.

      Liquidez imediata nas aplicações bancárias (o que é bem raro) comprometerá severamente o rendimento e os juros atuais já estão bem baixos.

      Abçs!

  3. Avatar

    Olá, muito bom ver alguém falando sobre ladder no Brasil. Parabéns. Tenho feito ladder com CDs, pagam pouco, mas com 1k já dá para fazer aporte. Tenho estudado os bonds, mas são caros, 5k para aportes. Não tenho intimidade com os CDs e bonds secundários, aquilo me parece meio assustador. Sua explicação esclareceu muito as coisas, mas olhando no homebroker ainda bate insegurança.

    1. Investidor Internacional

      Olá Cleverson,

      Atualmente os CDs pagam muito pouco.

      Bond no mercado secundário é tranquilo. Como eu mostrei no exemplo, pode-se investir a partir de U$1.000,00. E se segurar até o vencimento não corre o risco de mercado.

      Abçs!

  4. Avatar

    Ola!
    Parabens pelo Post, fico sempre aguardando novas publicacoes!!
    Duas perguntas:
    – que feraamenta voce utilizou (ou sugere) para que possamos “filtrar” os bonds da melhor forma? (risco, cupom, juros, etc). Pesquisei na internet e as ferramentas que encontrei muitas vezes sao limitadas ou somente sao acessíveis mediante pagamento.
    – sei que voce ja abordou as principais IFs para abrir conta no exterior, mas com sua experiencia, e considerando que alguem so queira investir em Bonds, qual seria sua indicacao de Banco/corretora, que tenha como “carro chefe” a oferta de Bonds (assim como tem para forex, etc).

    1. Investidor Internacional

      Olá Diego,

      É no site das próprias bolsas que se encontra os bonds. Pretendo fazer um vídeo para mostrar.

      Os próprios bankers também costumam distribuir listas dos Bonds que eles indicam.

      Não existe nenhuma instituição cujo carro chefe seja Bonds.Em geral corretora oferece mais o investimento em ações e Private Bank os fundos de investimento. Pelo Saxo Bank, você pode negociar Bonds tranquilo pelo sistema ou por e-mail.

      Abçs!

      1. Avatar

        Obrigado!! Otima a ideia do video!! vou entrar aqui todos os dias pra ver se ja publicou rs

        Abs

  5. Avatar

    Muito bom todo conteúdo aqui. Ainda não iniciei minhas operações internacionais. Li o post sobre contas em bancos, e tinha gostado do HSBC, pelas facilidades e valor de entrada, porém agora indisponível devido à venda. Tem alguma outra opção em bancos?

    1. Investidor Internacional

      Olá Moreira Jr,

      Tem sim, por enquanto em mencionei o Citibank, o Safra, o Swissquote e o CIM Banque.

      Em breve haverá mais.

      Abçs!

  6. Avatar

    IR, primeiramente agradeço o conteúdo fantástico que você disponibiliza.
    Estou iniciando a abertura de uma conta no Saxo Bank. Gostaria de saber como achar esses Bonds. Tem alguma dica? Procuro pelo código?

    Obrigado

    1. Investidor Internacional

      Olá Aron!

      No próprio home-broker do Saxo Bank tem, mas vocÊ pode pedir para seu assessor.

      Lembre-se de que a compra mínima de bonds no Saxo é de $50k.

      Abçs!

  7. Avatar

    Investidor Internacional, para compras de bonds de menor valor, há alguma corretora que você recomende?

    Obrigado

    1. Investidor Internacional

      Olá Aron,

      Para saber esses detalhes só diretamente com os bancos.

      Cada um tem uma regra diferente e algumas coisas você só descobre depois que vira cliente.

      Abçs!

  8. Avatar

    Olá,

    Para compra de bonds no Saxobank o valor mínimo de compra é de EUR 50.000. Você poderia indicar uma corretora com limite menor?

  9. Avatar

    Boa tarde, como posso utilizar os bonds para pagamento de tributos federais?

    1. Investidor Internacional

      Olá Cássio,

      Não entendi muito bem o que quis dizer.

      Bonds estão no exterior e os tributos federais você paga aqui.

      Abçs!

  10. Avatar

    Essas taxas de juros que sobem e caem é com relação ao país que emitiu a Bond ou com relação a Moeda que a Bond foi emitida exemplo BFR(Brasil) emite Bonds em CHF.

  11. Avatar

    Não sei se você já ouviu falar na DEGIRO, mas é uma corretora low-cost na Europa.
    Só fiquei em dúvida com relação as corretagens de Bonds.

    Portugal, Holanda, Bélgica, França € 2,00 + 0,05 %
    Alemanha – Xetra / Frankfurt € 5,00 + 0,04 %
    Obrigações OTC (p.e. Noruega) € 75,00 + 0,02 %

    Esse preço de coorretagem é onde a BOND foi registrada, ou seja a bolsa que ela foi registrada por exemplo a de Frankfurt ou é a origem país da empresa que a Emitiu?Não sei se tu sabe me responder….

Deixe uma resposta

Posts mais lidos

Fechar Menu