Confisco

Como o governo rouba seu dinheiro sem você perceber

Com o déficit nas contas públicas do governo brasileiro desde 2015, quando as receitas do Estado ficaram menores que seus gastos, somada à segunda maior recessão da história de nosso país, muitos têm se preocupado com um possível confisco de depósitos e aplicações financeiras no Brasil.

Desde a reeleição da presidente, muitos boatos têm circulado e até o governo veio à público, tanto em 2015, quanto em 2016 para desmentir. O governo afirma que uma emenda de 2001 proíbe este tipo de medida monetária. Diz a emenda: “é vedada a edição de medidas provisórias sobre matéria que vise detenção ou sequestro de bens, de poupança popular ou qualquer outro ativo financeiro”.

Você já viu o governo descumprir as leis quantas vezes? Dezenas, não é mesmo? Não existe o impossível no sistema de funcionamento do presidencialismo sem limites do Brasil. O último descumprimento grave foi quando a Lei de Diretrizes Orçamentárias não foi cumprida em 2014 e o Congresso foi lá e mudou as regras para “legalizar” as pedaladas, o que por si só já seria motivo para impeachment, e nada aconteceu.

“Quando um governo vem à público negar alguma coisa, é porque ele a irá fazer.”

Conclusão, o governo tem carta branca para fazer praticamente tudo o que quiser. Não conte com as leis ou uma oposição (que não existe) para lhe proteger. E isto vale para qualquer partido político. Obviamente, com a equipe do governo federal atual, a probabilidade de algo mais danoso acontecer é maior.

Veja Collor ConfiscoAinda hoje, as lembranças do plano Collor em 1990 levam pesadelos a muita gente. Vamos recapitular rapidamente para quem não se lembra ou não viveu a época. Um dia após a posse, numa sexta-feira, o governo federal decretou feriado bancário. Não se iluda com esse nome. Quando você avalia a palavra, ela lembra descanso. Quanto você avalia a intenção, ela significa que você será roubado.

O Plano Collor determinou que os saques da caderneta de poupança e contas correntes estava limitado a 50 mil cruzados novos. O restante ficaria retido por 18 meses, gerando juros pífios perto de uma inflação que naquele mês foi de 82%. Basicamente a maior inflação mensal da história. O dinheiro bloqueado virou pó!

Lá se vão 26 anos e o Brasil mergulha de novo numa crise financeira grave e o fantasma do confisco volta a assustar os brasileiros. Entretanto, enquanto você acha que este é o único artifício do governo para lhe roubar, ele já está agindo de maneira mais sutil e o seu patrimônio é dilapidado sem você perceber.

Inflação

A inflação é uma forma de confisco indireto. Ela vai corroendo o valor do dinheiro que você possui gradualmente. E, ao contrário do você deve estar pensando, inflação não é o aumento de preços medido pelo IPCA e IGP-M.

Inflação é o aumento na quantidade dinheiro ou crédito jogado na economia. Isso é o que leva posteriormente ao aumento de preços. E esta quantidade de dinheiro é determinada pelas políticas monetárias do Banco Central.

Vamos ver então como está a quantidade de dinheiro no Brasil, levando em conta o agregado monetário M3, que inclui o dinheiro em papel e conta corrente até os depósitos de longo prazo. O resultado é o gráfico abaixo:

 

Agregado Monetario m3

Desde 2005, vem ocorrendo uma expansão monetária, mais acentuada após 2010 e principalmente 2015. Veja que a inflação não é um fantasma que surge do nada, ela tem uma causa muito bem estabelecida.

Você deve estar se perguntando: por que o governo cria mais dinheiro? Pois bem, este dinheiro poder ser usado de duas formas:

  1. aumento de crédito para pessoas e empresas, criando uma falsa sensação de riqueza
  2. cobrir o rombo causado nas contas públicas por um governo irresponsável que gasta mais do que arrecada

O gasto é exorbitante para manter em funcionamento a gigantesca máquina pública, recheada de agências estatais inúteis, onde milhares de apaniguados políticos e “aspones” em geral trabalham (ou não). Soma-se a isto o custo enorme de manter os privilégios dos políticos e funcionários públicos de alto escalão, além daqueles investimentos mal planejados, como esses PACs da vida, e temos o governo metido numa espiral incontrolável de gastos com consequências desastrosas.

Quem acredita que expansão monetária gera algum estímulo econômico e contribui para o desenvolvimento , ou está sendo feito de idiota ou aprendeu economia na Unicamp.

“Pelo contínuo processo de inflação, governos podem confiscar, secretamente e sem serem observados, uma importante parte da riqueza dos seus cidadãos.” – John Maynard Keynes

Inflação desequilibra a economia, pois não direciona os investimentos de acordo com o mercado ou com a lógica econômica da avaliação do risco-retorno e a busca pelo lucro. Ela direciona para onde o governo determina e de acordo com seus objetivos. Se você pensou na criação da bolha imobiliária brasileira, acertou. Se você pensou nos investimentos fracassados e superfaturados da Petrobras, acertou também.

O resultado está aí, preços dos imóveis colapsando, vacâncias recordes e uma quantidade imensa de unidades vazias. Uma petrolífera com dívida acima dos U$400 bilhões, sérios problemas administrativos e ineficiência operacional.

A solução para isso é primeiramente um ajuste fiscal de maneira contundente e não essa palhaçada da qual Joaquim Levy foi o protagonista. Ajuste fiscal requer um severo corte de gastos. Isso no Brasil do século XXI significaria fechar uns 35 ministérios, cortar agências estatais, demitir milhares de fucionários públicos de todos os níveis, acabar com todas as regalias como carros e os demais auxílios mirabolantes do funcionalismo, encerrar todos os convênios com ONGs (por que uma organização NÃO-GOVERNAMENTAL deve receber dinheiro governamental?), fechar o Senado, cortar o número de deputados federais, estaduais, vereadores, privatizar todas as estatais, etc.

20 Dólares Padrão Ouro

O segundo passo é tirar o governo do controle monetário ou aderir ao padrão-ouro. Na seção específica sobre ouro, eu já falei sobre as qualidades que tornam esse metal valioso há milênios. Em relação ao uso dele como dinheiro, é bastante óbvio que para servir como dinheiro, ou moeda de troca, numa economia, o instrumento deve servir como reserva de valor, como uma poupança. Não é o caso das moedas atuais, feitas de papel e com números impressos da mesma forma que no jogo “Banco Imobiliário”. Como basta imprimir ou gerar números em um computador, a expansão de moeda corrente hoje em dia não tem limites.

O padrão-ouro não deixa isso acontecer, pois o dinheiro só poderá ser emitido de acordo com a quantidade de ouro acumulada pelo Estado. Como a quantidade de ouro e sua produção são limitadas, a possibilidade de inflação na vigência do padrão-ouro é bastante remota e tende a seguir o crescimento da economia.

“Na ausência do padrão-ouro, não há forma de proteger seus depósitos do confisco pela inflação. Não há reserva de valor segura. Se houvesse, o governo iria tornar sua posse ilegal, como foi feito no caso do ouro.” – Alan Greenspan em 1966

Entretanto, como é um sistema que impõe limites ao governos dificilmente vai voltar a ser adotado por algum. Governantes não querem ter limites.

Impostos

É uma outra forma de confisco bastante óbvia, só que provavelmente você não vê os impostos como um confisco. Eles são “vendidos” pelo governo como um “mal necessário” para o Estado lhe fornecer saúde, educação, segurança, infra-estrutura, etc.

Agora veja a definição de estelionato, o famoso artigo 171 do código penal: “Obter, para si ou para outrem, vantagem ilícita, em prejuízo alheio, induzindo ou mantendo alguém em erro, mediante artifício, ardil, ou qualquer outro meio fraudulento.”

Ficou claro?

A partir do início do segundo mandato da atual presidente, uma enxurrada de aumento de impostos atravessou o Brasil. Aumento de IPI, PIS, Cofins, Cide, IOF, falta de correção na tabela do IR, etc. Fora as tentativas de criação de novos ou ressuscitação de velhos impostos, como a CPMF. Não existe nenhuma razão para existir essa quantidade infinita de impostos vigentes hoje no país.

confiscoNão basta a inflação corroer o valor do dinheiro, o governo precisa ainda ir lá e tomar a parte dele quando você recebe o salário ou paga por qualquer bem e serviço.

É uma maneira camuflada de confisco, já que vem embutida nos preços de tudo que é negociado no Brasil. Os progressistas gostam de colocar a culpa dos preços altos nos empresários gananciosos, mas se esquecem (propositalmente) que o governo toma na marra quase 40% dos rendimentos auferidos pelo setor produtivo do Brasil.

O governo então recebe 40% da riqueza nacional e em troca produz o quê?

NADA!!!!!!

Nem um parafuso.

Isso não é apenas culpa do governo atual não. Vem assim há muito tempo. Veja a relação carga tributária sobre o PIB média nas diversas décadas, segundo o IBGE:

  • Década de 40: 14%
  • Década de 50: 16%
  • Década de 60: 20%
  • Década de 70: 25%
  • Década de 80: 25%
  • Década de 90: 27%
  • Década de 2000: 33%

Percebeu que a cada ano que passa, menos você é dono daquilo que produz?

Governo e impostos são bastante semelhantes ao “vilão” daquele filme “A Coisa”. Algo que cresce sem parar e vai lhe colocar “numa fria”, como na chamada do SBT:

Entretanto, chega num ponto que aumento de impostos acaba tendo o efeito reverso a aumentar a arrecadação do Estado. É quando ele é tão grande que inibe a atividade econômica e aí o governo arrecada menos. Já falei sobre isto, que é demonstrado pela curva de Laffer no artigo sobre a recessão no Brasil.

Você é um escravo quando 100% dos frutos do seu trabalho são tirados de você à força. A partir de qualquer percentual você deixa de ser um escravo?

Impostos não só confiscam sua riqueza, mas também a sua liberdade, pois os resultados de algo que você produziu ou trabalhou vai parar no bolso de outras pessoas, no caso do governo. Você não mais decide o que fazer com o que ganhou, quem decide é ele.

E todos nós sabemos o que acontece quando o governo resolve gastar ou investir o dinheiro acumulado através dos impostos. Na definição de Irwin Schiff: O governo colocar dinheiro na economia é como você receber uma transfusão de sangue, tirando do seu braço esquerdo e aplicando no direito, enquanto derrame metade do sangue no chão.

Vou além, certos impostos por mais que você já esteja acostumado e ache normal, são formas de tomar parte da propriedade pela qual você é dono. Você se acha dono da casa ou apartamento que comprou? Você se acha dono do carro que comprou? Experimente não pagar o IPTU e o IPVA para ver o que acontece.

Controle de capitais

Ainda não temos um controle severo de capitais no Brasil, mas o governo já mostrou as garras quando resolveu taxar em 25% as remessas feitas ao exterior para fins de pagamento de serviços relacionados a gastos pessoais.

Assim, por exemplo, as agências de turismo que forem pagar por hotéis e serviços para seus clientes fora do Brasil, terão esse enorme custo a mais, como se já não bastasse a desvalorização cambial. Empresas que mandam valores para funcionários fora do país também serão taxadas. Enviar dinheiro para um filho não dependente que more em outro país também sofrerá 25% a mais de custo. Tudo isso com o objetivo único e exclusivo de impedir a saída de dinheiro do Brasil.

Imposto Cartão de CréditoQuem é mais bem informado pode questionar: Mas era uma isenção que precisava ser renovada para continuar valendo!

Veja a que ponto chegamos. Precisar do governo para renovar isenções, é admitir que o estado natural das coisas é ser taxado em tudo e o governo nos faz um favor quando isenta, quando na verdade é o oposto. É ultrajante para dizer o mínimo.

De qualquer forma é uma medida restrita, que se soma ao absurdo dos 6,38% cobrados quando se usa um cartão de crédito no exterior. Imposto este que foi instaurado recentemente, em janeiro de 2014. Lembrem que na Argentina Kirchenista, havia um imposto de 35% sobre gastos realizados com cartão no exterior, o que praticamente inviabilizava qualquer viagem internacional para quem não tinha conta fora do país. Nosso governo atual joga pelas mesmas regras dos Kirschner. A Argentina já se livrou temporariamente dos bolivarianos, nós ainda não.

Outros métodos

Há ainda outros passos para confiscar dinheiro do povo, como congelamento de preços e salários (já tentados antes no Brasil do Plano Cruzado), aumento das regulamentações, aumento das multas para quem não seguir as diretrizes do governo, decretar emergência nacional, etc.

Existe todo um arsenal de maldades que podem ser usadas pelo Estado contra seus cidadãos. Não tenha dúvidas de que na hora do sacrifício quem virará refeição será o povo.

Conclusão

Talvez na criação dos governos para administrar territórios no mundo, a idéia original era proteger a liberdade, manter a ordem, a justiça e a segurança. Atualmente lembra mais uma organização criminosa responsável por usurpar a riqueza e a liberdade dos cidadãos.

Cada vez se torna mais claro que a verdadeira defesa do cidadão é agir antes do colapso sme volta acontecer. O mero descontrole das contas públicas fez o Real perder metade do valor em 1 ano. Imagine agora de quanto seria a desvalorização cambial no momento do governo tomar as medidas mais desesperadas.

O que resta a você é diversificar seu patrimônio no exterior, em moedas fortes e ativos de valor que não dependam da situação do Brasil e que não sejam passíveis de confisco.


Texto recomendado: O que você deve saber sobre a inflação de Henry Hazlitt

 

Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Este post tem 50 comentários

  1. Avatar

    Essa taxação de 25% era um absurdo mesmo. Me parece que agora a taxa é de “somente” 6%.

    Quem faz transferência internacional para a conta de mesma titularidade está isento (por enquanto). Eu mesmo fiz e não fui taxado.

    Além do dólar, acredito que o bitcoin deve fazer parte do arsenal de diversificação de todo investidor.

    Eu achei bem prático o fato da rede dele funcionar 24 horas por dia assim como para mandar dinheiro para o exterior, muito útil caso o governo impeça a saída de dinheiro do país (como fez a Argentina dos Kirschner).

    1. Investidor Internacional

      Olá George,

      O Bitcoin tem a vantagem de não ser controlado por nenhum país, mas por outro é bastante susceptível a problemas como o que aconteceu com o Mt Gox.

      Abçs!

  2. Avatar

    Ótimo texto para uma frágil realidade.

  3. Avatar

    No início de janeiro você postou que estava fechando uma parceria com uma corretora específica no exterior. Gostaria muito de saber qual é essa corretora para poder aproveitar a queda momentânea do dólar e enviar meus recursos para o exterior.

    1. Avatar

      Alias, há um bom tempo foi dito que a serie como abrir conta bancária no exterior teria novas indicações “em breve”, mas o breve já tem bastante tempo rsrs

      Entendo que o blog é algo pessoal e que deva estar bastante atarefado, mas seria interessante dizer “não estou podendo fazer novos post então não sei quando haverá outras indicações de bancos/corretoras”

      abraço
      Victor

      1. Investidor Internacional

        Olá Victor,

        A série vai continuar sim.

        Muito do meu tempo dedicado ao site está sendo direcionado para o upgrade está sendo montado offline.

        Quando for publicado “em breve”, você irá entender porque as atualizações não estão tão frequentes como muitos gostariam.

        Abçs!

      2. Avatar

        Victor que mais opções você quer ler aqui no Site? Esse site me ajudou a abri conta no exterior no fim do ano passado e sou muito grato. Abri conta na Ameritrade e estou MUITO satisfeito. Mais uma vez obrigado “Investidor Internacional”!!

    2. Investidor Internacional

      Olá Hélio,

      Não vou simplesmente jogar um link de afiliado para o site do banco e pedir para clicar e abrir conta.

      Vai ser algo mais elaborado, por isso a demora.

      Abçs!

      1. Avatar

        Olá, II. Essa sua parceria será divulgada aos e-mails que forem cadastrados através de seu site?

          1. Avatar

            Certo,

            Tal conta parece promissora. Fico no aguardo.

            Abraços.

  4. Avatar

    Parabéns pelo artigo. Infelizmente chegamos a esse ponto. Eu tenho imóveis à venda com o propósito de mandar o dinheiro para o exterior e comprar novos imóveis lá.

      1. Avatar

        Legal, opções de investimento em imóveis no exterior, fora os REITs seria bem interessante! Obrigado por compartilhar!

    1. Avatar

      Só não compre imóveis no exterior como pessoa física.
      Tem que abrir uma empresa no exterior e comprar pela empresa.

  5. Avatar

    Gostei muito do texto. Uma curiosidade: você é libertário? Defendes um estado minarquista ou uma sociedade anarco capitalista nos moldes de Rothbard?

    1. Investidor Internacional

      Oi Carlos,

      Acho que o Estado deve ser minarquista sim.

      O Brasil precisaria de algo que mantivesse a estabilidade e não desse margem a esses governos demagogos e populistas que temos visto. A monarquia seria o mais adequado.

      Também gosto do jeito que Cingapura funciona. Seria uma outra opção.

      Dá uma lida neste e neste textos sobre Cingapura.

      Não existe uma só receita para fazer um país funcionar bem. Infelizmente,no Brasil, não as usamos.

      Eleição no Brasil é um campeonato de mentiras para ver quem vai torrar mais o caixa do Estado.

      Abçs!

  6. Avatar

    Prezado II (Raphael), boa tarde.

    Parabéns pelo post.

    Acho o seu site fantástico e devoro cada publicação.

    Talvez eu seja um dos seus leitores mais assíduos.. rsrs

    Também entro todos os dias ansiosamente para verificar se há um conteúdo novo.

    A propósito, o post que eu mais aguardo é o que um dia vc vai escrever sobre as offshores.

    Gosto bastante da ideia de diversificar no exterior, mas, como pessoa física, entendo que continuaremos presos de alguma forma ao Brasil, pois o governo pode simplestemente aumentar o IRPF para 50% por exemplo, assim como é na França para o ricos que pagam 75%, e mesmo que eu tenha ações no exterior serei extorquido na hora de pagar o imposto aqui com o governo levando boa parte dos meus rendimentos. Sei que essa situação que eu citei é exagerada, mas ela demonstra que mesmo investindo no exterior, se continuar como pessoa física, a pessoa ainda assim continua refém do governo que pode fazer o que bem quiser. Alias, o governo Dilma já cogitou aumentar ainda mais a última alíquota do imposto de renda.
    Neste exemplo que eu dei, eu estou muito muito longe de me enquadrar nessa categoria de ricos que eu citei na França, hoje me considero classe média baixa, mas invisto com o propósito de algum dia lentamente conseguir construir o meu patrimônio assim como a maioria dos outros pequenos investidores.

    O que eu gostaria de saber a respeito das offshores e tenho muita curiosidade sobre este assunto é se será que existe uma forma de construir uma PJ em um país seguro em que eu consiga cortar o cordão umbilical com o Brasil? Claro que me refiro a tudo dentro da legalidade.
    Se isso um dia for possível, pra mim seria a forma perfeita de proteção, pois além de estar amparado em ativos seguros e diversificados ao redor do mundo, eu também poderia ficar 100% tranquilo de que se o Brasil virasse uma Venezuela com o bolivarianismo e instituissem um IR sobre rendimentos de 50%, por exemplo, eu poderia ficar tranquilo, pois a minha offshore não teria mais nenhum vínculo com o Brasil e não teria como esse governo corrupto e comunista alcançá-la. Eu já pesquisei sobre este assunto na internet, mas são poucos os sites aqui no Brasil que tratam deste assunto. Mesmo que eu tivesse que pagar um imposto na hora da remessa com o objetivo de fazer tudo dentro da legalidade, eu não me importaria. A tranquilidade de estar com o capital seguro e dentro da lei não tem preço.

    Sei que para bancar uma estrutura dessas é preciso ter bastante capital para suportar os custos. Vai demorar, mas enquanto eu ainda não alcançar este nível, pretendo abrir uma conta em alguma corretora no exterior para já ir operando como pessoa física mesmo e ir me acostumando. Diante disso, também aguardo ansioso para conhecer as parcerias que vc vai divulgar aqui no site.

    Um abraço.

    1. Investidor Internacional

      Olá Ricardo,

      O seu raciocínio está correto.

      Existem diversas maneiras de cortar o cordão e os custos não são tão altos assim.

      Eu procuro ser bastante detalhista em tudo que é colocado no site. Há bastante tempo e esforço dedicados. Cada texto possui em geral mais de 2.000 palavras (a média preconizada para blogs é de 300 palavras). Eu leio pelo menos de 20 a 30 referências para confirmar as informações. Para o texto de tributação foram 2 ou 3 meses e mais de 70 revisões de texto para chegar na versão definitiva.

      Tudo vai sendo publicado à medida que fica pronto, sejam textos, parcerias e o layout novo que irá ao ar em breve.

      Abçs!

      1. Avatar

        Talvez vocês possam liberar o estudo sobre as Offshores antes e depois a parte das parcerias. Estamos ansiosos para saber como se livrar das burocracias tributárias que envolvem as contas de PF no exterior.

      2. Avatar

        Obrigado pela dedicação II.

        Seu site é fantástico.

  7. Avatar

    Olá, II. Artigo fantástico, mais uma vez.

    A questão sobre uma economia lastreada em ouro, me lembrou o Peter Schiff. O conceito de “fiat currency” tem que ser abolido o quão antes possível, pois abre espaço para loucuras keynesianas no mercado.

    Em tempo, qual a sua opinião a respeito dos relatórios da Empiricus? Alarmistas demais ou fonte de credibilidade?

    Abraço.

    1. Avatar

      Recebo os relatórios diários da Empiricus. O que dá pra perceber é que eles falam muita coisa, e claro, sempre vão dar ênfase a aquilo que deu certo nas recomendações deles. O que não deu tão certo assim ou foi foi aposta errada mesmo, eles não comentam… deixam o assunto morrer e as pessoas terminam não se lembrando no meio de avalanche de informações. Se o errado der um repique, eles vão e falam: viu? acertamos mais uma.

      Eles tiveram uma grande sacada de apostar na alta do dólar, que na verdade foi bem maior do que eles esperavam. Eles tem alguns méritos só de alertarem (o que não deixa de ser óbvio, mas de alguma forma corajoso, vide o caso Lula e analista do Santander) quanto à falta de confiabilidade desse governo.

      Às vezes, como eles não operam um fundo de investimento real, eles podem sair trocando as ações da Carteira quando quiserem, o que pro pequeno investidor nem sempre é possível.

      Há também certos materiais publicitários sobre opções e tals que podem matar rapidinho os gananciosos.
      A propaganda diz: ganhe 353,2% (estou chutando o valor, mas é sempre monstruoso) sem investir dinheiro real. Ou seja, operação de alto risco pro pequeno investidor, principalmente os que ainda necessitam de orientação da Empiricus. Se der errado, negão, já era: operou alavancado.

      Se pesquisar direitinho, vão encontrar uma treta sobre recomendação de OGX feita pela Empiricus antes deles surfarem a crista da onda depois de acertarem sobre a desvalorização do real.

      Enfim, uso apenas como mais uma fonte de informação. Eles são bons em instigar a curiosidade, mas hoje eu não renovaria a assinatura.

      Sim, eles são alarmistas demais porque isso gera mais vendas dos seus produtos (estratégia de marketing). Se o que eles falam faz sentido ou não e as probabilidades de cada caso acontecer, cabe a cada um avaliar.

    2. Investidor Internacional

      Olá Igor,

      O dinheiro de hoje é uma papel de impressão infinita. Nada impede o governo americano por exemplo de fazer 19 notas de 1 trilhão de dólares cada para pagar sua dívida.

      Esse sistema é adotado justamente porque os governos são incompetentes e não querem ter responsabilidades.

      A Empiricus é como qualquer investidor: acerta e erra.

      Acho que pecam pelo excesso. Tentam vender coisa demais. Alguém que assine várias publicações deve terminar o dia de cabeça inchada.

      Atualmente eles estão com um ótimo suporte macro com a parceria que fizeram com os americanos. O Jim Rickards é top, mas ainda não li o material que estão publicando dele.

      Abçs!

  8. Avatar

    Olá II, tudo bem?

    Belíssimo artigo! O pior é que não é só Brasil que age assim. EUA tb, França tb, Rússia tb… é difícil ficar pra si com os frutos de seu trabalho.

    Estou querendo abrir uma conta na Interactive Brokers, já dei uma ampla pesquisada e até já testei o home broker deles, tudo nos conformes. Vc opera com eles? Qual a forma mais barata e confiável de transferir os fundos para a conta da IB? Obrigado!

    1. Investidor Internacional

      Olá Frugal,

      Sim, o sistema “fiat-currency” é mundial. Mesmo a Suíça que era lastreada em ouro deu uma piorada. Entretanto os impostos em alguns países são bem menores que aqui.

      A Interactive Brokers é uma ótima opção. Você pode usar o seu próprio banco se quiser fazer remessa.

      Abçs!

  9. Avatar

    Excelente e esclarecedor post!
    Apesar da carga tributária ser alta em muitos países de primeiro mundo, nesses locais vê se o retorno em infraestrutura, segurança, educação, transporte, etc. Além disso, mesmo com a alta carga tributária, o poder de compra é significativamente maior.
    Por aqui paga-se muito e não há o mínimo retorno.
    O ajuste fiscal tão divulgado não chega nem aos pés do que deveria ser feito para controlar a inflação e diminuir a desconfiança dos investidores.
    Em relação as críticas sobre a atenção e a importância dada às agências de rating, o que você acha sobre isso? Seria talvez por que as notas do Brasil estão descendo ladeira abaixo?

    Também tenho a mesma dúvida do Igor sobre os relatórios da Empiricus…

    Abraço,

    1. Investidor Internacional

      Olá Rosana,

      Ajuste fiscal aqui no Brasil foi para “inglês ver”.

      A reforma prometida ano passado com extinção de cargos e agências não foi cumprida.

      Só sabem aumentar impostos.

      Abçs!

  10. Avatar

    Muito bom post,

    mas pelo pouco que tenho acompanhado na política, não vi nenhum partido político falar em simplificar o Código Tributário Nacional. Nem partidos de esquerda nem os direita querem Estado menor…… Grupos de mídia que se dizem liberais pegam muita grana no BNDES e adoram publicidade estatal. Uns empresários falam muito sobre os problemas do Estado, mas o amam de paixão.

    Diante de tal quadro, para o pequeno investidor, ter investimentos no exterior pode ser uma forma de alavancar lucros.

    De outro lado, alguns grandes investidores do passado mudaram de nacionalidade para pagar menos impostos. Será esse o destino de vários daqui?

    Abs,

    Ex Socialista

    1. Investidor Internacional

      Olá Ex Socialista,

      Sim, não temos ainda nenhum partido que pregue abertamente a redução do Estado.

      O Partido Novo, que ainda não concorreu em nenhuma eleição, pode ser uma nova opção.

      Eleição no Brasil é competição pra ver quem retribui mais favores com o dinheiro do povo.

      Não precisa mudar a nacionalidade, basta mudar de país.

      Abçs!

  11. Avatar

    Olá Investidor Internacional.

    Parabéns, todo o conteúdo do site é sempre excelente!

    Você poderia me tirar uma dúvida?

    1. Sou pequeno investidor, é válido um pequeno investidor abrir uma conta para investimento no exterior (Ameritrade no caso) (penso em abrir para manter uma aplicação longe do governo em caso extremo de calamidade)

    2. No caso de abrir, o que você sugere investir lá inicialmente? CDBs, ETFs ou Ações? e qual incide menos taxas de manutenção?

    Muito obrigado,

    Grande abraço

    1. Investidor Internacional

      Olá Fabrício,

      1-Sim, é.

      2-Fica difícil responder isso, porque cada investimento deve ser escolhido dentro dos seus objetivos e dentro do seu portfolio. É muito individual. Dê uma lida na seção de investimentos para saber sobre cada um.

      Abçs!

  12. Avatar

    É II… mesmo em países ricos essa história de Estado grande não dá muito certo … imagine aqui …

  13. Avatar

    Para variar ótimo post, II.
    Continuo esperando pela continuação do artigo sobre as offshores e de sua parceria para abrir conta no exterior. Acredito que pelo nível de seu site e de seus posts vale a pena aguardar.
    Abs

  14. Avatar

    Parabéns pelas informações que sempre são uma oportunidade de agregarmos conhecimento em nosso presente nebuloso.

    Possuo uma conta pf na Alemanha e estava pensando em repatriar os valores em caso de necessidade na ” terra brasilis ” mas diante do atual cenário mudei de ideia.

    Esse valor foi depositado lá por serviços prestados sem nenhum vínculo por aqui . Tenho alguma obrigação em declara-lo aqui , se sim corro algum risco ao não fazê-lo?
    Me dói muito a ideia de ter de partilhar com nosso governo……

    Obrigado!

    1. Investidor Internacional

      Olá Marcos,

      Se você é residente fiscal do Brasil, deve declarar patrimônio nacional e internacional.

      Para avaliar o seu caso em maiores detalhes, seria recomendável consultar um contador.

      Abçs!

  15. Avatar

    A gente podia montar um clube de “referrals”.

    Muitas corretoras pagam um pequeno valor como U$50 se você indicar algum cliente. Podíamos montar uma corrente dos usuários aqui do blog para ganharmos com isso, que acham?

    1. Investidor Internacional

      Olá José,

      Existem vários tipos de referrals dependendo do banco.

      As parcerias do site vão algo com maior responsabilidade.

      Abçs!

  16. Avatar

    Excelente site, muito bom e coerente a forma como os assuntos são tratados nos artigos, e bem embasados.

    Parabéns á equipe do II e que esse espaço dure muito tempo.

Deixe uma resposta

Posts com maior repercussão

Fechar Menu