O bilionário mundo dos unicórnios

Unicórnio

Veja agora o que as start-ups que superaram a marca de 1 bilhão de dólares em valor têm a nos dizer

Em 2013, ao escrever um artigo sobre start-ups e tecnologia, no qual comentava sobre o crescimento acelerado de algumas empresas, a venture capitalist Aileen Lee cunhou o termo “unicórnio” para se referir a estas raras companhias.

Mal sabia ela que apenas 4 anos depois o número de unicórnios chegaria a surpreendente marca de 222 empresas!

Unicórnios. Como nascem? Onde vivem? Como se alimentam? Como se reproduzem? É bolha? É o que você vai descobrir agora.

Quem são os unicórnios?

A CB Insights tem uma lista completa dos 222 unicórnios, que no momento em que escrevo este texto valem em torno de 768 bilhões de dólares.

Estes são os Top 10 no momento:

EmpresaValor em bilhões de dólaresPaísSetor
Uber68Estados UnidosAplicativo
Didi Chuxing50ChinaAplicativo
Xiaomi46ChinaHardware
China Internet Plus Holding (Meituan Dianping)30ChinaComércio eletrônico
Airbnb29Estados UnidosComércio eletrônico
SpaceX21Estados UnidosTransporte
Palantir Technologies20Estados UnidosDados
WeWork20Estados UnidosAluguel de escritórios
Lu.com18ChinaFintech
Pinterest12Estados UnidosRede Social

Um fato curioso a respeito dos unicórnios são seus países de origem. Passe o olho por ela e você verá Estados Unidos, China, China, China, Estados Unidos, Estados Unidos, China, Estados Unidos, Estados Unidos, etc

São 112 companhias norte-americanas e 59 chinesas. O Reino Unido aparece bem atrás com 13, a Índia com 10 e a Alemanha com 3. Existem vários países com uma ou duas empresas. Do Brasil não temos ninguém.

Já tenho falado de empresas da China há alguns anos, mas muitos ainda torcem o nariz. Obviamente não é um país como os demais. A questão política e de liberdade são um problema, mas em termos de criação de empresas, produção industrial e força do mercado interno não há como reclamar.

Como nascem os unicórnios?

Geralmente o unicórnio nasce como uma ideia brilhante de algum empreendedor. Ele descobre algum tipo de problema que pode estar afetando as pessoas e pensa numa solução para ele.

Grandes ideias sem trabalho duro e ambição não servem pra nada.

O Uber, por exemplo, teve sua ideia inicial quando um de seus fundadores, Garret Camp, então bastante revoltado com a péssima qualidade dos táxis, estava assistindo ao filme 007 – Cassino Royale.  Ele viu James Bond localizando um carro pelo celular e imaginou: “Não seria interessante se eu pudesse apertar um botão no celular e surgisse um catálogo de carros para eu solicitar?”.

Ele comentou a ideia com diversas pessoas, entre as quais, Travis Kalanick, que a princípio foi reticente. Entretanto, após uma noite de festa em Paris, Travis e uma amiga pegaram um táxi às 2 da manhã. Por estarem falando alto, o taxista enfurecido ameaçou-os de expulsão. Travis ficou revoltado com isso e eles acabaram saindo do táxi. Foi a faísca que faltava para ele embarcar na proposta do Uber.

James Bond + Taxista parisiense enfurecido + Empreendedores compulsivos = Disrupção na indústria de táxi mundial

unicórnioMas nem sempre a ideia de um unicórnio é 100% original. A Didi Chuxing e a Lyft, que fazem parte da lista também são aplicativos de transporte. A Xiaomi produz smartphones e gadgets. A Stripe é um método de pagamento online como o precursor Paypal. O Spotify é a Netflix musical. Muitos embarcaram em caminhos já criados ou adaptaram alguma solução já existente em um novo produto.

Como crescem os unicórnios?

Não basta ter uma ideia genial. É preciso testar a sua viabilidade na prática. E nessa parte da execução é que as decisões mais importantes serão tomadas. Elas é que irão determinar os rumos da companhia. Garret Camp do Uber, por exemplo, queria comprar automóveis Mercedes-Benz e colocá-los em bolsões de estacionamentos, de onde partiriam para atender os clientes. Travis Kalanick disse algo assim: “Está louco? Não precisamos comprar nada. Deixe que os motoristas usem seus próprios carros!”

Então para a empresa sair do zero, além de muita atitude, é preciso dinheiro. Ele inicialmente vem dos próprios fundadores e assim que a companhia começa a engatinhar, ela procura recursos dos grandes investidores para crescer.

E assim começam os rounds de captação, onde os fundadores apresentam a empresa para os investidores-anjo ou venture capitalists. Esse momento é conhecido como pitch, onde o modelo de negócio, os números e os planos futuros da empresa são mostrados e os fundadores tentam convencer os investidores a injetar dinheiro no negócio.

Conforme a empresa vai crescendo, ela cada vez mais precisará de dinheiro, seja na contratação de funcionários, seja no pagamento de serviços, aluguéis de novos escritórios, etc. Assim, sucessivos rounds de investimento vão acontecendo durante a caminhada.

Não é tarefa fácil promover um crescimento acelerado de uma companhia para que ela atinja o patamar de unicórnio. Primeiro a companhia precisar angariar usuários e clientes de maneira agressiva. É esse crescimento que atrairá a atenção dos investidores.

De quanto crescimento estamos falando? 15%. Mas é 15% por semana! O Facebook em seus primórdios chegou a crescer muito acima disso. Em cada campus universitário que chegava, adquiria mais de 80% dos alunos em questão de 2 a 5 dias. Isso que impressionou Peter Thiel, primeiro investidor externo a botar dinheiro no negócio, quando ele valia apenas 5 milhões de dólares.

Uma companhia de altíssimo crescimento consegue se colocar nos holofotes. Neste momento ela coloca um preço bem alto para novos investidores usando o crescimento acelerado do passado como expectativa de crescimento futuro.

Ao adquirir esse valor maior, é hora de trabalhar duro porque é aqui que a empresa precisa crescer ainda mais e se estabelecer de maneira contundente no mercado. É o caminho para o IPO a um valor ainda maior. Mesmo que algumas empresas falhem no último passo, não quer dizer que elas fracassaram. Muitas são adquiridas por empresas maiores. Foi o que aconteceu com o Instagram, por exemplo, em 2012 ao ser adquirido pelo Facebook.

Já os que chegam a um valor ideal, terminam em IPO. Alguns exemplos de unicórnios que fizeram IPOs em 2017 foram:

  • Okta (Tecnologia/Software/Rede)
  • Cloudera (Tecnologia/Banco de dados/Computação em nuvem)
  • Delivery Hero (Tecnologia/Entrega de refeições online)
  • Blue Apron (Entrega de ingredientes para culinária online)

Bolha no mercado de unicórnios?

Por mais que o crescimento dessas empresas tenha sido incrivelmente acelerado, em nada lembra a loucura da bolha “ponto com” que estourou em 2001.

unicórnioNaquela época a maior parte das empresas tinham muitos usuários, mas poucos clientes, pouca receita, nenhum lucro. A internet ainda não estava tão disseminada e não havia smartphones. Hoje, os grandes unicórnios já fazem parte do dia-dia das pessoas. Uber, Airbnb, Xiaomi, Pinterest, Stripe, Spotify, Dropbox são usados e tem produtos vendidos em centenas de países.

Obviamente nem todos os unicórnios continuarão crescendo e fazendo sucesso. Pode ser que um outro outro falhe, mas atualmente eles estão assentados num alicerce bem mais forte do que as empresas de tecnologia de antigamente. O mundo online já é realidade e a tendência é se expandir ainda mais.

E o futuro?

Cada vez mais empresas seguirão os passos das antecessoras de sucesso para conquistar o mercado. Existe uma reação em cadeia, onde os casos de sucesso como Facebook, Uber e Whatsapp servem de inspiração para os novos aventureiros.

Não acredito que os grandes unicórnios saiam muito do eixo China-Estados Unidos, que detêm 77% deles. O ambiente de criação e desenvolvimento de negócios digitais e tecnológicos é bastante desenvolvido nestes dois países. É para onde você deve olhar com mais carinho na hora de investir em tecnologia e em empresas de grande crescimento.

Enquanto isso, o Brasil continua a patinar nesse quesito. Algumas empresas até estão próximas de atingir esse valor, entretanto as chances de um IPO são baixas. As de maior sucesso, caso do Buscapé, acabaram sendo adquiridas por empresas estrangeiras maiores.

Já que a maior parte das nossas start-ups acaba se concentrando no mercado local, ficam bastante dependentes das condições políticas e econômicas enfrentadas por aqui.

Enfim, não há motivo para ficar preso com seus investimentos no Brasil e perder todas as grandes oportunidades que sugem a todo momento ao redor do mundo. Basta uma conta no exterior para começar a explorar o que de melhor o mundo tem a oferecer.

Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Este post tem 10 comentários

  1. Avatar

    Olá II,

    Parabéns pelo post.

    Não é atoa que os EUA e a China dominam o mundo.
    Esse valor aí não seria 1 trilhão de dólares?

    Abraços.

  2. Avatar

    Bom texto. Só não concordo com a parte “Pode ser que um outro outro falhe, mas atualmente eles estão assentados num alicerce bem mais forte do que as empresas de tecnologia de antigamente. O mundo online já é realidade e a tendência é se expandir ainda mais.”. Acho que na realidade a taxa de falha não é tão baixa……Mas não temos uma bola de cristal mesmo…..

    1. Investidor Internacional

      Olá Carlos,

      Sim, quanto mais no início, maior a chance de falha.

      Mas quando as empresas já adquirem uma certa envergadura e um valuation acima de 1 bilhão essas chances se tornam bem menores.

      Pra chegar nesse nível, deve-se ter uma grande qualidade e um material humano competente, além é claro de muitos investidores dando suporte para não ter prejuízo.

      Abçs!

  3. Avatar

    II,

    Na lista deu para perceber claramente que os países que investem pesado em educação têm os melhores resultados. Interessante também o fato da maioria estar relacionada ao setor de tecnologia.

    Abraços,

    1. Investidor Internacional

      Olá Rosana,

      Educação e principalmente ambiente para empreender. É muito menos burocrático e custoso abrir empresa na China e nos EUA.

      O setor de tecnologia é destaque por permitir “escalar” de maneira mais rápida.

      E não custa lembrar que formamos zilhões de bacharéis de direito e poucos engenheiros e programadores. Sabia que o Brasil tem mais faculdades de Direito que o resto do mundo somado? Nada contra o curso, obviamente, mas isso mostra um grande desequilíbrio.

      Do site do Confea: “Enquanto o Brasil forma cerca de 40 mil engenheiros por ano, a Rússia, a India e a China formam 190 mil, 220 mil e 650 mil, respectivamente.”

      Abçs!

  4. Avatar

    Excelente post I.I.!

    Desejo boas festas e um excelente 2018!

    Abraço!

  5. Avatar

    Show II,

    Já venho acompanhando start up a um tempo mas no Brasil os cases demoram bastante pra dar bons resultados. Por enquanto estou só assistindo shark tank antes de colocar um dinheiro ai.

    Abraço e boas festas!

    1. Investidor Internacional

      Olá BPM,

      Fiquei um pouco decepcionado com o Shark Tank Brasil.

      Talvez porque já havia assistido 5 temporadas completas da versão americana. Talvez porque seja mais fraco mesmo.

      Outra que sem o Kevin O’Leary perde 90% da graça.

      Feliz Natal!

      Abçs!

Deixe uma resposta

Posts com maior repercussão

Fechar Menu