Como operar vendido na bolsa americana

Operar vendido

Será que os 9 anos de alta no mercado de ações dos Estados Unidos chegarão ao fim neste ano?

Desde março de 2009, quando o mercado americano de ações atingiu o fundo em decorrência da crise do subprime, ele tem crescido de maneira praticamente linear e sem interrupções importantes. Bom, pelo menos tinha até fevereiro deste ano, quando apresentou fortes quedas que começaram no dia 2 e culminaram no dia 8. Entretanto, de lá pra cá, os índices Dow Jones e S&P 500 já recuperaram mais da metade dessa queda.

Este é o segundo maior período de alta no mercado de ações dos Estados Unidos. São 107 meses de alta. Perde apenas para o bull market que terminou no ano 2000, que durou 113 meses. Desta forma, é natural que surjam  temores de que um novo crash possa estar rodando o mercado. Assim, é importante saber quais movimentos podem desencadeá-lo e como você poderá lucrar se ele vier.

O que pode poderá causar um bear-market?

Existe uma conjunção de fatores que podem desencadear uma forte correção no preço das ações nos Estados Unidos. Primeiro, a inflação que estava silenciosa e controlada dá os primeiros sinais de elevação. Se ela começar a subir demais, forçará um aumento mais rápido dos  juros por parte do Federal Reserve.

O FED “pisará em ovos” nos próximos meses, já que terá que subir lentamente os juros de forma a não impactar a economia, ao mesmo tempo em que irá desovar no mercado cerca de U$ 4 trilhões em títulos que adquiriu durante os programas de Quantitative Easing.

Ainda temos o nível extremamente baixo da taxa de desemprego nos Estados Unidos e os cortes de impostos do governo Trump. Ambos podem levar a aumento disseminado dos salários, o que não deixa de ser bom, mas pode alimentar a pressão inflacionária.

O fato é que o mercado americano chegou neste nível muito devido à redução artificial dos juros, alto endividamento e grandes volumes de recompra de ações por parte das empresas. Portanto, não foi somente o ganho de produtividade e aumento dos lucros que trouxeram as ações para os níveis atuais, mas também alguns fatores exógenos.

Neste momento, o índice Preço/Lucro do S&P 500 está na casa de 25,5, bem acima da média histórica de 15,7. Já o índice Preço/Vendas está em 2,28, já levemente acima dos níveis que precederam o crash da NASDAQ no ano 2ooo.

Como operar vendido na prática?

Da mesma forma que no Brasil, é possível atuar tanto no mercado futuro, quanto no mercado de opções e aluguel de ações. Por outro lado, para o investidor comum a maneira mais prática de operar vendido é fazer o uso de ETFs.

Com a compra de ETF, você não só evita a necessidade de fazer operações complexas, como também limita suas perdas ao valor que você gastou para comprá-lo.

Lucre com a alta dos juros

Este é um fator que já é realidade, pois os juros já estão subindo e o preço dos treasuries está caindo. Então operar alta de juros é operar vendido nos treasuries.

Primeiramente, veja como os juros de 10 anos estão se comportanto neste momento:

Mercados Globais Queda da Bolsa

Existem alguns ETFs que fazem essa operação de venda nos treasuries de longo prazo e lucram com a subida  dos juros. A diferença se dá na quantidade de alavancagem que cada um usa.

Proshares Short 20+ Year Treasury (NYSE:TBF): Este ETF não é alavancado e seu preço segue de maneira inversa a variação diária dos treasurires. Já sobe 7,2% este ano.

Proshares Ultrashort 20+ Year Treasury (NYSE:TBT): Este ETF é alavancado em 2x a variação diária e inversa dos treasuries. Para cada um 1% de variação nos treasuries, este ETF se valoriza 2% no sentido inverso. Apresenta alta de 14,8% este ano.

Direxion Daily 20+ Year Bear 3 Shares (NYSE: TMV): Este ETF é alavancado em 3x a variação diária e inversa dos treasuries. Já valorizou 22,3% este ano.

No momento, as taxas de juros de curto prazo estão subindo mais que as de longo, reduzindo a inclinação da curva. À medida que a inflação apareça, os juros longos devem subir ainda mais, trazendo a curva para uma inclinação mais comum (com juros longos maiores que os curtos).

Lucre com a queda das ações

Existe uma infinidade de ETFs que permitem ao investidor operar vendido no mercado de ações. Irei citar os principais:

Proshares Short S&P 500 (NYSE:SH): Este ETF opera vendido no índice S&P 500 e segue de maneira inversa sua variação diária.

Proshares Ultrashort S&P 500 (NYSE:SDS): Este ETF opera vendido e alavancado em 2x no índice S&P 500.

Proshares Ultrapro Short S&P 500 (NYSE:SPXU): Este ETF opera vendido e alavancado em 3x no índice S&P 500.

Proshares Short Dow30 (NYSE:DOG): Este ETF opera vendido no índice Dow Jones e segue de maneira inversa sua variação diária.

Proshares Ultrashort Dow30 (NYSE:DXD): Este ETF opera vendido e alavancado em 2x no índice Dow Jones.

Proshares Ultrapro Short Dow30 (NYSE:SDOW): Este ETF opera vendido e alavancado em 3x no índice Dow Jones.

Advisorshares Ranger Equity Bear (NYSE:HDGE): Este ETF é ativamente gerido e procura identificar empresas sobreavaliadas ou que devam passar por piora dos resultados. Ao identificar estas empresas, o gestor abre posições de venda. Em virtude disso, o custo é maior, chegando atualmente a 2,86%.

Conclusão

Operar vendido no mercado americano é bem mais simples que no mercado brasileiro. O uso de ETFs torna a operação bastante fácil na prática. Você sempre irá comprar o ETF e nele já estará embutida a estratégia de ganhar na venda.

Entretanto, alguns cuidados devem ser tomados. Por exemplo, operar ETFs alavancados durante um prazo muito longo, pode corroer a rentabilidade. Além da taxa de administração, existem custos de rolagem das operações. Quanto mais alavancado, maiores estes custos. Um ETF de renda fixa alavancado em 3x pode perder cerca de 6% de rentabilidade em 1 ano por causa disso.

Se por um lado a questão da alta de juros nos Estados Unidos parece estar cada vez mais clara, favorecendo os ETFs vendidos nos treasuries, no mercado de ações, a tendência de alta persiste. Estes ETFs entretanto, podem ser usados como hedge para uma carteira de ações já estabelecida. Caso a tendência se inverta, podem ser usados para operações de trade. Neste caso, conhecimento de análise técnica é fundamental.

Pra finalizar, deixo abaixo a imagem do “Indicador Buffett”, que divide o valor de mercado total das ações americanas pelo PIB dos Estados Unidos. O indicador atingiu 143%, levemente abaixo dos 148% que alcançou às vésperas do estouro da bolha da NASDAQ em 2000:

Indicador Buffett

OBS: Artigo com intuito educativo. Não indico a compra ou a venda dos ETFs mencionados. Não faça operações para as quais não esteja preparado. O investimento no mercado financeiro pode trazer prejuízos financeiros. A responsabilidade pelos seus investimentos é inteiramente sua.

Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Este post tem 20 comentários

  1. Avatar

    Fala Investidor Internacional!

    Mais um excelente artigo! Completo como sempre.

    Só como curiosidade: vi no twitter esses dias que um analista dos EUA que alarmou a crise dos EUA de 2017 (que não ocorreu) agora está apostando no bitcoin a 100 mil. Mas que moral o cara tem pra falar umas coisas assim?! kkk

    Não sei como esses caras conseguem vender relatórios ainda… trackrecord zero!

    Forte abraço!

    1. Investidor Internacional

      Olá TR,

      Obrigado pelas palavras.

      Esse tipo de palpite ou chute é bem comum no mercado.

      Resta saber que tipo de análise ele utilizou para chegar nessa conclusão e se ele está fortemente investindo nisso.

      Abçs!

    1. Investidor Internacional

      Olá André,

      Operar com ETFs é bem mais simples do que opções. Claro que se deve ter algum critério para comprar um ETF vendido, seja na análise técnica ou fundamentalista.

      Claro que nos EUA, existe muito mais liquidez para este tipo de ativo. Não sei se funcionaria bem no Brasil.

      De qualquer forma, o ideal é sempre operar aquilo que se sabe.

      Abçs!

  2. Avatar

    Excelente artigo. Parabéns!!!

    Deixe explorar um pouco mais seu conhecimento, Investidor internacional:

    Caso haja mesmo este “crash” ou baixa no preço das ações como está sendo previsto por ti e outros tantos especialistas, isso impactará no preços dos BONDS? E do ouro?

    Obrigado pela sua qualidade.

    Abraço.

    1. Investidor Internacional

      Olá Masculino2,

      O preço dos bonds, particularmente dos high yield, deve cair mais em virtude da subida de juros dos treasuries do que em relação à queda das ações.

      O ouro sobe em caso de enfraquecimento do dólar e pode ser um “porto seguro” para que estava em ações.

      Abçs!

  3. Avatar

    Caramba ETF inverso de SP500, amei, vou começar a operar no Brasil, mas quero muito operar nos EUA, pelo demo interactivebrokers vi que minha capacidade é melhor aproveitada lá. Esse artigo parece que foi feito pra mim, também estou preocupado com o mercado americano, tudo aponta para um crash

    1. Investidor Internacional

      Olá Carlos,

      Se o crash vem não dá pra ter 100% certeza, mas todos os indicadores apontam para um sobrepreço do mercado de ações.

      É melhor estar preparado do que ser pego de surpresa.

      Abçs!

      1. Avatar

        Olá Investidor internacional, fiquei com uma dúvida sobre quanto vale 1 ponto no Proshares Short S&P 500? e no Proshares Ultrashort S&P 500?

        1. Investidor Internacional

          Olá Carlos,

          Não fiz o cálculo para saber este número, mas a variação é medida em porcentagem.

          Então não sei se faz diferença saber a quantidade de pontos.

          Abçs!

  4. Avatar

    mais claro impossível.parabens investidor internacional

  5. Avatar

    Excelente post. Uma curiosidade: em qual site voce pesquisa esses ETFs e os demais ativos da NYSE?
    Grande abraço

  6. Avatar

    Em outubro de 2015 quando comecei a estudar mais as ações americanas, um amigo comprou esses etf inverso com o S&P500, tá até hoje no prejuízo kkkkk mas agora acho que chegou a hora.

    1. Investidor Internacional

      Olá Daniel,

      Sim, coloquei na conclusão. Há custos e perda da rentabilidade ao segurar a posição por prazo muito longo.

      Abçs!

  7. Avatar

    Olá,

    Queria saber como recolher imposto de operações vendidas no exterior no programa GCME.
    Estou operando short com contrato futuro e fiquei na duvida se devo colocar na aquição a data e o valor de saida da operação e na alienação o valor e data de entrada.

    1. Investidor Internacional

      Olá Marcela,

      Vou responder seu e-mail. Já passei por ele, mas não estava conseguindo responder.

      Você calcula o ganho de capital no fechamento da operação.

      O GCME foi integrado ao GCAP este ano.

      Abçs!

Deixe uma resposta

Posts com maior repercussão

Fechar Menu