6 formas incomuns de selecionar ações – Parte 2

Selecionar ações

Veja diferentes e eficazes maneiras de selecionar ações para seu portfólio

Conversando com outros investidores de ações, percebo que a maior e mais recorrente dúvida é “qual ação devo comprar?”. Não é uma resposta simples. Saber exatamente qual ação comprar é a tarefa mais básica, mas também a mais complexa com a qual você pode se deparar.

É para ajudar nisso que elaborei esta série de 2 artigos com 6 formas incomuns de selecionar ações. No artigo anterior, mostrei como usar os dividendos, os anúncios de recompra de ações e a análise dos formulários 13F dos fundos de investimento para lhe auxiliar. Hoje, mostrarei as outras 3 maneiras de responder esta pergunta.



Possível alvo de aquisição

A área de fusões e aquisições é uma das mais dinâmicas do mercado financeiro. Existem diversos motivos para uma companhia se fundir ou adquirir outra. Expansão de negócios, sinergias operacionais, retirada de um concorrente do mercado, aproveitar queda no preço das ações, exposição a um novo mercado, aumento da gama de produtos, etc.

Ofertas de compra de empresas listadas em bolsa estão sempre aparecendo e saber antecipar esses movimentos pode trazer grandes lucros. Vou lhe explicar o porquê.

É muito comum que a empresa adquirente ofereça um prêmio em cima do preço que a ação da empresa adquirida esteja sendo negociada em Bolsa. Uma grande aquisição recente, por exemplo, foi a compra da Kite Pharma pela também norte-americana Gilead Sciences (NASDAQ:GILD). A oferta de 180 dólares por ação colocou um prêmio de 29% em cima do preço negociado em bolsa.

Outro exemplo famoso foi o salto imediato de 20% no preço da ação da cervejaria SAB-Miller, quando foi confirmada a oferta de aquisição feita pela AB-Inbev. Inclusive já mostrei aqui no artigo sobre o grupo 3G Capital, como o crescimento de suas empresas é feito por meio de fusões e aquisições.

A Ambev foi adquirida pela Interbrew, mas os brasileiros continuaram no comando do negócio. Depois compraram a Anheuser-Busch e por último fizeram a aquisição da SAB-Miller (que inclusive foi cogitada naquele meu artigo). Isso sem falar nas microcervejarias que o grupo tem adquirido mundo afora. Só nos Estados Unidos, já comprou 10.

Nasdaq - Fusões e AquisiçõesEntão, é importante saber quais os tipos de indústria costumam passar por momentos de consolidação e quais empresas estão com “sede” de compras. O próprio setor de cervejas é famoso por fusões e aquisições. A Ambev mesmo começou com a fusão da Brahma com a Antarctica. A SAB-Miller é a fusão da SAB com a Miller. A Molson-Coors (NYSE:TAP), mesma coisa, é a fusão da canadense Molson com a americana Coors.

Dado o tamanho atual da AB-Inbev SAB-Miller, ou seja lá como a empresa irá se chamar, e o caráter familiar da Heineken (AMS:HEIA) e da Carlsberg (CPH:CARL-B), não sei se ainda há muito o que adquirir neste segmento. Entretanto, as demais empresas da 3G Capital estão de olho em outros alvos.

A Kraft-Heinz Company (NASDAQ:KHC), por exemplo, que foi formada pela união da H.J. Heinz com a Kraft-Foods, num anúncio que fez disparar em 32% a ação da Kraft, fez uma oferta audaciosa de 143 bilhões de dólares pela gigante Unilever (LON:ULVR). Esta, que é uma empresa já estabelecida, diversificada e com um grande mercado, também é uma empresa de crescimento de dividendos. A concretização de uma nova oferta no futuro pode ser o gatilho para uma grande valorização da ação.

Em 2014, a Burger King fez uma oferta pela rede de cafeterias canadense Tim Horton’s e a fusão das duas formou a Restaurante Brands International (TSE:QSR). Em 2017, a empresa anunciou a compra da rede Popeyes Louisiana Kitchen (concorrente da KFC no mercado de fast-food de frango) por 79 dólares por ação, um prêmio de 19%.

Além de ficar de olho nos movimentos da 3G Capital no mercado de restaurantes e alimentos, você deve prestar atenção no segmento de biotecnologia. É um universo onde existem grandes empresas estabelecidas, como a Gilead já citada, e novas estrelas em ascensão. Um grande empresa farmacêutica pode reconhecer uma menor promissora que esteja criando grandes produtos e fazer uma oferta que dispare o preço da ação.

Numa época em que a economia nos países desenvolvidos tem melhorado, as taxas de juros estão em patamares baixos e as grandes empresas mantêm muito dinheiro em caixa, o apetite para novas aquisições aumenta e você deve ficar sintonizado para encontrar essas ações. Afinal de contas, nada melhor do que acordar um dia e ver que sua ação subiu 20 ou 30% de uma vez devido a uma oferta de aquisição.



Mudança de sentimento

Não sei se axiste algo similar no Brasil, mas tenho visto algumas pessoas usando esta estratégia nos Estados Unidos. Ela é bem interessante.

Essa pesquisa se baseia nas indicações de diversos tipos de analistas em relação às ações. Ao finalizar a análise de determinada ação, é comum os analistas, seja de grandes bancos, corretoras ou empresas de research, conferirem uma nota, ou uma indicação. É usada, geralmente a escala abaixo:

  1. Forte compra
  2. Compra
  3. Neutro
  4. Venda
  5. Forte venda

A ideia é procurar empresas que estavam sendo indicadas nos níveis 4 e 5 (venda ou má perspectiva para a ação) e passaram a ter indicação 1 ou 2 (compra ou boas perspectivas).

O que isso significa?

Significa que o conjunto dos analistas achava determinada ação ruim e agora passou a achar a ação boa para compra.

Por que isso acontece?

Há vários motivos que podem levar a esta situação. A empresa pode ter passado por resultados ruins e as mudanças implementadas começaram a surtir efeito. Pode ter havido uma mudança no setor, que favoreceu uma empresa que não estava sendo lucrativa. Pode ter havia alguma situação de estresse (risco de fraude ou multa, por exemplo) que tirou a confiança na empresa e essa situação desapareceu. Enfim, era uma ação com perspectivas ruins que se tornou uma ação com um futuro promissor.

Este momento de turnaround é um dos que mais se pode ganhar dinheiro com ações, pois uma companhia quando colocada na linha pode facilmente multiplicar os seus lucros e levar o preço da ação junto. Ou uma companhia quando tira o fator de preocupação do caminho atrai muitos investidores que não consideravam a compra da ação e agora consideram.

Em resumo, a mudança de sentimento pode indicar a transformação do patinho feio do mercado em um cisne de preço muito maior. Descobrir e investir em uma empresa assim pode dar grandes resultados.



Dogs of the Dow

Esta estratégia é a mais simples de se colocar em prática. Consiste em selecionar as 10 ações do índice Dow Jones com maior dividend yield, dar pesos iguais a elas e rebalancear na virada de cada ano.

Só isso? Só.

E dá resultado? Sim.

O site Dogs of The Dow mostra que nos períodos de 1, 3, 5 e 10 anos até o fim de 2016, a estratégia superou não só o índice Dow Jones, como também o índice S&P 500.

Não só isso. Também de 2000 até 2016, os Dogs of the Dow renderem 8,6% ao ano contra 6,9% do Dow Jones e 6,2% do S&P 500.

Você deve estar perguntando, quem são os Dogs de 2018 (dados de 31/12/2017)?

  1. Verizon (NYSE:VZ) => Yield de 4,46%
  2. IBM (NYSE:IBM) => Yield de 3,91%
  3. Pfizer (NYSE:PFE) => Yield de 3,75%
  4. ExxonMobil (NYSE:XOM) => Yield de 3,68%
  5. Chevron (NYSE:CVX) => Yield de 3,45%
  6. MRK (NYSE:MRK) => Yield de 3,41%
  7. Coca-Cola (NYSE:KO) => Yield de 3,23%
  8. Cisco Systems (NASDAQ:CSCO) => Yield de 3,03%
  9. Procter & Gamble (NYSE:PG) => Yield de 3,00%
  10. General Electric (NYSE:GE) => Yield de 2,75%

São empresas grandes, ou blue-chips, algumas com mais de 100 anos de história. Só aí você já tem um bom filtro. Se já não bastasse selecionar dentro do já seleto grupo de 30 ações que compõem o índice, você seleciona aquelas com maior yield. Já embolsa aproximadamente 3,5% em dividendos e ainda compra as empresas que em teoria estejam mais depreciadas. Não que o dividend yield seja o melhor critério para avaliar isso, mas guarda uma certa relação.

Veja, aqui só entram blue-chips. que mesmo sendo companhias enormes, passam por momentos ruins. Uma delas que tenha tido um ano ruim, acaba tendo elevado o seu dividend-yield, lembrando aqui que muitas dessas empresas também são Aristocratas de Dividendos.

Então, o que geralmente acontece é que após terem um ano ruim e as ações caírem, a empresa se recupera no ano segue e apresenta uma forte alta no preço da ação. Foi o que aconteceu com a Intel em 2014. A ação subiu 40% por uma recuperação no mercado de PCs e esperança de que iriam entrar no mercado móvel. Um ano antes, em 2013, a Hewlett-Packard praticamente duplicou de preço devido ao sucesso de sua reestruturação.

Uma variação dessa estratégia é chamada Small Dogs. Ela seleciona as 5 ações de menor preço dentre aquelas dos Dogs. Para 2018, fazem parte deste grupo Verizon, Pfizer, Coca-Cola, Cisco Systems, General Electric. A implementação é a mesma, selecionar as ações e rebalancear nas viradas de ano. A estratégia Small Dogs tem batido os principais índices e a estratégia Dogs of The Dow nas diversas janelas de estudo, 3, 5, 10 e 16 anos até 2016. O retorno composto de 2000 a 2016 foi de 10,4% ao ano.

Conclusão

Essas foram as últimas 3 formas incomuns de selecionar ações. Espero que elas tenham-lhe mostrado novos ângulos que facilitem seu trabalho ao montar um portfolio de investimentos internacionais.

Se ficou alguma dúvida, basta usar a área de comentários abaixo ou entrar em contato.




Facebook
Google+
Twitter
LinkedIn
Pinterest

Este post tem 11 comentários

  1. Brilhante forma de estudar aquisições, fugindo do estouro da manada. Parabéns!

    1. Investidor Internacional

      Olá hogo,

      Verdade. Situações especiais fogem do movimento do mercado como um todo. O que é importante num momento de mercado tão esticado como agora.

      Abçs!

  2. Caro II,

    Texto primoroso e extremamente útil, como sempre :).

    Obrigada!

  3. Parabéns pelo texto. Sempre nos ajudando a evoluir quando o assunto é investir. Abs

  4. Petter Lynch fala das empresas em recuperação. Sai de GE em 22$, chegou a 13$ e estou de olho em 11$. Poderá ser um ótimo exemplo de recuperação/turnaround. Ela tá citada aí no Dogs of the dow.

    1. Investidor Internacional

      Olá BPM,

      Se é pra seguir uma estratégia que a siga completa. Comprar só uma das empresas pode ser mais arriscado.

      Você chegou a ler sobre algum projeto de recuperação da empresa?

      Ela está em U$ 13 e a média móvel de 200 dias está acima de U$20. Não vislumbro uma recuperação tão cedo.

      Abçs!

  5. Ela ainda não apresenta uma melhora a curto prazo. As tentativas de projeto de recuperação tem dado errado, de qualquer maneira é bom o acompanhamento.

    Conforme eu for analisando vou postando no blog. É que agora to sem tempo.

    Abraço.

Deixe uma resposta

Posts mais lidos

Fechar Menu