O sistema de castas no Brasil

Castas no Brasil

No Brasil, todos são iguais, mas alguns são mais iguais que outros

Eu mal assisto televisão, mas para escrever este artigo não pude me esquecer de que há 9 anos (lembrei graças ao Google), passou uma novela chamada Caminho das Índias. Não sei se você se lembra, mas uma das coisas que mais chamou a atenção na história foi a revelação, para o público brasileiro, do sistema de castas que tem vigorado na Índia há milênios.

De forma simples, as castas são divisões sociais, que separam cada indivíduo em seu determinado nível desde o nascimento até a sua morte. Essa sociedade hierarquizada segue preceitos tanto religiosos, quanto hereditários e mesmo tendo sido abolido pelo governo em 1947, o sistema permanece sendo adotado pela população.

As quatro castas prinicipais na Índia são, da mais alta para a mais baixa: os brâmanes (composta por filósofos e sacerdotes), os xátrias (formada por políticos e militares), os vaixás (composta por empresários e comerciantes) e os sudras (formada pelos trabalhadores braçais). Existem também aqueles que não se encaixam em nenhum das castas. São chamados de párias, dálits ou intocáveis.

Os dálits são um grupo de mais de 300 milhões de pessoas que são impedidas de se relacionar com os demais, não podem usar as mesmas fontes de água dos outros e ficam relegadas aos trabalhos mais degradantes sem condições mínimas de limpeza e higiene.

O que o Brasil tem a ver com isso?

É muito fácil identificar esse tipo de coisa e achar um absurdo quando está oficializado e em outro lugar no tempo e no espaço. O problema é conseguir identificar e achar que é um absurdo e promover mudanças quando você está inserido dentro desse sistema.

Vejo o Brasil hoje claramente dividido em dois grupos bastante distintos, a casta superior formada pela elite político-jurídica-militar-empresarial e a casta inferior formada pelos demais cidadãos.

São muito claros os privilégios que essa elite possui por dominar o estado, seja diretamente, ocupando funções-chave na estrutura estatal, seja através de relacionamentos ou lobby com os detentores do poder.

Ela não segue as mesmas regras que nós estamos acostumados a seguir. É mundo à parte, onde as leis são diferentes e os benefícios concedidos aos montes. Aos demais cidadãos, só resta pagar a conta dessa fartura toda.

A casta superior

O judiciário

Os mais privilegiados da casta superior brasileira são os membros do judiciário. Veja alguns dos benefícios de ser juiz, desembargador ou ministro dos tribunais brasileiros, lembrando que o salário inicial da carreira de juiz é em torno de 27 mil reais:

  • 2 meses de férias + emendas de feriados + recesso de final de ano
  • auxílio moradia (cerca de 4.300 reais)
  • auxílio alimentação
  • auxílio saúde (em alguns estados)
  • auxílio educação (em alguns estados)
  • auxílio transporte (no Rio de Janeiro)
  • indenizações
  • gratificações

O salário por si só já é excelente e fica claro o abuso de acrescentar penduricalhos para furar o teto máximo pago ao funcionalismo público. Sem contar que muitos benefícios podem até ser concedidos de maneira retroatrativa, levando-os a receber uma bolada milionária em uma tacada.

É comum ver remuneração de juízes e desembargadores superarem os 70 mil reais mensais, sendo que o Tribunal de Justiça do Mato Grosso do Sul pagou em média 95 mil reais mensalmente aos seus juízes em 2016.

Não é negar que o trabalho desses profissionais é diferenciado e requer boa remuneração, mas o que estamos vendo é abuso em cima de abuso que os tiram totalmente da realidade do país. Um salário perto dos 30 mil reais é mais do que suficiente para pagar todas as contas e atrair pessoas competentes para a carreira.

É preciso lembrar ainda que 100% das receitas do estado é tomado de forma coercitiva dos cidadãos, particularmente os mais pobres, e é esse dinheiro que termina bancando isso tudo.

Também não se pode esquecer da grande “punição” que os juízes recebem quando cometem alguma infração, que é a aposentadoria compulsória. Ele é impedido de trabalhar, mas continua sendo bancado pela casta inferior. É a punição dos sonhos de qualquer infrator e precisa ser urgentemente revisada.

Se você acha que é exagero dizer que o judiciário é uma casta à parte, acima do bem e do mal, leia essa defesa bastante extensa dos privilégios feita por um juiz. Assim como eles existem outras classes cujo trabalho vai muito além do padrão “carteira assinada”, com exposição a risco de morte e altíssima responsabiliade e nem por isso médicos, policiais e bombeiros ganham essas fortunas no serviço público.

Os militares

Outro grande privilégio que une agora o judiciário aos militares é questão das pensões. Graças a leis antigas, as filhas solteiras de desembargadores e militares recebem uma pensão vitalícia por ocasião da morte do pai. Em relação aos militares, a lei foi extinta por uma medida provisória no ano 2000, mas continua valendo para quem ingressou na carreira antes daquele ano. Segundo a Istoe, existem cerca de 20 mil mulheres nesta condição a um custo anual de 5 bilhões de reais. Essas “filhas solteiras” acabam se casando na prática, mas nunca registram o casamento em cartório para não perder o privilégio.

Já em se tratando de previdência, não entrarei no argumento descabido de alguns portais, como o dito no texto abaixo:

Para se ter ideia, conforme dados do IBGE de 2016, enquanto o benefício médio pago pelo INSS é de R$ 1.862, um aposentado do Congresso ganha, em média R$ 28.527, e do Judiciário, R$ 25.832.

É óbvio que os benefícios serão maiores onde os salários e as contribuições são maiores. O que deveria valer para a aposentadoria é o valor total e individual das contribuições.

Os militares pagam um valor menor para a previdência (patentes iniciais nem chegam a pagar), mas por outro lado não mais se aposentam, vão para a reserva com 30 anos de carreira. Ficam à disposição, mas recebendo a aposentadoria da previdência social.

É obviamente uma situação diferente e que deveria ser tratada à parte, em um sistema separado dos civis e de preferência semelhante às previdências privadas, onde cada um tem a sua conta.

Eu entendo todas as peculariedades, riscos, insalubridade e demais situações específicas da carreira militar, mas elas já teriam que estar embutidas no valor do salário. Ficar criando compensações e misturando a previdência deles com a dos demais cidadãos é injusto e transfere o prejuízo para os outros.

Os políticos

Agora falando dos políticos, acho que é possível até escrever um livro falando de todos os benefícios especiais que eles se deram o direito de ter. Exatamente, eles são tão poderosos (assim como o judiciário) que escolhem e votam eles mesmo aquilo que querem receber. Inclusive os deputados estaduais paulistas recentemente esfregaram na cara dos pagadores de impostos um aumento do teto salarial de 21 mil para 30 mil. Quase 50%!

Agora veja o salário dos políticos na esfera federal:

Salário de senador e deputador federal: 33 mil reais

Salário do presidente da República, vice-presidente e ministros: 31 mil reais.

Além dos salários, que já são bons, vêm de brinde as regalias, que são ainda maiores e custam uma nota para o povo:

Regalias dos senadores:

  • auxílio-moradia
  • verba de gabinete
  • ressarcimento ilimitado de gastos com saúde no Brasil para si, cônjuge e dependentes de até 21 anos
  • verba indenizatória
  • verba de transporte aéreo
  • celular ilimitado
  • veículos com motorista e cota de combustível
  • cota de impressão na gráfica do senado

Somando tudo passa de 165 mil reais por mês.

Os outros cargos, incluindo aí as esferas estadual e municipal também são cheios de regalias e benefícios, tudo bancado pela casta inferior dos pagadores de impostos. Alguns desses benefícios são bem malandros para dizer o mínimo, como o salário-esposa e o auxílio-paletó.

Isso sem contar o foro privilegiado, que cria em laços fraternais entre os políticos e as últimas instâncias da justiça. Isso permite que desembargadores e ministros “esqueçam” na gaveta os processos do políticos amigos e agilizem os “habeas corpus” e recursos dos camaradas presos. Muito diferente de nós, que temos que esperar anos e até décadas para a justiça tomar uma decisão.

A elite empresarial

Por que eu incluí a elite empresarial nesta casta? Porque eles também não seguem as mesmas regras dos demais mortais do andar de baixo.

A tabelinha entre ela e os polícos termina em:

  • contratos bilionários para obras públicas
  • perdão de dívidas e multas com a União
  • benefícios tributários específicos
  • fechamento do mercado para concorrentes
  • resgate com dinheiro público em caso de falência

Que tal essa notícia de que o falido estado do Rio de Janeiro concedeu 25 bilhões de reais de isenção fiscal para um grupo seleto de 50 empresas entre 2007 e 2010? Ou a de que a mudança no padrão de tomadas do Brasil, que gerou um custo de 1,4 bilhão de reais e favoreceu uma empresa francesa, que era a única a deter o processo de fabricação desse modelo de tomada.

A casta inferior

Todos nós que pagamos quase 100 impostos diferentes e não recebemos nada de útil em troca. Que somos obrigados a pagar uma previdência para ver as regras mudarem no meio do jogo. Que passamos por dezenas de processos burocráticos e pagamos diversas taxas para poder trabalhar. Que somos desarmados e expostos à violência diariamente.

Conclusão

Eu sei que existem juízes e desembargadores que leem o site e são pessoas inteligentes o suficiente para saber que a coisa saiu do controle e que na outra ponta existe um povo que vive na penúria e é esfolado diariamente pelo estado.

As leis e regras devem ser mais homogêneas para todos e não favoráveis àqueles que têm maior poder de decisão. Inclusive não deixa de ser irônico perceber que muitos defensores do estado acreditam que ele sirva para transferência de renda dos ricos para os pobres, mas na prática é a transferência de renda dos pobres para os mais poderosos.

Que sirva de lição o exemplo da Suécia, onde os políticos não são tratados como excelências e o sistema funciona muito bem.

O nível de insatisfação do povo com esses privilégios passou dos limites. Pessoalmente, eu não encontro ninguém que seja a favor disso. Resta saber se a casta superior reconhecerá esses abusos e tomará medidas ou o povo terá que se levantar contra ela.

Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Este post tem 37 comentários

  1. Avatar

    Estou acostumado a ler tanta asneira sobre este assunto na mídia que confesso que esperava MENOS deste artigo. Parabéns por abordar este tema complexo com uma precisão muito acima da média em um artigo curto!!!!

  2. Avatar

    A solução seria os políticos, militares e judiciário irem para o teto da previdência, simples. Nenhum funcionário público poderia ganhar na aposentadoria acima do Teto da previdência ou seja, 5 mil reais.

    1. Investidor Internacional

      Olá Antonio,

      Como eu falei, nos cargos públicos o desconto de previdência é bem maior e equivalente ao salário.

      O problema são os extras, como bônus, auxílios, subsídios, vantagens, etc.

      O correto seria cada um fazer a sua própria previdência.

      A imprensa é bem sacana perseguindo o Sérgio Moro, mas o holerite dele mostra bem isso. À propósito, se houvesse mais juízes como ele, valeria muito a pena pagar esses valores. Só o que o Brasil economizaria com a redução da corrupção seria muito maior.

      Abçs!

  3. Avatar

    O artigo esta muito bem escrito, porém, quando se fala em judiciário, leia-se “juízes”, não corresponde ao judiciário que é composto de funcionários públicos que participam de um concurso público difícil para carregar o piano, e que também pagam uma previdência diferenciada, bancando com quase 25- 30 por cento de seus salários e tendo sido prejudicados com mudanças previdenciárias e em sua imagem durante os últimos anos. Os funcionários públicos em geral, os concursados, infelizmente pagam pelos que infelizmente também entram de forma irregular, algo muito difícil de controlar, e que tira as vagas dos que buscam nessas carreiras uma forma de levar uma vida mais estável do ponto de vista econômico. E, tudo isso chama-se politica,e, quanto mais o povo for mal preparado em função da escolaridade, mais difícil sera chegarmos a uma situação similar aos países desenvolvidos. Também não é a toa que a profissão de professor se tornou muito valorizada nos países de primeiro mundo. Também foi desconsiderado que a população mais humilde cresceu consideravelmente com os bolsas famílias, acarretando um ônus desmesurado para a classe pagadora de impostos, e também deixou de considerar os auxílios reclusão, que deveriam ser computador como da maior elite do sistema de castas do Brasil.
    Grata!

    1. Investidor Internacional

      Olá Márcia,

      Exato, o foco era na classe de juízes, desembargadores e ministros das instâncias superiores.

      O desperdício de dinheiro por parte do estado é um fardo enorme para nós, pagadores de impostos. Aí entra tudo, milhares de cargos comissionados, assistencialismo para compra de votos, cobrir rombos de estatais ineficientes, etc.

      Se todas as estatais forem privatizadas, o Brasil zera a dívida. É tão simples, mas existem muitos interesses por trás.

      Abçs!

  4. Avatar

    Você se esqueceu dos professores. Isso mesmo. Mulher se aposenta com 25 anos de serviço. Acumulam duas aposentadorias.

    1. Investidor Internacional

      Olá Paulo,

      Por isso eu acho que a previdência deveria ser extinta e trocada por previdência privada individual aliada a seguros ao gosto do freguês.

      Abçs!

  5. Avatar

    Olá II,

    Parabéns pelo excelente post.

    Deveriam tirar essas mordomias dessas pessoas. Já tem o salário alto e ainda recebem auxilio de um monte de coisa. Isso chega a ser contraditório.

    Abraços.

    1. Investidor Internacional

      Olá Cowboy,

      Pra que complicar, se é possível simplificar?

      O Brasil se tornou um Frankenstein, porque se faz remendo em cima de remendo.

      Abçs!

  6. Avatar

    Primeiramente, parabéns pela colocação das palavras! texto bem lúcido.

    Que o combate não leve as pessoas a polarizar-se por qualquer razão, seja ela politica, social, racial, gênero, misoginia ou financeira no sentido de preconceitos.

    A maior arma que temos nas mãos contra esses privilégios, regalias e benefícios é o estudo. Com ele podemos fazer escolhas diferentes do qual tantos indivíduos já citados aqui nesse texto fazem.

    Fazer a escolha certa mostra que acima de tudo você respeita o próximo. Mesmo que ele não faça jus para ser respeitado, nesse momento se colocar no lugar do próximo é fundamental, pois mostra que você pensa, que tem consciência e também que ama o próximo.

    Deixar as emoções de lado e principalmente ser ético consigo mesmo e escolher pelo certo, mostra que estamos no caminho certo! Se tornando melhor a cada dia! A cada dia uma escolha e que essa renuncia seja as corretas, visando o objetivo de fazer sempre o certo para não prejudicar ninguém.

    E não ser passivo de tais praticas inescrupulosas e de preconceito com qualquer ser humano (sei que essa parte não tem a ver com o texto, mas é sempre bom enfatizar o que é importante).

    Se cada um de nós fizer corretamente nossas escolhas, essas castas talvez não existiriam! Mas focando na realidade atual do país, vamos focar em nós mesmos e se perguntar “os meus atos são prejudiciais ao próximo ? acredito que certas perguntas são cruciais.
    Acima de tudo que tenhamos mais consciência de nossos pensamentos e atos, que tenhamos em menta a partilha, comunhão com o próximo e por fim que amai-os como a ti mesmo e não serás falso com ninguém.

    Compreender que somos humanos, aprender com os erros, ter a meta de ser melhor a cada dia, querer e ser parte de uma utopia de esperança incessante de um mundo melhor, onde a mudança começa em si e alcança o mundo! Parece muito bonito sim tal visão, mas ela pode ser colocada em pratica, pois todos nós podemos mudar, pra melhor claro.

    É isso,
    Obrigado!
    Abs.

    1. Avatar

      Excelente colocação! Educação que enfatize também o lado moral e ético dos seres humanos. O futuro é do setor terciário, prestação de serviços, assim a educacao como um todo deverá ser repensada para criarmos uma humanidade com inteligência emocionaL, que nos conduzirá a um planeta melhor, não apenas pensando em nosso pais, já que num mundo globalizado somos sujeitos a interferências fortes da conjuntura internacional, .principalmente do cambio, que também nos faz mais pobres.

  7. Avatar

    Leiam os Livros “Brasil Federalista, Mutualista e Unicameral. Servidor Público de Carreira”. “Mutualismo para um Mundo Melhor. Capitalismo do Povo”.

  8. Avatar

    Excelente análise!

    Na verdade a primeira casta, o Judiciário, recebe alta remuneração e benenfícios justamente para fazer vistas grossas, como vem fazendo. Recebem por assim dizer um Cala Boca substancial para deixar como está.

    Infelizmente pelas vias constitucionais e do voto nada disso vai mudar.
    É necessário encontrar um outro caminho e acabar com estes absurdos.
    O que podemos fazer??

    1. Investidor Internacional

      Olá Paul,

      O que me revolta é saber que as pessoas que tem o poder em mãos sabem muito bem o que precisa ser feito para o país funcionar, mas pensam muito mais em si mesmas do que no bem-estar do país.

      E outra, se deixassem o país funcionar, seríamos tão mais ricos que os mesmos poderosos poderiam ganhar bem e viver em um país melhor.

      Abçs!

  9. Avatar

    E mais um detalhe sobre os militares: vão para a reserva na patente acima da que tinham na ativa, ou seja, ganham na reserva mais do que ganhavam na ativa, com base num cargo que não conquistaram por mérito quando na ativa… abs

    1. Investidor Internacional

      Olá Guilherme,

      Eu já atualizei essa informação. Segundo um militar que entrou em contato comigo:

      ” Art. 62. Não haverá promoção de militar por ocasião de sua transferência para a reserva remunerada ou reforma.”

      É o que eu costumo dizer, é tanta lei e tanta alteração de lei, que é difícil saber o que está valendo.

      Abçs!

  10. Avatar

    Prezado II, por experiência própria verifiquei tudo o que foi descrito. Sempre que me deparo com alguém em posição de destaque, criei o hábito de pesquisar o relacionamento da pessoa. Amigos e parentes se tornam consultores, presidentes de instituições, diretores, etc. posições nunca ocupadas por pela casta inferior. Com as bênçãos da elite o risco para empreender não existe.

  11. Avatar

    Excelente artigo! Infelizmente nossa população mais carente, menos instruída não tem a menor noção de tudo isso. Além de sermos um povo pacífico. O que mais se ouve é: “fazer o que né, temos que trabalhar”. Enfim, o brasileiro é totalmente conformado com tudo isso, não se revolta contra nada. A maior preocupação é a seleção brasileira, o Neymar e seus tombos. Aliás também anda dando tombo no imposto de renda. Não vejo nenhuma perspectiva de melhora nesta situação no Brasil. De cima para baixo jamais virá, ou alguém acredita que os privilegiados vão retirar os seus próprios privilégios? Se não partir de baixo para cima, da sociedade que trabalha, e essa sociedade não são só os empregados, somos todos nós, empregados, autônomos, pequenos e médios empresários que também sofrem com os seus negócios, se não houver um movimento nesse sentido, nada mudará. Seremos eternamente explorados pelo Estado. E lembrando que os representantes do Estado são eleitos por todos nós que bancamos esses privilégios. Chegamos num ponto onde ou mudamos o Brasil, ou mudamos do Brasil! Na minha idade, já estou cansado de tudo isso. O Brasil já cansou!

  12. Avatar

    Olá, II.
    Acho um pouco injusto colocar os militares no “mesmo balaio” de políticos e juízes. Como vc bem cita no texto, a realidade militar é bem distinta da maioria das profissões e a compensação financeira não ocorre na proporção das restrições que temos que vivenciar devido a nossa escolha. Se fizer uma pesquisa no portal da transparência, verá que o salário dos militares é o menor e mais defasado em comparação com qq outro servidor federal de mesmo nível, que muita das vezes desempenha uma atividade burocrática com hora pra entrar e sair. Um General de Exército, posto máximo na instituição e de enorme responsabilidade, sai ganhando próximo de 20 mil reais, bem abaixo do salário inicial de um juiz. E vale salientar que a quantidade de generais é muito pequena em relação ao efetivo total das FFAA (no EB, 150 generais para 230 mil militares)
    Os militares não recebem hora extra, fgts, trabalham em regime de disposição integral (basta ver os constantes acionamentos em casos de calamidade pública ou greve de policiais, que, assim como nós, não poderiam fazer greve…), são transferidos à revelia para qualquer lugar do país e, na enorme maioria das vezes, sem direito a imóvel nem auxílio moradia (ou seja, somos obrigados a nos mudar e ainda temos que pagar o aluguel em cidades com custo de vida altíssimo como Manaus,RJ, SP, Porto Alegre… ).
    Cabe uma pesquisa sobre nossa” previdência militar”, anteriormente chamado montepio. Tínhamos algo como uma previdência privada só nossa. O que fez o governo? Se apropriou da mesma, óbvio!
    As pensões vitalícias para as filhas realmente não fazem sentido, mas já fizemos o dever de casa e reformamos nossos regulamentos em 2000. A pergunta é: só os militares vão fazer o sacrifício no âmbito do governo federal?
    Entendo que, aos olhos do leigo e insuflada pelas matérias tendenciosas e revanchistas da mídia, nossa profissão pareça “privilegiada”. Mas basta fazer um estudo sobre qualquer carreira de Estado no Brasil e no mundo que se verá que tratar os militares brasileiros como “casta superior” é no mínimo covardia.
    Não quero parecer insensível, sabendo que a enorme maioria do nosso povo vive em condições deploráveis, mas não é puxando todos pra baixo que vamos conseguir uma sociedade mais igualitária.
    Desculpe o tom de desabafo e parcialidade, mas às vezes só quem está dentro da estrutura pode passar informações mais confiáveis sobre a realidade dos fatos.
    Abraços a todos e sucesso na jornada rumo à independência financeira!

    1. Investidor Internacional

      Olá Jefferson,

      Você está certo e fico feliz de ler seu comentário.

      Como você bem falou, a carreira militar tem diversas peculiaridades, que as demais não tem e o valor salarial inicial dos militares é bem mais baixo e não se compara com o de juízes e políticos. Também não acho que tenham tanto de decidir sobre a própria remuneração como os demais.

      Na minha opinião, esse sistema de previdência que a maioria dos países usam é um modelo falido que irá se tornar cada vez mais insustentável. O problema é que os governos vão passando e mudando as regras cada vez mais e criando Frankensteins. No caso dos militares, existe uma desproporção muito grande entre o que é arrecadado e o que é pago e foi em razão disso que entrou no grupo.

      O que eu vejo no sistema de funcionalismo público e que não me agrada, são os extras em relação ao salário. Acho que muitos deles são para burlar tetos e esconder a real remuneração da categoria.

      Qualquer diz eu faço um texto sobre a minha reforma trabalhista. Eu não preciso de mais de 1 página para escrever todas as leis trabalhistas que o Brasil precisa.

      Abçs!

      1. Avatar

        É isso aí, II!
        Essa pirâmide financeira disfarçada de previdência não tem como dar certo. As constantes mudanças só geram mais insegurança pra quem realmente pretende planejar sua aposentadoria.
        O ideal seria que cada pessoa fosse responsável pela sua reserva, mas isso depende de educação financeira desenvolvida e educação de qualquer tipo no Brasil sempre foi daquele jeito… Tenho me dedicado a aprender em várias fontes, inclusive seu excelente blog, e tentar espalhar essa urgência de tomar as rédeas das próprias finanças para o máximo de pessoas a minha volta.
        Também compartilho contigo da ideia de acabar com os “penduricalhos” e não compactuo com a mania que nosso povo tem de querer dar jeitinho pra tudo e preservar seus privilégios em detrimento de todo o resto. Deveríamos sempre primar pelo princípio da simplicidade: remunerações justas e regras transparentes e estáveis.
        Grande abraço!

        1. Investidor Internacional

          Olá Jefferson,

          Exato. Cada um deve ser responsável por si só e as regras deveriam ser simples e transparentes.

          Abçs!

  13. Avatar

    A República acabou, o temos hoje é um Estado parasita….Já temos um Estado Comunista, com o povo na miséria e os amigos do rei ricos graças ao dinheiro roubado da população.

  14. Avatar

    Muito bom texto, resume muito bem as castas! Eu restringiria a questão militar a previdência, pois a carreira em si não acho que seja uma casta, nem detentora de altos salários.

    Um dado muito interessante do judiciário para quem fica defendendo que a remuneração é justa é pegar o gasto do poder como um todo em relação ao PIB. No artigo do http://observatory-elites.org/wp-content/uploads/2012/06/newsletter-Observatorio-v.-2-n.-9.pdf , ainda que seja de 2014, dá pra ver na página 4 o absurdo que é esse poder. O gasto de 1.3% do PIB, nenhum outro país civilizado chega nem nos 0.4%. E ainda temos um judiciário extremamente lento e abarrotado “por falta de mão de obra”.

    Ou seja, qual o problema do judiciário, seria benefícios, os altos salários dos magistrados, excesso de servidores técnicos-administrativos? Não sei, só sei que a conta tá absurdamente acima do aceitável. Esse artigo mesmo mostra que o número de juízes não é grande, ou seja, existe sim uma ineficiência pública desproporcional.

    1% do PIB só pra alimentar os privilégios dessa casta…

    Daí no final das contas restringe-se investimentos em educação, saúde e segurança como um todo (o MEC não gasta nem 2mil reais por ano por aluno em ensino médio, nenhuma escola funciona com um valor assim) para alimentar as castas superiores, e não entendemos por que o país não sai do buraco…

    1. Investidor Internacional

      Olá Roberto,

      Você tem razão, o privilégio dos militares está restrito à previdência.

      Quanto ao judiciário, seria possível pagar salários realmente bons a juízes, promotores e desembargadores (sem falir o país), se as regras fossem as mesmas que as dos demais trabalhadores e se o estado fosse enxugado como um todo, com privatização de todas as estatais e fechamento de órgãos inúteis.

      Abçs!

  15. Avatar

    Investidor Internacional,

    Excelente post, ainda mais em ano eleitoral. Gostei também dos comentários, que enriqueceram muito o tema.

    “…fica claro o abuso de acrescentar penduricalhos para furar o teto máximo pago ao funcionalismo público.”
    Sempre o “jeitinho brasileiro” em ação, proporcionando mais vantagens do que seria correto e ético.

    Um senador = 165 mil reais por mês – Absurdo!
    Um trabalhador que ganha 1 salário mínimo demora quase 15 anos para ganhar essa quantia.
    Bom exemplo o da Suécia. Não é à toa que é um país de 1º mundo.

    Considerando todos os fatos descritos no post, a conta nunca vai fechar – a não ser com aumentos constantes da carga tributária ou a má vontade na correção da tabela de IR.

    Abraços,
    Simplicidade e Harmonia

    1. Investidor Internacional

      Olá Rosana,

      Obrigado por comentar.

      Também fiquei surpreso e feliz com os comentários e com os e-mails recebidos.

      É um assunto difícil de lidar e acho que ele está envolvido na distorção que o estado provoca na sociedade.

      Abçs!

  16. Avatar

    Olá Investidor Internacional!

    Também não concordo em colocar os militares pelos motivos tão bem colocados no comentário do Jefferson. Que bom que hoje em dia as pessoas estão percebendo a verdade a respeito dos baixos salários dos militares.

    Você só esqueceu de mencionar a casta dos donos de cartórios. Ganham absurdos (mais de 50 mil) para prestarem um serviço burocrático. Os próprios donos de cartório já são de uma casta (advogados). Por que não poderia ser de qualquer profissão para ser dono de cartório? Conversei com alguns funcionários de um cartório aqui no Rio e ouvi dizer que os donos nem comparecem ao cartário, apenas duas vezes por mês. Outro funcionário do cartório me disse que uma promotora deixou o cargo porque passou no concurso de tabelião, o motivo já sabemos né, um negócio muito lucrativo.

    Esqueceu também de mencionar a casta do funcionários públicos comissionados (e não os concursados), que entram no serviço público por indicação política (são verdadeiros cabos eleitorais no Brasil) e já são mais de 100 mil cargos comissionados atualmente!!! Um verdadeira festa com dinheiro público.

    Abraços

    1. Investidor Internacional

      Olá Hank,

      Ótimas colocações. Você e o Jefferson tem toda a razão.

      Os salários dos militares são bem abaixo dos demais e o privilégio é só na previdência.

      Cartório realmente poderia ser colocado. São mantido por leis que geram burocracia desnecessária.

      A blockchain e os sistemas de identificação digitais têm potencial para substituir todos os cartórios do Brasil, mas vai ter gente defendendo o sistema com unhas e dentes.

      Abçs!

  17. Avatar

    Quem sabe quando tantas pessoas deixarem de brigar para defender políticos – “ah, aquele é o que tirou X milhões da pobreza, aquele outro me deu uma dentadura”, e passemos a exigir de verdade o fim dessa canalhice toda, quando começarmos a nos preocupar um pouco mais com ensino e desenvolvimento, quem sabe assim as coisas comecem a melhorar no Brasil.
    Acontece que boa parte do povo brasileiro sonha é em arrumar um emprego cheio de privlégios, é a velha mentalidade de “farinha pouca, meu pirão primeiro” e parece que fazem questão de ignorar que quem paga essa corja toda é o dinheiro dos impostos, portanto, acordem, gente, quem paga a conta no final sou eu, você, ele… Quanto mais privilégios essa raça desfruta, menos escolas, menos médicos, menos policiais nós temos.
    A menos que isso não faça diferença para vocês, se for assim, então sejam felizes na terra natal da esperteza, ou seja, o Brasil.
    E por favor me convençam que estou errado.

Deixe uma resposta

Posts mais lidos

Fechar Menu