Como investir em Segurança Cibernética

Segurança cibernética

Como investir dentro do contexto na nova Guerra Fria

Há 30 anos começava a derrubada do muro de Berlim e se antes a polarização do mundo se dava entre Estados Unidos e União Soviética, agora uma nova força passou a rivalizar com os americanos. Trata-se da China, mas ao contrário das tensões militares de outrora, o campo de batalha agora se dá em outro plano, o da tecnologia.

Se de um lado temos a diplomacia clássica e a geopolítica como forma de debate dos interesses de diversos países, na outra ponta temos os conflitos armados e intervenções militares. No meio de tudo isso, uma zona nebulosa onde se encontram as sanções comerciais, os serviços de inteligência, as intervenções civis e as diversas formas de propaganda.

Dentro desse contexto e de um mundo altamente conectado, as invasões cibernéticas possuem alta relevância. Não é à toa que nestes últimos meses, todas as atenções se voltaram para a guerra comercial travadas entre China e Estados Unidos, tendo a gigante chinesa da tecnologia Huawei no centro do conflito.

Novos players

Por mais que Estados Unidos e China chamem a atenção e polarizem essa batalha, não podemos nos esquecer de outros países que fazem o uso de ataques cibernéticos. A Rússia continua com os serviços de inteligência atuando agora no mundo digital. O Irã utiliza como meio de sabotar as petrolíferas e empresas de energia que atuam no Oriente Médio e a Coreia do Norte usa de diversos artifícios para burlar sansões comerciais.

Estima-se que o custo dos ataques cibernéticos custe em torno de 1,5 trilhão de dólares ao ano e este valor tem subido sempre.

Seja por meio de sabotagem, roubo de propriedade intelectual ou de novas tecnologias, esse novo campo de batalha tem sido cada vez mais usado. Em junho de 2019, deu-se a notícia de que os Estados Unidos haviam implantado malware no sistema de energia da Rússia. Isso provavelmente veio como resposta de diversos ataques vindo da Rússia com foco no sistema de energia elétrica dos Estados Unidos.

Estudos mostram que pelo menos 100 companhias de energia em diversos países tenham sido alvos de hackers nos últimos anos, que mostraram vulnerabilidade nos sistemas de comando.

Não só as empresas de energia elétrica, mas diversas outras têm sido atacadas com constância. Quem não se lembra do ataque a Sony Pictures em 2014, quando diversos terabytes de informação interna da empresa foram roubados e parte deles divulgado na internet?

Quais as implicações?

Esse conflito cria uma série de entraves nos negócios de diversas empresas. A Huawei, por exemplo, possui quase 100 fornecedores de peças. 1/3 são empresas americanas, 1/5 são chinesas e as outras são coreanas, taiwanesas, alemãs, entre outros. Da mesma forma acontece com a Apple e a Samsung para ficar entre as mais conhecidas. Qualquer empresa dessas que sofrer algum tipo de retaliação impacta a cadeia toda em diversos países.

A China investe pesado em semicondutores e tecnologias de comunicação. Sabe aqueles deputados brasileiros que foram a China bancados com dinheiro do partido comunista no início de 2019? Então, o objetivo dos chineses é vender a infraestrutura deles ao Brasil.

Em virtude disso, diversas empresas voltadas a segurança cibernética têm surgido com soluções para a proteção de redes e dados. Muitas delas são novas, tiveram IPO recentemente e estão longe de dar lucro.

Quais ações podem surpreender no mercado de Segurança Cibernética?

Algumas das empresas de destaque nesse meio são:

Okta (NASDAQ:OKTA): É uma das empresas que mais têm crescido. Seu forte são as soluções de identificação, um componente central dentro dos sistemas de segurança virtual.

Zcaler (NASDAQ:ZS): É uma empresa de segurança voltada para proteção da nuvem.

CyberArk Software (NASDAQ:CYBR): É uma empresa voltada ao monitoramento e gerenciamento de contas.

Lembrando que não são indicações de compra. Faça sua própria pesquisa antes de comprar qualquer ação.

Conclusão

O segmento de empresas de segurança cibernética é um dos que mais têm crescido no mundo. A nova era das comunicações e a Guerra Fria travada em ambientes virtuais jogaram lenha na fogueira de uma série de startups que lançaram ações nos últimos anos e têm recebido cada vez mais destaque. Resta saber quem, no meio dessa guerra, irá sobreviver.

 

 

 

 

Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Este post tem 8 comentários

  1. Avatar

    Boa Raphael. Excelente post.

    Me parece que CYBR é líder global e tb tem contratos com o governo americano.
    Segurança da informação já é uma realidade e continuará sendo muito demandada.
    Papiro simplesmente não para de subir desde os 40.
    Vendi mês passado nos 129 pensando numa correção mas o balaço disparou de novo.

  2. Avatar

    Ótima abordagem Raphael. Aproveitando o tema de segurança digital gostaria de sugerir aos leitores o uso de um VPN e/ou de um browser focado em privacidade, como Brave ou Tor, visando diminuir nosso rastro digital e a quantidade de dados que fornecemos a terceiros como Google e Facebook sobre nossos hábitos de consumo, localização e até mesmo perfil de renda muitas vezes sem saber ou sem ser avisado.

    Aliás, me parece que a palavra “sansões” passou despercebida pelo seu corretor. No sentido empregado escreve-se com “ç”, por mais estranho que pareça. Grande abraço!

  3. Avatar

    Belo post! realmente uma industria que deve crescer bastante….
    É possivel acompanhar este mercado pelo ETF HACK lá fora

    Abs

    1. Raphael Monteiro

      Olá Samy,

      Sim, mas os ETFs não estão apresentando tanta performance quanto às principais ações do setor.

      Abçs!

  4. Avatar

    Olá, Investidor Internacional.

    Interessante esta matéria. Segurança da Informação é um tema tão antigo quanto a própria internet, mas parece que como muitas outras coisas, é necessário algumas manchetes de jornal pra fazer o povo tomar consciência da necessidade.

    Pessoalmente, neste campo onde eu já atuei, acho que o maior investimento que você pode fazer é em você mesmo: aprenda o básico sobre o assunto, identifique phishing, use um gerenciador de senhas, mantenha seu software atualizado, etc. Não são coisas complicadas, e o seu ganho pessoal é ótimo.

    Acabei de descobrir o seu site, vou explorar mais por aqui. Saudações de outro investidor internacional!

    Abraços e seguimos em frente!

    Pinguim Investidor
    https://pinguiminvestidor.com

    1. Raphael Monteiro

      Olá Pinguim,

      Prazer em conhecê-lo e obrigado por comentar.

      É um assunto bem importante mesmo e todos devemos ficar atentos.

      Abçs!

Deixe uma resposta

Posts com maior repercussão

Fechar Menu