Bank of America

Bank of America

Veja os detalhes do banco preferido do Warren Buffett

Não é toda empresa que consegue figurar no “Top 10 Holdings” da Berkshire Hathaway e Bank of America (NYSE:BAC) não só consegue como vai além. O banco com sede na Carolina do Norte consegue a proeza de ser a segunda maior posição do oráculo de Omaha (12%), somente atrás da Apple (21,5%).

A outra observação antes de entrarmos na operação do banco é que eu consegui abrir uma conta em uma agência do BofA, como é conhecido, durante a minha visita a Nova Iorque em 2018. Tanto a conta, quanto o cartão de débito têm funcionado como deveriam neste mais de 1 ano como cliente.

Bank of America em números

Com origens que remontam ao ano de 1784, o Bank of America é o segundo maior banco dos Estados Unidos e o nono maior banco do mundo com 2,377 trilhões de dólares em ativos ao final do primeiro semestre de 2019.

Hoje, a companhia possui mais de 66 milhões de clientes, 16 mil caixas eletrônicos e 4.300 agências, o que a coloca como uma das líderes do setor bancário americano.

Em termos globais, o Bank of America opera como banco de negócios, middle market e atende grandes corporações e clientes institucionais, com operação em mais de 35 países.

Possui relação com 79% das empresas Global Fortune 500 e 94% das empresas US Fortune 1.000. Possui mais de 650 analistas que cobrem mais de 3.000 ações e mais de 1.100 emissores de Bonds em 54 economias e 25 indústrias.

Em 2018, levantou mais de 731 bilhões de dólares para seus clientes.

A crise de 2008

Nos últimos 11 anos, o Bank of America tem buscado se livrar das desastrosas consequências advindas da crise do subprime que estourou em 2008.

Naquele ano, o banco adquiriu a Countrywide Financial Corp, empresa de financiamento imobiliário com forte exposição ao subprime, e a Merril Lynch, banco de investimento que foi salvo do mesmo destino do Lehman Brothers.

Essas duas aquisições geraram despesas em termos de multas, acordos e exposição a títulos podres da ordem de 200 bilhões de dólares.

O novo CEO, Brian Moynihan, assumiu em 2010 e está sendo o grande responsável pela transformação do banco para um um estilo mais conservador e próximo dos clientes. A ideia-chave é que um banco deve se desenvolver atendendo as necessidades de seus clientes e não procurando investimentos especulativos altamente arriscados.

Uma das medidas está sendo retirar o nome Merril Lynch de algumas divisões e adotar um nome próprio, BofA Securities. Por outro lado, o nome Merril, sem o Lynch, permanecerá em algumas unidades de operação.

Já em termos operacionais, o controle adotado no processo de reestruturação colocou as métricas do banco em conformidade com os últimos acordos bancários (Basiléia III). Um das medidas mais importantes é a razão “Common Equity Tier 1” que mede a relação entre o capital de nível 1 e o total dos ativos ajustados ao risco. O valor do capital CET1 hoje é de 171 bilhões de dólares e a relação CET1 é de 11,7%. O mínimo definido pelo FED é de 9,5%. Em 2010, o Bank of America estava com uma relação de 7,6%, indicando um banco mal capitalizado.

O último teste de estresse, promovido em junho de 2019, que buscava simular as condições do banco sob momentos adversos no mercado mostrou que ele está preparado para suportar revezes na economia. Foi aprovado em todas as linhas.

Os resultados

O Bank of America divulgou os resultados do segundo trimestre de 2019 no dia 17 de julho. O lucro por ação subiu 17% para U$ 0,74. Lucro líquido atingiu recorde de U$ 7,3 bilhões e a receita líquida subiu 2% para U$ 23,1 bilhões. O número de ações caiu 7% graças às recompras.

Em termo de eficiência, o ROA (Return on Assets) atingiu 1,23%, alta de 6 pontos-base. o ROE (Return on Equity) atingiu 11,62%, alta de 87 pontos-base.

Bank of America
Primeiro semestre recorde (pós-crise financeira) para o Bank of America

 

Em uma análise mais longa, vemos como a crise de 2008 afetou os resultados do banco e como ele vem se recuperando desde então:Bank of America

Preço da ação (vermelho), lucro por ação excluindo não recorrentes (azul) e receita (verde)

A ação negocia hoje a um Preço/Lucro de 10,5 e o dividend yield é de 2,34%. A distribuição dos dividendos é trimestral e ele aumentou de 15 para 18 centavos por ação. O próximo pagamento será em setembro.

Um banco digital

Muito tem-se falado sobre a disrupção dos serviços bancários pelos bancos digitais. O Bank of America possui uma plataforma digital que tem crescido ano após ano, seja no número de usuários que acessam via internet ou aplicativo móvel, seja no número de pagamentos e transações efetuadas.

O banco possui ainda o sistema chamado  Zelle® que é responsável por transações pessoa-pessoa, semelhante ao PayPal.

Bank of America
Canais eletrônicos do Bank of America

 

Além disso, possui o sistema CashPro®, voltado para clientes corporativos. É uma plataforma abrangente para gerenciar relações bancárias, efetuar pagamentos, receber fundos, investir excesso de liquidez e visualizar saldos de contas em tempo real. Possui hoje quase 500 mil clientes.

Conclusão

O Bank of America tem tido sucesso no desafio de superar os enormes danos causados pela crise de 2008. A mudança de cultura para um banco mais conservador e disciplinado, que leva a sério a qualidade de crédito e o corte de custos tem dado resultado até agora.

A prova disso é ter conquistado a confiança de Warren Buffett, que entrou no capital do banco em 2011 por meio de ações preferencias e garantias, que acabaram sendo exercidas mais tarde. Hoje, a Berkshire Hathaway tem mais de 29 bilhões de dólares em ações, detendo mais de 10% da empresa e sendo o maior acionista.

Ao contrário de Wells Fargo (NYSE:WFC), que Buffett tem vendido continuamente, o número de ações do Bank of America tem crescido nos últimos trimestres.

Diante disso, as ações do Bank of America são uma das principais opções para quem deseja investir no setor bancário americano, que já passou por diversas crises, mas que agora encontra-se em uma situação bem mais saudável.

 

Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Este post tem 8 comentários

  1. Avatar

    Bom dia, II. Falando no setor bancário o que acha do JP Morgan? No mais o Bofa cada vez mais consolidado nesse segmento.

  2. Avatar

    Pena não permitir que se abra uma conta via on-online

  3. Avatar

    Raphael, boa tarde! Eu já tive uma conta quando morava nos EUA. Há possibilidade de resgatá-la via online?

    1. Raphael Monteiro

      Olá Ildefonso,

      Não sei dizer. Só entrando em contato com o banco para ter certeza.

      Abçs!

  4. Avatar

    Em dez/17 tentei abrir uma conta no BofA e no Chase (do JPMorgan) em Austin-TX, mas me pediram comprovante de endereço e social security number americanos. Somente o WellsFargo aceitou abrir uma conta para mim: em menos de 1h já saí com um cartão provisório e, alguns dias depois, recebi o cartão definitivo na minha casa no Brasil.

    1. Raphael Monteiro

      Olá Jardel,

      Que bom que você conseguiu.

      Essas políticas bancárias estão sempre mudando.

      Abçs!

Deixe uma resposta

Posts com maior repercussão

Fechar Menu