6 dicas fundamentais para começar a investir

Começar a investir

Veja o que todo investidor deve saber antes de começar a investir

A jornada no mundo dos investimentos pode assustar muitos iniciantes, em especial aqueles que começam a investir sem a fundamentação teórica adequada.

Quem adquire o conhecimento correto e desenvolve a disciplina ao longo do tempo tem tudo para colher excelentes frutos. Por outro lado, aquele que não aprende os princípios de investimento e as boas práticas na gestão do dinheiro pode sofrer perdas irreparáveis.

O que você lerá a seguir são 6 dicas fundamentais que todo investidor deve seguir para começar com o pé direito seu caminho para o enriquecimento seguro e sustentável.

Zere as dívidas

De maneira geral as dívidas contraídas no âmbito pessoal costumam ser maiores que a rentabilidade dos investimentos.

Numa consulta que eu fiz descobri os seguintes números referentes a 2020:

Modalidade de créditoTaxa de juros (ao ano)
Cheque especial318,7%
Rotativo do cartão de crédito300,3%
Parcelamento do cartão de crédito175,2%
Crédito pessoal119,5%
Crédito consignado22,5%
Empréstimo com garantia de veículo17,8%
Empréstimo com garantia de imóvel11,8%

Dificilmente um investimento consegue superar com folga essas taxas de juros de maneira consistente, sendo portanto mais importante zerar essas dívidas antes de começar a investir.

Caso não seja possível zerar de imediato, uma alternativa é trocar as dívidas caras por dívidas mais baratas. Neste caso, tomar empréstimo com garantia de imóvel ou veículo e pagar a dívida do cheque especial ou o rotativo do cartão de crédito é uma boa decisão.

Considere os juros de dívida como um sangramento que deve ser estancado antes de você começar a investir.

Tenha um objetivo

Quem não tem uma meta ou objetivo acaba se perdendo pelo caminho. Uma meta bem definida lhe ajuda a tomar decisões pelo simples fato de responder a seguinte pergunta “Essa decisão vai me ajudar a alcançar meu objetivo ou vai me afastar dele?”.

Se você tem um objetivo, seja ele renda passiva, aposentadoria precoce, acúmulo de patrimônio, ele será o seu guia tanto em termos de objetos de estudo, como de escolha dee investimentos. Quem deseja acumular o maior patrimônio possível ao longo do tempo pode se dar bem com uma estratégia de retorno total.  Quem deseja renda passiva pode focar numa estratégia voltada para a coleta de juros e dividendos.

Ter um objetivo definido ajuda também a medir os resultados. O acúmulo de patrimônio é medido pelo total de investimentos acumulados. A renda passiva pela quantidade de dinheiro recebido anual ou mensalmente. No último caso, se no primeiro ano, você recebe 10 mil reais de renda, no segundo recebe 14 mil reais e no terceiro 19 mil reais significa que a sua estratégia está funcionando.

Crie a sua reserva de emergência

Muita gente desdenhava da reserva de emergência até que veio a crise do coronavírus. Se muitos achavam que manter em “caixa” 6 meses de gastos era suficiente, a pandemia que já dura mais de ano veio para tornar isso obsoleto.

Claro que uma pandemia não é algo corriqueiro, mas existem outras questões como o desemprego, problemas de saúde e crises financeiras que podem gerar despesas extras e prejudicar a sua renda por bastante tempo. Portanto, no cenário onde errar pode ser fatal, não é exagero pensar em algo como 3 anos de despesas correntes como valor para a reserva de emergência.

Parte da reserva de emergência pode ser colocada nos ativos brasileiros mais conservadores, como Poupança, Tesouro Direto e Fundos de Renda Fixa “taxa zero” com objetivo de cobrir crises individuais.

Agora um conhecimento que você não verá em nenhum lugar. Uma outra parte deve ser colocada em todos ou algum dos 4 investimentos que se valorizam nas crises, pois eles protegem de crises nacionais e internacionais. Os Bancos Centrais do mundo inteiro têm reservas em Treasuries dos Estados Unidos e ouro. Não há porque ser diferente com você.

Descubra o seu perfil de investidor

O perfil de investidor nada mais é do que a sua tolerância a risco. Os investidores ditos conservadores são aqueles que menos suportam quedas, já os investidores agressivos são aqueles que suportam melhor os momentos difíceis do mercado.

É realmente muito difícil saber isso de antemão sem enfrentar um crash. Por isso, acredito que seja muito prudente começar sendo um investidor conservador e conforme o conhecimento e a experiência evoluem ir tomando mais risco até encontrar o seu ponto de equilíbrio.

Importante lembrar que investimentos conservadores costumam render menos e os investimentos arriscados costumam render mais. O balanço entre esses dois tipos de investimentos é uma tarefa contínua, que deve ser sempre reavaliada.

Perfil de investidor, como falado, também não é algo estático, ele muda inclusive com as fases de vida e situações especiais (de vida ou de profissão) pelas quais você pode passar.

Estude sobre cada tipo de investimento

Você só conseguirá extrair o máximo dos investimentos se conhecer todos os tipos disponíveis. Desta forma, conseguirá escolher melhor não só a sua alocação, como também cada investimento individualmente.

Assim, é possível dividir os investimentos brasileiros em:

Ações

Renda Fixa

Fundos imobiliários

Fundos de investimento

Mercadorias e Futuros

Tudo isso deve ser incluído dentro de um tema maior, que é a Alocação de ativos.

No exterior, há essencialmente os mesmos tipos de investimento:

Ações

REITs

Renda Fixa

Commodities

Criptomoedas

O conhecimento sobre cada um, a alocação adequada em uma carteira aliada a experiência adquirida na volatilidade real do mercado serão fundamentais no seu desenvolvimento como investidor.

Evite a tentação especulativa

Um dos grandes desafios de quem começa a investir é enfrentar a avalanche de promessas de ganho fácil e rápido que vem de todos os lados.

A corretagem zero aliada a home-broker nos smartphones e aos cursos de daytrade que são divulgados nas redes sociais torna realmente muito fácil cair em tentação.

O fato é que daytrade só deve ser feito por operadores altamente preparados munidos de ferramentas que permitam entrar e sair do mercado com o devido controle de risco.

Não só isso, o preparo psicológico para lidar com a volatilidade e os imprevistos que ocorrem diariamente é ainda mais importante e difícil de desenvolver. Sem preparo, disciplina e condições mentais adequadas, a chance de destruir seu patrimônio é grande.

Conclusão

Para iniciar no mercado financeiro e começar a investir com segurança é preciso basicamente atuar nessas 4 frentes:

  1. Estabilidade financeira
  2. Autoconhecimento
  3. Conhecimento sobre investimentos
  4. Investir no que se sabe

Consolidar essas informações e se desenvolver como investidor não é garantia de sucesso, mas lhe coloca em melhores condições de enriquecer a alcançar seus objetivos financeiros.

Aviso: Declaro que não sou analista de valores mobiliários. As informações discutidas no artigo possuem propósito educacional e refletem única e exclusivamente meus estudos, pesquisas e opiniões. Não devem ser consideradas como recomendação de investimento.

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no google
Google+
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn
Compartilhar no pinterest
Pinterest

Este post tem 6 comentários

  1. Manoel

    Boa noite Raphael, boa semana, ótimo artigo, com sempre.

    Obrigado!

  2. Manuel

    Muito seguro, oportuno, não menos pertinente e fortemente real…de facto um artigo verdadeiramente inteligente e preventivo.
    Parabéns pelo escrito Raphael Monteiro.

  3. PAULO ROBETO ARALDI BRANDOLI

    Excelente!

Deixe uma resposta

Posts com maior repercussão