Ações da Stone: como investir?

ações da stone

Conheça a fintech brasileira que é destaque na NASDAQ

A Stone (NASDAQ:STNE) foi fundada em 2012 por André Street e Eduardo Pontes, que já tinham cerca de uma década de experiência no mercado de pagamentos eletrônicos. Ela foi a primeira empresa a desafiar o duopólio até então existente no mercado de adquirência no Brasil (as populares maquininhas de cartão), formado pela Redecard e Cielo.

As ações da Stone entraram no radar de muita gente quando elas foram lançadas na NASDAQ em 2018 e atraíram investidores do porte da Ant Financial (do grupo Alibaba) e da Berkshire Hathaway, que possuía ao final de setembro de 2020 cerca de 4,5% delas.

No artigo de hoje irei contar um pouco dos negócios da Stone, mostrando como ela se encaixa no sistema de pagamentos brasileiros e como ela tem evoluído até aqui.

O negócio da Stone

Como sabemos, o Brasil é um país onde ainda muito se usa dinheiro vivo e a indústria de pagamentos eletrônicos tem se expandido bastante neste meio. A Stone começou com uma empresa de adquirência, mas hoje fornece um serviço completo baseado em nuvem para lojistas e comerciantes de todo o país, permitindo que eles adotem o modelo de comércio eletrônico. São soluções que atuam tanto nas vendas físicas, virtuais ou por meio de smartphones.

A companhia ganha dinheiro ao cobrar tarifas por cada um dos seus serviços, incluindo o processo de pagamentos, financiamento pré-pago, assinatura e aluguel de maquininhas.

Desta forma, a Stone não é apenas uma empresa de adquirência, ela é uma empresa que tenta englobar diversos serviços financeiros oferecidos por meio de tecnologia. Daí vem a tão conhecida palavra Fintech. É algo parecido com o que a Square tem feito nos Estados Unidos.

Segundo o CEO, Thiago Piau, a Stone visa criar 3 negócios altamente sinérgicos sob a sua plataforma. O primeiro seria a plataforma financeira para pequenos negócios, que inclui o processamento de pagamentos, assim como outros serviços financeiros que substituiriam o banco tradicional ou seriam como o “primeiro banco” daqueles que ainda são “desbancarizados”. O segundo seria uma fintech-as-a-service, que incluiria software e outras funcionalidades digitais integradas para plataformas de comércio eletrônico, carteiras digitais, pagamentos, entre outros. O terceiro é resultado da aquisição recém-concluída da Linx (B3:LINX3), que possui um sistema completo de comércio eletrônico voltado para vendedores de todos os tamanhos. As funcionalidades do sistema da Linx complementam sobremaneira o que é oferecido pela StoneCo. É uma aquisição que faz muito sentido.

ações da stone
Fintech-as-a-service da Stone

A intenção de integrar tudo o que uma loja ou vendedor possa precisar é facilmente notada pelos serviços oferecidos pela Stone:

  • O Portal Stone permite que o empresário gerencie tudo de qualquer lugar
  • A Collact foca na realização de promoções e retenção de usuários
  • A raio-x gerencia as vendas de todas as máquinas e audita as taxas
  • A Loan é responsável por empréstimos

Toda essa ampla oferta de soluções e o foco em pequenos e médios negócios tem feito a Stone crescer muito, mesmo em meio à pandemia, como mostram os números abaixo.

ações da stone
Clientes ativos / Volume de pagamentos / Total de receita

 

Mesmo com o impacto da pandemia no primeiro e segundo trimestres, a Stone recuperou muito bem no terceiro trimestre, mesmo se não levarmos em conta o coronavoucher distribuído pelo governo.

Ao contrário de muitas fintechs, a empresa já é lucrativa e o forte crescimento anual de receita, lucro operacional, lucro líquido e lucro por ação pode ser visto na tabela abaixo, extraída do Stock Rover:

Ações da Stone
Números de crescimento da Stone

Conclusão

A Stone é uma empresa que cada vez mais faz parte do dia-dia de compradores e vendedores no Brasil. Suas maquininhas, assim como as da PagSeguro, são as mais vistas (pelo menos por mim!) em pequenos negócios, como lavanderias, lanchonetes, barracas de feira, etc. Eu sempre pergunto para o vendedor o que ele acha do aparelho e dos serviços e não lembro de ter escutado ninguém reclamar. Apenas ouço elogios.

Acredito que a penetração das maquininhas e soluções de gerenciamento de vendas para pequenos negócios é algo que tende a aumentar muito no Brasil. É um serviço que facilita muito a análise financeira. Sem contar na possibilidade da Stone seguir o mesmo caminho do Mercado Livre e se expandir para outros países da América do Sul.

O crescimento forte, mesmo no difícil ano de 2020, tem levado as ações da Stone a um novo patamar, mostrando que estar posicionado nas melhores empresas de setores promissores pode render bons frutos.

E você, já investe nas ações da Stone? Gosta dos serviços que ela oferece? Não esqueça de comentar abaixo.

Aviso: Declaro que não sou analista de valores mobiliários. As informações discutidas no artigo possuem propósito educacional e refletem única e exclusivamente meus estudos, pesquisas e opiniões. Não devem ser consideradas como recomendação de investimento.

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no google
Google+
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn
Compartilhar no pinterest
Pinterest

Este post tem 6 comentários

  1. Orlando

    Saudações, Raphael,

    Sou um feliz cliente, usuário e acionista da Stone.

    Só alegria até aqui.

  2. Gabriel Jubé

    É uma empresa com IPO recente, os dados disponibilisados no site de investor relations, mostra claramente que teve somente 3 anos de lucro, porem deve ser acompanhada pelo investidor mais de perto, a Stone está fazendo seu dever de casa e entregando valor para seus acionistas, ainda não invisto nela, porém dispertou minha atenção.

    1. Olá Gabriel,

      3 anos de lucro é ótimo no universo das fintechs. Mostra que a empresa não está queimando caixa.

      Mas mais importante que o passado é o futuro.

      Abçs!

  3. Miguel Batista

    Avisa o Buffett que não se deve investir em IPO.

    Ele não sabe o que faz kkkkkkkk

    1. Olá Miguel,

      Este é um conceito errado. Tem muito IPO que dá certo.

      Cada caso deve ser analisado individualmente.

      Abçs!

Deixe uma resposta

Posts com maior repercussão