Frágil e irresponsável

fragil

Não é estranho pensar que o mundo pode colapsar se tirar férias de um mês?

Que tempos turbulentos estamos passando, não é mesmo? Mas no meio de toda essa confusão precipitada pela pandemia do coronavírus e pela guerra no preço do petróleo, sempre é possível desligar a cabeça dos ruídos e focar num problema maior que estava oculto.

A primeira coisa que eu pensei foi justamente a pergunta que faço no subtítulo. É triste pensar que uma parada de 1 mês no mundo pode causar um crash e quebradeira generalizada de forma a levar miséria a milhões de pessoas. Será que o mundo vive tão no limite assim?

Por ser profissional liberal e ter sido apresentado a Robert Kiyosaki logo depois que me formei, acabei me tornando um poupador (de certa forma) paranoico. Talvez tenha depertado algum resquício dos anos 80 quando eu pensava que deveríamos estocar alimento em virtude da hiperinflação ou de uma possível guerra nuclear.

Reserva de emergência

Então eu fico imaginando a quantidade de pessoas que vive no limite dependendo do trabalho de um dia para se manter no dia seguinte. Segundo um levantamento recente, cerca de 70% das famílias nas favelas já estão com perda de renda. É uma quantidade de pessoas que trabalham como autônomas e que dependem da renda diária pela prestação de serviços (diaristas, cabelereiras, faxineiras, jardineiros, etc) ou pela venda de produtos.

As medidas de quarentena e distanciamento social fez com que os clientes cancelassem esses serviços e pouquíssimas pessoas saem de casa para comprar alguma coisa que não seja o necessário nas farmácias e supermercados.

Por outro lado, vejo também muita gente de condição razoável que se coloca na corda bamba por priorizar gastos não essenciais em detrimento da construção de uma reserva financeira. Quantos não se amarram em dívidas de longo prazo, como imóveis, e criam uma alta dependência do próprio trabalho?

Claro que ninguém espera uma pandemia, mas todos nós estamos sujeitos a eventualidades diversas em termos de saúde. Não ter um suporte financeiro nesses momentos é bastante grave, particularmente para quem é autônomo.

Acredito que precisemos de um processo grande de transformação para “bancarizar” os brasileiros e principalmente reduzir os custos sobre a folha de pagamento. Não só geraria mais empregos, como também deixaria mais dinheiro nas mãos das pessoas.

Outra maneira capaz de incentivar as pessoas a manterem um colchão de segurança financeira seria a criação de contas especiais de aposentadoria. Seria uma conta na qual você pudesse manter investimentos isentos de imposto de renda e só pudesse retirar a partir de uma idade avançada ou em situações de emergência como agora.

Renda Passiva

Dito isso, é importante reforçar a importância da renda passiva. É ela que poderá suprir as necessidades da sua família quando alguma intercorrência impedi-lo de trabalhar. É fundamental ter investimentos que gerem renda passiva após acumular sua reserva de emergência.

Avaliando os meus dividendos de ações e fundos imobiliários no Brasil, percebi que não houve impacto relevante no mês de março em comparação com fevereiro. Isso porque um fundo, o XP Malls, cancelou os últimos dividendos que seriam pagos no final do mês. Agora é esperar se os dividendos de abril serão afetados.

Irresponsabilidade

Nos Estados Unidos, a pandemia do coronavírus revelou o tamanho da bomba de endividamento que acomete as empresas. Fora do setor financeiro, as empresas já acumulam 10 trilhões de dólares em dívida, quase a metade do PIB americano. Uma em cada seis empresas do país é tida como zumbi, pois os juros da dívida que elas precisam pagar são maiores que a geração de caixa.

Desde a crise financeira de 2008, o FED derrubou as taxas de juros para próximas de zero e assim permaneceu por anos. Isso estimulou as empresas a se endividarem. O excesso de alavancagem deixou as empresas frágeis e sem muita folga para suportar crises.

O mais grave de tudo isso é que muito dessa dívida foi realizada com o objetivo de fazer recompra de ações (buybacks). Não construíram fábricas, nem geraram empregos ou desenvolveram novas tecnologias, apenas empilharam dívidas, recompraram e cancelaram ações. Um dinheiro que serviu para bombar o lucro por ação e os bônus dos executivos e não acrescentaram nada em termos econômicos.

Na última década, as empresas do S&P 500 emitiram 2,5 trilhões de dólares em dívidas e gastaram 2,7 trilhões em recompras de ações. A Boeing, por exemplo, gastou 11,7 bilhões de dólares em recompra de ações nos últimos 2 anos até suspendê-la devido aos problemas com o 737-Max. Agora, diante da crise, a companhia pede 60 bilhões de dólares para o governo.

As companhias aéreas foram outras que recompraram 42 bilhões de dólares em ações entre 2014 e 2019 e agora pedem assistência financeira ao governo. Gastaram simplesmente 96% do fluxo de caixa com recompra de ações. Tem cabimento fazer isso num setor que é bastante susceptível a crises? Se todas essas empresas tivessem usado o dinheiro para abater dívida ou mantido em caixa para fortalecer a liquidez, nada disso estaria acontecendo.

Cisne negro?

Muita gente pode estar pensando que a crise atual é um cisne negro imprevisível que está assolando os mercados.

Eu também pensava assim, mas o próprio autor do termo, Nassim Nicholas Taleb, esclareceu que não, que este é um Cisne Branco. Do seu livro “A Lógica do Cisne Negro” de 2007:

“Conforme viajamos mais no planeta, as epidemias serão mais agudas – nós teremos uma população de germes dominada por alguns nomes e o assassino de sucesso se espalhará mais efetivamente.

Eu vejo riscos de um vírus agudo se espalhando pelo planeta.”

Segundo ele, este evento era previsível e as empresas deveriam estar preparadas, mas como eu mostrei anteriormente, estavam mais preocupadas em realizar recompra de ações.

Conclusão

Tanto empresas, quanto pessoas precisam manter um colchão financeiro de segurança para suportar crises. É claro que é ruim ver o seu colchão de segurança não rendendo muito enquanto a bolsa dispara. Só que um portfólio de investimento deve estar sempre preparado para qualquer eventualidade, pois mesmo as previsíveis podem aparecer de surpresa e serem piores que o seu maior pesadelo.

Aviso: Declaro que não sou analista de valores mobiliários. As informações discutidas no artigo possuem propósito educacional e refletem única e exclusivamente meus estudos, pesquisas e opiniões. Não devem ser consideradas como recomendação de investimento.

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no google
Google+
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn
Compartilhar no pinterest
Pinterest

Este post tem 30 comentários

  1. Avatar
    HEAVY METAL

    Boa! Falei hoje sobre buyback de ações, nos EUA estão avisando já há anos que muitas empresas estão fazendo isso e sem gerar nenhum emprego ou valor ao seu acionista. Este é o lado “negro da força” no buyback.

    1. Raphael Monteiro

      Olá Heavy Metal,

      É o tipo de problema que fica oculto até que de repente todo aquele dinheiro gasto começa a fazer falta.

      Abçs!

  2. Avatar
    Douglas

    Quanto mais diversificada a renda passiva melhor, exemplo: cupons do tesouro direto, rendimentos de FII, dividendos de ações, etc.

    Uma conhecida, professora aposentada, só investe em imóveis, acredito que ela tem uns cinco imóveis físicos e utiliza somente aplicativos tipo airbnb, devido a essa pandemia a quantidade de cancelamentos da plataforma foi bem alta, fora que tem muito síndico que andou proibindo a entrada de gente de não moradores.

    Aí fica a lição que não podemos colocar os ovos na mesma cesta.

    Hoje quais são essas empresas Zumbi ?

    Andei lendo por aí que Uber e Netflix se encaixam nesse quesito.

    Eu mesmo só invisto em empresa consolidada que ao menos possui produtos utilizados em escala global tipo Microsoft (Windows, pacote Office, XBox), Colgate Palmolive, etc.

    Obrigado por mais um excelente artigo.

    1. Raphael Monteiro

      Olá Douglas,

      Pior que o governo está ameaçando colocar uma lei para proteger despejos até outubro. Um risco para quem depende de aluguéis.

      A pouca liberdade que temos no Brasil não dura uma crise.

      Abçs!

  3. Avatar
    Dedé

    O pior é saber que essa irresponsabilidade e
    será recompensada. O governo irá salvar as empresas e continuar a incentivar comportamentos ruins.

    1. Raphael Monteiro

      Olá Dedé,

      É provável que sejam impostas uma série de regras às empresas que recebam os recursos, como reduzir buybacks, dividendos e remuneração de executivos.

      Abçs!

  4. Avatar
    Eder

    Olá Raphael, Parabéns! Eu sempre penso que o capitalismo pode ruir falir. O governo anterior incentivou muitos brasileiros a retirar parte do fundo de garantia e o atual quase todo o resto. Espero que tudo isso seja uma lição para que os brasileiros se atentem para fazer uma reserva de emergência.

    1. Raphael Monteiro

      Olá Eder,

      O FGTS rende abaixo da inflação há décadas. É um verdadeiro confisco.

      O ideal é montar algo que tenha melhor rendimento e para o qual haja algum incentivo do ponto de fiscal.

      Abçs!

      1. Avatar
        Marcu V

        Realmente o capitalismo precisa ser reciclado!!
        O selvagem, como o temos hoje…nao é tao selvagem assim, quando a agua bate na bunda! Mais parece um filho mimado adolescente que engravida a namorada, que deseja fazer o que quer sem medir consequências ou ter planos de disaster recovery…mas na hora que a vida aperta chama o socorro dos pais(o estado). Quero ver dizer agora, sobre o estado minimo devendo se preocupar apenas com saude educação e segurança,. Assim o capitalismo da forma a qual temos hoje, se mostra imaturo e nu. A regulacao de mercados e importantíssima para premiar os filhos maduros e deixar os imaturos a merce do peso das suas inconsequencias inclusive penal. Lembro me ainda da parabola da cigarra e formiga eterna lição. Parabéns pelo artigo Raphael.

        1. Raphael Monteiro

          Olá Marcu V,

          O que temos hoje não é um capitalismo de livre mercado. Está bem longe disso.

          O que temos hoje é um estado e banco centrais altamente interventores usando de manipulação da moeda para salvar os megaempresários e banqueiros.

          O capitalismo precisa, na verdade, ser restaurado.

          Abçs!

  5. Avatar
    hogo hold

    Raphael, esta é a situação daquele grupo de banhistas dentro do mar em praia lotada e maré alta. Todos felizes! E, de repente vem a maré baixa, quando todos descobrem que estão nus.

  6. Avatar
    Eder

    Talvez não seja o momento para falar sobre o FGC. Que garante até 250.000.00 em investimentos.

    1. Raphael Monteiro

      Olá Éder,

      O FGC é uma entidade do sistema bancário para proteger contra insolvência de bancos.

      Abçs!

  7. Avatar
    .

    Parabéns Raphael.
    Texto impecável!

  8. Avatar
    marcos celio defina

    Sem falar que já há previsões nos EU que 30% das hipotecas imobiliárias não terão como serem honradas com certeza levando a crise para dentro do sistema financeiro. Se a máquina de imprimir dinheiro do FED parar de trabalhar por algumas horas o proprio EU quebrará.

    1. Raphael Monteiro

      Olá Marcos,

      Difícil fazer qualquer previsão neste sentido, porque não sabemos a duração e profundidade da crise.

      Abçs!

  9. Avatar
    Carmine Gauditano

    Raphael, bom dia.
    Suas colocações são sempre limpas e objetivas. Importante o colchão para quaisquer momentos de crise.
    Interessante também i cisne branco pois em meu entender de leigo, acredito que essas empresas que não investiram seus dinheiro em produtividade, agora terão, se não receberem ajuda governamental, que se desfazerem das ações que compraram, perdendo dinheiro para tentar estabilizar esse buraco na qual se colocaram.
    Os acionistas que investiram nelas irão perder a curto prazo pricipalmente se venderem agora.
    Aos demais, ficou o exercício de saber quais são essas empresas e corrigirem seus investimentos nas outras que se mostraram mais eficientes.

    Está correto? Gostaria de ter a sua opinião.

    1. Raphael Monteiro

      Olá Carmine,

      Exatamente. Muita irresponsabilidade deixou certas empresas em uma situação muito delicada e prejudicou os acionistas.

      Abçs!

  10. Avatar
    Luiz Claudio Flores da Cunha

    Muito esclarecedora a postagem de hoje. Meus parabéns e meu muito obrigado.

  11. Avatar
    YNVEST

    O tema é bem apropriado aos defensores do Estado mínimo. Na hora do lucro, são empresas privadas. Na hora do prejuízo, viram estatais. Interessante ver nos EUA e Espanha, hospitais sendo estatizados.

    A sua “transformação” para bancarização chama-se distribuição de renda, algo impensado no atual governo, que faz o inverso, concentra renda.

    1. Raphael Monteiro

      Olá YNVEST,

      Quem manipulou e tem manipulado as taxas de juros foi o FED. Na primeira vez causou a bolha imobiliária e agora criou a bolha de tudo.

      Se o governo não salvasse as empresas, talvez os executivos fossem mais responsáveis.

      Eu sou totalmente contra distruibuição de renda. Cada um precisa ganhar a sua. Se a renda hoje é baixa, é por excesso de regulamentações e alto custo para gerar empregos.

      Abçs!

      1. Avatar
        Rafael

        Seria hora de comprar Yen?

  12. Avatar

    Diversificação é o que salva. Nas horas que a bolsa está bombando, parece bobeira. Na hora em que o juros estão com 2 dígitos, parece bobeira. Quando está o caos, parece óbvio que deveria ser feito.

    Interessante o que falou sobre a economia americana e, por consequência, do mundo. Vamos ver o que acontece.

  13. Avatar
    Marcos Cunha

    Há muito leio Jim Rickards,Dough Casey e graças a eles, preparei-me para este momento.Se eu tivesse ido na conversa da Miriam Leitão é do Carlos Albero Sardenberg estaria agora na bacia das almas.

    1. Raphael Monteiro

      Olá Marcos,

      Eles já estavam cantando essa bola há tempos. A questão é que não sabiam exatamente o que desencadearia uma crise.

      Abçs!

Deixe uma resposta

Posts com maior repercussão