John Templeton e as 16 regras do sucesso em investimentos

John Templeton

Conheça as regras de investimento criadas por um dos maiores investidores de todos os tempos

Existem diversos investidores famosos e com histórico extraordinário. Muitos deles se tornaram muito conhecidos por justamente escrever livros e ensinar as demais pessoas a investirem melhor. Um desses investidores foi John Templeton.

No artigo de hoje, eu resumi as 16 regras de sucesso nos investimentos preconizadas por ele e que o ajudaram a ter um dos melhores e mais longevos retornos do mercado financeiro americano.

Primeiro, vamos conhecer um pouco mais sobre ele.

Quem foi John Templeton?

John Templeton nasceu no estado americano do Tennessee em 1912.  Formado tanto em Yale quanto em Oxford, onde adquiriu o diploma de Direito, inciou sua carreira no mercado financeiro em 1938, no meio da Grande Depressão e às portas da Segunda Guerra Mundial.

Adepto do investimento em valor, sua primeira grande tacada foi em 1939. No meio do pessimismo, com ações colapsando, ele pegou 10.400  dólares emprestado e comprou 100 ações de cada empresa que estava negociando abaixo de 1 dólar por ação. Das 104 empresas em que ele investiu, cerca de 34 estavam com pedidos de falência. Alguns anos depois, apenas 4 empresas terminaram em prejuízo. No total, ele teve seu investimento multiplicado por 4.

Em 1954 ele fundou o seu próprio fundo de investimento, o Templeton Growth Fund, que investia globalmente, particularmente aproveitando a situação de países em crise. 10 mil dólares investimento no lançamento deste fundo teriam se tornado 2 milhões em 1992, ano em que ele vendeu este e outros fundos para o grupo Franklin.

Portanto, ele foi pioneiro tanto no investimento em crises, como no investimento global.

Além de investidor, também foi um homem de negócios religioso e filantropo. Em 1972 criou o Prêmio Templeton, que passou a ser concedido a pessoas que avançavam o conhecimento humano do lado espiritual. Seria o equivalente religioso do Prêmio Nobel, só que com um valor maior (1,1 milhão de libras). A primeira ganhadora foi a Madre Tereza de Calcutá e o último foi o físico e astrônomo brasileiro Marcelo Gleiser.

As 16 regras do sucesso em investimentos

1. Invista para o máximo retorno total

Isso significa o retorno dos dólares investidos após impostos e após a inflação. Esse é o único objetivo racional para a maioria dos investidores de longo prazo. Qualquer estratégia de investimento que não reconheça o efeito dos impostos e da inflação falha em reconhecer a verdadeira natureza do ambiente de investimento e, portanto, é severamente prejudicada, pois é  vital que você proteja o poder de compra.

2. Não faça trade ou especule

O mercado de ações não é um cassino, mas se você comprar e vender ações toda vez que elas movimentarem um ponto ou dois, ou se você vender continuamente a descoberto … ou negociar apenas opções … ou negociar em futuros … o mercado será seu cassino. E, como a maioria dos jogadores, você pode perder eventualmente – ou com frequência. Você pode encontrar seus lucros consumidos por comissões. Você pode encontrar o mercado se movimentando na direção oposta ao que você esperava. Já o investidor de longo é geralmente mais bem informado, mais paciente e menos emocional. Ele paga menos impostos sobre ganhos de capital e não incorre em comissões desnecessárias de corretagem

3. Seja flexível e de mente aberta sobre os tipos de investimento

Há momentos para comprar ações blue chip, ações cíclicas, bonds corporativos, títulos do Tesouro e assim por diante. E há momentos em que você fica com dinheiro, porque às vezes o dinheiro permite que você aproveite as oportunidades de investimento. O fato é que não há um tipo de investimento que seja sempre o melhor. Se um determinado setor ou ativo se popularizar com os investidores, essa popularidade sempre será temporária e – quando perdida – poderá não render por muitos anos.

4. Compre barato

Isso pode parecer óbvio, mas na prática não é assim que o mercado funciona. Quando os preços estão altos, muitos investidores estão comprando muitas ações. Os preços são baixos quando a demanda é baixa. Os investidores recuaram, as pessoas estão desanimadas e pessimistas. Quando quase todo mundo é pessimista ao mesmo tempo, todo o mercado entra em colapso.

Seja qual for o motivo, os investidores estão à margem, sentados em suas carteiras e dizem: “Compre na baixa, venda na alta”. Mas muitos deles compraram na alta e venderam na baixa. Então você pergunta: “Quando você comprará as ações?” A resposta usual: “Ora, depois que os analistas concordam com uma perspectiva favorável. Isso é tolice, mas é da natureza humana. É extremamente difícil ir contra a multidão – comprar quando todo mundo está vendendo, comprar quando as coisas parecem mais sombrias, comprar quando os especialistas estão lhe dizendo que as ações estão mais arriscadas agora.

Mas, se você comprar os mesmos títulos que todo mundo está comprando, terá os mesmos resultados que todos os outros. Por definição, você não pode superar o mercado se comprar o mercado. E é provável que, se você comprar o que todo mundo está comprando, você o fará somente depois que o preço já estiver muito alto. Preste atenção às palavras do grande pioneiro da análise de ações Benjamin Graham: “Compre quando a maioria das pessoas, incluindo especialistas, estão pessimistas e venda quando estão otimistas”. Tão simples em conceito. Tão difícil na execução.

5. Quando procurar por barganhas, procure por ações de qualidade

Ações de qualidade são aquelas líderes em seus respectivos mercados. São as líderes em tecnologia, em vendas, possuem as melhores equipes de gestão, estão bem capitalizadas, detêm as melhores margens, são donas das marcas mais valiosas, etc.

6. Compre valor e não tendências de mercado ou previsão econômica

Um investidor sábio entende que o mercado de ações é realmente um mercado de ações. Embora as ações individuais possam ser atraídas momentaneamente por um forte mercado em alta, em última análise, são as ações individuais que determinam o mercado, e não o contrário. Muitos investidores se concentram na tendência do mercado ou nas perspectivas econômicas. Mas as ações individuais podem subir em um mercado em baixa e cair em um mercado em alta. O mercado de ações e a economia nem sempre marcham juntas. Os mercados em baixa nem sempre coincidem com as recessões, e um declínio geral nos lucros das empresas nem sempre causa um declínio simultâneo nos preços das ações. Portanto, compre ações individuais, não a tendência do mercado ou as perspectivas econômicas.

7. Diversifique em ações, bonds e outros investimentos

Por mais cuidadoso que seja, você não pode prever e nem controlar o futuro. Um furacão ou terremoto, uma greve em um fornecedor, um avanço tecnológico inesperado de um concorrente ou um recall de produto ordenado pelo governo. Qualquer um desses pode custar milhões de dólares a uma empresa. Além disso, o que parecia ser uma empresa bem administrada pode ter sérios problemas internos, que não eram aparentes quando você comprou as ações. Então você diversifica – por setor, por risco e por país.

8. Faça seu dever de casa ou contrate especialistas para ajudá-lo

As pessoas lhe dirão: Investigue antes de investir. Escute-os. Estude as empresas para aprender o que as torna bem-sucedidas. Lembre-se, na maioria dos casos, você está comprando ganhos ou ativos. Se você espera que uma empresa cresça e prospere, estará comprando ganhos futuros. Você espera que os ganhos aumentem e, como a maioria das ações é avaliada em ganhos futuros, você pode esperar que o preço das ações também suba. Se você espera que uma empresa seja adquirida ou dissolvida com um prêmio em relação ao preço de mercado, você pode comprar ativos.

9. Monitore agressivamente seus investimentos

Aguarde e reaja às mudanças. Nenhum mercado em alta é permanente. Nenhum mercado de baixa é permanente. E não há ações que você possa comprar e esquecer. O ritmo da mudança é muito grande. Estar relaxado não significa ser complacente. Muitas empresas sólidas já entraram em declínio, foram adquiridas ou faliram. Nenhum investimento é para sempre.

10. Não entre em pânico

Às vezes, você não vende quando todo mundo está comprando e fica preso em um colapso do mercado como o ocorrido em 1987. Lá está você, enfrentando uma perda de 15% em um único dia. Talvez mais. Não se apresse em vender no dia seguinte. A hora de vender é antes do acidente, não depois. Em vez disso, estude seu portfólio. Se você não possuísse essas ações agora, as compraria após a quebra do mercado? Provavelmente, você faria. Portanto, a única razão para vendê-las agora é comprar outras ações ainda mais atraentes. Se você não conseguir encontrar ações mais atraentes, mantenha o que já tem.

11. Aprenda com seus erros

A única maneira de evitar erros é não investir – o que é o maior erro de todos. Então, perdoe a si mesmo por seus erros. Não desanime não tente recuperar suas perdas, assumindo riscos maiores. Em vez disso, transforme cada erro em uma experiência de aprendizado. Determine exatamente o que deu errado e como você pode evitar o mesmo erro no futuro. O investidor que diz: “Desta vez é diferente”, quando na verdade é praticamente uma repetição de uma situação anterior, pronunciou as quatro palavras mais caras no mundo dos investimentos. A grande diferença entre aqueles que são bem-sucedidos e aqueles que não são é que as pessoas bem-sucedidas aprendem com seus erros e com os erros dos outros.

12. Comece com uma oração

Se você começar com uma oração, poderá pensar com mais clareza e cometer menos erros.

13. Superar o mercado é uma tarefa difícil

O desafio não é simplesmente tomar melhores decisões de investimento do que o investidor médio. O verdadeiro desafio é tomar decisões de investimento melhores que as dos profissionais que administram as grandes instituições. Lembre-se de que os índices de mercado como o S&P 500 não pagam comissões para comprar e vender ações. Eles não pagam salários a analistas de valores mobiliários ou gestores de portfólio. E, diferentemente dos índices não gerenciados, as empresas de investimento nunca são 100% investidas, porque precisam ter dinheiro disponível para resgatar ações. Portanto, qualquer empresa de investimento que supere consistentemente o mercado está realmente fazendo um trabalho muito melhor do que você imagina.

14. O investidor que tem todas as respostas não entendeu todas as perguntas

Uma atitude arrogante em relação aos investimentos levará, mais cedo ou mais tarde, à decepção, senão ao desastre total. Mesmo que possamos identificar uma gama imutável de princípios de investimento, não podemos aplicar essas regras a um universo imutável de investimentos – ou a um ambiente econômico e político imutável. Tudo está em constante mudança e o investidor sábio reconhece que o sucesso é um processo de busca contínua de respostas para novas perguntas.

15. Não existe almoço grátis

Este princípio cobre uma lista interminável de advertências. Nunca invista em sentimentos. A empresa que lhe deu seu primeiro emprego, construiu o primeiro carro que você já teve ou patrocinou um programa de televisão favorito de muito tempo atrás pode ser uma boa companhia. Mas isso não significa que suas ações sejam um bom investimento. Mesmo que a empresa seja realmente excelente, os preços de suas ações podem ser muito altos. Nunca invista apenas por causa de uma dica. É óbvio, você pode dizer. É mesmo, mas você ficaria surpreso com quantos investidores, pessoas bem-educadas e bem-sucedidas, fazem exatamente isso.

16. Não tenha medo ou seja pessimista com muita frequência

E agora o último princípio. Não seja medroso ou pessimista com muita frequência. Por 100 anos, os otimistas  ganharam o dia nas ações americanas. Mesmo tendo passado por épocas difíceis, os investidores em ações conseguiram ganhar dinheiro . É claro que haverá correções, talvez até crashes. Mas, com o tempo, nossos estudos indicam que  as ações sobem … e sobem … e sobem. À medida que as economias nacionais se tornam mais integradas e interdependentes, à medida que a comunicação se torna mais fácil e mais barata, é provável que os negócios cresçam. O comércio e as viagens crescerão. A riqueza aumentará. E os preços das ações devem subir de acordo. Quando o século XXI começar – já está ao virar da esquina -, acho que há pelo menos uma chance uniforme de que o índice Dow Jones tenha atingido 6 mil pontos, talvez mais (Em 2020, chegou perto dos 30 mil pontos). As chances são de que outros índices tenham crescido ainda mais. Apesar de toda a melancolia atual sobre a economia e o futuro, mais pessoas terão mais dinheiro do que nunca na história. E grande parte será investida em ações. E durante todo esse tempo maravilhoso, as regras básicas da construção de riqueza, investindo em ações, serão mantidas. Neste século ou no seguinte, ainda é “Compre na baixa, venda na alta”.

Conclusão

Estas regras foram extraídas de um artigo publicado por John Templeton em 1993 e por mais que alguns dados possam estar desatualizados, os princípios permanecem os mesmos. Essa previsão dele sobre o início do século XXI foi matadora, mesmo ele não tendo previsto a bolha da NASDAQ, o crash de 2008 e a pandemia de 2020.

John Templeton veio a falecer em 2008, mas seu legado e seu conhecimento devem ser compartilhados para que os novos investidores aprendam com alguém que teve sucesso tanto na vida profissional, quanto pessoal.

Aviso: Declaro que não sou analista de valores mobiliários. As informações discutidas no artigo possuem propósito educacional e refletem única e exclusivamente meus estudos, pesquisas e opiniões. Não devem ser consideradas como recomendação de investimento.

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no google
Google+
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn
Compartilhar no pinterest
Pinterest

Este post tem 6 comentários

  1. Avatar
    Guilherme

    Parabéns Raphael! Como sempre trazendo artigos com conteúdo excelente que valem a pena ser lidos. Grande abraço!

  2. Avatar
    A

    II, o que você acha da estratégia Barbell do Taleb?
    Esse conceito antifrágil permite que a pessoa tenha grande parte da carteira em alocações conservadoras, permitindo que ela possa aproveitar oportunidades quando surgem.

    Att,
    A.

    1. Raphael Monteiro

      Olá A,

      Sim, conheço essa estratégia do Taleb.

      É algo que tenho discutido com os assinantes do Passaporte Internacional, mostrando a importância de uma reserva de liquidez e alguns ETFs que aplicam essa estratégia.

      Abçs!

  3. Avatar
    YNVEST

    Muito boa a número 3.

Deixe uma resposta

Posts com maior repercussão