O recado que vem da Argentina

eleições argentina

Veja o que devemos tirar da prévia das eleições na Argentina

Eu tenho evitado falar de política, porque é chato e desgastante,  mas diante do que aconteceu na Argentina e do desastre que isso pode se tornar, sinto-me na obrigação de escrever este alerta.

Bom, como você já deve saber, no último dia 11 de agosto foram realizadas as eleições primárias na Argentina. Como não havia a competição usual dentro de cada partido, o resultado está servindo como prévia das eleições definitivas que ocorrerão no dia 27 de outubro. E ele não poderia ter sido mais desastroso.

O candidato da esquerda, Alberto Fernández, que tem Cristina Kirchner como vice, levou 47% dos votos e o atual presidente Maurício Macri ficou com 32%.

A provável volta do Kirchnerismo trouxe pânico aos mercados. No dia seguinte ao resultado, o peso argentino perdia 30% do valor. As ADRs das ações argentinas negociadas na Bolsa de Nova Iorque despencavam mais de 50%.

Quando observamos no longo prazo os efeitos das políticas econômicas adotadas na Argentina pela linha que deve voltar ao poder vemos a real destruição de riqueza do povo. Se em 2001, o peso argentino gozava de paridade 1:1 com o dólar dos Estados Unidos, hoje são necessários mais de 50 pesos para comprar 1 dólar.

dólar peso argentino

Você já imaginou o dólar custar 50 reais? Tem ideia para quanto iria o preço do pão, arroz, café, máquinas, combustível e de tudo mais que você consome numa perda cambial tão forte?

Como esse desastre estava sendo pavimentado?

Macri ganhou a eleição de maneira apertada em 2015, com a economia da Argentina em frangalhos. Pior que o Brasil pós-Dilma e com os mesmos ingredientes de política populista, excesso de gastos públicos, alta inflação e corrupção desenfreada.

Ao invés de tomar medidas duras para colocar a casa em ordem, Macri não teve força (ou vontade) para implantar um liberalismo mais amplo e ainda adotou fórmulas comprovadamente prejudiciais, como o congelamento de preços.

Ao mesmo tempo em que Macri patinava, o Congresso e a imprensa, alinhados do kirchnerismo,  pressionavam o governo. O fracasso de Macri e um período de apenas 4 anos fizeram os argentinos aparentemente esquecerem quem foram os responsáveis por destruir a economia do país.

O que isso tem a ver com o Brasil?

Tudo. O cenário que Macri herdou é o mesmo que Temer recebeu em 2016. Ao contrário do argentino, o brasileiro adotou medidas liberais que restabeleceram a confiança na economia. Entretanto, tudo foi jogado no ralo no Joesley Day em maio de 2017.

Com o novo governo Bolsonaro e Paulo Guedes na pasta da Economia, as medidas liberais alcançaram um novo patamar e as reformas, mesmo com dificuldades, estão caminhando.

Entretanto, o que ainda vemos é uma imprensa totalmente alinhada com a esquerda (que depositou polpudas verbas em veículos de mídia) e anti-governo. E a esquerda brasileira possui partidos membros do Foro de São Paulo, assim como o partido de Cristina Kirchner, e é amiga íntima das ditaduras cubana e venezuelana. Por mais que governo seja ruim por natureza, o atual está muito à frente dos anteriores em todos os aspectos, particularmente no que se refere às pautas econômicas e de liberdade.

O que estamos vendo no Brasil hoje é um confronto entre um novo governo conservador e liberal e a imprensa e os órgãos que tem sido aparelhados há décadas. E quando falamos de órgãos aparelhados temos desde entidades de classe, como sindicatos e OAB, até universidades, grupos estudantis, alas da igreja e órgãos de justiça, particularmente o Supremo Tribunal Federal.

Aliás, o STF e alas do Senado e Câmara dos Deputados aliam o pior da esquerda com o pior dos partidos fisiológicos, também chamado de centrão. São grupos que passaram anos se beneficiando de esquemas corruptos e que tem objetivos diferentes dos demais 207 milhões de brasileiros. O STF, por exemplo, não teme atropelar as leis à luz do dia e na frente de todos para implantar a sua agenda, que no momento é perseguir juízes e procuradores que combateram a corrupção nos últimos anos.

Macri não enxergou o quadro todo e a Argentina não tinha uma imprensa livre o suficiente para servir de apoio às medidas necessárias para a recuperação do país. Também não procurou impor sua agenda, preferiu ficar em cima do muro e adotar medidas comprovadamente fracassadas. O governo brasileiro, ao contrário, não poupa vocabulário para defender o seu ponto de vista e muitos grupos de direita já possuem uma boa visualização das redes sociais, que são o novo campo de batalha ideológica no século XXI.

Acredito que essa queda de braço ainda irá prosseguir por mais alguns anos e trará uma alta dose de instabilidade para o Brasil. Será um doloroso processo, já que a mudança não se dará apenas no campo econômico, mas também no de valores.

O risco político

Já comentei no artigo sobre Risco Político que o estado é o maior inimigo do seu dinheiro, da sua liberdade e da sua paz. Também falei sobre como a diversificação entre moedas ajuda a preservar o poder de compra, principalmente para quem vive em países de terceiro mundo altamente instáveis e com risco inflacionário, como o Brasil.

Nosso país ainda está numa corda bamba que pode nos levar a um futuro com mais liberdade econômica alinhado aos países desenvolvidos ou nos derrubar para o mesmo destino da Venezuela e  provavelmente o da Argentina.

No começo do texto, eu lembrei que o dólar dos Estados Unidos valia 1 peso argentino em 2001 e agora vale mais de 50. Agora veja a relação do dólar com o Franco Suíço:

franco suíço

O dólar americano chegou a bater 1,80 franco em 2001 e agora vale apenas 0,97 francos.

E a coroa dinamarquesa, outra moeda forte, como será que se comportou nestes últimos anos:

coroa dinamarquesa

O dólar americano valia em torno de 6,15 coroas dinamarquesas em 2004 e agora vale 6,72. Perdeu apenas 10% em relação à moeda reserva mundial.

O que diferencia a Suíça e a Dinamarca do Brasil e Argentina, entre outras coisas, é o respeito às leis, confiança nas instituições, estabilidade do sistema político, facilidade de abrir e tocar negócios, baixa burocracia, liberdade econômica e alto nível sócio-educacional.

No mundo das moedas fiduciárias, a estabilidade do país e o adequado ordenamento das instituições fazem toda a diferença na estabilidade do país e da moeda.

Conclusão

O Brasil ainda está longe de ser um país estável e seguro. Mesmo com o avanço promovido pelo atual governo em diversas frentes, ainda existe todo um aparelhamento ideológico e um sistema corrupto enraizado que continuará sabotando o desenvolvimento e corroendo os valores da sociedade brasileira.

Continuo, como muitos, otimista com os próximos capítulos no Brasil, mas precisamos estar cientes de que uma reviravolta rumo ao abismo como se desenha na Argentina sempre nos estará rondando. Diante disso, tirar o dinheiro do país e mantê-lo em investimentos atrelados a moeda forte em países seguros é a medida mais simples a ser posta em prática se você não quiser ter o patrimônio destruído como está acontecendo com nossos vizinhos.


Para entender como o ovo da serpente está se desenvolvendo eu sugiro ler essa entrevista do Evandro Pontes para a Ana Paula Henkel: A operação Lava-Jato nunca correu tantos riscos.

Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Este post tem 42 comentários

  1. Avatar

    Nunca li tanta bobagem junta.

    1. Raphael Monteiro

      Olá Edu,

      Obrigado por comentar. Fique à vontade para nos brindar com sua inteligência.

      Abçs!

    2. Avatar

      Edu, você comentou no artigo errado meu caro. Provavelmente estava com alguma reportagem do UOL ou Info Money aberta e acabou comentando aqui erroneamente.

      II, obrigado. Totalmente pertinente. Qualquer um que visualize os gráficos do artigo irá ter certeza de que seu ponto de vista está correto.

    3. Avatar

      Edu,
      quando criticamos algo, é provável que tenhamos outro ponto de vista e argumentos para apresentar, ou seja, o contra-ponto.
      Talvez seus argumentos sejam positivos.
      Parafraseando nosso estimado Raphael, peço que nos brinde com sua sabedoria, por gentileza.

    4. Avatar

      Quem é esse Edu??? Aliás, com apenas esse codinome fica fácil falar m***da não é mesmo! Esquerdista caviar… quem defende a esquerda e mais especificamente a organização criminosa do molusco deve estar sujo até o pescoço. Pode se mudar para Cuba ou Venezuela pq aqui no Brasil não há mais espaço para vcs ptralhas!

  2. Avatar

    Vejo dois grandes problemas no curto/médio/longo prazo com a eleição da turma do Foro de SP na AR:

    1 – Imigração dos mais pobres para o Brasil gerando mais problemas para o já combalido SUS e para outros serviços “gratuitos”.

    Os ricos irão para Espanha, Estados Unidos, Chile etc – igual ao venezuelanos.

    2 – Problemas econômicos envolvendo principalmente o Mercosul.

    As eleições ocorrem em Outubro e espero que até lá, no mínimo, a reforma da previdência já esteja sancionada pela presidente.

    Nessas horas eu vejo como é importante ter investimentos em moeda forte.

    A Argentina de hoje pode ser o Brasil de amanhã (toc toc toc), não descarto haver por aqui novas aventuras populistas.

    Por isso que devemos privatizar o máximo de coisas por aqui.

    1. Raphael Monteiro

      Olá Douglas,

      Sim, o problema argentino vai respingar aqui. Por outro lado, servirá de exemplo, como a Venezuela, para não nos aventurarmos novamente neste tipo de experimento socialista.

      Abçs!

  3. Avatar

    Que o Brasil não é seguro, todos sabemos, porém agora nem os EUA são tão confiáveis quanto antes, dado que os possíveis candidatos democratas nas eleições do ano que vem são loucos o bastante para destruírem o dólar.

    Se Trump não ganhar, teremos um belo crash no SP500 e possivelmente um derretimento do dólar. Interessante que o Franco Suíço tem “mais confiança” que o próprio dólar.

    1. Raphael Monteiro

      Olá Francis,

      Sim, o dólar já não é mais o mesmo, mas a economia americana sempre está criando. Veja a renovação de empresas gigantes que têm lá.

      Estão sempre criando e inovando. É uma máquina de criar riqueza. Não vejo mudanças em relação a isso nos próximos anos e décadas.

      Abçs!

  4. Avatar

    Muito bom Rafael É tenso ter investimento em produção, geração de imposto e renda em um país tão sujeito a boicote da economia , feito por políticos e interesses corporativos corruptos como acontece aqui

    1. Raphael Monteiro

      Olá Luiz Henrique,

      Exatamente. Nunca sabemos quando vem a bomba. Por isso é melhor estar anos adiantado do que um dia atrasado.

      Abçs!

  5. Avatar

    Raphael, ótimo texto. Comentei um pouco nesta postagem que fiz em 12/ago, tratando dos meus investimentos internacionais e os sinais vindos da Argentina e que podem nos indicar riscos futuro não tão distantes assim. Concordo com você que temos avanços sobretudo nos aspectos econômicos e liberais, mas estamos pagando um preço de um discurso enviesado colocando nosso país em evidência negativa em aspectos sociais e ambientais.
    Esta foi minha postagem http://economicamenteincorreto.blogspot.com/2019/08/investimentos-internacionais-e-os.html
    Abraços

  6. Avatar

    Perfeito o texto! Pena tão poucas pessoas terem entendimento dessa realidade, e do quanto devemos vigiar para não termos o mesmo retrocesso político da Argentina.

    1. Raphael Monteiro

      Olá Fabricio,

      Exatamente. Não podemos dar chance para o azar.

      O Brasil está no caminho certo, mas a ameaça bolivariana é constante.

      Abçs!

  7. Avatar

    Raphael,
    Primeiramente gostaria de dizer que gosto muito de seus textos, esse não foi diferente. Entretanto, em relação à parte política, não concordo com sua ideia de que o atual governo é um mar de rosas, apesar de ter votado no atual presidente, por eliminação. Percebe-se facilmente que você faz parte da polarização direita/esquerda e é defensor incondicional do atual governo. Com relação à sua resposta ao EI, acima, você pode até achar que se trata de um discurso globalista para interferir no nosso pais, mas não afirmar como se tratasse de ciência exata. Afirmar também que está provado que somos quem mais preserva a vegetação e mais uma demonstração de sua posição política. Afinal, qual é o estudo numérico que contém essa prova?
    Resolvi comentar pois acredito que essa polarização excessiva entre direita e esquerda faz mal ao nosso pais. Observe que o Edu (primeiro a postar acima e certamente defensor da esquerda) foi logo dizendo que você falou besteira, sem dizer qual a besteira. Já no seu texto, ao cogitar um possível problema do Brasil mais adiante, você tratou logo de culpar a esquerda pelo que possa acontecer.
    Pra finalizar, acho que enquanto continuarmos com essa discussão entre direita e esquerda, não iremos a lugar nenhum. O caminho não é pra esquerda nem pra direita, é pra frente.
    Tente focar na parte econômica, nisso você é fera. Abraços!

    1. Raphael Monteiro

      Olá Sem lado,

      Sabe aquela história de que uma mentira repetida mil vezes torna-se verdade? Essa história de que o Brasil é um destruidor de florestas é uma delas.

      Clica neste link. É a apresentação dos estudos da Embrapa feita com fotos de satélite. Você verá que não é uma posição política, é um fato demonstrado cientificamente.

      ONG e europeus gostam de pregar aos outros aquilo que eles mesmos não são capazes de fazer na casa deles.

      O objetivo do texto foi justamente mostrar que o Macri não polarizou, ficou em cima do muro, não foi voraz no combate a tudo que estava errado lá. Esse isentismo está ajudando a colocar a Kirschner de volta ao poder.

      Eu só defendo os meus valores. Enquanto o governo atual continuar defendendo os mesmos valores, irei apoiar. Olha que tem até anarcocapitalistas defendendo diversas medidas do governo, como a MP da Liberdade econômica, por exemplo.

      E parte econômica sem todo o resto não é sustentável. É preciso educar as pessoas para não caírem no canto da sereia socialista que já condenou países e gerações.

      Abçs!

    2. Avatar

      Só há 2 lados, o certo e o errado, respectivamente, direita e esquerda. Não há essa de ser isentão, como Amoedo. Macri assim se comportou, por ser um comunista moderado (menchevique) e o resultado está aí. Há necessidade de enfrentamento em todas as frentes, pois o estado está 100% aparelhado pelo petismo. Se você não enxerga isso, sugiro escutar Olavo.

  8. Avatar

    Concordo com tua análise. O grande busílis está no câmbio. A remessa feita por estes dias seria bastante sacrificante.

  9. Avatar

    Olá Raphael, excelente artigo. Corremos sim um risco grande caso o governo atual não consiga fazer todas as reformas necessárias em tempo hábil antes das próximas eleições. Existe uma corrente muito forte contra o sistema liberal desenvolvimentista do ministro Paulo Guedes. Parece que a maioria torce para que o país não dê certo, e volte ao sistema assistencialista. Por isso concordo plenamente em investir em moedas fortes e onde existe segurança financeira e jurídica. Os argentinos ricos com certeza já tem seus recursos e suas reservas em moedas fortes, pois já estão “escolados” com tantos fracassos econômicos. Aqui no Brasil a grande maioria ainda tem seus recursos investidos em moeda local, e nos bancos. Poucos são os que se protegem e colocam seus recursos fora em outros investimentos em moedas fortes. Tenho esperança que o Brasil dê certo e deslanche, mas sempre é bom manter um olho no peixe e outro no gato. Um abraço.

    1. Raphael Monteiro

      Olá José Carlos,

      Tem razão. Muitos argentinos fazem poupança em dólar, pois conhecem o país em que moram.

      E sim, muita gente perdeu a “teta” no atual governo e querem sabotá-lo a qualquer custo.

      Abçs!

  10. Avatar

    Show Raphael! Cada vez me motiva a tirar meu suado dinheiro do Brasil. Tenho uma dúvida, eu poderia ter 100% dos meus ativos nos EUA e quando for depositado os proventos lá trazer para o Brasil e viver com o real aqui? Isso teria algum problema legal até um dia eu quiser me mudar do país?

    1. Raphael Monteiro

      Olá Rodrigo,

      O dinheiro é seu e você pode fazer o que quiser com ele.

      Só não acho necessário repatriar. A ideia de ter dinheiro em país seguro é deixá-lo seguro. 🙂

      Abçs!

  11. Avatar

    Raphael, foram boas as colocações no texto sim. Não estamos livres de grandes crises, com a esquerda por perto o tempo todo. A esquerda no Brasil é uma grande quadrilha unida para dominar e saquear o país. E, nos “livramos” aparentemente da esquerda, e eles sempre estarão por todos os lugares e no governo querendo implantar seus planos sujos de política e destruír o país. E, Sem Lado, seu nome é perfeito, sem lado mesmo. Você é muito atrasado ou sem noção bro, sempre haverá essas discussões sobre esquerda e direita, porque eles não são políticos, são bandidos, e vimos isso nos últimos 5 anos, a podridão deles é 100 vezes maior do que todos imaginávamos. O que você quer? Precisamos sim sempre estar alertando todos sobre as máfias políticas que ele são, de um lado, e do outro continuar lutando pelo Brasil.

  12. Avatar

    Para mim os fatos são claros e irrefutáveis: o socialismo sempre irá nos rondar pois seus argumentos e sua falácia são um canto de sereia num universo de gente ignorante, mal informada e preguiçosa como são as que habitam este país. Porque são factuais: é só dirigir os olhares para nações como Venezuela, Cuba e Coréia do Norte e observar seu imenso crescimento economico e social (rsrsrs).Outra: qual país de filosofia e economia comunista deu certo desde 1917 (ano da subida dos bolcheviques ao poder na antiga URSS), nem a propria Russia atual. Voltando para o mundo pragmático: dolarizar uma boa parte de nossa poupança e investir com muito estudo e cuidado em ativos lá fora até porque o mar não está pra peixe como diria meu avô. Parabens pelo post II.

  13. Avatar

    Raphael, parabéns pelo texto. Excelente esclarecimento. Com relação ao rapaz que criticou estamos aguardando o contra ponto.

  14. Avatar

    Olá pessoal !

    Vocês aconselham a compra de títulos públicos argentinos nesse momento, com os juros a 74% a.a ?

  15. Avatar

    Opa Raphael,

    Assim como o “Sem Lado” aí em cima, eu sempre curto seus textos mas percebe-se que vc está bem afundado nessa “guerra ideológica”. Guerra essa aliás que me faz lembrar muito o chavismo, que começou também com toda essa estratégia de criar inimigos para combatê-los a todo custo, mesmo que seja contra evidências científicas (não achei esse estudo do Embrapa por ex contrariando o inpe como vc disse, mas estudos apontando o aumento no desmatamento tem “só” 44,400 no scholar – https://scholar.google.com.br/scholar?hl=pt-BR&as_sdt=0%2C5&q=desmatamento+na+amaz%C3%B4nia&btnG=&oq=Desmatamento+).

    Nessa coisa do anti-esquerda taxa-se tudo que alguém não quer como esquerdismo. Investimentos em educação e pesquisa por ex está sendo classificado como “esquerdismo”, mas pegando seu exemplo de países que evoluíram, compare a diferença de quanto eles investem em P&D por ex:
    https://epocanegocios.globo.com/Mundo/noticia/2018/12/veja-quais-sao-os-paises-que-mais-investem-no-motor-da-inovacao-brasil-esta-na-lista.html

    Brasil nem chega nos 1%. Educação é outro fiasco, temos investimento por PIB baixo pra desenvolvido e ridículo para quem está em desenvolvimento, daí por tabela temos a mão de obra muito menos produtiva que os asiáticos por ex. Coreia do Sul é um exemplo legal para entender como um país consegue se desenvolver com investimento em educação.

    No final, esse governo atual vai ser pífio: reformas tributárias, previdência, liberdade econômica certamente são importantes, mas sozinhas como estão indo não desenvolvem país nenhum. E 2022, depois de 4 anos patinando em PIB de 1% (se não menos), desemprego alto ou subemprego bem mais alto, vão falar que o liberalismo é um fiasco e entra alguém pra mudar tudo. E o problema nunca foi o liberalismo, mas a falta de fazer o serviço em todas as áreas (e no caso do Bolsonaro, especialmente Educação, P&D e Infraestrutura)

    1. Raphael Monteiro

      Olá Diego,

      Mesmo que seja discordância, sempre é bom debater. É possível discordar com educação, algo que está em falta ultimamente.

      Se você “voltar no tempo” verá que essa elevação no desmatamento, segundo a imprensa, tem acontecido todos os anos. Por que não caíram em cima do outros governos, como fazem com esse?

      Em relação a educação eu não acredito em hipótese alguma que se consiga montar um sistema de ensino estatal de excelência abarcando todo o Brasil. Impossível.

      Os gastos com educação no Brasil são grandes sim. Estão previstos na Constituição. O que falta é qualidade. Veja as universidades paulistas, tidas como as melhores. Usam mais de 100% da verba com a folha de pagamento. Tem cabimento?

      Por mim, privatizava, desregulamentava e desonerava todo o sistema de ensino do país.

      O que eu acho é que esse governo está fazendo muita coisa em diversas frentes. Economia, infra-estrutura, combate a corrupção e a violência. Acredito que iremos melhorar em tudo, mas requer tempo.

      Abçs!

  16. Avatar

    Por falar em Argentina, como faço para abrir conta de corretora de valores na Argentina? Algum banco ou corretora brasileiro oferece a possibilidade de operar na Bolsa de Buenos Aires?

    1. Raphael Monteiro

      Olá Vinicius,

      Não conheço corretora exatamente. Uma vez tive contato com uma asset da Argentina. Acredito que os fundos deles devam investir lá. Só não estou lembrado do nome.

      Abçs!

  17. Avatar

    Raphael,
    E quanto ao Euro e metais? São seguros. Estou de mudança para a França e já envio euros para lá.
    Já vendi quase tudo aqui no Brasil.
    Grato.

    1. Raphael Monteiro

      Olá Fábio,

      O Euro é uma moeda pouco inflacionária. Tem o problema do BCE negativar os juros e dele estar relacionado a países com níveis de confiança diferentes.

      Abçs!

      1. Avatar

        Raphael,
        O nível de confiança da França é baixo?
        Eu poderia abrir uma conta nos EUA para diversificar.
        Seria melhor não é?
        Grato por sua resposta.

        1. Raphael Monteiro

          Olá Fábio,

          Você fala da França em twrmos bancários? Ela não é um centro financeiro internacional.

          Estados Unidos são uma melhor opção para isso.

          Abçs!

  18. Avatar

    Muito coerente Rafael, ótima matéria.

Deixe uma resposta

Posts com maior repercussão

Fechar Menu