Pare com essa bobagem de aposentadoria precoce

aposentadoria precoce

A mentalidade oculta por trás de algo aparentemente interessante

Por ter começado a investir fora do Brasil em 2013, posso dizer que a minha curva de aprendizado em relação a diversos assuntos relacionados ao investimento internacional está um pouco mais avançada que a da maioria das pessoas.

A julgar pela proliferação de conteúdos relacionados ao assunto ter dado um salto recentemente, vindo a fazer parte dos maiores portais financeiros e a ser mais discutido em redes sociais, acredito que a maior parte dos investidores brasileiros começou a investir fora daqui apenas em 2019.

É natural então que assuntos como montar portfólio com ações ou ETFs e Factor Investing tenham entrado no imaginário do brasileiro mais no aspecto teórico e ainda pouco no aspecto prático. Justamente por ter começado antes, acabei criando uma base melhor para avaliar quais estratégias são ótimas no papel, mas que na prática acabam tendo uma série de problemas.

Nesse contexto e indo um pouco mais além, um dos assuntos que mais me empolgou quando comecei a consumir conteúdo americano sobre investimentos foi a aposentadoria precoce. Em inglês, este movimento é conhecido como F.I.R.E. (Financial Independence Retire Early).

No artigo que você lerá agora, eu vou mostrar como conheci essa teoria, como ela me encantou, como se desenvolveu na minha cabeça e porque hoje eu acredito que isso seja uma bobagem, que insere algo bastante prejudicial na cabeça das pessoas.

Aposentadoria Precoce

Quando eu comecei a pesquisar sobre investimentos no exterior, alguns blogs me chamaram a atenção e eu comecei a acompanhá-los. Um deles foi o Early Retirement Extreme. Este site é um dos pioneiros e se tornou o padrão-ouro de informação para quem deseja se aposentar precocemente.

Em uma das páginas é possível encontrar um resumo do que se trata:

“Early Retirement Extreme (ERE) é um movimento de indivíduos que integram ideias do anticonsumismo, faça-você-mesmo, o ideal do homem da Renascença, economia doméstica, individualismo, ambientalismo e capitalismo rentista com o objetivo de alcançar a independência financeira com extrema rapidez. Colocar os princípios de ERE em prática produz um estilo de vida que atende a todas as necessidades, ao mesmo tempo em que minimiza as entradas contínuas de dinheiro, recursos naturais, atrito e esforço.

Ao abraçar uma vida simples, autossuficiência e prudência, um trabalhador com uma renda salarial típica pode alcançar confortavelmente uma taxa de poupança de 50 a 80%. A matemática de juros compostos e taxas de retirada seguras ditam que um indivíduo com uma taxa de poupança tão alta pode alcançar a independência financeira depois de apenas 5 a 10 anos.

Nesse ponto, eles podem optar por se aposentar definitivamente do trabalho, realizar trabalho não remunerado ou buscar outros objetivos.”

Basicamente, o que ele prega é que você deve reduzir o seu consumo ao mínimo, proporcionando uma alta taxa de poupança. Deve investir o que economiza, que em 5 ou 10 anos terá volume de dinheiro suficiente para lhe manter pelo resto da vida.

É realmente tentador acreditar que seja possível se aposentar com apenas 10 anos de trabalho e que isso seja o suficiente para fornecer renda passiva pelo resto da vida. Mas como colocar isso em prática?

Colocando a teoria em prática

Encantado com a possibilidade de me aposentar logo, resolvi ler a Transformação de 21 dias. É a estratégia que o site propõe para que comecemos a cortar de forma brutal os gastos e joguemos nossa taxa de poupança na estratosfera.

Segue o passo-a-passo:

  • 1º dia: morar em um lugar mais barato
  • 2º dia: vender tudo o que não é necessário
  • 3º dia: torne-se vegetariano e só compre na xepa
  • 4º dia: livre-se do celular
  • 5º dia: tenha um hobby gratuito
  • 6º dia: não compre mais roupas
  • 7º dia: venda o carro

Nestes e em alguns outros dias, o foco seria se livrar de tudo que fosse desnecessário, particularmente se gerasse gastos. Como eu tenho uma certa pão-durice genética, não acreditava que seria muito difícil cortar um pouco mais.

Em outros dias, o foco estava mais na organização financeira:

  • 9º dia: faça um orçamento
  • 10º dia: calcule o patrimônio
  • 12º dia: abra uma poupança
  • 14º dia: comece a investir

Bom, aqui entrava a economia básica, que nada mais é do que o famoso “gaste menos do que ganha e invista a diferença”. Eu falo mais a esse respeito no artigo A decisão financeira mais importante da sua vida.

Em resumo, adotar a responsabilidade financeira, só que levada ao extremo no quesito corte de gastos. Todo esse exagero era justificado para se alcançar o número mágico o mais rápido possível.

O número mágico

Todo o conceito sobre independência financeira e aposentadoria precoce depende de uma métrica chamada número mágico.

Número mágico é a quantidade de patrimônio necessário para gerar renda que lhe sustente pelo resto da vida.

Aqui vale o exercício. Tente chegar em um valor que você julgue necessário para não precisar trabalhar mais pelo resto da vida. Se possível, deixe esse número nos comentários para termos uma ideia do que todos pensam.

Acredito que cada pessoa chegará em um número diferente, mas o princípio para se chegar nele é basicamente o mesmo. Você pega o valor dos seus gastos anuais e faz uma regra de três com uma rentabilidade anual razoável e, voilá, seu número mágico aparece.

Vamos supor que você gaste 50 mil reais por ano. De maneira conservadora, admitemos que o seu patrimônio renda 7% ao ano. Então, você precisaria ter aproximadamente 715 mil de reais.

Por essa forma de cálculo, o seu patrimônio permaneceria intacto neste valor de 715 mil reais e você consumiria os rendimentos de 50 mil reais por ano pelo resto da vida.

Existe ainda um outra teoria, baseada em dados históricos americanos, que prega ser possível fazer retiradas de 4% anuais em um portfólio de 50% ações e 50% renda fixa, independente da rentabilidade e que isso duraria pelo menos 30 anos. O colega do blog Heavy Metal comentou esse artigo em mais detalhes.

Os problemas da aposentadoria precoce

Por mais que essa ideia soe interessante, ela traz uma série de problemas.

O primeiro é que a renda do brasileiro é muita baixa quando comparada a dos americanos. Estudos recentes mostram que a renda mensal familiar média no país é em torno de 1.406 reais e metade dos brasileiros vive com menos de 15 reais por dia (438 reais por mês). Para a imensa maioria dos brasileiros já é difícil sobrar dinheiro no final do mês, o que dizer então de economizar 50 a 80% disso?

Ou seja, para a imensa maioria do país, o foco deve estar em aumentar a renda e não em cortar os gastos. A realidade precisa ser dita. O Brasil é um país pobre. Para sair disso é preciso focar no aumento da renda. Eu comento mais sobre isso no e-Book A pirâmide das Finanças Pessoais.

Passado o primeiro obstáculo que é ter alguma renda para depois poder economizar, esbarra-se no segundo problema, que é justamente viver em um nível tão grande de economia que o impeça de usufruir da vida. Do próprio site ERE:

Não preciso de bifes sofisticados, ingredientes raros ou outra pessoa para preparar minhas refeições, seja uma pizzaria, um chef ou um pré-processador industrial de alimentos. Eu preciso de comida para viver. Comida para abastecer meu corpo e cérebro. Luxo não é comer em 5 restaurantes cinco estrelas. Luxo é poder apreciar qualquer comida.

Será que vale mesmo a pena passar a vida se privando de ter uma refeição elaborada, uma sobremesa ou uma bebida de melhor qualidade de vez em quando e de acordo com as possibilidades e gosto de cada um? E nem falo de restaurante 5 estrelas. Pode ser o churrasco de fim de semana, ou a ceia de Natal. Se refeição fosse apenas ingestão de nutrientes, o mercado de ração para humanos deveria ser no mínimo tão grande quanto o de animais.

Isso nada mais é que a estratégia do cafezinho repaginada. Aliás, até hoje ninguém me mostrou um caso sequer de alguém que ficou rico, simplesmente porque cortou o cafezinho. Se existe essa implicância em economizar com comida, imagine com viagem e lazer! É daí pra pior.

Depois de tudo isso, você ainda precisaria descobrir o seu número mágico e a idade na qual você deseja se aposentar. Será que o número mágico de hoje é o mesmo de 10 anos atrás. Será que daqui 10 anos será o mesmo? Qual será a rentabilidade dos investimentos no futuro? Há um ano, quem imaginaria Selic a 2%? Não acredito que seja possível estimar isso com algum grau de precisão.

Será que é plausível se aposentar aos 40 ou 45 anos, sendo que a expectativa de vida aumenta ano a ano e hoje é muito comum viver além dos 80 anos?

É tudo muito incerto. Você vai se privar de ter filhos porque deseja se aposentar mais cedo? Vai se privar de um bom atendimento em saúde para se aposentar mais cedo? Aliás, quanto maior a idade, maiores os gastos com saúde. Será que é seguro não trabalhar e consumir patrimônio justamente numa fase em que podem acontecer grandes gastos como esse?

Também não podemos extrapolar estudos americanos históricos em termos de taxas de juros e rentabilidade da bolsa com o Brasil. Nossa moeda é mais fraca, nossa economia é mais frágil, nossa inflação é maior e mais instável e nossos salários são menores. Não temos qualquer segurança jurídica e tributária.

E se de repente o governo resolve tributar aquela renda que você contava como isenta, como é o caso dos Fundos imobiliários? Será que a sua renda calculada para passar o resto da vida sem trabalhar está preparada para uma mordida de 15 ou 20%.

O fato é que o futuro é muito incerto e existe uma gama muito grande de fatores externos que pode interferir nos resultados. Eu já falei sobre isso no artigo Planilha de juros compostos não serve pra nada. Dado que não é possível rebobinar o tempo, não existe a possibilidade de voltar e corrigir o que você fez de errado quando o dinheiro acabar e você não conseguir se sustentar.

Mas o pior de tudo isso não é nem a questão matemática, mas de mentalidade.

Trabalhe igual a um animal, viva igual a um miserável e seja feliz

O que eu percebo acompanhando a tal comunidade F.I.R.E. americana é que ela é composta em sua maioria por pessoas insatisfeitas com seu trabalho. Em vista disso, elas só trabalham por dinheiro e a aposentadoria precoce seria um prêmio por anos de sofrimento “9 to 5”.

Quantas vezes também já li “Ah, vou me aposentar para trabalhar apenas com o que eu gosto”. E desde quando sair de um trabalho que não gosta para outro que gosta é se aposentar? Muito desse pessoal apenas muda de trabalho e começa a “vender a ideia” de aposentadoria precoce por meio de livros e blogs. Você acha mesmo que o Tim Ferriss trabalha 4 horas por semana? Mudança de carreira é algo natural, mas não é aposentadoria.

Imagine a cabeça de uma pessoa que sofre para trabalhar, pensa apenas em ganhar dinheiro e economizar para alcançar o número mágico. Dá pra ser feliz assim?

Será que esse pessoal já parou para pensar que trabalho é atender a necessidade (ou desejo) de outras pessoas e que todos nós consumimos também o trabalho de outras pessoas?

É muita mediocridade ter como propósito de vida acumular dinheiro visando aposentadoria.

Conclusão

Por mais que a ideia de aposentadoria precoce soe interessante, ela é cheia de furos e implicações que podem ser cruéis com você.

É possível sim ter um trabalho do qual você goste e que renda frutos financeiros e satisfação pessoal. O livro So Good They Can’t Ignore You é muito bom e aborda essa questão. Já recomendei em outros textos.

Quanto à questão da economia exagerada, acho que é possível cada um avaliar a sua própria realidade e ver onde é possível cortar despesas. A vida é feita de supérfluos e você deve aproveitá-los sem colocar em risco a saúde financeira da sua família.

Outra coisa, observe que as pessoas que realmente acumularam um patrimônio gigantesco com pouca idade não se aposentam. Continuam produzindo e gerando valor. Já falei sobre isso no artigo A Máfia do Paypal.

Mark Zuckerberg tem 36 anos e 100 bilhões de dólares de patrimônio. Não acredito que ele pense em se aposentar tão cedo. Ou talvez, quem sabe, eu esteja errado e o número mágico dele seja ainda maior.

4.6/5 - (48 votes)

Aviso: Declaro que não sou analista de valores mobiliários. As informações discutidas no artigo possuem propósito educacional e refletem única e exclusivamente meus estudos, pesquisas e opiniões. Não devem ser consideradas como recomendação de investimento.

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no google
Google+
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn
Compartilhar no pinterest
Pinterest

Este post tem 67 comentários

    1. AC40

      Idem! 3 milhões.

  1. Graciano

    Boa noite Raphael, concordo 100% com você, sempre achei estes exageros econômicos uma presepada, inclusive estas coisas de planilhas e projeções futuras nem sempre funcionam, você mesmo citou o caso do aumento da base monetária exercida pelo BC com a consequente queda dos juros, foi um balde de água fria nos meus investimentos, dos outro não sei.

    1. Olá Graciano,

      Obrigado por comentar.

      Difícil prever o próximo ano, que dirá os próximos 40.

      Abçs!

      1. Graciano

        Bom dia Raphael, é isto mesmo.

        1. Jamile

          Ótimas observações Raphael. Na minha visão o movimento FIRE tem o nome inadequado, muitas vezes, poderia se chamar por exemplo INDEPENDÊNCIA DE ESCOLHA FINANCEIRA. Hj com 33 anos eu já tenho renda passiva suficiente para manter meus gastos totais mas continuo trabalhando, graças a tranquilidade financeira q conquistei não preciso me sujeitar a qualquer trabalho, em qualquer circunstância por causa de dinheiro.
          Acredito q essa deva ser a busca principal, ter a opção de fazer o q achar melhor com a sua vida sem q o dinheiro seja o fator principal de decisão.

  2. Ash

    Eu já comentei em outros blogs e repito aqui, viver de renda é para milionário.
    Eu só sairia do meu trabalho pra viver de renda com patrimônio acima de 10 milhões. Uma parte imobilizada, uma parte no exterior. Uma renda passiva na faixa de 30k.
    Pensar em viver de renda ganhando 5k ou menos por mês em renda passiva é ser medíocre, se contentar com muito pouco.

    Eu gosto de trabalhar com o conceito de tranquilidade financeira. Ter renda passiva crescente que me sustente, caso venha a ficar sem renda do trabalho, e que no futuro complemente minha renda pra que eu possa ter um padrão de vida melhor.

    Cada um sabe o que é bom pra si e o que valoriza. Mas eu gosto de viver bem, ter um bom carro, morar bem, dormir confortável, sair, curtir, viajar.

    Poupar e investir é um sacrifício que enxergo necessário pra ter tranquilidade. Posso morrer amanhã ou posso viver mais 60 anos.

    Então poupo e invisto de forma a tentar ao longo do tempo construir uma renda que me dê tranquilidade.

    A minha meta é poupar cada vez menos. E no futuro usar os rendimentos para complementarem meu salário.

    1. Olá Ash,

      Exatamente. Penso como você.

      É possível equilibrar as coisas, aproveitar e ir acumulando patrimônio ao longo do tempo.

      A renda passiva vai aumentando com o passar do tempo e quem sabe um dia ela será grande o suficiente para cobrir despesas com grande margem de segurança.

      Abçs!

  3. LINELSON

    Pior artigo que já li do site.

    1. Olá Linelson,

      Você é livre não só para discordar, como para buscar sua aposentadoria precoce, se assim desejar.

      Abçs!

    2. Maicon

      Caro Linelson, caso se interesse pelo tema FIRE sugiro que siga o blog Viagem Lenta (.com) redigido pelo André. Não sou envolvido com o projeto mas ele costuma abordar o tema com muita racionalidade e com os pés no chão, assim como o Raphael o fez nesse artigo.
      No entanto talvez uma abordagem diferente lhe possibilite uma compreensão melhor sobre o tema. Um abraço!

  4. neolight

    Com juro nominal negativo que os BCs mundiais querem impor, a renda fixa virou perda fixa. Não vai dar pra se aposentar nunca. Ou teremos de trabalhar ou teremos de sempre ir arriscando na renda variável – o que é por definição arriscado pra aposentadoria… Provavelmente a saída será o ativo real 🙁

    1. Olá neolight,

      Está cada vez mais difícil “viver de renda” nesse mercado manipulado e inflado.

      Abçs!

  5. Morphs

    Olá Raphael, belo texto.. o primeiro que li de teu blog!

    Vou te contar minha experiência pessoal sobre:
    Eu com meus 23 anos sei que poderia me esforçar pra aposentar aos 40.. mas esse esforço seria basicamente deixar de viver coisas que aos 40 eu não teria tesão muito menos pique/corpo/saúde de fazer.

    Se eu aportar próximo de um salário mínimo/mês, aos 53 já vou ter um belo patrimônio sem ter deixado de viver. Atualmente, pra dar um contraste, consigo aportar 2,5 salário mínimo/mês.. quando não tenho muito onde gastar, aporto isso mesmo, mas caso contrário, não “deixo de viver”.

    Agora no início pretendo forçar nos aportes, pra mais pra frente ir tirando o pé deles. No fim, na minha concepção, o que importa é começar cedo, e isso já estou fazendo.

    1. Olá Morphs,

      Há fases da vida em que é possível economizar muito, como um casal recém-casado e sem filhos que não financiou um imóvel ou um solteiro que mora com os pais.

      Devemos adequar a taxa de poupança para cada fase da vida, sem deixar de aproveitá-las.

      Abçs!

  6. Bonfim

    Parabéns pelo post! Concordo tb com o exagero e mediocridade que algumas pessoas vivem e passam sendo a base daquele programa de TV Muquiranas que pelo absurdo me rende algumas boas risadas, mas infelizmente estão sendo mediocres em só pensarem nelas e esquecerem da sociedade e mundo que vivem pq esse nível alto de poupança prejudica o equilíbrio da macro economia tb.
    E falando em equilíbrio o movimento deveria ser de ajudar as pessoas a acharem seu equilíbrio (mental/físico/financeiro) ao invés do somente FIRE.

    1. Olá Bonfim,

      Acredito também que é necessário ter um equilíbrio em termos mental, de saúde, familiar e financeiro.

      Não dá para se privar das coisas, porque isso atrapalharia os planos de F.I.R.E.

      Abçs!

  7. Fábio

    Muito bom o artigo! Gostaria de reforçar que, embora não seja fácil pra todos, é muito importante procurar um trabalho que te acrescenta mais do que o salário. É utopia dizer que qualquer trabalho é gostoso todo o tempo. Mas eu acho mesmo que não há dinheiro que pague um emprego que você realmente não gosta, a não ser por um tempo bem pequeno e determinado, ou você esteja aprendendo muito uma coisa importante (investindo em você mesmo)

    1. Olá Fábio,

      O livro “So Good…” explica muito bem essa questão. Vale a pena a leitura.

      Eu acho que a satisfação do trabalho está no resultado que você dá para seus clientes.

      Abçs!

  8. Sergio

    Bom dia Raphael. Muito boas as reflexões desse post. Obrigado por citar as fontes também (livros e blogs). Minha meta está em 5.000.000 com objetivo de uma renda mensal em torno de 20 mil. Já passei da metade desse valor mas não penso em parar de trabalhar quando chegar lá e nem penso em deixar de usufruir a vida durante o percurso. A felicidade é o caminho. Abs

    1. Olá Sérgio,

      Exatamente.

      Um exercício interessante é ver o que é possível comprar hoje com 20 mil reais (fazer uma lista mesmo) e repensar nisso daqui 10 anos.

      Acredito que o resultado será chocante.

      Abçs!

  9. Marcio Boes

    Olá, o que vejo hoje são modinhas e muita gente virando muquirano e não valorizando muita coisa em troca de “se aposentar cedo”. O popular ditado “maria vai com as outras” onde os influenciadores vendem os milagres nos “videozinhos” do youtube para abocanhar o suado dinheiro das pessoas que sonham em ficar ricas em 5 minutos do vídeo que tem mais likes nas redes sociais.
    Raphael, seus conteúdos são muito esclarecedores e o fato do Brasil ser o que é dificulta bastante as coisas, mas é preciso aprofundar os conhecimentos sobre como formar um patrimônio sólido que vá te sustentar no futuro. sem abrir mão de viver bem e com conforto.

    1. Olá Márcio,

      Sim, não sei se ficou exatamente claro, mas o oobjetivo deve ser acumular patrimônio e/ou renda passiva crescente. Se isso vai te aposentar com 40, 50 ou 60 anos é outra história.

      A ideia do texto é mostrar que existe tanta incerteza quanto ao futuro que o patrimônio para te sustentar tranquilamente por 40 anos deveria ser muitos milhões de reais (ou dólares).

      Abçs!

      1. Marcio Boes

        Sim, ficou claro.
        Estou trabalhando para isso!
        Abço!

  10. marcos celio carvalho defina

    Até que enfim alguem põe um pouco mais de luz e realismo nesse tema, ao meu ver, enviesado, perigosamente otimista e extremamente radical com voce mesmo e sua familia. Tem despesas que muitas vezes fazem a diferença entre voce ter um psicologico equilibrado e produtivo ou ser um total avarento que pensa dez vezes em passar alguns dias na praia vez em quando mesmo curtindo muito a idéia. Outro exemplo: adoro vinhos moderadamente degustaveis: vou deixar de toma-los e economizar comprando sangue de boi?? E ninguem tambem irá viver 200 anos, ou seja nem ser perdulario ou ser FIRE radical, o equilibrio estará sempre no centro.

    1. Olá Marcos,

      Exato. É possível viver bem e mesmo assim acumular patrimônio.

      A meu ver, a escolha da profissão ajuda muito a conseguir isso.

      Abçs!

  11. JOSE

    A frustração de muitas pessoas com o seu próprio trabalho (acho que a maioria das pessoas que eu conheço se queixa de que não gosta do que faz) vem oferecendo um nicho de mercado excelente para que se vendam ideias infames. Muitos youtubers milionários descobriram isso e estão abarrotando os bolsos vendendo essas ideias faltas de especulação de sucesso. Vendem para descontentes e preguiçosos a ideia de que se se matarem de trabalhar e mantiverem uma vida espartana serão capazes de viver feito nababos um dia. Que esperança infundada! E assim, o que mais vemos hoje são espertos que se aproveitam dessa cultura que se criou para venderem consultorias, tutoriais mágicos, conteúdos exclusivos, roteiros infalíveis, e afins. E os incautos (exatamente por não serem inocentes, mas por estarem buscando um suposto caminho sem espinhos) caem que nem moscas.

    1. Olá José,

      Para cada vídeo “como ganhar dinheiro trabalhando” existe 50 dizendo “como ganhar dinheiro sem trabalhar”.

      Abçs!

  12. João

    Nunca levei o trabalho como fonte de renda; sempre encarei-o prazeroso, com vitórias diárias.
    O resultado é de que acumula-se patrimônio, como consequência de uma realização pessoal.
    Ótimo texto!
    Abs

    1. Olá João,

      É exatamente como vejo. Precisamos encarar o trabalho como forma de servir o próximo. A geração de renda deve ser consequência disso.

      Abçs!

  13. André

    Olá Rafael!

    Seu texto parece um paradoxo para mim rsrs. Consigo concordar com quase todas as palavras quando ditas isoladamente, mas discordar radicalmente de sua conclusão.

    Os fins não justificam os meios. Muito de seu texto é atribuir ao objetivo FIRE a vida com miséria. Assim como concordo contigo que devemos viver bem a vida no presente, sem miséria, isso não é uma justificativa para buscar a FIRE. O que adianta chegar no futuro com menos saúde e felicidade e com mais dinheiro? Mas nada disso torna a FIRE uma bobagem.

    As dificuldades inerentes no processo não invalidam o objetivo. É difícil? Talvez! Ainda mais para a realidade brasileira? Sim! Mas isso também não torna a FIRE uma bobagem. E sim que ela não é tão trivial assim.

    O prazer no que você faz não torna a busca da FIRE algo sem sentido. Você nunca sabe até quando gostará do seu trabalho. Pessoas e mentes mudam. Se isso mudar, você tem um patrimônio para tocar novos projetos. Se não mudar, continue com seu trabalho. Largar o trabalho é opcional. Vc tem a possibilidade se quiser, mas não a obrigação.

    Aposentar-se não significa ócio. Vc pode, por exemplo, usar um trabalho voluntário, sem precisar de “renda” para ajudar o próximo. Por experiência própria, ele é muito mais gratificante do que um trabalho assalariado. Você pode sair para viajar o mundo se desejar, como eu já fiz. Você pode querer o tempo para dedicar-se 100% a um novo filho, como farei a partir desse mês quando ele nascer (38 semanas e 4 dias hoje… ansioso…). Se eu não fosse FIRE, nunca poderia fazer nada disso.

    O problema não é a FIRE, mas sim o que você pensa dela e como vai agir para conquistá-la.

    Abraço!

    1. Olá André,

      Obrigado por comentar e dar o seu ponto de vista.

      Minha crítica tem 3 pontos principais:

      O primeiro é que os americanos FIRE mais conhecidos vivem uma vida de restrições sim, ou fingem que vivem por estarem tirando renda desse mercado. Se estão ganhando algo com isso, a meu ver, não caracteriza uma aposentadoria, mas sim uma mudança de carreira. Segundo algumas reportagens, o ídolo de muita gente, Mr Money Mustache, ganha cerca de 400 mil dólares por ano com o site? “His blog generated about $400,000 last year, thanks to commissions collected from banks, investment services and other financial products he recommends”. Está bem longe de ser um trabalho voluntário.

      O segundo é a questão de calcular com segurança quando a pessoa consegue se aposentar. Como falei, há inúmeras variáveis e se quisermos uma margem de segurança para eventos inoportunos ou imprevistos, teremos que subir muito esse “número mágico”, o que torna a conquista algo para muito poucos. Os americanos levam vantagem por terem uma moeda mais estável e menor imposto sobre consumo, sem contar que alguns se mudam para países de terceiro mundo, onde a moeda vale mais. Muitos deles tem patrimônio acima do milhão de dólares.

      O terceiro é a mentalidade. Trabalhar apenas por dinheiro e colocar metas de idade ou de patrimônio acumulado pode ser um tiro no próprio pé. Acredito que o foco deva estar no processo, na geração de valor para os outros, na poupança, nos investimentos e na geração de renda passiva.

      Acho que existe uma diferença entre tranquilidade financeira e aposentadoria precoce. Pra mim está claro que FIRE é sacrifício para aposentar cedo. Aposentar com 35 e 40 anos só não exige sacrifício se você tiver uma renda tão grande que duvido que desejará abandoná-la tão cedo.

      Abçs!

      1. Andre

        Olá Rafael!

        Sim, eu entendi sua ideia. Mas reforço e acrescento algo mais no meu ponto de vista agora, mais explicitamente, pelas suas respostas.

        1) Essa comparação envolve discordância da forma com que as pessoas agem para buscar a IF. E eu concordo contigo que isso está errado. É uma comparação semelhante a dizer que uma pessoa passa fome, vontade e sofre de bulimia com o intuito de emagrecer. O problema não é no objetivo de emagrecimento, e sim na forma (meios) que as pessoas usam. Não sei se deixei claro meu ponto de voluntariado com seu exemplo do MMM (não entendi a colocação). O que eu quis dizer é que só podemos nos doar aos outros por um tempo muito maior (ou em atividades específicas que desejamos) SE formos FIRE.

        2) Sim, essa dificuldade existe. Mas isso não atribui algo negativo à FIRE. Lá no meu blog, disponibilizei uma planilha que atualizo anualmente, com despesas e gastos previstos para as próximas décadas (sistema semi-automatizado, fácil de fazer), que fornece ao final a taxa que vc precisa remunerar seu patrimônio para a FIRE. No meu entender, a comparação dessa taxa com a média da taxa de remuneração de seu portfólio (e uma pitada de bom senso) ao longo dos anos é que dirá se vc já é FIRE ou não. Nada a ver com seu patrimônio. Ou seja, existem formas de melhorar a ideia, sem atribuir culpa à FIRE em função dessa dificuldade.

        3) Quem deseja e entende a FIRE não trabalha por dinheiro. Trabalha por tempo livre. Quem trabalha por dinheiro está fazendo a coisa errada. E é culpa da pessoa, não da FIRE. O maior objetivo é vc ter tempo para decidir fazer o que quiser da vida. O sacrifício é relativo. Pessoas são diferentes e dependem de valores muito distintos para viver. Se você encontra uma pessoa que deseja 30k por mês para viver, concordo contigo: o sacrifício dela pode ser grande demais para abraçar a FIRE, caso sua renda atual não seja ao menos 50k por mês. Mas não podemos praguejar a FIRE por isso. Da mesma forma que se algum gordinho quisesse ficar sarado fazendo dieta e indo na academia. Ficar forte e magro é possível? É! Ele deseja abraçar esse sacrifício? Não! Apesar disso, o objetivo continua sendo possível. Por isso não vejo muito sentido em atacá-lo ao invés de entender que as variáveis para alcança-lo dependem de cada um.

        Para você, a FIRE é sacrifício e uma bobagem. Para mim não foi. Vivo muito bem há quase 11 anos sem emprego. Até aí é uma opinião, ok, mas atribuir furos a ela e associá-la a implicações cruéis para as pessoas é um pouco “cruel” demais rsrs. A FIRE continua existindo e sendo plenamente possível para quem dá valor maior às ideias de liberdade (tempo!) e topa fazer trocas temporais (monetárias), sem excessos. Ela está aí, disponível a todos que a aceitem.

        Abraço!

  14. Alex - BPM

    Fala Raphael!

    Muito boa reflexão. O problema é que o conceito tem várias interpretações e assim como concordo com muito do que você escreveu, também concordo com o que o André escreveu ai em cima. O brasileiro acha que vai colocar 1000, vai transformar em 1.000.000,00 e vai parar de trabalhar e viver como o Neymar. Esse é o sonho da maioria e posso falar com total propriedade porque muitos dos meus amigos pensam assim.

    Acho insano viver mal na jovialidade para depois dizer que tem uma excelente vida. O maior erro, na minha visão, é trabalhar muito, acumular e morrer milionário. Herança da um trabalho danado e muita briga. Eu já escrevi alguns pensamentos no bpmilhao.com e igualmente a você, minha curva de aprendizado aumentou demais desde que comecei os investimentos no exterior em 2016. Eu até escrevi um texto já antigo, falando sobre como você vive a vida? Frugalidade ou Equilíbrio? Justamente para criticar de certo modo esse estilo de vida miserável. https://www.bpmilhao.com/2017/10/como-voce-vive-vida-frugalidade-ou.html

    O assunto é extenso, pois são muitas interpretações e muitos entendimentos. De qualquer maneira, aquele que tem pé no chão, sabe que a FIRE pode existir, a gente pode chegar lá mas não como conto de fadas que muitos acreditam.

    1. Olá Alex,

      Obrigado por deixar sua opinião.

      Eu acredito que o foco deva estar no processo e não em um número teórico de patrimônio e renda.

      Os maiores acumuladores de patrimônio são pessoas que não se aposentam nunca. Elas têm um propósito maior do que o de acumular dinheiro e aposentar cedo.

      Abçs!

  15. Aposente Cedo

    Raphael, acho sempre válido ler um contraponto às ideias e planos que particularmente tenho. FIRE não é para todos, especialmente as jornadas que demandam frugalidade extrema para que a aposentadoria seja precoce. Quem possui renda acima da média e vive bem com uma fração dessa renda tem plena possibilidade de se aposentar precocemente e sem grandes privações pelo caminho. Pelo menos os brasileiros que conheço que se aposentaram cedo se encaixam no perfil. Conheço quem esteja aposentado (ou em um período sabático por prazo indeterminado) da classe média baixa à classe média alta. Ninguém que viva como um rei, tampouco como classe C ou D.

    Creio que planos bem definidos sobre o que fazer após a aposentadoria precoce sejam fundamentais para que a mesma faça sentido.

    Abraço

    1. Olá Aposente Cedo,

      É o que falei, apenas uma elite de altos salários que consegue acumular o suficiente para esse objetivo.

      Acho extremamente improvável alguém de classe média ou média baixa aposentar precocemente sem sacrifícios. Vão ficar dependendo de SUS, não terão filhos, não sairão de férias, etc.

      Isso é muito arriscado e não dá margem a imprevistos.

      Abçs!

  16. Felipe

    Raphael, sempre preciso nos artigos!!

    Estou 100% de acordo com tudo, exceto o fato de que trabalhar por amor não é um previlégio tão simples de ser alcançado. Eu comecei tarde a investir e o preço que estou pagando é suportar trabalhos pouco aderentes ao meu desejo simplesmente porque “pagam bem”. Hoje não posso “chutar tudo” e tentar algo novo, colocaria minha família em risco.

    É neste ponto onde a “aposentadoria precoce” faz um pouco mais de sentido, pois a ideia é ter um custo fixo baixo, que possa ser sustentado pelos investimentos por algum período de tempo. Esse período seria a fase de adaptação para uma tentativa de nova carreira.
    E caso tudo dê errado… pelo menos de fome não morremos…rs.

    Um abraço

    1. Olá Felipe,

      Isso que você descrever não é aposentadoria precoce. Chama-se tranquilidade financeira. É você ter dinheiro, patrimônio e renda suficientes para não aceitar qualquer trabalho remunerado do qual não goste. Enfim, é ter mais liberdade.

      Quem vive no vermelho acaba tendo que aceitar mais coisas indesejadas, porque tem contas a pagar. Já quem tem sobrando não precisa. Isso não é aposentadoria precoce.

      Abçs!

  17. mmfonseca

    Primeiro agradeço o suporte dado pelo Investidor Internacional e feedbacks. Se a gente não tem referência, não sabe aonde que anda. Não confio em ninguém que não tem um a planilha na frente! E aqui no I.I. tem. Pra mim está bem e vivo um dia de cada vez. Revejo objetivos, estratégias e expectativa em relação ao ativo tempo que pra mim é ouro. Aceito a ideia do balanço entre ônus e bônus. Então tenho dias bons que compensam os ruins. Seja agora ou no futuro. Acomode sua realizações ao longo da vida. Se você deixar pra velhice vai se surpreender. A vontade vai passar. E você nem vai saber o porque!

      1. Aprendiz

        Rafael, boa tarde.

        Vc diz em seu texto que “Para a imensa maioria dos brasileiros já é difícil sobrar dinheiro no final do mês, o que dizer então de economizar 50 a 80% disso?” ( O que concordo). Aí vc diz também: “É possível sim ter um trabalho do qual você goste e que renda frutos financeiros e satisfação pessoal” ( o que não concordo). Vc está tratando de parcelas da população diferentes? Essa parcela da população de menor renda não possui formação profissional específica ou tem os níveis mais baixos de formação, e consequentemente menos opções para escolher.

        Abraço.
        Aprendiz

        1. Olá Aprendiz,

          Existe muita gente sem formação tradicional que toca grandes negócios.

          Pesquise e descobrirá que a maioria das grandes empresas brasileiras foram fundadas por pessoas comuns que começaram pequenas. Muitas por imigrantes que chegaram sem nada ao Brasil e nem falavam português. Os exemplos são inúmeros: Magazine Luiza, Casas Bahia, Localiza, etc. Algumas das maiores farmacêuticas brasileiras foram fundadas por ex-propagandistas de farmacêuticas estrangeiras.

          O que importa é a vontade de vencer e de gerar valor e não a vontade de se aposentar.

          Essa é a mentalidade que eu defendo.

          Abçs!

  18. Rafael

    Boa reflexão a sua Rapha.
    Meu numero é 800 mil, e provavelmente vou alcançar ano que vem. Tenho 37 anos tenho casa própria.

    Creio que se equivoca no termo mediocridade, quem somos nos para determinar oq é bom conforto para as pessoas? O tipo de lazer que satisfaça a necessidade? Os Hobbys, a filantropia, o baixo consumo, a alimentação mais saudável, poder elaborar vc mesmo sua alimentação, atividade física, convivência com a família e com os animais, com a natureza, viagens, pedaladas, caminhadas…? Ser medíocre é escolher o dinheiro além da vida.
    Quanto custa seu tempo? Quanto custa uma hora da sua vida? Pense, não estão pagando pouco por ela?

    Precisamos de milhões para aproveitar realmente a vida?

    A Matrix pegou a maioria por aqui, e não vão sair dela nunca.

    Continuem enriquecendo seu patrões, e encontramos no litoral quando vcs forem tirar suas ferias depois de 365 dia de semi escravidão.

    Um abraço e boa sorte.

    Rafael.

    1. Olá Rafael,

      A mentalidade que querer se aposentar cedo, a meu ver, é medíocre.

      A vontade de crescer e gerar valor, criando grande patrimônio neste processo é o que deve ser perseguido.

      Como eu falei, as grandes fortunas não foram geradas por pessoas que queriam se aposentar.

      Acho 800 mil um número bastante perigoso para quem deseja se aposentar tão cedo, mesmo na frugalidade extrema. não resiste a 2 anos de Boulos na presidência e nem a algum plano econômico maluco como já tivemos algumas vezes.

      Uma cirurgia complexa em um grande centro pode custar mais de 100 mil reais. Espero que não precise, mas 37 anos é uma idade muito nova para contar com sorte pelos próximos 40 ou 50 anos.

      De qualquer forma, todo mundo é livre para traçar seus próprios planos e se aposentar na idade e com o patrimônio que julgar necessário. Só acho bastante perigoso.

      Boa sorte!

      1. Aprendiz

        Raphael,
        Obrigado pelo feedback.
        Interessante que sua resposta não esclarece os argumentos utilizados no texto original. Aqui vc diz que a maioria das grandes empresas de sucesso são fruto do trabalho de pessoas com formação tradicional. Em percentual, essa “maioria” é insignificante dentro do número de empresas registradas no Brasil. Assim, sua tese é o mesmo que dizer a um garoto que ele treine futebol com vontade e certamente ele se tornará um Ronaldinho ou Neymar.
        Na sua argumentação, no caso do FIRE, o fato de ser para uma minoria é negativo, mas para defender sua mentalidade, os casos de empresas de sucesso, que são uma minoria ( basta ver o percentual de empresas que conseguem se manter em funcionamento após 2 anos de operação ) é ponto positivo.
        O bacana é que todos tenham informação de qualidade, educação financeira, conheçam diferentes opções de lidar com a questão das finanças, e por fim façam as escolhas que melhor lhe cabem, não sendo algum de nós que vai definir o que é bobagem ou não.

        Sucesso,
        Aprendiz

        1. Olá Aprendiz,

          O meu comentário foi mais na direção do livro “O milionário mora ao lado”, onde ele mostra que boa parte dos milionário não possui nenhum glamour e são donos de pequenas empresas. O fato é que não precisa de boa formação acadêmica ou herança para subir na vida. Claro que ajuda, mas há outros fatores.

          Só não acho que o desejo de aposentar (exceto se passar em concurso público para o judiciário) faz alguém subir na vida.

          O problema do FIRE é que a margem de segurança para dar certo precisa ser alta e só pessoas com altíssima renda conseguiriam.

          Abçs!

  19. francisco freixinho

    Finalmente alguém que pensa como eu e descobriu a falácia do minimalismo, isso deve ter sido plantado pela NOM. Eu quero muito aposentar, para então investir em HOBBIES em que sou bom, e precisam de dedicação para gerar renda. Seria o famoso trabalhar com o que gosta.Sou funcionário público e já tenho um portfólio de respeito, carro seis cilindros, moto de luxo, conheço varios paises, tenho três assinaturas de vinho, e estou numa boa. MEDIOCRIDADE JAMAIS.

    1. Olá Francisco,

      Não acho que o minimalismo e o gasto consciente são um problema em si, mas a mentalidade de “aposentar cedo” sim. Acredito que encontrar o ponto de equilíbrio para ter tranquilidade financeira seria o ideal.

      Abçs!

  20. Fernando Nakazawa

    5.000.000,00
    Acumular patrimônio para ter uma estabilidade financeira e conforto social. Trabalhar é preciso mesmo depois de atingir esse objetivo, ou , se preparar para morrer. A vida é curta, estamos de passagem, por isso melhor aproveitar o dia a dia e valorizar as relações a boa comida e viagens…do contrário, o corpo padece e adoece e perdemos o potencial de uma vida plena

  21. Will Fire

    Rafael, acho a troca de ideias q o teu post possibilitou muito boa. A meu ver a sua principal “incomodacao” está no termo “aposentar cedo”. Troque esse “aposentar cedo” por “ter seu proprio tempo cedo”. Quem tem seu proprio tempo cedo, faz o q quer, inclusive trabalha com o q quiser, quando e onde quiser. Tudo é mais facil para quem tem mais salario, mais educacao e mais oportunidades para quem nao tem nada disso. A meu ver é tao ilusorio achar q alguem vai conseguir trabalhar em um trabalho q de satisfacao durante 40 anos do q viver de renda 40 anos. Nada é fixo. Tem q se adaptar constantemente durante a jornada. Parabens pelo post e abs.

    1. Olá Will,

      A ideia é justamente essa: expor uma opinião e deixar aberto para todos comentarem, seja concordando ou discordando.

      Veja que o termo “aposentadoria precoce” ou “early retirement” não dá margem para muita discussão. Aposentadoria é aposentadoria.

      A definição do termo é essa: “afastamento (de um trabalhador) do serviço ativo, após completar os anos estipulados em lei para exercício de atividade”.

      Como aposentadoria precoce não é algo definido em lei e não é um plano de previdência, refere-se à situação em que a pessoa acumulou uma quantidade de patrimônio suficiente para sustentá-la pelo resto da vida.

      Falar que vai aposentar cedo para trabalhar com o que gosta, não é aposentadoria, é mudança de carreira.

      Conquistar patrimônio e ficar livre para escolher o trabalho que quiser, sem pensar em salário, é liberdade financeira e não aposentadoria precoce.

      Aposentadoria, sem contar aquela oficial por idade ou anos de serviço, implica em não possuir mais atividade remunerada.

      Desculpe se fui longo, mas os termos precisam ser bem definidos.

      Abçs!

      1. Will Fire

        Respeito tua opiniao, mas tenho dificuldade em aplicar a tua definicao de aposentadoria. Tenho 5 amigos (aqueles da vida toda, praticamente irmaos), os 5 estao aposentados mas estao trabalhando pq a aposentadoria nao cobre as despesas. O unico que nao é aposentado sou eu que nao preciso trabalhar mais pq tenho renda passiva suficiente para viver bem. Entao nao sei quem é aposentado ou nao, heheheh. Abs

        1. Olá Will,

          Aposentadoria é um programa de previdência, em que a pessoa paga um valor mensal durante os anos determinados e após isso passa a receber uma quantia mensal pelo resto da vida.

          Devido ao colapso do sistema, essa aposentadoria não tem sido o suficiente para manter o padrão de vida e a pessoa continua trabalhando para ter uma renda mais confortável. Entretanto, a ideia original de aposentadoria permanece sendo parar de trabalhar.

          Aposentadoria precoce implica que você conseguiu por investimentos próprios um patrimônio ou renda capazes de lhe sustentar pelo resto da vida. Devido a isso, você deixa de exercer atividade remunerada. É algo feito por vontade e planejamento próprios e não por meio de contrato com terceiro.

          Abçs!

  22. Leandro

    Cara, já pensei muito sobre o assunto. Tem alguns blogs de quem leva isso ao extremo (como não se lembrar do glorioso “pobretão de vida ruim”, um ícone da blogosfera financeira hardcore) e minha conclusão foi muito próxima da sua.
    Basta, também, conversar com algum idoso (pode ser pai, mãe, avô, avó). Pergunte o que é viajar aos 30, aos 40 e aos 50. Não é a mesma coisa. Sair de casa, se divertir. Dormir tarde, acordar cedo depois… O fator tempo é implacável com todos e jogar fora os melhores anos da vida (dos 20 aos 35) para supostamente se “aposentar” jovem e continuar uma vida espartana não é, na minha opinião, um objetivo razoável.
    Muito melhor é encontrar um propósito (não esse dos gurus de youtube, mas algo que você realmente goste) e administrar a vida com trabalho e lazer.
    Meu número mágico, vivendo no BR, seria uns 10.000 dólares/mês. Com isso a gente se livra das variações cambiais e vive bem por aqui. Qualquer cálculo em real seria muito temerário.
    Sds

    1. Olá Leandro,

      Você pegou bem a ideia.

      Aposentadoria precoce implica em muito sacrifício na época de melhor condição física.

      É possível conciliar trabalho e lazer, quando se tem algum planejamento neste sentido.

      Renda passiva de 10.000 dólares por mês é um número que eu já tive em mente. Para efeito de comparação, uma família de 4 pessoas nos EUA tem um vida boa com 100 mil dólares anuais.

      Abçs!

  23. Vida Rica

    equilíbrio.
    é isso que falta para a maioria de nós, e é isso que eu tento buscar a cada dia.
    ótimo artigo, parabéns!

  24. Acum

    Fala Raphael, deu uma polemizada aí esses comentários né? ahahha.
    Este é um assunto realmente polêmico.
    Na minha opinião, quem quer se aposentar e parar de produzir rapidamente, é um pouco egoísta com a sociedade. Sei lá, é um conceito difícil e demorado de explicar.
    Eu, particularmente, prefiro criar minha liberdade financeira para começar a trabalhar somente com as coisas que eu gosto, empreender meus projetos e etc. Me tornar improdutivo? Provavelmente nunca.
    Grande abraço e parabéns por provocar bem no post.
    Stark.

    1. Olá Stark,

      Como eu falei em outros comentários, acredito que haja uma certa confusão com os conceitos.

      Mas o pior mesmo é a mentalidade de “aposentado”.

      Abçs!

  25. Raf

    Desânimo com fire quando vejo que o que economizar deveria ser algo natural e estimulado pelo governo para não depender só do INSS. Vemos é juro real negativo, assim fica difícil, rende pouco e ipca sobe,,,aí tem que se arriscar por aí podendo ter perdas em ativos de risco

    1. Olá Raf,

      Exato. Economizar para o futuro e investir para aumento de patrimônio e renda passiva deveriam ser naturais e não elevados ao extremo para aposentar precocemente.

      Abçs!

  26. Vagabundo

    Só gostaria de engrossar o coro dos colegas André e Aposente Cedo acima, e colocar que uma pessoa como o ERE não pode ser chamada de medíocre. Cada um sabe suas necessidades e o que lhe faz feliz, e se aquela vida humilde é o que ele buscou, ele não pode ser chamado de medíocre, pois ele buscou aquilo intencionalmente. Mediocridade é ser mediano, jamais se libertar das amarras de seu contracheque e ir pra onde a corrente levar, sem intencionalidade quanto a seu destino. Também tem que ficar claro que nao buscar FIRE nao te torna medíocre, pois vc pode ser extraordinário em outras áreas. Ninguem consegue ser acima da media em tudo. Dito isso, pra mim não daria certo esse estilo de vida tão frugal, mas aí nao é problema do conceito FIRE em si. Acho que muito da confusão vem da parte RE e das pessoas confundirem trabalho com emprego. Não tenho emprego mas continuo trabalhando: todo dia tem louça pra lavar, filho pra cuidar, imposto pra pagar, etc… Recomendo demais o blog do André Viagem Lenta, pois ali ele explica bem a filosofia FIRE, estando a mais de 10 anos “aposentado”.

Deixe um comentário

Posts com maior repercussão