Take-Two Interactive Software

take two interactive

Em tempos de pandemia e #fiqueemcasa algumas empresas sofrem, mas outras prosperam

Os impactos humano e econômico da pandemia de coronavírus e das medidas de quarentena e de distanciamento social têm sido gigantescos. O prejuízo para muitas empresas que simplesmente estão fechadas é incalculável. Setores inteiros da economia estão paralisados e o desemprego já aumentou.

Por outro lado, alguns setores têm passado relativamente imunes. Para os REITs de torre de celular como Crown Castle International, as ações subiram da mesma forma que caíram no meio de março e as operações não serão afetadas. Empresas relacionadas com ferramentas online, como a Netflix, a Microsoft e a novata Zoom Communications tiveram aumento da demanda por seus serviços.

Outro setor que deve ser beneficiado com o confinamento forçado é o de jogos eletrônicos. No Brasil, não existe nenhuma empresa listada em Bolsa, mas no exterior é um dos principais (talvez o maior) da indústria de entretenimento. Gigantes como Activision-Blizzard, Electronic Arts e Nintendo vendem bilhões anualmente. No artigo de hoje falarei de uma empresa que tem uma história muito interessante, a Take-Two Interactive Software.

A história da Take-Two Interactive Software

A Take-Two Interactive Software (NASDAQ:TTWO) foi fundada em 1993 na cidade de Nova Iorque por Ryan Brant. Ele pegou 1 milhão e meio de dólares da família e de alguns investidores para criar a sua própria companhia de desenvolvimento de jogos.

Após alguns títulos de sucesso, a companhia abriu o capital em 1997 na NASDAQ. Em 1998, a empresa adquiriu a divisão de jogos da BMG Entertainment, que um ano antes havia desenvolvido um jogo que fez um relativo sucesso e que gerou muita controvéria pela questão da violência. O jogo em questão? Grand Theft Auto.

Para abraçar títulos como GTA, a Take-Two criou uma divisão chamada Rockstar Games. O desenvolvimento das continuações de GTA tornou o título um dos maiores sucessos de todos os tempos. GTA III, que marca a transição de 2D para 3D, foi o mais vendido do mundo em 2001, com 14,5 milhões de cópias. Os títulos intermediários Vice City e Sandreas também se tornaram populares. GTA IV, lançado em 2008, foi além e alcançou 25 milhões de cópias.

Mas foi com GTA V, de 2013, que a franquia atingiu um patamar inimaginável. É hoje o segundo jogo mais vendido de todos os tempos, com 120 milhões de unidades (só fica atrás de Minecraft).

GTA V é a “peça de entrenimento” que mais gerou dinheiro na história, ultrapassando a marca de 6 bilhões de dólares! GTA V já faturou o equivalente às bilheterias de Avatar (2009), Vingadores:Ultimato (2019) e Titanic (1997) somadas. Só durante a pré-venda, GTA V já havia faturado 1,8 bilhão de dólares.

Ao mesmo tempo em que desenvolvia a Rockstar, a Take-Two adquiriu os direitos dos jogos esportivos da Sega, que utilizava a marca ESPN. Para lidar com os jogos esportivos, a empresa criou a divisão 2K. Essa divisão acabou se tornando a responsável por títulos de sucesso e que praticamente acabaram com a concorrência, como NBA 2K, NHL 2K e WWE 2K.

Juntamente com essas duas divisões principais, a companhia possui outras duas. A Private Division é responsável por publicar e vender jogos de desenvolvedores independentes e a Social Point desenvolve jogos para o mercado de smartphones.

Fraude, punição e mudança de controle

Desde o início dos anos 2000, a empresa já era suspeita de manipular números de venda. As investigações da SEC (comissão que regulamenta o mercado de capitais nos Estados Unidos) concluíram em 2007 que a empresa era culpada e lhe aplicou uma multa.

Neste momento, um grupo de investidores, capitaneados por Strauss Zelnick e alguns fundos de investimento, iniciou um movimento para tomar o controle da companhia. Os executivos foram multados e retirados da empresa. Um processo de reestruturação foi posto em prática.

Aproveitando este enfraquecimento, uma das gigantes do setor, a Electronic Arts, surge em cena com o objetivo de adquirir toda a empresa. Com isso, além de ficar com Grand Theft Auto, ela consolidaria os principais títulos esportivos, já que ela detém a principal franquia de futebol americano (Madden) e ficaria também com o melhor jogo de NBA e NHL.

Mesmo com uma boa oferta à época (U$25 por ação), a oferta não foi aceita e a Take-Two, com Zelnick no comando, continuou seu voo solo.

Dinâmica da indústria de jogos

Quando você investe em empresas como McDonald’s e Apple você espera que elas aumentem progressivamente receita e lucros, seja pelo aumento do número de restaurantes ou pelo lançamentos de novos aparelhos e serviços online.

A indústria de jogos possui catalizadores diferentes. O primeiro passo que tira uma desenvolvedora de jogos da irrelevância para o olimpo é um título matador. Um jogo que caia nas graças do público e que seja capaz de iniciar uma franquia de sucesso. Da mesma forma que os filmes, quando você vê o número 2 depois do título você mais ou menos já sabe o que esperar. O comprador corre menos risco de não gostar de título conhecido do que de um desconhecido.

Grand Theft Auto já é um ícone e o outro título semelhante da empresa, Red Dead Redemption, caminha na mesma trilha.

O segundo fator que catapulta a venda de jogos é o lançamento de novos consoles. Quando um novo Playstation ou Xbox é lançado, os consumidores tendem a adquirir seus títulos preferidos para as novas plataformas. São os momentos em que essa indústria possui a maior atenção e vendas. Portanto, a indústria de jogo anda em consonância com a indústria de consoles.

Títulos de maior sucesso

Durante todos esses anos, a companhia desenvolveu ou adquiriu uma série de títulos que fazem sucesso tanto nos consoles, quanto nos computadores. Os principais são:

  • Grand Theft Auto
  • Red Dead Redemption
  • Max Payne
  • Borderlands
  • Bioshock
  • Midnight Club
  • Civilization
  • Mafia
  • NBA 2K
  • WWE 2K
  • NHL 2K

Transição para online

Um fator tecnológico que tem contribuído para o aumento das vendas de jogos é transição para jogos online.

Houve um tempo em que você comprava o jogo e ele vinha em uma série de disquetes de instalação. Depois passamos a comprá-los em CDs e DVDs embrulhados em caixas. Agora, você simplesmente compra o jogo pela internet e faz o download. Nos consoles ainda se vende muito jogo físico, mas o digital vem ganhando cada dia mais espaço.

Além disso, as companhias passaram a oferecer add-ons, que nada mais são que extras que os consumidores compram para incrementar o jogo, seja adicionando novas missões ou novos personagens. Por ser feito online mesmo nos consoles facilita as compras e gera novas receitas para os desenvolvedores. Na Take-Two Interactive, os add-ons já correspondem a 25% da receita dos jogos.

Hoje mais de 81% das vendas é feita online, ou seja, direto da empresa. Não há custos com distribuição ou lojistas. Isso tem impulsionado as vendas e as margens da companhia.

Evolução dos números

A Take-Two Interactive Software cria receita de dois segmentos principais, consoles e PCs. Consoles representam cerca de 84% das vendas e PCs 16%.

Essa foi a evolução da ação (azul), receita (verde) e lucro por ação (vermelho) da empresa nos últimos 10 anos:

O salto gigantesco de receita em 2013/2014 atende por um nome: Grand Theft Auto 5. O salto de 2018 atende por um outro nome: Red Dead Redemption 2. Já imaginou o que pode acontecer com o lançamento de GTA VI em breve?

Conclusão

Existem diversos setores da economia que estão em ascensão e que são menos susceptíveis aos problemas que estamos enfrentando hoje. A internet proporcionou uma série de alternativas e deu à indústria de jogos novas oportunidades de se desenvolver.

Mesmo sentada em franquias de sucesso, a Take-Two Interactive Software tem procurado criar novos títulos com a mesma qualidade dos que fizeram sucesso e Red Dead Redemption está aí para mostrar. Criar novos jogos e melhorar as continuações dos já existentes é o mínimo que se espera de uma empresa como ela.

O universo dos jogos eletrônicos está em franca evolução e a Take-Two Interactive Software está muito bem posicionada para continuar crescendo em um mundo cada mais conectado.

Aviso: Declaro que não sou analista de valores mobiliários. As informações discutidas no artigo possuem propósito educacional e refletem única e exclusivamente meus estudos, pesquisas e opiniões. Não devem ser consideradas como recomendação de investimento.

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no google
Google+
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn
Compartilhar no pinterest
Pinterest

Este post tem 10 comentários

  1. Avatar

    Raphael,

    Eu não imaginava que os números da série GTA eram tão impressionantes assim, a ponto de superar várias bilheterias de filmes tão relevantes. Interessante a história da Take Two /Rockstar Games.

    O mercado de games evoluiu muito, passando de diversão apenas para crianças para entretenimento para todas as idades.

    Boa semana,

    1. Raphael Monteiro

      Olá Rosana,

      É impressionante sim. As pessoas não têm muita noção do que se transformou a indústria de jogos.

      A internet e os jogos em redes alavancaram ainda mais o crescimento.

      O último GTA que joguei foi o Vice City e já era muito completo. GTA V custou 265 milhões de dólares para ser feito e elevou tudo a um outro patamar.

      Abçs e boa semana.

      1. Avatar
        João Carlos

        Muito legal seus artigos. Venho acompanhando recentemente, e fiquei interessado também nos de REIT.
        Tem mais alguma promoção rolando para se tornar assinante?
        E sua assinatura traz também recomendações de investimentos na Europa?

        Obrigado

        1. Raphael Monteiro

          Olá João,

          No momento não tenho promoção.

          Quem entrou na última e seguiu as orientações já “garantiu” muitos anos de assinatura só com o lucro.

          No momento, é mais focado nos EUA.

          Abçs!

  2. Avatar
    wesley

    Muito top seu artigo!
    eu ja joguei muito GTA,mas nunca imaginei que ele fosse tão relevante assim.Muito interassante a historia!

  3. Avatar
    Bruno Melo

    Beleza Raphael,
    Fica em casa…legal…mas quem não trabalha com jogos eletrônicos? E o vendedor de bolos e afe? O vendedor de bananas?Eu eu vi um vídeo em uma parte do país em que a prefeitura confiscou seu ganha-pão.
    Você falou de um mercado promissor que sao os jogos eletronicos…legal.
    Mas e o resto? Militantes asquerosos progressistas disfarçados de repórteres dizem nos canais da grande mídia para todos ficarem em casa mas same para a praia e tem pomposos salários, nao enmtendem de geopolitica e desprezam a vida de milhares de brasileiros que vendem o almoco para comprar o jantar.
    Idiotice da minha parte em achar que por você “falar de economia e ações” signifique que você tenha uma visão capitalista.
    Capitalismo, conservadorismo,liberalismo clássico ou objetivista…todos têm pontos em comum e o principal deles sempre foi a liberdade individual,empreendedorismo e livre mercado que são importantíssimos para desenvolvimento humano.
    Um cara que tem uma coluna voltada para economia e dizer fiquem casase faz chocante no minimo, esta mais para se admirar globalismo e metacapitalismo.

    Triste.

  4. Avatar
    Henrique Menezes

    Muito interessante seu artigo, como sempre… estou investindo em um ETF da Global X chamado HERO, que investe somente em empresas de games, fica a dica
    abraço

    1. Raphael Monteiro

      Olá Henrique,

      Obrigado por comentar. A Global X tem ETFs de segmentos bem diferentes mesmo.

      Abçs!

Deixe uma resposta

Posts com maior repercussão