Terry Smith: 6 lições de investimento

Terry Smith

No encontro anual do Fundsmith, Terry Smith brilha mais uma vez

No mundo dos investimentos, encontramos seres de todas as espécies. Desde os picaretas até os superstars. Eu já consumi tanto material sobre o assunto que tenho me tornado cada vez mais seletivo sobre o que ler e assistir.

Se no passado, eu não perdia a conferência dos acionistas da Berkshire Hathaway, hoje eu não perco é a conferência dos investidores do Fundsmith Equity Fund.

Eu falei sobre ele quando escrevi o artigo “O melhor fundo de investimento da Inglaterra” e, caso não tenha associado ao nome, Terry Smith é o fundador e gestor do fundo.

Com mais de 40 anos de mercado financeiro, ele resolveu criar o se próprio fundo em novembro de 2010. São mais de 10 anos com o fundo, que teve uma performance anualizada de 17,8% (em libras esterlinas) até a data de pulicação deste artigo contra 11,7% do MSCI World.

O que mais me chama a atenção não é o seu tamanho (são 22,6 bilhões de libras em ativos), mas sim sua filosofia de investimento, que é bastante simples e eficiente, conforme eu mencionei no referido artigo.

Recentemente, ele fez a conferência com investidores de maneira online. Por mais que tenha perdido a proximidade, foi mais uma aula de qualidade recheada com informações importantes, dicas de avaliação de empresas e o mais refinado humor britânico. Falou-se desde investimento em valor até Bitcoin.

Abaixo, as 6 lições fundamentais extraídas da 1 hora e 27 minutos em que ele fez um balanço do fundo, analisou as atuais posições e respondeu as dúvidas dos investidores.

Invista em companhias com alto retorno sobre o capital empregado

Esta métrica chamada ROCE (Return on capital employed) é calculada da seguinte forma:

Lucro Operacional/(Total de ativos – Dívida de curto prazo)

Essa métrica diz o nível de eficiência com que a empresa gera seus lucros em relação aos ativos usados para isso. Ela deve ser analisada anualmente para que você acompanhe se a empresa continua com a mesma eficiência ou não.

E por que você precisa investir em empresas que tenham alto ROCE? Porque é uma indicador de qualidade e eficiência, mostra lucratividade e competência na alocação de capital.

O cálculo do ROCE informa a quantidade de lucro que uma empresa está gerando por cada dólar de capital empregado. Obviamente, quanto mais lucro por dólar uma empresa pode gerar, melhor. Portanto, um ROCE mais alto indica uma lucratividade maior.

Acompanhar a tendência do ROCE ao longo dos anos também pode ser um importante indicador de desempenho. Melhor uma empresa com níveis de ROCE estáveis ​​e crescentes do que empresas com ROCE variável ou em queda.

Invista em empresas com alta margem bruta

O cálculo da margem bruta (gross margin) é feito da seguinte forma:

Receita – Custo de vendas

Basicamente, ela mostra o quanta receita é gerada subtraída do custo para gerá-la.

Então, se a empresa gasta 20 para produzir um produto e consegue vendê-lo por 100, temos que a margem bruta é de 80%.

Quanto maior a margem bruta, maior o poder de preço que a companhia detém. Ela não precisa reduzir preços para competir no mercado e ainda é capaz de repassar custos maiores para os clientes. Isso significa qualidade dos produtos e serviços e poder da marca.

A Apple é uma das blue chips com as maiores margens, cerca de 38% atualmente.

Terry Smith - Fundsmith
Dados relativos às empresas investidas pelo Fundsmith

Use o free cash flow yield como indicador de preço

Primeiro é preciso entender o que é Free Cash Flow, ou fluxo de caixa livre. É basicamente o dinheiro que sobra para a empresa depois das entradas e saídas de dinheiro.

O Fluxo de caixa livre é calculado da seguinte forma:

Fluxo de caixa operacional – Despesas de capital (Capex)

O fluxo de caixa operacional é um bom indicador para mostrar quanto a empresa gera com sua atividade principal. A comparação ano-a-ano também é importante para ver se essa geração de dinheiro é crescente. É uma medida até certo ponto mais fidedigna do que o lucro, que pode sofrer com outras questões contábeis.

Despesas de capital se referem à compra de materiais, equipamentos e insumos usados pela empresa.

Agora, o Free Cash Flow Yield é calculado assim:

Fluxo de Caixa Livre/Valor de mercado da empresa

Grosseiramente falando, quando o maior o valor, mais barata a ação está. É o quanto a empresa gera de dinheiro em relação ao preço que você está pagando pela ação.

Claro que esta é uma medida pontual, empresas que estão crescendo mais tendem a ser negociadas com um Free Cash Flow Yield menor.

Terry Smith - Fundsmith
Histórico do Free Cash Flow Yield

Invista em empresas que são lucrativas mesmo no pior momento da economia

A maioria dos investidores fica preocupada com situações que não podem controlar ou até mesmo com previsões que acabam não se concretizando. Seja o ambiente macroeconômico, sejam fatores políticos, sejam as taxas de juros, as variações cambiais ou as flutuações do mercado.

Como investidor, você deve escolher ações fortes o suficiente para lidar com qualquer tipo de ambiente. Se pegarmos os últimos 20 anos de Apple e Nvidia, por exemplo, e nos focarmos somentes nas ações, perceberíamos que elas se saíram extraordinariamente bem, mesmo com todas as crises, guerras e situações políticas que aconteceram no período.

O índice Preço/Lucro não quer dizer muita coisa

Acho que esse é um dos maiores erros dos investidores iniciantes, supervalorizar o índice Preço/Lucro. Acredito que por ser o indicador mais disseminado e mais estudado, esqueceu-se de que também é um indicador antigo e que teve o seu momento, mas que hoje mais atrapalha do que ajuda.

Se você comprou uma ação de qualidade e de crescimento suficientemente bons, com o tempo o Preço/Lucro pode se tornar menor que das empresas que tinham este indicador baixo a princípio, mas que falharam no crescimento.

A tabela abaixo é bastante didática

Terry Smith - Fundsmith

Em janeiro de 2015, as ações do Deutsche Bank, Exxon, GE, IBM e Shell eram negociadas a múltiplos razoáveis, entre 10 e 19. Agora, se você pegar o preço da época e dividir lucro dos últimos 12 meses verá que o P/L será altíssimo.

As ações do segundo grupo, formado por Adobe, Amazon, Facebook, Netflix e Paypal, compradas em 2015 a P/L altos, entre 71 e 554, sendo que uma das ações apresentava prejuízo. Avaliando o preço da ação da época com o lucro dos últimos 12 meses temos um P/L entre 7 e 11, menores do que as empresas anteriores tinham em 2015.

Ok, tivemos a pandemia, que atingiu mais certos setores do que outros, mas não invalida o ponto. Mesmo sem pandemia, o crescimento das empresas de baixo tem sido muito superior ao das de cima, o que justifica a valorização das ações e redução do múltiplo.

Conclusão

Terry Smith é um dos maiores gestores do mundo e consegue transmitir conhecimento de uma maneira simples e que qualquer um pode entender.

Foi um daqueles que conseguiu perceber logo após o início do fundo que as ações de tecnologia americanas estavam se saindo bem. Na época, investiu em Microsoft, Paypal e outras empresas que contribuíram para a excelente valorização do fundo.

A principal lição que fica é se você comprar ações de qualidade e que estão em crescimento, fatalmente ganhará muito dinheiro. Você só não pode atrapalhar.

Aviso: Declaro que não sou analista de valores mobiliários. As informações discutidas no artigo possuem propósito educacional e refletem única e exclusivamente meus estudos, pesquisas e opiniões. Não devem ser consideradas como recomendação de investimento.

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no google
Google+
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn
Compartilhar no pinterest
Pinterest

Este post tem 6 comentários

  1. Avatar
    Marcelo Kastrup

    Olá Raphael, onde acessamos esses dados das empresas?

  2. Avatar
    Marcelo

    Excelente Raphael. Gosto de utilizar muito o FinViz para análises. No entanto, lá observo apenas, ROI/ROIC, ROE e ROA. Joe Greenblatt gosta muito do ROIC e Buffet do ROE. De toda forma, creio que o ROIC se aproxima mais do ROCE, se não for a mesma coisa. Quanto ao Free Cash Flow Yield, confesso que não utilizava essa métrica, apenas analizava a variação do Fluxo de Caixa, seja o FCO, o FCF e o CAPEx.

    De toda forma, para mim, a DFC sempre foi e será o mais importante dos demonstrativos, evidentemente, combinados com DRE e BP. Enfim, legal essa ótica. Sempre gostei de estudar os grandes investidores e os fundos hedge.

    1. Raphael Monteiro

      Olá Marcelo,

      Que bom que já está antenado com essas métricas.

      ROCE é diferente de ROIC.

      Nem todos os dados são encontrados nos sites. Às vezes é preciso calcular.

      Abçs!

  3. Avatar

    Raphael,

    Seu artigo tem muito a ver com o que postei hoje: uma resenha de um livro sobre como Warren Buffet analisa os balanços de empresas. É uma daquelas leituras que para mim valeu muito a pena.

    Inclusive vários tópicos que abordou aqui também estão presentes nesse livro, que você provavelmente já conhece.

    Boa semana!

    1. Raphael Monteiro

      Olá Rosana,

      Sim, eu tenho esse livro.

      O problema é que há uma infinidade de indicadores e é fácil se perder. Então focar nos mais importantes ajuda a ver o que realmente importa.

      Lembrando que só olhar números pode ser perigoso. Análise qualitativa também é importante.

      Abçs!

Deixe uma resposta

Posts com maior repercussão